Museu Jeca Tatu

Em 02.12.2019   Arquivado em Artes Visuais

Localizado em Itabirito/MG, com entrada na BR-356, caminho que leva a Ouro Preto para aqueles que saem de Belo Horizonte, está o Museu Jeca Tatu: antiguidades das mais variadas para se desbravar enquanto come seu famoso pastel da angu, vendido em uma lanchonete dentro do próprio lugar. Alguns podem julgar como um acúmulo de quinquilharias a céu aberto, mas aqueles que estiverem abertos a apreciar as peculiaridades desse jeito propositalmente desorganizado de contar história vão se identificar – e muito – com um ou vários itens desse acervos que, visualmente, soa quase infinito.

Museu Jeca Tatu

“Brasil, seu remédio é a arte”, placa que pode ser vista na BR-356

Museu Jeca Tatu

Entrada do Museu

Museu Jeca Tatu

Placa indicando a direção da Lanchonete, Cinema e Circo

Placas, discos, vitrolas, máquinas de escrever, geladeiras, artigos de jornal e revista, brimquedos, fotografias, itens de decoração, utensílios domésticos, instrumentos musicais, guarda-chuvas, móveis, telefones, maquetes, relógios, objetos de arte, meios de transporte, moedas… Eu poderia ficar um eternidade citando tudo o que você pode encontrar por lá e tenho certeza que, ainda assim, não ia conseguir. O que muitas vezes é considerado lixo se jogado na rua, vindo de qualquer outro tempo que não o nosso, virou arte nas mãos do seu fundador, Leonardo Ruggio, que hoje em dia sequer sabe o número exato do seu acervo. As relíquias ficam expostas de maneira que a princípio soa como uma completa bagunça, mas ao acostumar o olhar você percebe que, na verdade, o caos foi minuciosamente pensado para ser admirado. E é: até em programa grande de televisão já foi parar, e lá existem fotos pra provar.

Museu Jeca Tatu

Atelier do Milton, dentro de um ônibus escolar

Museu Jeca Tatu

Acervo: discos, sacolas, quadros, gaiolas, lamparinas, roupas…

Museu Jeca Tatu

… garrafas, livros, raquetes, canecas…

Museu Jeca Tatu

… molduras, ventiladores, geladeiras, placas, grades, cadeiras!

Esse tipo de lugar causa muita reflexão em mim, que sou restauradora formada, preso horrorosamente pelo patrimônio histórico e artísticos seja ele material ou não, mas não tenho uma visão tão tradicional do assunto. Museus ainda são, infelizmente, instituições muito elitistas, não tanto pela acessibilidade, graças à grande popularização que tem acontecido em grandes centros urbanos, mas às vezes pela falta de informação que vem da raiz do problema… Prédios imponentes onde muitas vezes as pessoas sequer SABEM que podem entrar e sempre com muitas regras, porque é preciso de regra pra tudo na vida se quiser fazer funcionar. De repente, então, você tromba no meio da estrada com um que soa quase acidental, com famílias de patos e perus andando em meio aos itens expostos. É diferente e maravilhoso por ser diferente. Por outro lado não acho que seja inclusivo em outros aspectos, já que se trata de uma coleção difícil de se descrever para quem não pode enxergar, mesmo as fotos publicadas na internet nunca terão uma legenda descritiva à altura, e provavelmente de dificílimo acesso a quem usa cadeira de rodas, já que tem corredores apertados e entrada irregular… Aqueles prós e contras que é sempre importante destacar.

Museu Jeca Tatu

Mais acervo: lustres, miniaturas, rodas, troféus, brinquedos…

Museu Jeca Tatu

Entrada do banheiro feminino com direito a uma Branca de Neve de jardim

Museu Jeca Tatu

… muita música, nos mais diferentes formatos!

Museu Jeca Tatu

Principalmente discos. Discos de todos as épocas, de todos os tipos.

Além da exposição e lanchonete/restaurante em si, o Jeca Tatu tem também um cinema com capacidade para 300 pessoas, que não estava funcionando no dia e infelizmente não sei como é, circo, Fonte dos Desejos, ateliê de sucata e uma biblioteca móvel dentro de um ônibus escolar na estrada. Na verdade passando pela BR você consegue ver VÁRIOS desses ônibus na mais variada disposição na porta e tem até um lá dentro! Foi um “item” que me deixou encucada de como foi parar ali em tão grande quantidade.

Museu Jeca Tatu

Telhado LINDO, cheio de vinis pendurados!

