Disney On Ice – Mundos Fantásticos

Em 26.05.2016   Arquivado em Disney

Disney On ice - Mundos Fantásticos

Maio foi um mês de muita magia congelada rodopiante com as apresentações do Disney On Ice – Mundo Fantásticos em todo o pais. Aqui em Belo Horizonte o show veio por volta do meio do mês, eu e minha irmã ganhamos os ingressos para ir no último dia e foi absolutamente lindo! É impressionante como ver as mesmas histórias retratadas nos outros anos e continua fazendo a gente se emocionar, porque sempre rola aquela diferençazinha entre uma coreografia e outra, uma mudança de ritmo, um efeito que não existia antes e que deixa as pessoas de qualquer idade de queixo caído. Aliás, o que tenho sentido nesse tipo de show que a Disney faz é que cada vez mais eles tentam unir os clássicos às histórias modernas, deixando as crianças satisfeitas sem perder o apelo do “tradicional” para, assim, agradar a todo o público que atinge. E isso tudo sendo apresentado por seus personagens “símbolo”, que são a turma do Mickey e, claro, a Tinker Bell Sininho. Como eu gosto de absolutamente TUDO acho é ótimo!

Disney On ice - Mundos Fantásticos

Disney On ice - Mundos Fantásticos

Disney On ice - Mundos Fantásticos

Disney On ice - Mundos Fantásticos

Disney On ice - Mundos Fantásticos

O primeiro ato continha basicamente o resumão de história de algumas das princesas: Jasmine, Branca de Neve, Bela, Rapunzel e Ariel. E quando digo “resumão” é bem “mão” meeesmo, porque é basicamente uma apresentação com as músicas principais que nem sempre conta a história real. No caso de Branca de Neve, Aladdin/Jasmine e A Pequena Sereia/Ariel foi isso aí, o final feliz vinha rapidão, os vilões nem sempre tinham tempo de ser apresentados e o objetivo era fazer a galera cantar um pouquinho pra já ser brindado com um beijo de amor verdadeiro logo em seguida. Já A Bela e a Fera e Enrolados nem isso, você só vê alguns dos personagens principais (no caso da Bela sequer teve a Fera) dançando, tudo bem “pra constar” mesmo, mas ainda assim MUITO bonito. Esse foi meu terceiro show de patinação da Disney e em nenhum dos outros dois eu vi movimentos tão ousados ou efeitos tão impressionantes: tinha brilho, fogo, explosão… Na segunda parte teve até fogo no chão mesmo, uma loucura. Em compensação eu senti MUITA falta do que considero o mais bonito de TUDO dos shows que é quando a Jasmine e o Aladdin voam no tapete mágico. Nesse eles cantam “Um Mundo Ideal” patinando o tempo todo e apesar de eu ter me emocionado bastante não posso negar que rolou uma decepção, era realmente um momento impressionante que não merecia ser excluído.

No segundo ato a mesma coisa: Tiana, Aurora e Cinderela têm a chance de mostrar um pouquinho de seus contos de fadas da mesma forma rapidinha das outras. Aliás ouso dizer que essas história foram MAIS RESUMIDAS AINDA porque foi depois delas que veio o destaque da tarde, quase o “Disney on Ice propriamente dito”. Era a hora de Frozen!

Disney On ice - Mundos Fantásticos

Disney On ice - Mundos Fantásticos

É até estranho me ouvir falando isso porque fui criada com clássicos da Disney, mas foi isso que nos levou a ir à apresentação desse ano. Eu e a Daninha nos emocionamos MUITO com toda e qualquer história cuja temática principal é “amor entre irmãs”, e com Frozen não poderia ser diferente: a gente chora TODAS AS VEZES! Fomos ver no cinema juntas, depois até num teatro da história uma vez e quando vimos que teríamos Elsa e Anna dessa vez não dava pra evitar, nossa presença era quase obrigatória. E foi nesse momento “nosso” de mãozinhas dadas, cada uma cantando sua parte mais alto (porque eu sou a Elsa e ela é a Anna, gente, ÓBEVEO!), que TODO O MINEIRINHO explodiu junto com a gente. As crianças não se continham de alegria, os pais sabiam todas as letras, acho em nenhum outro dos que fui existiu um momento mais aplaudido e cantado junto do que “Let It Go” (que lá era “Livre Estou”, claro). Os efeitos de neve no gelo ficaram lindinhos demais, conseguiram colocar todos os elementos principais da história por lá e o melhor: tiraram aqueles trolls malditos que eu ODEIO e coloco a culpa de todas as merdas da história neles. Nossa, lindo, lindo, lindo, a menininha que tava do meu lado até cutucou a mãe dela perguntando se eu tava bem de tanta lágrima e soluço e sorriso e amor que rolou!

