As Sufragistas

Em 09.02.2016   Arquivado em Filmes

Suffragette

As Sufragistas (Suffragette) *****
Elenco: Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Meryl Streep, Brendan Gleeson, Anne-Marie Duff, Ben Whishaw, Romola Garai, Samuel West, Natalie Press, Geoff Bell, Adrian Schiller, Amanda Lawrence, Lisa Dillon, Clive Wood, Lee Nicholas Harris, Richard Banks
Direção: Sarah Gavron
Gênero: Drama, História
Duração: 106 min
Ano: 2015
Sinopse: “O início da luta do movimento feminista e os métodos incomuns de batalha. Mulheres que enfrentaram seus limites pela causa e desafiaram o Estado extremamente opressor. A história é baseada em fatos reais.” (fonte)

Comentários: Quando eu vi o primeiro trailer desse filme, meses atrás, fiquei alucinada, doida, maluca para assistir, minha ansiedade foi perigosamente nas alturas e mal podia esperar. A temática é uma que me atrai muito e o elenco idem, porque eu AMO a Meryl Streep (já sabia que veria pouco dela, como uma coadjuvante, mas ainda assim) e estava doida para ver Carey Mulligan como protagonista, uma vez que eu a conheço através de um papel bem menor em “Orgulho e Preconceito”. Só que aí o filme estreou e eu fui olhar nos cinemas afora e NÃO ESTAVA PASSANDO! Sério, a divulgação estava a mil, mas eram pouquíssimas salas em pouquíssimos lugares, li na internet e estava assim em todos os estados, reclamação geral. Felizmente, depois de quase desistir, consegui tirar um dia num momento ideal com um grupo de amigas que também estavam curiosas e fomos lá. Olha, tinha uma chance alta de decepção tamanha era a expectativa, mas felizmente não foi o que aconteceu.

Maud trabalha numa lavanderia desde nova, já possuindo um alto cargo para sua idade, e vive com o marido, que trabalha no mesmo local, e o filho pequeno. Ela não tinha interesse nenhum pela causa das Sufragistas, que manifestam em nome do seu direito ao voto, até ser inserida no meio por uma de suas colegas de trabalho. A partir daí ela tenta fugir, tenta desistir e tenta negar, mas acaba se tornando uma delas, sendo forçada a abrir mão de sua família, uma vez que ela se torna “uma vergonha” para o marido, de seu trabalho e até mesmo de seu “status” de cidadã de bem. Gostei muito de como a história se desenvolve junto com o interesse dela pelo que estava acontecendo: no início é lento, porque ela ainda está conhecendo, e de repente lá está ela completamente envolvida, fazendo denúncias e intervindo em absurdos, e é aí que o ritmo acelera e começa a tudo acontecer de uma vez.

O que vi de negativo foram alguns problemas técnicos, como a câmera ficar tremendo MUITO nas cenas de batalhas e tumulto, de forma que ficava até meio confuso de se entender, e a iluminação que é bem ruim nas cenas noturnas, mas desse segundo eu gostei porque dá aquela sensação de insegurança que a personagem são somente sente, mas também vive.
Ótima atuação de Carey Mulligan como protagonista e, pasmem, Helena Boham Carter também está incrível, fazia tempos eu não a via em um papel em que ela pôde ser a personagem em si ao invés de algum “mais do mesmo” meio louquinho que é o que ela faz. Aliás TODAS as atrizes que interpretam as manifestantes foram ótimas, você sente e chora por cada uma delas, como não podia ser diferente. Mesmo Meryl Streep como Emmeline Pankhurst, que aparece por três minutos, consegue trazer algumas das várias citações maravilhosas ao filme e mostrar a relevância de sua personagem na história, mas sem deixar de destacar cada uma daquelas que lutaram ao lado dela e que eram tão importante quanto.

“We don’t want to be lawbreakers, we want to be lawmakers.” – Emmeline Pankhurst

É impressionante em como a gente fica com o impacto do que está vendo, se orgulha do que mudou e, claro, sente o peso absurdo do que não mudou. Por um lado dá pra pensar “Meu Deus, essa situação absurda tem SÓ cem anos!” e por outro reflete “Uau, já fazem cem anos e quanta coisa continua igual…”. Nos créditos finais aparece uma lista de vários países com a data em que o voto foi liberado para mulheres e é chocante pensar que em alguns lugares isso ainda é discutido (ou nem ao menos cogitado).
“Apanha do marido, mas também, ela provoca”, “Controle sua mulher”, “Fica quietinha, assim, você sabe que eu gosto” são só algumas quase frases (porque não são exatamente essas) soltas do filme que passam quase sem que a gente perceba, mas que ainda existem mulheres que são obrigadas a ouvir nessas situações, mesmo após todos esses anos…