Museu Jeca Tatu

Reportagem sobre Elton John, provavelmente da década de 80

Museu Jeca Tatu

Vista da capela pela entrada

Museu Jeca Tatu

Ônibus escolar (entrada permitida)

Ficou querendo conhecer? O Museu Jeca Tatu abre TODOS OS DIAS, das 8 às 18h, e é cobrado um valor simbólico na porta para visitantes. Eles recebem doações e mais itens caso você queira incorporar alguma antiguidade ao acervo e, de acordo com informações que andei lendo na internet, também realizam trocas (e até vendas), dependendo da disponibilidade do próprio dono. Para conhecer mais sigam no Instagram o perfil @museujecatatu!

Leia também: Nana ganhou uma trança, relato lindinho da Despedida de Solteira do mesmo casamento para o qual eu estava indo quando visitei o museu!

Primavera no Museu 2011

Em 02.10.2011   Arquivado em Artes Visuais

E ontem começou a edição desse ano da Primavera no Museu no Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG!!

primaveramuseu_2011.jpg

– E foi uma pena que eu só vi hoje, porque tiveram coisas INCRÍVEIS nesses dois primeiros dias, incluindo uma OFICINA DE ENCADERNAÇÃO!! O site do museu em si tá com o banner do evento do inverno ainda, mas eu consegui achar a programação completa pra trazer pra cá. O legal é que em outubro é mês das crianças, então eles vão fazer uma semana especial dedicada a brincadeiras para os pequenos, além dos Wokshops tradicionais de cada estação. Além disso tem todo o espaço do museu que VALE MUITO A PENA visitar, eu tô morrendo de saudades de lá…
– O MHNJB está localizado na Rua Gustavo da Silveira, 1035, Santa Inês (Belo Horizonte/MG), aberto de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 16h; sábado e domingo, das 10h às 17h. A entrada custa R$4,00 para pessoas de 6 a 59 anos e grupos individuais de até 9 pessoas não precisam agendar a visita.

+ mhnjb.ufmg.br/
+ twitter.com/mhnjb_ufmg

Museu de Outono 2011

Em 15.03.2011   Arquivado em Artes Visuais

Do inverno de 2010 pulei direto duas estações, porque esqueci completamente de postar a primavera e o verão, mesmo. Mas o que importa é que dia 20 de março começa o Museu de Outono no Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG!!

museuoutono_2011

– Pro pessoal que reclama que em Belo Horizonte não tem nada pra fazer, eles promovem isso a cada nova estação e essa já é a 14ª edição. Lá no site está toda a programação completinha. Vai ter tropeiro ao som de chorinho, apresentações, oficinas (tem uma de pigmentos que tô muito tentada a fazer!!), exposições, jogos e até Quarta Crescente!! Eu acho esse projeto muito legal e adoro postar sobre ele aqui, porque o MHNJB é LINDO DEMAIS, super legal pra qualquer pessoa de qualquer idade e tem todas as atividades culturais divertidas.
– O MHNJB está localizado na Rua Gustavo da Silveira, 1035, Santa Inês (Belo Horizonte/MG), aberto de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 16h; sábado e domingo, das 10h às 17h. A entrada custa R$4,00 para pessoas de 6 a 59 anos e grupos individuais de até 9 pessoas não precisam agendar a visita.

+ mhnjb.ufmg.br/evento_outono2011.html
+ twitter.com/mhnjb_ufmg

Aproveitando que falei no MHNJB, esse mês, dia 19, vai ter curso de aquecedor solar de baixo custo denovo!! Mais detalhes no banner.

Momento Inhotim!!

Em 28.09.2010   Arquivado em Artes Visuais

– Porque já virou tradição eu ir ao Inhotim nas primaveras, já que fui com a turma da faculdade em 2008 e com o Gugui em 2009. Esse ano foi domingo, ante-ontem, com Lili, Drizinha e Daninha, e pretendo voltar lá ainda nesses próximos 2 meses porque abriu muuuita coisa nova que não deu tempo de a gente ver.

Inhotim

– Eu na verdade já estou virando meio que Guia em Inhotim. Do Gugui eu já fui uma gui boa, mas agora fui ótima, porque já tracei meio que um perfil de visita que tivesse as obras mais importantes e aí deu pra leva-las nessas obras mesmo com as três reclamando que estavam andando demais (só a Lili já foi lá antes, e quando foi alugou o carrinho). Foi muito bom, deu inclusive para conhecer muitas das novas obras e umas que TODAS as vezes que eu ia lá estava viajando e é tipo… Incrível. Pena que nessas a gente não pode tirar foto jamais mesmo.

Hélio Oiticica @ Inhotim Hélio Oiticica @ Inhotim
Hélio Oiticica

Jarbas Lopes @ Inhotim Jarbas Lopes @ Inhotim
Fuscas do Jarbas Lopes (que estavam na galeria Praça, dessa vez)

Adriana Varejão @ Inhotim Lézart @ Inhotim
Adriana Varejão (a foto mais linda que tirei no ano) e Lézart

Folly @ Inhotim Folly @ Inhotim
Folly – Valeska Soares (chegando e de longe)

Folly @ Inhotim Folly @ Inhotim
Nós 4 refletidas nos espelhos de Folly – Valeska Soares… Muitas fotos dessa obra porque foi o meu trabalho de fim de semestre ano passado!!