Disney On ice - Mundos Fantásticos

Disney On ice - Mundos Fantásticos

E pra fechar tem o clássico “gran finale” em que todos os casais entram pra dançar juntos e nessa hora fiquei morrendo de medo de colocarem a Anna junto com o Kristoff e a coitada da Elsa ter que dançar com o Olaf, mas NÃO, a Disney sabe fazer seu trabalho direitinho e as duas ficaram juntinhas o tempo todo rodopiando e abraçando, lindeza demais! Ai, faltam até palavras, gente, eita universo maravilhoso que consegue fazer a gente ficar com os olhos brilhando mesmo com as histórias que já sabe de cor e, claro, esperando por mais um round de magia no ano que vem!

Disney On Ice – Tesouros Disney

Em 08.07.2015   Arquivado em Disney

Disney On Ice - Tesouros Disney

No final de junho rolou no Mineirinho, em Belo Horizonte, as apresentações no Disney On Ice – Tesouros Disney. Eu já tinha ido no show das Disney On Ice – Princesas em 2008 e desde então a cada nova temporada eles insistiam em não trazer pra cá os shows no gelo, então assim que vimos que ia ter e os ingressos começaram a ser vendidos compramos os nossos.
A primeira coisa que preciso falar sobre as duas apresentações é que elas são completamente dferentes, então quem já foi em uma pode ir na outra tranquilamente sem o perigo do “já te vi” porque até os personagens que aparecem “repetidos” têm momentos diferentes. A única coisa que elas têm em comum é essência: eles não contam a história propriamente dita, é mais um resumão baseado em algumas músicas que pode deixar quem não conhece nada perdido, mas é de encher os olhos de amor e lágrimas naqueles que conhecem (e amam).

Disney On Ice - Tesouros Disney

Quem abre o show são os personagens de Toy Story com a música mega divertida que eles cantaram também no Disney Live, mas que era mais legal no teatro que tinha uma interação maior com o público, nesse mesmo que o pessoal via os personagens se apresentando de longe só quem conhecia a música (que nem eu) é que bateu palmas e gritou o “Iiiiih-há” junto com eles. O legal de Toy Story é que é uma história mais recente, então quem não conhece muito dos clássicos já começa mais animado (principalmente as crianças que só sabiam falar de “Frozen”, “Frozen” e “Frozen” e não queriam mais nada).

Disney On Ice - Tesouros Disney

Depois, como de costume, os anfitriões Mickey e Minnie entraram junto com Donald e Pateta para dar as “boas vindas”, contar um pouquinho do que estava por vir, brincar um pouco com o pessoal e… Só! Os quatro quase nunca fazem nada de mais, mas são essenciais nas apresentações, né!

Disney On Ice - Tesouros Disney

A primeira história mesmo que foi “contada” foi Alice no País das Maravilhas e eles conseguiram sabe-se lá como colocar várias da músicas do filme em alguns minutinhos de patinação, teve coelho branco, teve chá de “desaniversário” e a parte da Rainha de Copas com as cartas que era muuuuuuito legal, eles formavam quatro fileiras que se transformavam em duas que se transformavam em quatro de novo com muuuuuita correria, achei divertidíssimo!

Disney On Ice - Tesouros Disney

E aí a última apresentação do primeiro ato foi Peter Pan que foi o que mais contou a história mesmo, teve começo, meio e fim bem resumidos mas completinhos!
O Peter e a Sininho (que lá chama Tinker Bell, né) voavam bonitinhos e na hora das danças em “pares” ele ficava com a Wendy, só amor!
Na nossa apresentação a Sininho QUASE levou um tombo, mas conseguiu se recuperar rapidinho, nem deu pra notar direito. Aliás além dela e de outros dois que falarei depois não vi mais ninguém caindo, nem mesmo os personagens secundários que vez ou outra se desequilibram!

Disney On Ice - Tesouros Disney

O segundo ato começava com: LÁGRIMAS! É, eles colocaram O Rei Leão e gen-te, que coisa mais linda! Teve Ciclo da Vida, teve Hakuna Matata, teve Essa Noite o Amor Chegou (gravei vídeo, oh) e teve mais Ciclo da Vida pro Simba vencer o tio Scar malvado (que também levou um tombinho básico, mas conseguiu levantar antes de chegar ao chão).
O final dessa parte foi lindo, com vários bichos saudando o novo rei, muito bonito mesmo!!

Disney On Ice - Tesouros Disney

Aí começou uma parte focada nas princesas e para minha extrema alegria rolou minha princesa favorita… Branca de Neve se refugiou na casa dos anões (que foram os mais aplaudidos da tarde sem sombra de dúvidas), foi descoberta pela bruxa, perguntou pra platéia se deveria comer a maçã, desobedeceu a platéia, caiu dura, foi encontrada e beijada pelo príncipe e os dois viveram felizes para sempre. Nem deu pra tirar foto boa de tão emocionadinha que eu tava!

Disney On Ice - Tesouros Disney

E claro que teve Aladdin, né! Foi até parecido com a apresentação que fui em 2008, mas não idêntico e teve TAPETE MÁGICO VOADOR, MINHA GENTE! Sério, é sempre o momento mais bonito quando eles fazem aquele tapete voar, lágrimas até dizer que chega, viu!
E foi aí que rolou tombão. Assim que desceu do tapete a Jasmine caiu FEIO, de fazer barulhinho, voar pedaço de gelo e ela nem conseguiu levantar a mão por precaução de tão forte que foi, o Aladdin teve que meio que puxá-la com força pra conseguir colocar as coisas no lugar (e na hora da saída deu pra ver que ele “ajudou” ela a andar, tadinha). Mas isso não atrapalhou em nada, fizeram o mesmo show incrível de qualquer jeito, só aumentou o número de aplausos porque foi merecido!

Disney On Ice - Tesouros Disney

Depois teve A Pequena Sereia só na música “Aqui no Mar” e uma aparição rápida de Rapunzel e Tiana só pra constar mesmo e o show acabou com todas as princesas e príncipes dançando juntos debaixo das luminárias de Enrolados e foi um final muito bonito, o palco ficou todo cheio, as roupas eram de várias cores, lindo mesmo!

Disney On Ice - Tesouros Disney
Melhor parte: Branca de Neve, Ariel e Jasmine na frente, que são as princesas favoritas minha, da Daninha e da Lili respectivamente, que fomos assistir juntas!

Na saída nós recebemos uma propaganda do próximo Disney Live e tô pen$ando ainda se vou, se for conto tudo pra vocês! E me desculpem por usar a versão das fotos do Flickr (vou colocar outras além dessas lá, inclusive), mas é que realmente queria postar e não tive tempo de editá-las apropriadamente. Fica pro próxima!
(Mesmo porque ficaram todas muito ruins porque eu batia sem nem olhar como tava saindo, não parei de prestar atenção na pista de patinação um segundo!)

Rapidinhas de Março

Em 07.04.2013   Arquivado em Cotidiano

Acho que é a primeira vez em 2013 que venho contar sobre um mês aqui!! Que bom, tava com saudades.
Enfim, eu não faço IDEIA do que aconteceu com a sidebar aqui do blog, mas seja lá o que for aconteceu na hora certa: fiz mega mudanças no layout (pra não dizer que fiz um layout novo, já que ficou bem parecido) e acho que até mês que vem vou trocar isso, então não vai ficar feio assim por muito tempo. Até lá vamos aos fatos!!
ATENÇÃO: SE VOCÊ NÃO LEU O FINAL DA TRILOGIA DE “JOGOS VORAZES” AINDA PULE ESSA PRIMEIRA FOTO E VÁ DIRETO PRA PRÓXIMA!! EU AVISEI…

Rapidinhas de Março

E março para mim começou já com um final… Depois de ler “Jogos Vorazes” – que eu já tinha visto o filme – e “Em Chamas” no fim de fevereiro, assim que o mês começou eu devorei “A Esperança” logo de início. Eu não sei se vou chegar a escrever sobre os livros, mas apaixonei pela saga, gente!! Primeiro porque eu amo livros que você não consegue parar de ler e todos os três são assim: viciantes. E segundo porque acabei gostando da história mesmo, da inteligência como ela te leva a ver as coisas.
Mas aí… Terminei, ok. Depois de ter chorado em diversas mortes de todos os gêneros durante a saga eis que chega o final. O final feliz mais infeliz da história. Não que seja ruim em si (amor eterno ao Peeta… Aiai!!) mas porque você lê aquilo e perde totalmente sua fé no mundo!! Quando eu terminei o livro coloquei de lado e pensei “Puxa, imagina se o ser humano realmente fosse assim”. E aí desatei a chorar porque não era uma “se”: o ser humano já é exatamente daquele jeito e, sei lá, perdi qualquer tipo de fé que eu tinha na humanidade.
Mas gostei muuuito, recomendo, quero os livros pra mim e novembro não chega nunca pra eu ver a arena mais legal do mundo no cinema (aliás achei o 2º o melhor dos livros)…

Rapidinhas de Março

Aí que foi um grupo de Patrocínio lá no APM pra fazer um treinamento de preservação, conservação e armazenamento para que fosse aplicado lá no Museu/Arquivo que eles têm lá. Foram duas manhãs ensinando a fazer pequenos reparos nos livros, pensando em possíveis formas de manter bem armazenado o acervo deles (as moças me disseram que lá tem várias moedas e discos de vinil, isso rendeu muitas ideias) e, no final do segundo dia, uma surpresa: ganhamos café!! Na verdade eu nem tomo café, mas achei a coisa mais fofa elas terem levado pr’a gente, e meu pai disse que é uma delícia!!

Rapidinhas de Março

E dia 9 de março, ô dia que valeu a pena!! Foi o dia mais feliz da vida com Show do Elton John aqui em Belo Horizonte. Aiaiai, todas as vezes eu olhar pras fotos desse dia vou chorar de alegria só de lembrar, queria poder ter um por ano!!
Só tô triste agora porque não consegui ingresso pro Paul… É, né, fazer o que?

Rapidinhas de Março

Dia 21 também foi importante: EU FORMEI!! Foi o dia da minha colação de grau lindinha. Num teve beca, nem auditório lindinho, nem discurso grande. Foi na EBA mesmo, junto com os outros cursos de lá (Artes Visuais, Teatro e Moda), em plena quinta feira às 11h da manhã, mas foi ótimo mesmo assim, foram alguns familiares meus e tals. Aí Marina ainda levou o capelo da irmã dela e o canudo de quando ela formou em Turismo, então eu pude tirar fotos bonitinha com carinha de formada. E agora eu sou oficialmente bacharel em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis!!

Rapidinhas de Março

No feriado de Páscoa a Pati veio aqui pra casa (e a gente se viu 2 meses no mesmo mês, ó que lindo!!). Seria a mesma diversão de sempre se não tivesse uma surpresa que deixou tudo melhor: nós demos uma Pullip pra ela de aniversário!! Na verdade a doll era usada, mas em perfeito estado de conservação, e como é ruivinha eu coloquei eyechips azuis nela e combinou perfeitamente com o nome que a Pati escolheu (que nós já sabíamos que escolheria): Anya, por causa do filme favorita dela que é Anastasia. Foi uma mega surpresa, nós fizemos o cartão e até uma caixa pra ela ter um “Box Moment”. Ela ficou apaixonada, foi melhor do que uma doll nova pra mim mesma. Tem fotos dela aqui!!
Fora isso nós vimos filmes, tiramos fotos, brincamos de Guerra de Travesseiros, comemos muito… O de sempre!!

Rapidinhas de Março

E por fim o mês acabou com PÁSCOA!! Ai, e como tem chocolate aqui em casa, vocês não têm noção. Mas o dia foi bom em outros sentidos também, tirando a baita dor de estômago que eu arrumei (não relacionada ao chocolate, por incrível que pareça) e que ficou me infernizando por uns dias… Mas, né, Páscoa é sempre bom!!