Trailer:

Follow my blog with Bloglovin

Ricki and the Flash

Em 09.10.2015   Arquivado em Filmes

Ricki and the Flash

Ricki and the Flash: De Volta Pra Casa (Ricki and the Flash) *****
Elenco: Meryl Streep, Mamie Gummer, Rick Springfield, Audra McDonald, Nick Westrate, Ben Platt, Kevin Kline, Sebastian Stan, Charlotte Rae, Maria Di Angelis
Direção: Jonathan Demme
Gênero: Drama, Comédia
Duração: 101 min
Ano: 2015
Sinopse: “Ricki (Meryl Streep) fez muito sucesso como Estrela do Rock e é uma artista lendária apesar de já não fazer tanto sucesso como antes, porém, deixou os filhos em segundo plano para se dedicar a carreira, agora ela quer retomar o contato com os mesmos, enquanto um deles passa por um complicado divórcio.” (fonte)

Comentários: Existem dois fatores extremamente relevantes que podem me convencer automaticamente a assistir qualquer filme do mundo e eles são uma boa trilha sonora e Meryl Streep. “Ricki and the Flash” tem os dois e não usa esses recursos atoa, que filme INCRÍVEL, gente! Eu vi o trailer há meses atrás e fiquei doida esperando pelo lançamento, até que quando fui ver já estava quase saindo do cinema e tratei de não deixar passar, fui e não me decepcionei nem um pouco, recomendo a todos.

O filme conta a história de Ricki, uma rockeira vocalista da banda “The Flash’ que abriu mão da criação de seus filhos e de seu casamento para viver o sonho de ser uma artista de sucesso. Com o passar dos anos ela se vê trabalhando como caixa de um mercado de dia para pagar as contas e tocando regularmente em um bar à noite, como parte da realização desse “sonho”. A vida está muito boa, tudo indo muito bem, quando seu ex liga para avisar que a filha deles está deprimida em função do divórcio que foi pedido por seu marido. E é quando ela tem que assumir o papel de mãe que a tanto tempo deixou pra trás e voltar para o subúrbio para ajudar a lidar não só com essa situação, mas também com o fato de que seus outros dois filhos estão seguindo caminhos em sua vida de adultos sem que ela saiba.

Eu sei que soa como mais uma história clichê de ir atrás de seus sonhos e ter o equilíbrio entre eles, mas acho que é mais que isso: é um daqueles filmes que você assiste acreditando ser a biografia de um artista real, no maior estilo “The Wonders”, de tão humanos que são os personagens. Acho que isso é um dos fatores mais legais, além do elenco maravilhoso e das músicas INCRÍVEIS que tocam o tempo todo: você acredita nos personagens, acredita que eles poderiam estar vivendo aquilo de verdade e acredita nas decisões que eles tomam. Dá vontade de assistir tudo de novo, agora contando pra vocês, de tanto que gostei!

Melhores momentos: As cenas em que ela cantava eram sempre as melhores do filme, só música incrível! Mas o momento mais emocionante de todos, todos, todos foi ela cantando “Still Haven’t Found What I’m Looking For”, do U2, que é uma música MUITO importante pra mim e eu jamais esperava por ela jogadinha ali, de repente, chorei bastante com essa breve surpresa! O final também é mega lindinho, eu sou dessas que adora um final feliz e dançante e esse é bem isso mesmo, tudo na medida certinha pra causar lágrima e sorrisos.

Ricki and the Flash
Sério, gente, eu poderia me ajoelhar aos pés dela para todo o sempre, que maravilhosa!

Trailer: Só pra ter um gostinho do quanto cada minutinho valeu a pena:

Rapidinhas de Setembro

Em 03.10.2015   Arquivado em Cotidiano

Cof, cof, cof, tem alguém por aqui? Foi mal a bagunça, foi mal a sujeira, foi mal a ausência, mas setembro foi tão corrido que tive que rebolar para achar fotos para resumir tudo, tamanha era minha falta de tempo até pra registrar as coisas!
Outubro já está com cara que vai ser assim também, mas não vamos colocar o carro na frente dos bois, não é mesmo? Vamos focar no que passou com essas RAPIDÍSSIMAS só pra vocês terem uma ideia do que rolou na minha vida, hahaha. Hoje as fotos vão vir direto do Instagram pra facilitar minha vida, ok? Ok!