Galeria Praça @ Inhotim Dominiqui Gonzalez-Foerster @ Inhotim
Galeria Praça e Dominiqui Gonzalez-Foerster

@centoeoito @ Inhotim Inhotim
Nós 4 ainda em Folly (hihi) e eu e Lili descansando (minhas pernas precisam de SOL, gente!!)

– Falando sobre as novas obras… Tinham várias obras que estavam no lugar de outras em algumas galerias, o que em alguns pontos foi legal e em outros nem tanto. Não tivemos tempo de ir nas galerias novas, então pode ser que tenham só mudado de lugar, porque a única galeria nova que visitamos tinha uma obra antiga, e é dessa galeria que vou falar: COSMOCOCA!! Logo na entrada eles te dão uma sacolinha pra guardar o sapato (ao contrário da outra obra em que tem que tirar o sapato – que é a que falei que sempre viaja, “Desvio para o Vermelho”, que é linda, mas no final você vira numa parede e se sente num filme de terror). Aí dá de cara com uma estrutura de pedra que mais parece um labirinto com 5 salas ALTAMENTE interativas!! Assim, muito mesmo!! Uma, como eu disse, já existia, que é com redes e rock rolando solto. A outra é MUITO SEM GRAÇA, uma piscina que parece que você pode colocar os pés ou sei lá. E aí a gente descobre as 3 salas mais legais do mundo. A 3ª é cheia de balões e a gente brinca com eles, o chão é em ondas e tem todo um clima vintage. Numa outra é bem escuro, com músicas diversas e colchões azuis, onde você deita e fica lixando as unhas com as lixas que tem lá. E, enfim, a mais legal de todas… O chão é de ESPUMA e tem formas geométricas em espuma, e você fica lá brincando e afundando. Nós tentamos tirar umas fotos, mas escuro e falta de flash não combinam (e mesmo o monitor num tando lá eu não liguei o flash, porque NÃO PODE tirar foto dentro das obras, gente!!).

Cosmococa @ Inhotim Cosmococa @ Inhotim
Esse borrões humanos somos nós, morrendo de rir e brincando que nem criança!!

– Só que foi nessa última sala que falei que aconteceu uma coisa meio sinistra. Lá é muito abafado e o cheiro não é agradável porque mesmo essas obras sendo novas (elas abriram quinta feira) as crianças se divertem muito ali e, bem, a gente não sabe o que elas fazem… Né…
E aí juntou isso tudo com o fato de que nós pulamos sem parar e não tínhamos “almoçado-lanche” ainda e eu comecei a passar muito mal… Acho que o cheiro foi o principal… E pra sair é um terror, porque você vai afundando na espuma e na hora da saída sempre cai, aí a Lili caiu e eu caí junto e foi todo um efeito dominó… Demorei muito pra conseguir levantar e saí correndo da galeria, achei que ia passar mal de verdade. Mas depois ficou tudo bem. Mas fica a dica: diversão com moderação, crianças, nada de ficar pulando demais e depois não dar conta de levantar…

– Essas e outras fotos estão no Flickr, só clicar na foto aqui mesmo que ela abre e dá pra ver melhor. E para saber mais sobre o Inhotim é só entrar no site http://inhotim.org.br/, vale muito a pena.

Museu no Inverno 2010

Em 20.06.2010   Arquivado em Artes Visuais

– Desde o outono de 2009 o Museu de História Natural e Jardim Botânico da UFMG prmove o Projeto Quatro Estações, e a cada nova estação do ano há uma nova programação para os visitantes.
O Inverno no Museu 2010 terá sua abertura no dia 27 de junho.

invernomuseu2010

– No site é possível encontrar toda a programação. Na abertura, dia 27, haverão apresentações (uma delas é paga porque inclui um almoço) e oficinas que não serão realizadas nos outros dias e depois ao longo dos meses de julho, agosto e setembro haverão pequenos períodos com cursos e atividades especiais.
– O MHNJB está localizado na Rua Gustavo da Silveira, 1035, Santa Inês (Belo Horizonte/MG), aberto de terça a sexta-feira, das 9h às 12h e das 13h às 16h; sábado e domingo, das 10h às 17h. A entrada custa R$4,00 para pessoas de 6 a 59 anos e grupos individuais de até 9 pessoas não precisam agendar a visita.

+ http://www.mhnjb.ufmg.br/evento_inverno2010.html
+ www.twitter.com/mhnjb_ufmg

Página 1 de 212