Elton John – 40th Anniversary of the Rocket Man em Belo Horizonte

Em 29.03.2013   Arquivado em Música, Vídeos

Quando eu fui ao show do Elton John na Praça da Aponteose, dia 19 de janeiro 2009, voltei dizendo que foi o melhor show da minha vida, que nunca haveria nenhum melhor, que estava pra chegar um dia mais especial que aquele pra mim.
Em 9 de março de 2013, quatro anos depois, paguei a língua. Foi o dia em que assisti a ele de novo, mas na MINHA Belo Horizonte!! E agora sim eu posso dizer “I never knew me a better time and I guess I never will”!!


Dêem um joinha, crianças!!

No vídeo aí em cima tem uma pequena mostra de como foi esse dia incrível, mas agora eu vou contar tintim por tintim.
Nós chegamos ao Mineirão (depois de rodar toda a Pampulha porque minha mãe não sabe andar lá depois das reformas) por volta das 14h30 e fomos direto pra onde o ingresso nos mandava ir. Chegamos lá e não tinha ninguém então, ótimo, formamos a fila, né? Mas eu tava achando tudo estranho, tinha um povo que não parecia que tava indo pro show, ninguém sabia informar nada. Aí fomos confundidas com o povo do “Posso Ajudar?” e foi quando finalmente consegui ser informada que estávamos na entrada de carros, que a gente podia ficar lá mas que seria melhor se a gente fosse para um portão que seria exclusivo para as Cadeiras Premium, então lá fomos nós e chegando lá… NÃO TINHA NEM UMA ALMA VIVA NO LUGAR. Sério. Nenhuma mesmo. A gente não sabia se ia atrás de mais informações, se formava fila… No final decidimos esperar a Pati chegar (fui com ela e a Dani na Cadeira Premium C, minha mãe e o Renato foram na Arquibancada) e acabamos sentando na grama debaixo da sombra, porque tava um Sol de lascar. Quando deu 17h30, mais ou menos, o povo começou a formar uma fila e aí fomos atrás. Foi meio burrice nossa porque poderíamos ter sido as primeiras, mas não pegar uma insolação foi melhor!!
– Já na fila fizemos uma amizades, tomamos Coca Cola e às 18h EM PONTO o primeiro portão abriu, para entrar para a esplanada, já que o estádio mesmo só deveria abrir às 19h, o que não aconteceu. Demorou 30 minutos depois do horário pra liberar pr’a gente entrar, teve uma confusãozinha por causa da fila prioritária, mas rapidinho estávamos correndo que nem LOUCAS pra conseguir um lugar legal, e ficamos na segunda fileira de cadeiras, do lado esquerdo que era o que a gente queria (porque é onde o piano fica), lugar super ótimo!!

40th Anniversary of the Rocket Man
Nós três na fila de fora.

40th Anniversary of the Rocket Man
A maior tietagem que já fiz na vida mereceu registro!!

40th Anniversary of the Rocket Man
Nossas pulseirinhas, já lá dentro.

E foi só depois de sentar que eu senti o choque… Eu nunca fui ao Mineirão porque não gosto de futebol (muito menos de Axé Brasil, ehr), mas olhando ao meu redor eu já estava certa de que ele não era daquele jeito antes da reforma, e depois me confirmaram porque ele tá lindo demais, fora das proporções. Meu padrinho (que eu encontrei lá dentro) me disse que parece outro estádio, gente, tudo organizadinho, as arquibancadas bonitinhas, os banheiros absolutamente limpos, a parte interna impecável com poltronas e tudo mais. E isso tudo somado ao fato de que estávamos nas cadeiras Premium, logo em cima do campo, então na nossa frente, onde tava o povo de cadeira marcada, tinha muito gente vestida como se tivesse indo pr’uma festa, salto alto e tudo mais. Fora que ainda rolou distribuição de Cappuccino Três Corações, nossa, foram 2 horas de puro glamour, hahahaha.
– Faltando 10 minutos as luzes apagaram e eu senti meu coração acelerar. Ás 22h em ponto, britanicamente no horário, o palco se iluminou e ele entrou. Ai, gente, e eu fiquei sem conseguir mexer nenhum músculo voluntário do meu corpo, mas de repente eu tava pulando e gritando tão loucamente que a moça da minha frente olhou e disse “Uau, você é fã MESMO, hein?”. Eu estava alucinada, não tem outra palavra pra descrever. Ele abriu com “The Bitch is Back” e quando acabou e começou a segunda música eu caí na real e no choro junto. Nossa, foi uma sensação mil vezes melhor do que no Rio, parecia que era a primeira vez que eu o via ao vivo, mas eu sabia ao mesmo tempo que estava tendo a segunda oportunidade incrível de ter ele no mesmo lugar que eu. Não sei explicar, só sei que a moça da minha frente me entregou o binóculo dela e aí que eu chorei mesmo, nem conseguia vez. E aí o show foi indo, a gente sentava nas músicas mais calmas, levantava nas mais animadas. E foi quando aconteceu.
– Assim que eu ouvi ele tocar o “pã-pã-pã-pã” inicial de “Goodbye Yellow Brick Road” eu saí do lugarzinho da minha cadeira e fui pra grade na frente, porque eu precisava ver aquilo o mais perto possível que minha pulseira me permitia. Só que foi só chegar lá (e tirar uma foto) que eu precisei voltar. Eu estava aos prantos. Eu tenho certeza que, até hoje, aquela música ali foi o melhor momento da minha vida. E quando voltei a Dani me abraçou e eu num tava nem aí de não conseguir assistir nada, eu só queria ouvir aquilo e continuar chorando loucamente do jeito que eu tava. O pessoal ao nosso redor achou a coisa mais fofa da vida meu desespero emocionado, hahahaha. E aí foi só a música acabar pra eu sentar e já ter que levantar chorando de novo, porque em seguida foi “Rocket Man”. Sério, duas músicas-ícone d’uma vez é sacanagem.
– Tiveram vários momentos lindos. Todo mundo em pé cantando “The One”, quietinhos e sem errar… “Skyline Pidgeon” que a moça que ficou nossa amiga na fila apareceu no telão chorando (e o botton que dei pra ela apareceu junto)… “Tiny Dancer” que é uma das minhas favoritas e que foi dedicada a todas as mulheres, em especial uma lá na frente que tava fazendo aniversário. Tudo lindo! Quando eu vi que tava chegando no final eu falei pras meninas pra irmos pra grade quando acabasse “Crocodile Rock”, que eu sabia que era no final, mas durante a música o povo foi levantando e indo devagarzinho, então nós três demos as mãos, passamos na frente de todo mundo e ficamos grudadinhas na grade até o final. E aí quando ele saiu e voltou pro Bis desejou a todos “happiness” e “love” e fechou o show com “Your Song”. Ai. Só de lembrar eu arrepio, hahaha, incrível.

40th Anniversary of the Rocket Man
Tiny Dancer

40th Anniversary of the Rocket Man
Philadeiphia Freedom

40th Anniversary of the Rocket Man
Philadelphia Freedom

40th Anniversary of the Rocket Man
Goodbye Yellow Brick Road

40th Anniversary of the Rocket Man
Rocket Man

40th Anniversary of the Rocket Man
Crocodile Rock

40th Anniversary of the Rocket Man
Biz… E fim!!

– Saímos de lá e fomos pro estacionamento, e eu praticamente arrastada, porque não queria ir embora nunca mais. Foram 2 horas e meia de show, sem atrasos ou interrupções, e um SHOWZÃO, do nível que só alguém como Elton John consegue fazer. A gente riu, a gente chorou, a gente dançou, a gente lembrou de pessoas durante a música, a gente se abraçou. E eu fiz isso tudo em escala máxima!
Demoramos uma hora pra conseguir sair do estacionamento e, quando chegamos em casa, fomos direto dormir… Eu tava tão rouca que não tinha nem como conversar. Tivemos que esperar o dia seguinte pra compartilhar fotos (a câmera da Pati é incrível, as dela ficaram ótimas) e, aí sim, lembrar de como foi o melhor show de todos os tempos. E só vai ter outro melhor se eu puder vê-lo de novo (dessa vez em algum lugar bem absurdo… Tipo Londres!!).