Rapidinhas de Setembro

O mês começou com @bsurda em Hogwarts! Eu já contei tudo no post sobre o look da festa, mas em resumo foi uma boate com temática de Harry Potter e foi ótima, a galera se divertiu a beça e deixou um gostinho de quero mais!
Essa foi uma das pouquíssimas fotos que tiramos lá, mas é que eu e Gil PRECISÁVAMOS de um registro com a Dolly Piercing, que foi não só o “Chapéu Seletor” do pessoal como atração no palco, todo mundo adorou! (E olha como eu fiquei minúscula perto dos dois, socorro…)

Rapidinhas de Setembro

Do início já vamos pular pro fim. Dias 19 e 20 de setembro foi o Anime Festival Winter, que geralmente acontece em agosto mas esse ano acabou atrasando, então de “Winter” não teve nada, tava um calor do cão!
O evento não estava tão cheio, pra falar a verdade, mas tivemos muito trabalho no estande da Cia do Ponto ainda assim porque as camisas estão ficando cada vez mais bonitas, tá dando crise de amor olhar pra elas prontinhas =D
Tinham alguns cosplays legais, mas o que eu fiz questão meesmo de tirar foto foi esse do Wall-E, gente, olha que coisinha mais fofa! Quando ele tava em pé andando não era tão legal, mas assim que encolhia assim pra foto ficava igualzinho.

Rapidinhas de Setembro

Na noite do dia 19, para celebrar como de costume, rolou nosso clássico ArtSushi comemorativo! É a melhor parte do AF, gente, a gente se prepara pro evento já pensando nisso porque é o melhor sushi DA VIDA! Teve um ceviche de entrada também e tudo mais, mas eu postei a foto da barca porque é mais bonita, hihihi.

Rapidinhas de Setembro

Nisso de trabalhar o fim de semana inteiro a gente sempre tira a segunda feira pós evento de folga pra descansar. Eu aproveitei que tinha um ingresso grátis na Cinemark para ser usado em dia de semana e fui assistir “Ricki and the Flash” porque já estava saindo do cinema e não podia perder, Meryl Streep é minha diva e eu estava esperando ansiosamente por esse filme!
Não vou contar muito porque quero escrever um post sobre isso (se minha vida permitir), mas já fica avisado que é MARAVILHOSO! Como não podia ser diferente…

Rapidinhas de Setembro

Essa foto é só pra mostrar a baguncinha básica que fiz no cantinho onde estou restaurando um papiro egípcio incrível nos meus dias de folga. Está dando muuuito trabalho, mas vale a pena porque é uma pintura incrível e o tipo de trabalho que sei que farei poucas vezes na vida.
“Mas Luly, não tem bagunça nenhuma aí!” Porque eu arrumei tudo pra foto, né gente, CAPAZ que fica tudo bonitinho assim e no lugar, é uma confusão de instrumentos e materiais e tudo mais pela mesa toda…

Pra finalizar: hoje é 3 de outubro! Um feliz #MeanGirlsDay para todos, principalmente aos que entendem a magia dessa data!!

