Sonhos perseguidos

Em 21.12.2017   Arquivado em Escrevendo

Sonhos perseguidos

Toda noite era a mesma coisa: quando colocava a cabeça no travesseiro, de imediato a imagem dele me vinha à mente. Mesmo com esses pensamentos, eu conseguia dormir numa boa. O tempo passou e a minha imaginação continuou insistindo no mesmo cara. Confesso que não era fácil suportar tudo aquilo.

Meses se passaram e a situação piorou, já que a insônia começou a fazer parte dos meus dias. Era mais ou menos assim: deitava na cama, fechava os olhos e lá vinha a imagem do dito cujo. Ele era alto, poucos quilos acima do “aceitável” para o seu tamanho e tinha os cabelos lisos, que sempre usava bagunçando-os para o lado. Em todas as suas aparições mentais, aquele moço usava camisetas descoladas, com a palavra “Faith”. O motivo, claro, era desconhecido.

O problema é que aquele cara não era desconhecido. Na verdade, ele era um ex-crush chamado Jonas. Esse rolo foi rápido, não chegou nem a contabilizar um mês. Para ser mais exato, 13 dias. O meu número da sorte. Por que tive azar dessa vez? Hahaha! Não chamo de azar os livramentos da vida!

Conheci Jonas na internet. Isso mesmo, nos aplicativos de relacionamentos que tanta gente abomina. Diferente da maioria, acho até legal ficar “julgando” os perfis. É como se eu estivesse com um cardápio na minha mão, escolhendo o que comer. (Ooops, isso gerou duplo sentido!)

Mas é isso mesmo! Jonas só queria sexo, dinheiro e alguém para bancar os seus vícios em bebidas e drogas. Infelizmente, só percebi isso quando levei um bendito pé na bunda. E estava apaixonado. Loucamente apaixonado por um cara que esnobava os meus sentimentos, me fazia de trouxa e, caralho, me fazia perder horas de sono.

Fiquei semanas e semanas sem dormir, olhando para o teto do quarto à espera de uma luz do próximo passo. Suicídio ou seguir com a vida? Escolhi a pior opção: mandar mensagem.

Eram 02h da madrugada quando estava enviando mensagem para Jonas, confessando o quanto eu o amava e ele era o homem da minha vida. Clichê, eu sei. Fui surpreendido com uma rápida reposta. Em um áudio de apenas 10 segundos, fui mandado à merda, além de um “lindo” pedido para eu procurar alguma coisa para fazer da vida, ao invés de ficar correndo atrás de quem não dava a mínima por mim.

Sonhos perseguidos

Rolou um choque de realidade. Foi forte. Bem forte. Chorei tanto que às vezes me faltava lágrimas. Como podia eu ser tratado daquela forma? Como? Logo eu que sempre era prestativo, disposto a mover o mundo por Jonas…

Ainda baqueado, passei três dias chorando sem parar, vendo tudo sem graça e faltando no meu emprego. Sim, a mente continuava pensando em Jonas, em sua beleza e naquela bendita camiseta escrita a frase “Faith”. Naquela época, a fé que tinha era de que iríamos voltar, ter um relacionamento incrível, mas…

A fé que precisava era de que as coisas iriam melhorar para mim e eu iria sair daquela fossa. Daquela rotina diária de ficar pensando em que não se importava com a minha vida e os meus sentimentos. E foi assim que o fiz.

Após os três dias de “luto”, me olhei no espelho decidido a dar um basta. Comecei excluindo da agenda do celular o número de Jonas, depois o bloqueei nas redes sociais e postei uma das melhores fotos que tirei na época em que o conheci. A legenda era uma daquelas motivacionais, onde dizia que não vale à pena valorar o que não tem valor.

Tô melhor, tô de boa, tô feliz. A mente de fez em quando recorda de Jonas, mas com dó. Muita pena de quem prefere destruir o coração de uma diva poderosa como eu. Nasci pra brilhar, e não para ter sonhos perseguidos por monstros.

(Parênteses aqui para agradecer à Luly por poder postar no brógui dela. Aos desconhecidos, me chamo Adriel Christian e também sou blogueiro. Não sou bom com apresentações, então, é isso!)

[Edit em 22/12/17] Adriel, seu lindo! Eu AMEI ter tido você como meu “guest blogger” nesse Blogmas 2017! Em 13 anos de Sweet Luly eu NUNCA tive coragem de emprestar meu cantinho pra alguém, de criar um nome de usuário pra outra pessoa, de quase deixar que falassem por mim. Você foi o primeiro e foi uma escolha maravilhosa! Obrigada por ter colocado tantos sentidos por aqui. E pra quem não conhece, visitem o blog dele para mais textos assim: Não Me Venha Com Desculpas.

Blogmas 2017