Um Amor, Mil Casamentos

Em 26.04.2020   Arquivado em Filmes

Um Amor, Mil Casamentos (Love, Wedding, Repeat) *****
Um Amor, Mil Casamentos Elenco: Sam Claflin, Olivia Munn,, Eleanor Tomlinson, Freida Pinto, Joel Fry, Aisling Bea, Allan Mustafa, Jack Farthing, Tim Key
Direção: Dean Craig
Gênero: Comédia, Romance
Duração: 100 min
Ano: 2020
Classificação: 16 anos
Sinopse: “Jack, um homem que ajuda sua irmã no casamento dos sonhos. Ao mesmo tempo, ele inesperadamente se reúne com Dina (Olivia Munn), a mulher por quem se apaixonou e perdeu há dois anos atrás, iniciando uma série de eventos desastrosos e hilários.” Fonte: Filmow.

Jack conheceu Dina por intermédio de sua irmã, com quem fez faculdade. Depois de dias muito agradáveis juntos em Roma, perto da hora de se despedir, ele é interrompido no momento em que pretende se declarar para a moça, jornalista de guerra prestes a embarcar para um trabalho. Dois anos se passam e eles se reencontram na Itália para o casamento da mesma irmã/amiga que os apresentou, o que parece ser a oportunidade perfeita para compensar esse tempo perdido e, enfim, tentar engatar um romance que nunca teve a oportunidade de começar. Porém, a presença de um penetra que pretende estragar a cerimônia e as atitudes travessas de crianças que brincam de trocar os lugares nas mesas podem levar tudo a perder…

Um remake do francês “Plan de Table”, de 2012, Um Amor, Mil Casamentos é uma produção Netflix lançada na Sexta Feira da Paixão como promessa de entretenimento para o feriado de Páscoa. Apostando em um dos queridinhos do momento no gênero, Sam Claflin (eternizado como o Finnick da série Jogos Vorazes), o filme é um longa metragem divididos em dois atos, ambos em torno dos mesmos eventos: o desejo dele em conquistar Dina e o plano do casal de irmãos de dopar um ex colega da noiva que pretende arruinar seu grande dia por estar apaixonado por ela. E é lógico, como mostrado no próprio trailer, que essa ideia dá errado, ocasionando nas confusões que prometem causar risadas e emoção em quem assiste, como uma boa comédia romântica deve fazer.

Um Amor, Mil Casamentos

Um Amor, Mil Casamentos: Imagem via Cinema Blend.

Ironicamente o filme não cumpre nenhum desses requisitos. Como comédia é extremamente fraco, com piadas sem graça, acontecimentos previsíveis e atuações bastante forçadas. A quebra dos atos corta completamente o clímax quando ele finalmente promete se desenrolar, e a chegada da segunda metade da história é ainda mais massante e decepcionante que a primeira. Pessoalmente eu confesso que só terminei de assisti-lo porque REALMENTE estava precisando de uma pauta para o blog e foi uma grande decepção, uma vez que divulgação da Netflix foi fortíssima a ponto de eu adicionar à Minha Lista antes mesmo do lançamento.

A emoção, normalmente vinculada à parte romântica do gênero, também não acontece. A trama tem vários casais, alguns que já estão juntos, outros que já estiveram e, claro, os que pretendem ser formados. NENHUM DELES, em nenhum momento, cativa o expectador. Não fica aquela tensão no ar, onde a gente espera pelos eventos torcendo por eles, nem mesmo os noivos ou os protagonistas da história causam isso. A verdade é que as personagens são mal apresentadas e ainda mais mal desenvolvidas, não permitindo a afeição por elas individualmente, quiçá em conjunto. Sendo bem sincera estou até surpresa em saber que sua duração é de pouco mais de uma hora e meia porque, pra mim, pareciam várias horas. A parte positiva da minha avaliação foi por causa do elenco bacana, cenário LINDÍSSIMO e os cinco minutos finais que, ainda que clichê, conseguiram ser bonitinhos. Fora isso, uma perda de tempo…

Trailer:

As Panteras (2019)

Em 01.12.2019   Arquivado em Filmes

As Panteras (Charlie’s Angels) *****
As Panteras Elenco: Elizabeth Banks, Ella Balinska, Kristen Stewart, Naomi Scott, Patrick Stewart, Noah Centineo, Chris Pang, Djimon Hounsou, Luis Gerardo Méndez, Nat Faxon, Robert Clotworthy, Sam Claflin
Direção: Elizabeth Banks
Gênero: Ação, Comédia
Duração: 119 min
Ano: 2019
Classificação: 14 anos
Sinopse: “As Panteras sempre estiveram a disposição para prover segurança e truques investigativos para clientes exclusivos e agora a Agência Townsend se expandiu a nível internacional, com as mais espertas, mais destemidas e mais treinadas mulheres do planeta. Mas quando um jovem engenheiro de sistemas vaza informações sobre uma perigosa tecnologia, cabe a um trio de Panteras (Kristen Stewart, Naomi Scott e Ella Balinska) entrar em ação, colocando suas vidas em risco para proteger a nós todos.” Fonte: Filmow.