oct3rd_01
oct3rd_02

Caminhos da Floresta

Em 01.02.2015   Arquivado em Disney, Filmes

Into The Woods Caminhos da Floresta (Into The Woods) *****
Elenco: Meryl Streep, Emily Blunt, James Corden, Anna Kendrick, Lilla Crawford, Daniel Huttlestone, Johnny Depp, Chris Pine, Mackenzie Mauzy, Billy Magnussen, Christine Baranski, Tracey Ullman, Annette Crosbie, Frances de la Tour, Lucy Punch, Tammy Blanchard, Barrie Martin, Joanna Riding, Richard Glover, Simon Russell Beale
Direção: Rob Marshall
Gênero: Musical, Fantasia
Duração: 125 min
Ano: 2015
Sinopse: Uma bruxa (Meryl Streep) está decidida a dar uma lição em vários personagens famosos dos contos de fadas, como Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e Rapunzel. Cabe a um padeiro e sua esposa a tarefa de enfrentá-la, de forma a colocar as histórias e seus personagens em ordem.” (fonte)
Comentários: Primeiramente: esqueçam COMPLETAMENTE essa sinopse horrenda que tá sendo divulgada por aí porque o filme não tem absolutamente nada a ver com isso. “Segundamente”, já que não estão divulgando muito isso: esse filme é um MUSICAL, e daqueles que tem música e diálogos cantados e rimados o tempo inteiro e sem parar, então é bom ir preparado já para isso porque é um estilo que não agrada muita gente. Tendo isso em consciência vai em frente porque o filme é maravilhoso. Sério, pura magia Disney!
A história é um mix de contos de fadas diversos (Cinderela, Rapunzel, João e o Pé de Feijão e Chapeuzinho Vermelho) que se entrelaçam o tempo todo com a história de um padeiro e sua esposa que não conseguem ter filhos. O que faz eles se encontrarem é uma missão dada por uma bruxa (interpretada pela Meryl Streep que tá ultrapassando seus limites de diva suprema do cinema) que acaba levando esse casal para a floresta ao mesmo tempo dos outros personagens. E aí que nesse meio tempo tem músicas que grudam lindamente na cabeça, um monte de atores bons de serviço, romance, humor, aventura, drama: TUDO! Tem tudo, gente, simples assim, e é tudo misturado direito de uma forma que só a Disney consegue fazer. E mais: mesmo com o final “diferente” a história é super fiel ao original dos contos de fadas, com os momentos impactantes e tudo mais, a parte da Cinderela deixou o pessoal que estava no cinema (e provavelmente não conhece a história) até meio chocado.
Eu vi muita gente falando mal do filme desde ontem e não tô entendendo, sério. O povo reclama dos clichês de contos de fada, aí vem um filme que mostra tudo de forma bem humorada até acabar quebrando com o que é esperado e o povo reclama. Tem Johnny Depp fazendo o MESMO PAPEL DE SEMPRE que é só o que ele tem feito desde Piratas do Caribe e todo mundo idolatra, e a galera diz que a aparição dele foi desvalorizada (apesar de ser igual a todas as outras). Tem Meryl Streep mais maravilhosa do que nunca e me fazendo até arrepiar na cadeira (sério, vontade de me ajoelhar aos pés dela) e só o que o povo consegue dizer é que nem ela consegue salvar a história. Não acreditem nisso, crianças, assistam ao filme porque eu garanto que é maravilhoso. Ele une as histórias e dá um final, mas ao mesmo tempo ficam algumas possibilidades soltas pra você ver que nem tudo na vida acaba ou tem um felizes para sempre. (Como é o caso, por exemplo e com um leve spoiler, da Rapunzel e do padeiro, que nunca chegam a se conhecer por mais que você ache que isso vai acontecer devido à história deles).
O que eu achei mais incrível é que é uma história de fantasia que funciona bem sem mocinhos nem vilões: todo mundo ali tem erros e acertos! Até mesmo a bruxa, que tem a aparência meio perversa, é assim e as letras das músicas dela estão sempre mostrando isso, que nós somos humanos e que tem bem e mal em todo mundo. Eu sou daqueles que torce pro herói e quer ver o vilão morrendo SEMPRE e não me decepcionei, gostei de absolutamente to-dos os personagens.
Melhores momentos: A hora mais engraçada é quando os dois príncipes irmãos (o da Cinderela e o da Rapunzel) cantam uma música digna de vergonha alheia e hilária mostrando o lado engraçado desses “príncipes encantados”. A gente ria de rolar. Quanto às histórias de contos de fadas minhas partes favoritas eram as do Jack/João: eu não conhecia o Daniel Huttlestone mas achei o garoto incrível, acho que tem mega futuro e é a cara do Reginald, meu Isul, impossível não morrer de amores.
Mas ninguém, ninguém, NINGUÉM ganha da bruxa, jamais. Ela é absolutamente maravilhosa, uma atuação fora do normal, as músicas eram as melhores, impecável. Meu apelo pessoal é: deem mais um Oscar pra essa mulher porque ela merece e muito! Quero muito o dvd depois pra ver e rever porque amei tudo, mas principalmente por causa dela!
Trailer:

A Dama de Ferro

Em 18.03.2012   Arquivado em Filmes

A Dama de Ferro A Dama de Ferro (The Iron Lady) *****
Elenco: Meryl Streep, Jim Broadbent, Olivia Colman, Alexandra Roach,, Harry Lloyd, Michael (I) Pennington, Iain Glen, Victoria Bewick, Emma Dewhurst, Michael Culkin, Amanda Root, Clifford Rose, Michael Cochrane, Jeremy Clyde, Michael Simkins, Nicholas Farrell, Phoebe Waller-Bridge, Alice da Cunha, Richard E. Grant, Anthony Head, Roger Allam, Hugh Ross, David Westhead, Susan Brown, Matthew Marsh, Pip Torrens, Angela Curran, Angus Wright, Julian Wadham, John Sessions
Direção: Phyllida Lloyd
Gênero: Biografia/Drama
Duração: 105min
Ano: 2011
Sinopse: “Cinebiografia de Margaret Thatcher, ex-Primeira Ministra britânica, que retrata desde a sua infância até o período mais impopular do seu governo, em 1982, quando ela tentava salvar sua carreira nos 17 dias que antecederam a Guerra das Malvinas.” (fonte)
Comentários: Que eu choro em 90% ou mais dos filmes que assisto não é novidade. No carnaval eu assisti “Sempre ao Seu Lado” e quando me olhei no espelho meus olhos tavam praticamente fechados de tão inchados. Existem filmes que choro sempre que assisto, filmes que choro MUITO e filmes em que só saem lágrimas. Choro porque me emociona, sendo uma emoção triste ou feliz. Porém acontece de vez em quando, muito raramente, de o filme me causar algo pessoal. Não sei de “machuca” mesmo, não sei como, mas naquele filme eu estou chorando porque me atingiu com força. A última vez que isso tinha acontecido foi na 2ª vez que assisti “Relíquias da Morte – Parte 2″, eu chorei durante, depois, eu soluçava. MESMO.
Mas aí eu vi “A Dama de Ferro” e o efeito foi mais ou menos o mesmo. Não chorei TANTO assim, mas foi um choro pessoal mesmo, eu chorava pelo filme, eu saí dali soluçando e depois do filme eu precisei evitar de sentar, porque sabia que se isso acontecesse ia acabar chorando denovo.
O filme é maravilhoso em todos os sentidos da palavra. É uma biografia maravilhosa, é um romance maravilhoso, um drama maravilhoso e principalmente: é um filme sobre POLÍTICA maravilhoso. Ao longo da duração eu fui vendo muita gente no cinema impaciente, o cara que tava na minha frente olhou as horas no celular várias vezes e eu entendo… Se você não tem interesse nenhum nesse gênero não vale a pena. E eu confesso que eu não gosto de ver filmes políticos brasileiros, americanos ou o que quer que seja… Mas quando se trata de um filme BRITÂNICO isso muda, porque todo mundo sabe o quando eu sou apaixonada pelo Reino Unido e sua história, seja ela qual for.
Foram dois Oscars merecidos. Meryl Streep inclusive merece o Oscar sempre, e mulher é fantástica-sacana em “Diabo Veste Prada”, muda pra fantástica-ABBA em “Mamma Mia!” e é também fantástica-Primeira Ministra nesse. E pra complementar veio a maquiagem, também vencedora que conseguiu torna-la IRRECONHECÍVEL. A gente só percebia que se tratava dele quando ela dava aquele sorrisinho lateral dela. Rejuveneceram e depois envelheceram a mulhar uns 20 anos durante a história, você acredita que ela tinha 40 e acredita que tinha 80. FÁCIL. Lógico que a interpretação ajuda. Mas a questão é que fazer maquiagem de monstro, de machucado, de qualque exagero é fácil de fazer bem feito perto de fazer a PELE de alguém. Eu estou absolutamente apaixonada pelo filme, apaixonada pela Margaret Thatcher e pela história dela, eu acho que deveria ter ido assistir antes. Nota 10 ou mais.
Melhores Cenas: Quando ela vence a Guerra das Malvinas, com toas aquelas bandeiras do Reino Unido ao redor dela (o quarto dos meus sonhos, ahaha) e depois de ter dado um tapa de luva de pelica nos EUA. Ela arrisca tudo, perde muito e ganha. Foi uma sequencia maravilhosa, cheia de cenas REAIS misturadas com as gravações – aliás, o filme todo. Ótima mesmo. Desde o ataque da Argentina até a vitória do Reino Unido.
Mas se tratando da parte do “romance”… Quando ela desiste de ver o Denis “indo embora” mesmo depois de ter visto que era melhor pra ela, meu Deus, toda vez que lembro dessa parte entendo o motivo de ter soluçado tanto. Sem contar que conseguiram duas combinações de atores bonitas pra formação do casal, tanto quando jovens como o casal “oficial”, já bem adultos e velhinhos (e eu adoro Jim Broadbent aka “professor Slugue”, que também é vencedor do Oscar, né…). E aí ela vai lavar as xícaras, ai, lindo!!
Trailer:

Página 1 de 212