Kubo e as Cordas Mágicas

Em 24.02.2017   Arquivado em Filmes

Kubo, via Filmow

Kubo e as Cordas Mágicas (Kubo and the Two Strings) *****
Elenco: Art Parkinson, Charlize Theron, Matthew McConaughey, Ralph Fiennes, Rooney Mara, Alpha Takahashi, Brenda Vaccaro, Cary-Hiroyuki Tagawa, George Takei
Direção: Travis Knight
Gênero: Animação, Aventura
Duração: 101 min
Ano: 2016
Classificação: Livre
Sinopse: “Kubo vive uma normal e tranquila vida em uma pequena vila no Japão com sua mãe. Até que um espírito vingativo do passado muda completamente sua vida, ao fazer com que todos os tipos de deuses e monstros o persigam. Agora, para sobreviver, Kubo terá de encontrar uma armadura mágica que foi usada pelo seu falecido pai, um lendário guerreiro samurai.” (fonte – sinopse e pôster)

Comentários: Quem assistiu outros filmes produzidos pelos estúdios Laika já está acostumado com o estilo: animações 3D em stop-motion imersas em um mundo de fantasia com um toque meio sombrio. Kubo e as Cordas Mágicas, indicado ao Oscar desse ano nas categorias Melhor Animação e Melhores Efetios Visuais, não poderia ter sido diferente: foi o quarto longa metragem deles e segue essa linha de misturar (bem) humor e aventura dentro de um ambiente soturno imerso lindamente na cultura japonesa.

Ainda quando bebê Kubo tem um de seus olhos arrancados pelo avô, o Rei da Lua, numa batalha onde seu pai, o guerreiro Hanzo, acaba falecendo. Sua mãe, Sariatu, para impedir que o filho perca o segundo olho, passa a morar com ele em uma caverna, onde vive oscilando entre a lucidez e o transe psicológico. O garoto, por sua vez, frequenta a vila que fica ali perto e conta histórias de forma mágica: ao tocar seu shamisen, um instrumento japonês de três cordas, os papéis que leva em sua bolsa vão formando origamis vivos que retratam as batalhas vividas por Hanzo. Durante um festival local onde os moradores se comunicam com o entes perdidos, porém, ele se atrasa ao tentar conversar com o pai, não volta ao pôr do sol como recomendado, e quase é capturado por suas duas tias do mal que querem cegá-lo de vez. Sua mãe então sacrifica sua última magia para que ele possa seguir numa busca da armadura, elmo e espada do pai para, assim, se proteger do avô. Nessa jornada ele conta com a ajuda da Macaca, um talismã que ganha vida durante o sacrifício de Sariatu, do Besouro, um guerreiro que eles encontram acidentalmente e que é um humanoide meio inseto, e do origami animado de Hanzo que o filho usa em suas apresentações.

A animação é visualmente maravilhosa, não tem outra palavra para definir! Existe uma cena durante a jornada do trio em que o garoto cria com sua música um barco usando folhas de árvores e é de tirar o fôlego, eu particularmente não consigo imagina COMO alguém conseguiu produzir algo grandioso assim em stop-motion, sério. O cenário, personagens e efeitos são todos muito bonitos, é engraçado porque não ouvi falar tanto sobre esse filme, mesmo se tratando da obra de um estúdio que tem feitos muito aplaudidos, como é o caso de Coraline. A busca de Kubo pelos artefatos do pai contando com o que foi deixado pela mãe é super tocante, um drama familiar carregado de descobertas e auto conhecimento, e a tensão é sempre quebrada na hora certa com uma dose de humor trazido geralmente pelos seus companheiros de viagem, que são geniais! A Macaca é, de longe, a figura mais forte, carismática e bem trabalhada do filme, foi minha personagem favorita. A presença da cultura japonesa é outro forte, conseguiram fazer um tributo sem precisar forçar a barra ou soar ofensivo. Já o ponto fraco para mim foi o clímax, apesar de gostar bastante do conflito final e de como ele tem seu ápice, achei que algumas coisas ficaram meio “soltas”, não sei se fui eu que não consegui captar e não prejudica em nada realmente, mas senti que não ficou tão claro quem era REALMENTE aquele vilão tão falado desde o início, as tias macabras cobertas por máscaras davam muito mais medo quado apareciam… Por outro lado adorei como a magia é mostarda de forma natural, não precisa de uma introdução ou explicação de como aquela família tem os poderes que tem, eles simplesmente estão ali para ser usados e bem aceitos por todos, é diferente do que estou acostumada a ver, geralmente os heróis precisam esconder esse tipo de coisa ou lutar para que os outros aceitem, mas nesse caso são outros aspectos muito maiores que são trabalhados sem precisar “perder tempo” com isso. E, desculpem falar mas também não tem como evitar, que LIÇÃO é o final, viu… Que lição!!!

A trilha sonora também é super gostosa, toda instrumental nesse clima nipônico do shamisen, e pra fechar com chave de ouro os créditos finais ainda contam com uma versão LINDA de “While My Guitar Gently Weeps” (do George Harrison), que eu particularmente já adoro, cantada pela Regina Spektor. Vale a pena procurar porque é daquelas que dá vontade de ouvir e ouvir várias vezes sem parar, ficou absolutamente perfeito! Dá pra conferir um pouquinho (e mais informações no geral) no site oficial do filme.

Trailer:

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2

Em 27.07.2011   Arquivado em Filmes, Harry Potter

Chega de adiar o inadiável… Vou finalmente escrever sobre o filme do ano, da década, e escrever MUITO!! Tentarei não colocar cena por cena, juro!!

Harry Potter and the Deathly Hallows - Part 2 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 2 (Harry Potter and the Deathly Hallows – Part 2) *****
Elenco: Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Ralph Fiennes, Adrian Rawlins, Alan Rickman, Bonnie Wright, Chris Rankin, Ciarán Hinds, Clémence Poésy, Dave Legeno, David Bradley, David Thewlis, Devon Murray, Domhnall Gleeson, Emma Thompson, Evanna Lynch, Gary Oldman, Geraldine Somerville, Guy (I) Henry, Helen McCrory, Helena Bonham Carter, James Phelps, Jason Isaacs, Jessie Cave, Jim Broadbent, John Hurt, Johnpaul Castrianni, Josh Herdman, Julie Walters, Katie Leung, Kelly Macdonald, Louis Cordice, Maggie Smith, Mark Williams, Matthew Lewis, Michael Gambon, Natalia Tena, Nick Moran, Oliver Phelps, Robbie Coltrane, Rod Hunt, Scarlett Byrne, Suzanne Toase, Tom Felton, Warwick Davis
Direção: David Yates
Gênero: Aventura, Fantasia
Duração: 120 minutos
Ano: 2011
Sinopse: “Na segunda parte do final épico da série, a batalha entre o bem e o mal no mundo da magia se torna uma guerra entre centenas de bruxos. Os riscos nunca estiveram tão altos e nenhum lugar é seguro o suficiente. Assim, Harry Potter precisa se apresentar para fazer o seu último sacrifício, enquanto o confronto final com Lorde Voldemort se aproxima. Tudo acaba aqui.” (fonte)
Comentários: Como não dar 5 estrelas?? Porque no aspecto cinematográfico é perfeito: os atores são ótimos (até Daniel e Emma estão trabalhando direitinho, finalmente, desde a Parte 1), o sotaque é lindo, os efeitos impecáveis, os cenários bem feitos e a trilha sonora de encher os olhos. Mas não podemos esquecer que é uma adaptação, e cuja “matriz” tem fã muito fiéis e exigentes, mas eles conseguiram satisfazer esses fãs. Na verdade não por sua fidelidade, porque as cenas foram praticamente todas modificadas (e nem foi por falta de tempo e recurso, foi “aleatório” mesmo), mas ainda assim tem TUDO o que tem no livro. David Yates, obrigada, você compensou todos os seus erros do passado aí, nesse grande final que dirigiu.
Apesar de que, assim, ele realmente não sabe “capturar” o Voldemort e transformou o vilão numa atração comediante do filme. É hilário, claro, pra quebrar o clima tenso e triste daquelas duas horas, mas, né… Voldemort não deveria abraçar o Draco e nem dar uma risadinha tipo “êhehe” – que já ganhou Remix e virou bordão. Mas mostra o quão “doidão” ele tava pela falta das almas, a gente perdoa.
E ouvir o “êhehe” denovo sempre vale a pena!!
As cenas antes de Hogwarts ficaram ótimas, o Chalé das Conchas é lindinho e Helena Bonham Carter como Hermione merece o Oscar. O cofre fcou exatamente como eu sempre imaginei e depois, quando o Voldemort mata todo mundo foi uma cena SINISTRA, super sanguinária e tensa, coisa de doido!!
Senti falta de mostrar o Percy voltando (eu gosto do Percy, gente), pra mostrar que ele merece ser perdoado… Mas o Percy tava lá!! Gostei bastante da briga do Harry com o Snape e ele fugindo (e eu e mais meio dúzia de gatos pingado gritando “COVARDE” no cinema). Gostei da Luna, sempre a Luna, incrível em todos os momentos em que aparece, mas mais incrível ainda chamando atenção do Harry. Não gostei do romance sub-entendido entre Neville e Luna (não faz sentido, não existe no livro e ambos são muito bem casados, obrigada!!). Gostei da citação do Lupin querido. Gostei muuuuito da fuga dos Malfoy. Gostei do Harry explicando pros amigos o motivo pelo qual a varinha só obedecia a ele. Gostei do beijo inexistente do Harry e da Gina, já que no filme não mostra os pensamentos dele, a Gina precisa mostrar pros fãs que é muito mais do que a atuação feia da Bonnie. Gostei da cena da Floresta, o único momento na vida do Harry em que ele pode conversar com os pais dele. Gostei da morte da Nagini – muito – apesar de parecer que baixou uma alma no Neville e fez ele querer mata-la, porque não mostra o Harry pedindo isso pra ele. Gostei das 3 mortes de “vilões” mais importantes – Nagini, Bellatrix e Voldermot – porque eles simplesmente viraram purpurina pó e nunca mais vamos ter que olhar pra cara daqueles cretinos.
Melhores Cenas: A melhor cena do filme foi para mim a minha cena favorita na série. O beijo de Rony e Hermione não é no meio da confusão, não teve amor aos elfos envolvido e não tem Harry “atrapalhando”, como é originalmente. Mas ficou lindo!! Na Câmara Secreta (e eu sempre digo que acho que realmente rolou algo ali na história), depois de um susto sem tamanho, altamente PERFEITO. Não foi mais um daqueles beijinhos toscos como os que Harry deu em cada uma de suas cenas românticas. Não mesmo. Esse aí era especial, era intenso, era apaixonado e, usando as palavras de Emma Watson, era o momento para expressar “eu te amo, você é o amor da minha vida”. Nas duas vezes que assisti ao filme com o Potter Club e pude apaludir e gritar foi NESSA cena que exagerei, que fiquei rouca, que minhas mãos doeram e que eu não consegui parar de rir. Pude falar quantos “oooowns” eu quis, e também nas outras cenas incríveis dos dois juntos. Ele grita pro Goyle que ela é namorada dele, eles se isolam juntos quando o irmão dele morre, eles se abraçam MUITO quando acham que Nagini ia devora-los, eles mostram pro Harry que estão juntos de mãos dadas e no final cada um deles tem uma aliança dourada na mão esquerda. Rony e Hermione formam o casal mais incrível da ficção, simples assim!!
Agora vamos esquecer Rony e Hermione e dar destaque à nossa querida Minerva McGonagall que foi a atração do filme. Todas as falas, expressões e momentos dela merecem ser assistidos com amor, merecem aplausos, merecem entrar pra história, merecem PRÊMIOS de verdade. Ela lutando contra o Snape foi de arrepiar os cabelos e “eu sempre quis usar esse feitiço” foi a melhor fala do filme. Entre todas as outras.
E a cena que eu nunca vou me cansar mesmo se assistir todos os dias vai ser Molly matando Bellatrix. Primeiro porque eu amo todos os Wealsey e a Molly em especial, ela é toda maravilhosa. Segundo porque a Bellatrix é uma vagabunda cretina, nunca vai existir personagem da ficção que eu odeio mais do que ela (e se você gosta do Neville sabe muito bem o motivo). Ver ela explodindo me faz feliz hoje e sempre.
Piores Cenas: “Pior” pode ter vários sentidos, e eu vou falar de cada um deles. A pior cena de assistir foi a morte do Fred (é a que mais me faz chorar) porque ver a família inteira chorando é pesado e logo em seguida mostra os corpos do Lupin (tchutchuco) e da Tonks, e é MUITO PESADA a cena. Sem contar que pouco antes a Lilá morre, sendo que no livro está especificado “o corpo ainda vivo de Lilá Brown”. A menina é um pé no estômago, mas não a ponto de matarem a coitada.
A cena mais tosca foi Harry e Voldemort pulando do penhasco, pelamor de Deus, o filme tava indo muito bem até esse momento. Foi desnecessário, esquisito e não gostei. Mas depois que eles “pousaram” e começou a correria pra pegar as varinhas compensou, muito foda!!
E as cenas mais decepcionantes foram, para mim, as lembranças do Snape. Eu não são fãzona dele e detesto o casal Lílian/Snape, mas falaram que iam ser cenas incrivelmente tocantes e não foram. Não mostrou o motivo pelo qual ele se arrependeu, que foi o fato de ELE ter contato da profecia, a maquiagem que colocaram no Alan Rickman pra ficar jovem fez ele parecer o Michael Jackson em sua pior fase e o final da sequência foi horrível, ele abraçando a Lily morta com uma expressão de choro falsa que eu não acreditei que era o melhor ator do filme fazendo. Trash. É uma pena, porque a morte dele foi absurda de linda, a expressão no rosto dele é algo que nunca vi alguém fazendo tão bem feito!!
Senti falta da história do Dumbledore, queria ouvi-la PELO MENOS pelo ponto de vista do Aberforth, gosto dele e só assim as pessoas veriam o quanto ele é incrível. Sem contar que eu tenho CERTEZA que foi o Dumbledore que matou a Ariana, e quem assiste os filmes nunca vai poder suspeitar disso. E não faltava tempo porque o filme foi curtíssimo!!
“19 Anos Depois”: Impossível não dedicar um pedacinho à frase que me encheu os olhos de lágrimas na 1ª vez que vi e depois, quando vi denovo, foi ali que comecei a soluçar loucamente (a 2ª vez é sempre pior…). Chorei MUITO, gente, de tremer, saí do cinema sem conseguir ver para onde tava andando e nunca recebi tanto abraços de consolo ao mesmo tempo.
A cena ficou ótima. Explorou pouco o papel do Tiago (eu gosto muuuito mais dele do que o Alvo e seu nome horroroso) e a menina que faz a Rosa não parece ter 11 anos, mas o resto ficou tão perfeito… Eu não tava gostado deles de maquiagem nas fotos e vídeos que vi, mas parece que depois, quando regravaram, ficou BEM MELHOR, super bem feito. O Daniel ficou a CARA do pai dele, o Rupert a imagem perfeita do que imaginei um Rony-pai e a Emma tava LINDA DEMAIS. Não vejo a hora das cenas deletadas chegarem aqui em dvd para ver se não vemos Victorie e Teddy “in love” =D
Maaaaaas mesmo sendo uma cena perfeita, não é só por isso que temos que falar sobre ela em especial. Ela significa outra coisa, significa muito mais… Significa o fim, mais uma vez. Vimos ali o Expresso de Hogwarts partindo levando não só os filhos de Harry, Rony e Hermione, mas também 10 anos de emoção e dedicação. Não sei mais quantas vezes vou assistir esse filme ao longo da minha vida, mesmo porque acho que não será um número “contável”, mas tenho certeza que vou chorar muito em cada uma delas, triste e emotiva por não ter mais filmes da série pra curtir, e feliz e emocionada porque “tudo estava bem”.

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1

Em 21.11.2010   Arquivado em Filmes, Harry Potter

Eu estou TENTANDO não ser muito crítica. Juro que estou. Tentando olhar pelo lado bom, sempre, e tô conseguindo porque ontem esse filme me fez chorar tanto… Mas TANTO!! E aí na hora que eu tava descendo as escadas do cinema eu pensei “só falta a parte 2 e acabou”, e aí eu chorei mais!! Se você não assistiu ainda, cuidado, isso aqui é spoiler puro!!

rdm_pt01 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 (Harry Potter and the Deathly Hallows: Part I) *****
Elenco: Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Helena Bonham Carter, Ralph Fiennes, Michael Gambon, Alan Rickman, Tom Felton, Rhys Ifans, Bill Nighy, Bonnie Wright, Clémence Poésy, Jason Isaacs, John Hurt, Miranda Richardson, Jamie Campbell, Robbie Coltrane, David Thewlis, Brendan Gleeson, Evanna Lynch, Helen McCrory, Timothy Spall, Rade Serbedzija, Julie Walters, Toby Jones (voz), Imelda Staunton, Fiona Shaw, Domhnall Gleeson, Dave Legeno, Natalia Tena, James Phelps, Oliver Phelps, Richard Griffiths, George Harris, Matthew Lewis, Simon McBurney (voz), Sophie Thompson, Mark Williams, Harry Melling, Michelle Fairley, Frances de la Tour, Andy Linden, Kate Fleetwood, Arben Bajraktaraj, Matyelok Gibbs, David Ryall, Carolyn Pickles, Hazel Douglas, Steffan Rhodri
Direção: David Yates
Gênero: Aventura
Duração: 146min
Ano: 2010
Sinopse: “O poder de Voldemort está aumentando cada dia mais. Ele agora tem o controle sobre o Ministério da Magia e de Hogwarts. Harry, Rony e Hermione decidem terminar o trabalho de Dumbledore e encontrar o resto das Horcruxes para derrotar o Lorde das Trevas. Mas a esperança continua pouca para eles, então tudo o que eles fazem tem que sair como planejado.”
Comentários: O filme perdeu meia estrela por causa das cenas que faltaram, algumas que achei importante, mas as vezes acho que tô sendo rígida demais, porque na verdade foi milimetricamente bem feito!! Os erros são como adaptação, mas como filme por si só é perfeito. Eu não achei um erro nos efeitos especiais desse filme, e acho que posso assistir muitas vezes que não verei denovo. MUITO investimento. Digo o mesmo para os atores, Daniel Radcliffe e Emma Watson se esforçaram pra não forçar a barra, como geralmente fazem, e fechar com chave de ouro.
Eu chorei muito quando o símbolo da Warner apareceu e aí mostraram a Hermione “sumindo” da vida dos pais dela (cenas MUITO tocante). E depois não tem mais como parar de chorar porque é um atrás do outro… Edwiges (LINDO terem colocado ela entrando na frente dele, porque no livro é o que ela estava tentando fazer mas não podia), Olho-Tonto e, por fim, Dobby!! E no Dobby ainda teve ele falando todo um texto, ai, acho que foi a cena mais triste da saga inteira.
No geral eu GOSTEI. Mesmo. E mesmo que a Parte 2 não possa se dar ao luxo de cortar as coisas assim (e tem que compensar os da Parte 1), eu espero que eles mantenham o nível. Gostei muito mais do que achei que gostaria. Li que iam colocar o pai da Luna como um mal-caráter, que ia ter romancinho entre Hary e Hermione e tudo mais, mas não teve nada disso. O último focou no sentimentalismo e humorzinho, e esse tinha sentimentos, humor, aventura, romance, tudo de uma vez. Igual ao livro.
Só queria que o casamento fosse maior. Quando acabou fiquei triste…
Melhores momentos: O MELHOR momento do filme foi “O Conto dos Três Irmãos”. Muito bom mesmo!! Eu nunca ia esperar que fosse retratado daquela maneira, e conseguiram cortar as partes da história de maneira que contasse tudo, tudo, muito fiel, realmente foi uma cena que tive vontade de aplaudir no final, não queria que acabasse, dá um curta-metragem aquilo!!
E lógico, porque eu sou eu… As cenas Rony e Hermione que eu fazia um “oown” involuntário e até levei um chingo de uma mulher da fileira da frente (MUITO sem coração, diga-se de passagem), depois disso parei pra poder fazer de propósito em alguma outra cena (ô maturidade…), mas o filme foi ficando tão tenso que esqueci!! Quando ele limpou o canto da boca dela na cafeteria, muito lindo, né gente. Aliás, eu adoro o Rony, ele dá a graça na história, não existe Harry Potter sem ele.
Cenas cortadas: Algumas cenas precisam ser cortadas, infelizmente, porque não têm sentido (como o Duda falando pro Harry, Hermione contando que roubou os livros e etc), mesmo porque eles foram espalhando algumas dessas informações ao longo da história, mas outras eu achei que TINHAM que ter. As que mais me chatearam foi o Lupin não ter aparecido no Largo Grimmauld, a “lembrança” do dia da morte dos Potter e o Rabicho se matando. Foram 3 cenas que senti MUITA falta. Senti falta também da história do Monstro completa, apesar de que entendo, poxa, dividiram o livro em 2 filmes e mesmo assim tava tudo muito corrido. E a carta da Lílian, que não era tãããããão importante assim, mas era uma cena muito tocante.
Aliás, falando em carta da Lílian, gostei de o Rony ter encontrado o R.A.B., fez ele parecer menos idiota, porque é assim que os filmes retratam ele, tadinho, e ele não é assim. E senti falta da fala linda dele… “Tudo vela no amor e na guerra…..” etc, etc, queria que tivesse.
O que eu gostei de terem cortando foi o Harry lendo a história do Dumbledore, porque é o maior defeito que vejo no livro: a quantidade de vezes que essa história aparece, fica muito cansativo. Eles vão ter mais duas chances de contar essa história por dois pontos de vista, já tá de bom tamanho, né??
Cenas que não existiriam: Quero começar pela cena em que o Harry dança com a Hermione… No especial da Warner o Daniel Radcliffe disse que era um “momento de romance” entre os dois, e todos os críticos afirmaram o mesmo, mas eu GRAÇAS A DEUS na verdade achei fofa e totalmente amigável, não vi nada de romântico naquilo. Achei até bonita, sério, Harry animando a Hermione como amigo dela, que é o que ele é. Minha raiva por terem colocado essa cena sumiu.
A que achei pior: os dementadores sendo BARRADOS PELA PORTA DO ELEVADOR!! Meeeeeu Deus, quando vão aprender que dementadores não são seres humanos e que CUTUCAR (Ordem da Fênix) ou FECHAR A PORTA na cara deles não adianta?? Pelo menos teve o patrono logo em seguida pra limpar a gafe!!
Depois… O beijo de Harry e Gina!! Gina aparece com as costas de fora e ele demora UM SÉCULOS pra fechar aquilo, hahaha… Foi linda, realmente o aniversário dele era desnecessário (o importante era o testamento, e isso teve) e foi bom pra mostrar o sentimento dos dois, já que no filme de “Enigma do Príncipe” minimizaram tudo num semi-beijo. E aí aparece o Jorge com a escova de dentes na orelha… Hilário!!
E…. *momento sentimento* O pomo voando e Harry apanhando. “Tiago Potter” feelings. Lindo demais!!

– É meio difícil para mim falar de tudo. Ainda mais tendo assistido só uma vez (por enquanto) e a tão pouco tempo ( por enquanto), e principalmente pelo fato de ser Harry Potter. Cheguei ao Pátio Savassi ontem às 14h pra seção de 21:30!!. Mas acho que o pincipal tá aí. Agora a gente tem que esperar a Parte 2 contando os dias, e preparando o coração, porque quando aquele epílogo acabar… Aiai, meu Deus, como eu vou chorar!!

+ trailer do filme
+ Relíquias da Morte – o livro (1)
+ Relíquias da Morte – o livro (2)

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1 Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1
Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1 Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1