Cinderela Pop – O Filme

Em 24.02.2019   Arquivado em Filmes

Cinderela Pop *****
Cinderela Pop Elenco: Maísa Silva, Filipe Bragança, Fernanda Paes Leme, Barbara Maia, Giovanna Grigio, Elisa Pinheiro, Isabel Fillardis, Letícia Pedro, Kiria Malheiros, Marcelo Valle, Miriam Freeland, Sergio Malheiros
Gênero: Comédia, Romance
Duração: 95 min
Ano: 2019
Classificação: Livre
Sinopse: “Cintia Dorella (Maisa Silva) é uma adolescente que descobre uma traição no casamento dos pais. Descrente no amor, ela vai morar na casa da tia e passa a trabalhar como DJ, se tornando a Cinderela Pop. Mas ela não esperava que um príncipe encantado pudesse fazê-la se apaixonar.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Originalmente um dos contos de fada recriados para “O Livro das Princesas”, “Princesa Pop” se tornou “Cinderela Pop”, o primeiro de uma série de romances em que Paula Pimenta, um dos maiores nomes da literatura juvenil nacional, conta sua própria versão contemporânea das nossas tão queridas princesas. Hoje a coleção conta também com “Princesa Adormecida” e “Princesa das Águas” (que também vão virar filmes!), mas é o primogênito deles que voltou a ficar em alta sendo o primeiro livro dela a ser adaptado para os cinemas. Nele, Maísa Silva é Cintia Dorella, a DJ Cinderela! Após ver seu “castelo” desmoronar graças a uma traição de seu pai e o pedido de divórcio, ela passa a rejeitar completamente o amor, focando 100% nos estudos, no sonho de estudar produção musical e no começo da sua carreira de DJ, sendo ajudada pelo namorado da sua tia, com quem mora após sua mãe retomar seu trabalho como arqueóloga.

Paralelo a isso, Freddy Prince, um cantor adolescente que tocou na festa onde o caso de Cézar Dorella com sua assessora Patrícia foi revelado, consegue alcançar o estrelato gradualmente após postar suas músicas na internet. Sempre acompanhado de sua amiga Belinha, uma YouTuber que vê o canal crescer junto com a carreira do amigo, ele começa a fazer shows e apresentações, tocando músicas de sua autoria. E é na festa de 15 anos das filhas de Patrícia, a madrasta de Cintia, que ele acaba se encantado pela DJ misteriosa que transforma seu som lento e romântico numa batida dançante enquanto espera pelo momento de ser a atração da noite. Ela não pode ser descoberta pelo pai, que é contra a filha trabalhar, e na correria a única dica que o rapaz tem de quem é a garota é um “sapatinho de cristal”, porém nada convencional, esquecido por ela enquanto troca de identidade.

Cinderela Pop

Cinderela Pop: imagem via Séries em Cena

“Cinderela Pop” como filme lembra bastante o clássico adolescente dos anos 2000 “A Nova Cinderela”, que tem Hilary Duff como protagonista, no que diz respeito ao ritmo da história tanto como romance quanto como comédia. É leve, bem pra família mesmo, com uma mistura bem interessante de artistas veteranos e novatos. Nem todas as atuações são boas de verdade, principalmente na ala adolescente, que é o foco da história, mas as outras valem a pena pra fazer o equilíbrio. Maísa Silva está LINDA em seu papel de DJ Cinderela, mas principalmente mostra o exato tipo de força que precisamos ver em papéis que irão influenciar essa geração de jovens mulheres que está pro vir. Ela é dedicada, foca na carreira mesmo quando abre espaço pro amor, se esforça ao máximo para não ser pisada e, apesar de odiar com todas as forças sua madrasta (que é a vilã clássica do conto de fadas), não isenta o pai da culpa de ter acabado com sua família. Ela torce pelas pessoas ao seu redor, sempre pensando em si mesma mas sem o egoísmo de não permitir quem gosta de voar. Sendo bem sincera, gostei mais da imagem dela, e de todas as personagens de uma modo geral, na adaptação do que no livro, que li logo na época que foi lançado.

Levar histórias do papel para o cinema nem sempre é uma tarefa fácil, pede cortes e ajustes, mas o desse foram bastante positivos, mostrando outros lados do enredo (que originalmente é narrado em primeira pessoa pela Cintia), e dando mais detalhes da “vida real” pra todos os envolvidos, uma vez que certas coisas são mais fáceis de ser mostradas do que descritas. Pra quem já gosta da história, acho difícil ter decepções! O grande destaque do longa é, logicamente, Fernanda Paes Leme. Patrícia é uma mulher nojenta, péssima como pessoa, mãe e madrasta, mas sua atuação faz toda diferença pro espectador amar odiá-la. Ela tem bordões que são usados sem forçar a barra, muito pertinentemente, e nos traz as principais risadas sem precisar escrachar nada. Os tios de Cintia também são bastante carismáticos, essenciais pra que adultos também consigam se identificar ao assistir. Claro, é preciso ter em mente que se trata de um filme teen, daqueles que serão exibidos à tarde da tv aberta, mas isso não significa que adultos não possam se divertir com ele. Ele cumpre completamente seu propósito, que é ser um passatempo leve despretensioso, permitido pra todas as idades e que não faz pensar muito, mas faz sorrir pelo humor e pelo amor.

Cinderela Pop

E como não dava pra deixar esse momento tão marcante pros fãs, que sempre quiseram ver os livros da Paula nas telonas, a Galera Record lançou uma versão com a capa do pôster oficial. Achei que o título assim, em letreiro, combinou bem mais com o estilo da Cintia, que é descolada e antenada, mas a anterior é liiinda demais, com essa ilustração super bonita e meio aquarelada da personagem! Acho legal porque assim, independente da capa escolhida, cada uma tem sua vantagem pra embelezar a estante. E fica o aviso, se você gosta de romances adolescentes, princesas em versões contemporâneas e do universo cor-de-rosa da Paula Pimenta (que faz duas aparições rápidas nele, como não podia ser diferente), já anota aí: Cinderela Pop estreia em todo o Brasil dia 28 de fevereiro, essa quinta feira!

Leia também: “Cinderela”, resenha sobre a belíssima versão live action da história da mais famosa e icônica das princesas Disney!

Trailer: