Harry Potter and the Cursed Child

Em 16.08.2016   Arquivado em Harry Potter, Leitura

Harry Potter and the Cursed Child

Harry Potter and the Cursed Child Parts I & II (Special Rehearsal Edition) *****
Autor: J.K. Rowling, Jack Thorne, John Tiffany
Gênero: Roteiro, Fantasia
Ano: 2016
Número de páginas: 320p.
Editora: Scholastic
Sinopse: “Sempre foi difícil ser Harry Potter e não é muito fácil agora, já que ele é um funcionário cheio de trabalho no Ministério da Magia, um marido e pai de três crianças na idade escolar. Enquanto Harry luta com um passado que se recusa a ficar onde pertence, seu filho mais novo, Alvo, precisa lidar com o peso de um legado de família que ele nunca quis. Enquanto passado e presente começam uma sinistra fusão, pai e filho aprendem uma verdade desconfortável, pois a escuridão vem de lugares inesperados” (fonte)

Comentários: Desde que “Relíquias da Morte” foi lançado os fãs de Harry Potter torcem pela chegada do oitavo livro, e desde então eu torço pelo contrário. Não que eu ache que J. K. Rowling não teria a capacidade de fazer algo que faz jus à obra como um todo porque se tem alguém que sabe escrever e sabe sobre o mundo que criou essa pessoa é ela, mas porque sempre achei que tudo precisa de um fim na vida, e se tava tudo tão perfeito PRA QUE mexer no que está quieto, não é mesmo? Ao mesmo tempo eu esperava que saíssem mais livros extras como “Hogwarts, uma história” e comemorei muito quando ela resolveu explorar personagens diferentes do passado como Newt Scamander em “Animais Fantásticos e Onde Habitam” (que tá chegando!), então quando foi anunciada a peça “Harry Potter and the Cursed Child”, que contaria uma história mais ou menos focada no filho do Harry, fiquei COMPLETAMENTE BIPOLAR. Por um lado eu ainda estava com uns dez mil pés atrás com isso de saber mais sobre o futuro dos personagens, mas por outro… Ai, gente, é Harry Potter, né, não tinha como eu ficar triste em saber disso, principalmente quando chegou a notícia de que um livro com o roteiro da peça seria publicado, meu coraçãozinho pulou emocionado contra minha vontade. E aí que a versão em inglês saiu, teve lançamento e tudo mais (que aqui em Belo Horizonte foi mediado pelo Potter Club, arrasamos) e eu finalmente tinha o “oitavo livro” nas minhas mãos. E uma vez que tava feito eu tinha que vir aqui contar pra vocês como foi essa experiência maravilhosa.

Harry Potter and the Cursed Child

Antes de mais nada, não se preocupem, eu não vou dar spoilers, sei que vocês não gostam e seria MUITA sacanagem, já que a edição em português só sai mesmo dia 31 de outubro, só vou contar algumas impressões gerais que tive e nem considero isso uma “resenha”. Bom, de cara a experiência é totalmente diferente daquela que tivemos tantos anos atrás, lendo os sete livros porque sequer se trata de um romance, é a versão transcrita do roteiro da peça MESMO, não tem como comparar. Aliás só o fato de ser algo feito para o teatro torna tudo muito novo, porque produzir uma obra para os palcos e para o cinema, por exemplo, também não é a mesma coisa, então quando alguém vem me falando que achou tudo muito surreal, muito forçado e etc eu já nem absorvo, porque o objetivo é esse mesmo, é ter a dramaticidade que a coisa pede, simples assim. Outro ponto muito importante é o fato de que não foi a J. K. que escreveu o livro e essa diferença para mim foi a mais violenta de todas, não dá para esperar que seja no nível dela. E nem pode, né, mais um vez: não é prosa, não é pra ser igual, etc. Como eu já tinha isso tudo em mente desde o início consegui gostar BASTANTE da obra de uma forma geral e avaliei tudo baseado nisso aí, e não comparativamente.

Para quem está completamente por fora, um resumo geral: a história se passa a partir do epílogo de Relíquias da Morte, os clássicos “19 Anos Depois”. Nela Alvo Potter, Rosa Granger-Weasley e Scorpio Malfoy estão, os três, indo para Hogwarts e envolta deles existe uma carga enorme de expectativas, uma vez que as pessoas esperam que sigam os passos de seus pais tanto para o bem, quanto para o mal. Ao mesmo tempo no Ministério da Magia começa a rolar uma confusão graças à possibilidade de um Vira-Tempo ter sobrevivido ao longo dos anos e pior: ele é diferente dos outros, portanto os resultados do seu uso podem são imprevisíveis, deixando Harry e Hermione bem alarmados (parênteses para dizer que, assim como os filmes, essa peça deixa o Rony de lado em alguns momentos, o que acho uma injustiça sem tamanho). A partir daí brigas familiares, viagens no tempo, encontros de geração e revelações MUITO loucas constroem o resto da história, que sai completamente do que estamos acostumados, contrariando inclusive algumas coisas que foram ditas antes, mas sempre bem sustentada de forma a prender o expectados (e agora leitor) até o final. No fim das contas eu sequer considero Cursed Child uma continuação, para mim é como se fosse parte do Universo Expandido de Harry Potter, e nesse ponto é perfeito porque trata os leitores, as personagens e a autora com bastante respeito na maior parte do tempo. Se você é fã não pode deixar de ler e, se possível, assistir à peça, que imagino que seja uma experiência MARAVILHOSA, se eu pudesse já estava em Londres vivendo isso a muito tempo…

Harry Potter and the Cursed Child

BEDA2016