Scorpions – Final Sting Tour em Belo Horizonte

Em 14.09.2012   Arquivado em Música

Aí, aí, aí, e aqui vou eu para contar uma verdadeira SAGA ao invés de narrar simplesmente um show. Preparem-se…
Seguinte. Eu sou surtada com planejamento e organização das coisas, então quando comprei as entradas pra esse show mais de um mês antes eu me preparei pra tudo. Tudo-tudo-tudo. Planejei horários, roupa, até mesmo o que eu iria almoçar. Claro que tudo poderia dar errado, mas aí não seria minha culpa. Mas o destino parecia estar em meu favor e no dia do show TUDO DEU CERTO. Saí do trabalho, cheguei em casa e fiquei pronta rapidinho e quando eu e Daninha chegamos ao Pátio Savassi para almoçar a Pati tava chegando também. Comemos tranquilamente e fomos pra fila que nem tava tão grande. E aí passamos a tarde lá, sentadas na fila, rindo, brincando… A Pati trouxe presentes de Orlando, eu entreguei uns presentes que tinha pra ela, comemos e bebemos Coca Cola. Quando tava quase na hora de abrir os portões, que seria 19:30, nós levantamos e tals. E aí o tempo passou. E passou. E passou. E nada de a gente entrar. E teve pequenas confusões porque tinham formado uma outra fila clandestina (eu sou mestra pra atrair esse tipo de coisa, né), a gente não entrava e o povo foi ficando nervoso e quando chegaram duas vãs da Polícia SUPER CHEIAS eu falei pras meninas pra gente não sair do lugar, porque se tivesse qualquer bagunça nós estaríamos quietinhas e juntas.
Só que eu não imaginava que a bagunça que viria seria muito pior.

Scorpions BH

O show começaria às 21h. E foi nesse horário, depois de todo mundo preocupado porque nem entrado a gente tinha ainda, que anunciaram que NÃO TERIA SHOW. Simples assim. Os instrumentos não tinham chegado, nada estava pronto e com certeza a banda tava no hotel fooora do calor. E aí a gente entendeu o motivo de tanta polícia, eu nunca vi uma “manifestação de raiva” tão pacífica na minha vida. Passaram pro dia seguinte e o pessoal simplesmente foi embora, sem reclamar alto nem nada, só lamentando. Mas não a gente… Porque na hora que isso foi anunciado a primeira coisa que pensei foi “eu não venho amanhã” só de ver a cara da Pati CHORANDO HORRORES porque ela teria que voltar pra Timóteo naquela noite. Ai, gente, de partir o coração. E eu sem nem coragem de oferecer pra ela ficar lá em casa porque a mãe dela deixou claro que ela não podia mais matar aula. Depois que elas foram embora eu e a Daninha choramos até também, sem saber o que fazer. Só na manhã seguinte, a nova data do show, nós fomos conversar sério e decidimos que iríamos. E aí TUDO DEU ERRADO NAQUELE DIA. Sério. Atrasamos, não conseguimos almoçar direito, ficamos bem mais atrás na fila. Mas aquilo era um bom sinal, significava que no fim tudo daria certo…
Só que sem a Pati. E quanta gente deve ter voltado pra casa também sem poder aproveitar. Vão ter o dinheiro de volta, sim, mas não é a mesma coisa. Eu e a Dani então resolvemos fazer a Pati aproveitar o máximo mesmo não estando lá. Imprimimos uma foto dela, colocamos um lacinho pra deixa-la boonita e pedi pra ela me falar as músicas que mais queria ouvir pra eu poder ligar na hora.

Scorpions BH

A fila andou antes mesmo do horário marcado. E nós fizemos amizades e fomos entrando. E aí que parecia ter muita gente já, então eu e a Dani procuramos umas das “laterais do centro” pra ficar o mais perto possível. Dois moços meega simpáticos deixaram a gente ficar na frente deles e quando eu fui perceber o palco era maior que parecia e a gente tava QUASE NA BEIRADA, realmente tinha só uma fileira de pessoas na nossa frente. Muito perto, pertíssimo!!
Ficamos esperando naquele calor do cão infernal fazendo mais “amizades”. E aí às 21h32 do dia 11 de setembro, 24 horas e 32 minutos depois do marcado, Klaus Meine, Rudolf Schenker, Matthias Jabs, Pawel Maciwoda e James Kottak entraram no palco levando todo mundo à HISTERIA!!!!!! Ai, gente, eu nem sei bem como expressar como foi, tentei fazer uma breve seleção de fotos mas não consegui ser breve, então vou deixar que elas falem por mim e entre elas teremos 11 fatos rápidos sobre o show:

Scorpions BH

01) O show não foi muito longo, teve menos de duas horas de duração (terminou 23h13). Mas é um showzão da mais alta qualidade.

