Mentes Sombrias

Em 16.08.2018   Arquivado em Filmes

Mentes Sombrias Mentes Sombrias (The Darkest Minds) *****
Elenco: Amandla Stenberg, Gwendoline Christie, Harris Dickinson, Mandy Moore, Catherine Dyer, Lidya Jewett, Mark O’Brien, Patrick Gibson, Skylan Brooks, Wallace Langham
Direção: Jennifer Yuh Nelson
Gênero: Distopia
Duração: 115 min
Ano: 2018
Classificação: 12 anos
Sinopse: “Em um mundo apocalíptico, uma pandemia mata a maioria das crianças e adolescentes da América. Alguns dos sobreviventes desenvolvem super poderes e eles são arrancados de suas famílias e enviados para campos de custódia por um governo temeroso. Um dos adolescentes escapa do acampamento e se junta a um grupo de adolescentes talentosos que seguem em uma operação especial.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: No dia após seu aniversário de 10 anos, Ruby foi tirada pelo governo de seus pais, que misteriosamente não se lembram dela mais, após enfim apresentar uma doença que está dizimando as crianças e adolescentes pelos EUA. Os sobreviventes, como ela, são levados para campos de tratamento, onde são separados de acordo com os poderes que essa “doença” traz, categorizados por cores: verde para inteligência elevada, azul para telecinéticos e dourado para os que controlam a eletricidade. Existem também os alaranjados, que controlam a mente, e vermelhos mas esses, por serem dentro da zona de perigo, acabam sendo executados. Ruby, mesmo muito jovem, usa seus poderes recém adquiridos de alaranjada para convencer seu avaliador que é uma verde e salvar a própria vida…

Seis anos se passam e a garota, por não apresentar a inteligência que supostamente devia ter, está prestes a ter seu segredo revelado, até ser resgatada Cate, que finge ser médica para tirá-la do campo. Ela faz parte da Liga das Crianças, que tem como objetivo libertar esses jovens, mas por desconfiar de seus motivos Ruby foge até cruzar o caminho de três outros “mutantes”: Liam, Bolota e Zu, também fugitivos em direção a um suposto acampamento onde os próprios adolescentes se governam, ajudando um ao outro a viver com as habilidades em liberdade.

“Mentes Sombrias” é uma distopia baseada no livro de mesmo nome de Alexandra Bracken, parte de uma série que já conta com cinco volumes, e estreia HOJE nos cinemas de todo país. Interpretada por Amandla Stenberg (a Rue de “Jogos Vorazes”), a protagonista Ruby segue a linha das heroínas do gênero: uma garota de 16 anos, muito poderosa, com total potencial para ser estopim de uma revolução ainda silenciosa e enfim levá-la a público. No que podemos chamar de “uma mistura de Divergente com X-Men”, ela forma com seus três novos amigos uma equipe muito carismática e divertida, cujos poderes se complementam para garantir a sobrevivência do grupo. Tem ação, romance, humor e um bom elenco, tudo que uma aventura adolescente precisa para dar certo, mas por algum motivo não funciona…

Mentes Sombrias

Imagem via Pure Break

A história em si é criativa e interessante, mas peca no desenvolvimento e diálogos fracos, de forma o espectador não se envolve completamente. Como não li o livro, não sei dizer se essa “falha” é da adaptação, o que faz sentido porque nem sempre é possível colocar na tela tudo o que está nas páginas, mas acabou ficando sem ritmo e, à medida que o clímax se aproxima, confuso. A parte em que eles vivem no acampamento passa e não dá para entender muito bem como os acontecimentos atingem os pontos em que chegam. A relação da protagonista com o líder do local, O Fugitivo, por exemplo, claramente devia ser algo muito grandioso, e acaba ficando tão sem sentido que você não consegue acreditar que aquilo acabou de acontecer, nem te dá tempo de digerir as coisas para absorver.

O final também é previsível e deixa a trama aberta para uma ou mais continuações, mas eu pessoalmente acho que seria uma maneira ousada e muito interessante de fechar a história, deixando o que aconteceu depois no ar e, ao mesmo tempo passando a mensagem de que nem sempre a situação que nos parece a salvação é, de fato, a melhor, podendo também ser um problema tão grande quanto o quadro atual. Às vezes a solução é abraçar outras causas em busca do bem coletivo de forma ampla… Claro, não precisa abandonar suas convicções, mas tem como mantê-las e ainda assim se adaptar a novos pensamentos ou soluções que podem ajudar todo mundo a “chegar lá”!

Trailer:

Mentes Sombrias: 16 de agosto nos cinemas!

Enrolados

Em 06.01.2011   Arquivado em Disney, Filmes

enrolados Enrolados (Tangled) *****
Elenco (vozes): Mandy Moore, Zachary Levi, Donna Murphy, Ron Perlman, M.C. Gainey, Jeffrey Tambor, Brad Garrett, Paul F. Tompkins, Richard Kiel, Delaney Rose Stein, Nathan Greno, Byron Howard, Tim Mertens
Direção: Nathan Greno/Byron Howard
Gênero: Animação
Duração: 100min
Ano: 2011
Sinopse: “Rapunzel, a princesa que foi raptada do castelo de seus pais quando bebê é mantida presa em uma torre e sonha com aventuras. Agora uma adolescente determinada e criativa, ela realiza uma fuga de arrepiar os cabelos com ajuda de um ousado bandido. Com o segredo de sua linhagem pesando na balança e seu captor em seu encalço, Rapunzel e seu amigo encontram aventura, emoção, humor e cabelos… muitos cabelos. ”
Comentários: Disney é outro nível, né minha gente… Eu não dava muito pra esse filme não, mas é muito bom!! Foi a primera vez que tive coragem de pagar pra ver um filme em 3D e posso dizer que não é daqueles que são legais SÓ por serem 3D (Avatar….), muito pelo contrário, não faz diferença nenhuma praticamente, mas é super legal tentar pegar as luzinhas e a borboleta saindo de trás de você (do meu ponto de visão saiu direto da orelha esqueda!!).
Eu gosto desse contra-ataque que a Disney fez para Shrek, deu certo em Encantada e deu certo agora modificando a história da Rapunzel, ainda mais que eu nem sou muito fã da história original. Mesmo que estivesse ruim eu, ao contrário de 99% da população, achei legal a dublagem do Luciano Huck, porque gerou várias piadas durante o filme em que a Rapunzel era chamada de “Angélica”. e eles era não só personagem, mas também narrador.
O personagem mais carismático é o Pascal, o camaleão. Ela não fala e nem age muito, mas dá mais graça que qualquer coisa. A frigideira é outro “personagem” que merece ser super levado em consideração, melhor arma letal da história do cinema, dá vontade de comprar uma e carregar na bolsa!!
As músicas também são bonitinhas, imagino que na versão legendada sejam melhores com a voz da Mandy Moore e tudo mais.
Melhores Cenas: Quando ela finalmente sai da torre e fica meio “bipolar”, sem saber se vai ou volta. É muuuuuito engraçado!!