Comentários: Esqueça os macacões colados, saias curtas, poses sensuais e flertes como método de trabalho! O novo “As Panteras” mostra um trio de espiãs mais forte do que nunca, com respeito absurdo aos filmes e série anteriores da franquia mas sob nova abordagem, com o “poder feminino” além da imagem, sem necessidade de sexualização e também em cargos de chefia. Para quem está cansado de reboots, já fica o aviso: não é disso que se trata o longa! A história soa como uma continuação dos anteriores, mostrando a nova versão globalizada agência Townsend, mas com personagens novas, de forma que funciona também de forma independente.

Nele Jane, Sabina e Elena, cada uma integrante de uma minoria política, ainda que isso não seja citado em momento algum (negra, não-hétero e asiática), são enviadas juntas em uma missão, lideradas pela Bosley Susan, o que por si só já é mudança em relação aos anteriores, onde cargos de poder eram todos ocupados por homens. As duas primeiras já trabalham como Panteras há anos, e Elena entra “de gaiato” após ser ameaçada por revelar os verdadeiras perigos de uma tecnologia inovadora que ajudou a desenvolver como engenheira. Essa união para impedir maiores catástrofes é apresentada com boas cenas de ação, pitadas de sentimentalismo e muito humor inteligente.

As Panteras

Imagem via Pop Sugar

As personagens principais têm personalidades definidas, mas sem uma apresentação escancarada ou assumindo um “título”. Não existe “a engraçada”, “a bonita” ou “a inteligente”, como acontece muitas vezes em filmes norte americanos, todas elas são mais de uma coisa, porque seres humanos nunca têm uma camada só, né? E mesmo dando para ler essas mulheres você fica curiosa pra vê-las a fundo, numa possível continuação que tem tudo pra acontecer. E o elenco… Ah, que elenco! Para quem está acostumada com Kristen Stewart apenas na Saga Crepúsculo, finalizada em 2012, vai se surpreender muito positivamente com a atuação dela como Sabina, está maravilhosa! Definitivamente é destaque no que diz respeito à atitude e carisma, mas sem ofuscar as outras, Jane de Ella Balinska é empoderadíssima e Elena de Naomi Scott adorável, se complementam como qualquer trio de amigas que vemos no nosso cotidiano por aí. E a cereja do bolo é Elizabeth Banks, que foi não só atriz como também diretora, provando que olhares femininos fazem total diferença em obras que têm mulheres como público alvo principal.

Outras presenças a serem destacadas, dessa vez no núcleo masculino da trama, é Noah Centineo (fora da Netflix!) e Sam Claflin, rostos muito conhecidos dessa vez em papéis coadjuvantes divertidos e pertinentes em dois “lados” distintos da história, causando mais risadas sem necessidade de exageros. Já como ponto negativo a cena inicial precisa ser mencionada, é demasiadamente acelerada com muitos cortes desnecessários, não faz justiça nenhuma ao resto, portanto não “julguem pela capa”, passa rapidinho e todo o resto é ótimo, principalmente o final que vem com, além de uma surpresinha delícia, a presença de várias das Panteras antigas, fan service presente e nem um pouco forçado. É pra ser sincera? Com todo respeito à série clássica dos anos 70/80 e à duologia do início da década 2000, mas esse é o melhor “Charlie’s Angels” de todos até hoje!

Trailer:

Jogos Vorazes: Em Chamas

Em 26.11.2013   Arquivado em Filmes

Em Chamas Jogos Vorazes: Em Chamas (The Hunger Games: Catching Fire) *****
Elenco: Jennifer Lawrence, Josh Hutcherson, Liam Hemsworth, Donald Sutherland, Woody Harrelson, Sam Claflin, Jena Malone, Lynn Cohen I, Jeffrey Wright, Amanda Plummer, Elizabeth Banks, Stanley Tucci, Willow Shields, Philip Seymour Hoffman, Lenny Kravitz, Alan Ritchson, Bobby Jordan, Bruno Gunn, E. Roger Mitchell, John Casino, Maria Howell, Meta Golding, Patrick St. Esprit, Stephanie Leigh Schlund
Direção: Francis Lawrence (II)
Gênero: Ação, Aventura
Duração: 146 min
Ano: 2013
Sinopse: “Este é o segundo volume da trilogia Jogos Vorazes, baseada nos romances de Suzanne Collins. A saga relata a aventura de Katniss (Jennifer Lawrence), jovem escolhida para participar aos “jogos vorazes”, espécie de reality show em que um adolescente de cada distrito de Panem, considerado como “tributo”, deve lutar com os demais até que apenas um saia vivo. Neste segundo episódio da série, após a afronta de Katniss à organização dos jogos, ela deverá enfrentar a forte represália do governo local, lutando não apenas por sua vida, mas por toda a população de Panem.” (fonte)
Comentários: Antes de qualquer coisa eu preciso dizer que “Em Chamas” é meu livro favorito da trilogia de Jogos Vorazes, então eu estava mais ansiosa com esse filme do que para qualquer outro em 2013 (incluindo a segunda parte de “O Hobbit” que vem aí!) e, sinceramente, sentia um medo indescritível de sair ruim… Eu até gosto do filme Jogos Vorazes se comparar ao livro, mas existem nele uns erros drásticos que não podiam ter sido cometidos e isso me deixava meio insegura. Maaaas dia 15 lá estávamos nós para a estreia do filme no Brasil, que aconteceu uma semana antes do resto do mundo. Cheguei empolgada e saí encantada! Apesar de alguns errinhos e faltar duas cenas importantes eu achei incrível!
O que me deixava mais insegura era o elenco, mas não precisei me preocupar com isso durante o filme porque foram todos incríveis. Eu não ia muito com a cara da Jena Malone por causa de “Orgulho e Preconceito” e paguei língua com força porque ela como Johanna estava FANTÁSTICA, roubou a cena e foi o ponto alto do filme! Gostei também de outros personagens como Finnick, Mags (choro, choro, choro, choro, choro, choro), Beetee… Sem contar os que já faziam parte do primeiro filme. O pessoal tá de parabéns. A única que me decepcionou foi a Annie em sua muito rápida aparição, espero que isso melhore quando “A esperança” chegar porque ela é minha personagem preferida.
As cenas que me fizeram falta em relação ao livro foram as garotas indo para o Distrito 13, porque sem ela não acho que deu pra entender a relevância do 13 pro final, e PRINCIPALMENTE o relógio do Plutarch e o “Começa à meia noite” dele, porque isso é importante pra Katniss entender a história do tic-tac. Fora isso só me incomodou o beijo “extra” da Katniss no insuportável do Gale e a falta do Peetaa falando que ela daria uma ótima mãe ou alguma referência qualquer ao bebê, porque dentro da arena ele nem foi mencionado. Eu só tirei meia estrelinha do filme por causa desses momentinhos que me fizeram falta mesmo, fora isso acho que os cortes foram necessários e tudo mais, senti falta como fã da série mas não acho que atrapalhou o filme. Espero que tenham essas cenas faltantes na versão estendida que vai sair em Blu-ray (e tem 3h30, é muita alegria pro meu pobre coração).
Agora o melhor momento… Difícil. Minhas cenas favoritas no livro são a dos tordos na arena quando Finnick ouve a Annie, e realmente ficou muito boa, e da hora que Finnick salva o Peeta e todos nós percebemos que a Katniss gosta é dele (menos ela, né!), e ficou linda demais também. Mas não tenho como escolhê-las porque o filme é da Johanna. Ela xingando a Capital na televisão e dando recadinho pro Snow dentro da arena, meu Deus, incrível!

Por fim, antes de terminar o post… PRECISO CONTAR sobre a gafe nível 5mil que eu e Gugui aprontamos no dia da estreia. A gafe na verdade foi minha, mas ele tava comigo então leva os créditos também… Todo mundo entrou e eu fiquei do lado de fora esperando ele porque o ingresso tava comigo. Quando ele chegou e fomos entrar na sala e eu “nos encaminhei” logo na primeira que vi o cartaz do filme. Só que não era a sala certa, já tava na metade do filme, nós fomos sentar e atrapalhamos todo mundo (e o povo reclamando com ironias tipo “nossa, chegaram cedo, hein”). Foi só depois que achamos um lugar pra sentar que eu percebi que não podia ser a sala certa porque nossos lugares nem ao menos existiam, aí saímos e fomos atrás da sala certa. Entramos e tava com a luz acesa, o povo batendo papo, nem tinha começado nada ainda… Hahaha, taí uma daquelas histórias que vão ser lembradas pra sempre e nós dois seremos zuados pra sempre por isso também, claro!