Scorpions BH

02) Eles pediram desculpas @_@ e aparentemente o problema foi que os instrumentos que foram barrados na Receita na vinda do México pra cá. Demoraram pra caramba, já que desde sábado a banda já tava aqui. Ainda assim, não custava nada ter avisado antes, né, produção??

Scorpions BH

03) Surgiram vários boatos de que o Klaus tinha ido pro hospital, de que quem fez o show foi outra pessoa, de que não teve por isso e por aquilo. Mas eu vi ele de pertinho e posso dizer que é ele mesmo, primeiro e único, de boina e tudo com cada ruguinha no lugar que eu vi tão próximo de mim.

Scorpions BH

04) Eu nunca tinham ido em show de rockão assim, apesar de gostar bastante. Gente… Eu não posso pular nesses shows por causa do meu pé, mas me esqueço e só vou sentir que não devia na hora que começo. Mas é que não PRECISA pular. Eu começava e aí quando a dor vinha parava e o povo continuava… O CHÃO PULA SOZINHO, hahaha, é só seguir o movimento do povo com o corpo, nem precisei forçar meus pobres dedos. Lógico que rolam uns esteriótipos, mas o povo no geral é um amor, todo mundo que eu conversei tanto na fila quanto dentro do Chevrolet Hall era bem gente boa… Tenho que caçar pelo Facebook umas fotos que tirei com o povo (e a Pati-foto saía em todas).

Scorpions BH

05) Ok, pequena reclamação extra… Se você quiser fumar maconha e acabar com sua vida, fiquei a vontade. Mas dentro da sua casa. FUMAR MACONHA EM SHOW é a pior coisa. O cheiro tava insuportável e uma hora um dos infelizes deu uma baforada direto no meu cabelo. Ódio.

Scorpions BH

06) Tava MUITO QUENTE e MUITO cheio – menos do que deveria, mas ainda assim. Mas dessa vez eu fui de short e bebi muita Coca Cola e comi antes, então não passei mal de novo, hehe. Era um alívio quando todo mundo levanta os braços pra fazer chifrinhos, o ar circulava bem mais.

Scorpions BH

07) O lugar onde eu tava rendeu muitas fotos maaaaravilhosas por diversos motivos. Com o zoom eu consegui boas imagens do fundo do palco e closes incríveis de quando eles vinham pra beirada. Sem o zoom dava pra pegar o palco todo bem bonito no fundo e uma imagens ótimos deles tocando quando tavam pertinho. Essa do povo com as mãos pra cima e os quatro dos instrumentos de corda bem na pontinha foi minha favorita.

Scorpions BH

08) O melhor momento da noite foi “Send me an Angel” com certeza… Eu até filmei (e tá no Facebook) pra Pati. Lindo. Foi quando eu chorei e chorei e chorei e gritei e gritei e gritei. Ô música bonita.

Scorpions BH

09) Como uma boa “maria-baqueta” posso dizer que os melhores solos COM CERTEZA eram os da bateria!! De surtar. Eu não sou nada patriota, muito pelo contrário, mas quando ele beijou a bandeira do Brasil e cobriu a bateria com ela eu chorei até de emoção!!

Scorpions BH

10) Eles jogaram várias palhetas na plateia e eu nunca fui tão atropelada como nesses momentos. Nem tinha condição de eu conseguir pegar alguma com esse tamaninho, as pessoas metiam a mão na frente mesmo. Mas queria =(

Scorpions BH

11) As duas músicas que a Pati mais queria ouvir eram “I’m Still Loving You” e “Wind of Change”, que foram as duas primeiras do Bis (a outra foi “Rock You Like a Hurricane”). Eu liguei pra ela nas duas primeiras e cantei “WE’RE LOVING YOOOOOOOOOOOU” junto com a Dani no telefone – ela chorou demais em casa!! (aliás, olha ele assoviando na foto aí em baixo, ao vivo, ai!!)

Scorpions BH

Apesar de tudo: SHOWZÃO!! Valeu a pena dois dias de maratona, a grande decepção pela perda de companhia e toda a dor nos pés. E quem não conhece Scorpions (mas deveria) eu já falei sobre eles na Tag Listening To!!

Página 1 de 3123