Han Solo: Uma História Star Wars

Em 04.06.2018   Arquivado em Disney, Filmes

Han Solo: Uma História Star Wars

Han Solo: Uma História Star Wars (Solo: A Star Wars Story) *****
Elenco: Alden Ehrenreich, Donald Glover, Emilia Clarke, Joonas Suotamo, Woody Harrelson, Phoebe Waller-Bridge, Thandie Newton, Anthony Daniels, Clint Howard, Jon Favreau, Jon Kasdan, Linda Hunt, Paul Bettany Dryden, Toby Hefferman, Warwick Davis
Direção: Ron Howard
Gênero: Ação, Ficção Científica
Duração: 135 min
Ano: 2018
Classificação: 12 anos
Sinopse: “As aventuras do emblemático mercenário Han Solo e seu fiel escudeiro Chewbacca antes dos eventos retratados em Star Wars: Uma Nova Esperança, inclusive encontrando com Lando Calrissian.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Han é um jovem que, tendo ficado órfão muito novo, vive como contrabandista no conturbado planeta Corellia, de onde tenta desesperadamente fugir junto com a namorada, Qí’ra, para realizar o sonho de comprar uma nave e se tornar piloto. Após derrotarem a Lady Proxima, que comanda o crime local, eles conseguem fugir, mas acabam sendo separados, então ele se alista ao exército na esperança de conseguir pilotar naves por lá. Três ano se passam e seus objetivos permanecem: a carreira dos sonhos e voltar à terra natal, onde pretende resgatar a Qi’ra de vez.

Acho que nunca cheguei a falar sobre filmes de Star Wars aqui no blog, apenas fiz uma resenha fajuta quando o Episódio 1 ganhou sua versão 3D no cinema, apesar de já ter assistido várias vezes na época. Tudo isso porque, apesar de AMAR a história, eu tenho um problema com a maior parte da fanbase: acho o grupo de fãs mais chato que já existiu! Óbvio que não podemos generalizar, etc etc, mas estou falando do grosso, da maioria, que não só não consegue aceitar que novas pessoas passem a gostar, como também acham um problema qualquer mini alteração que façam na sua obra intocável.

Por que então, vocês me perguntam, falar justamente sobre esse que está sendo tão detestado? Oras, porque alguém precisa vir defender! Eu simplesmente adorei Han Solo! Achei muito gostoso poder ver a juventude de uma personagem tão icônico e, de quebra, sua história prévia com algumas outras. O filme se passa aproximadamente 10 anos antes dos acontecimentos de “Uma Nova Esperança” e é muito bacana ver como Solo já tinha a essência que tem na trilogia original, mas também muitas coisas diferentes… Afinal, né, estamos sempre em constante mudança, e até pessoas fictícias passam por mutações.

No quesito “fan service” achei um prato cheio. Vemos como Han e Chewie se tornaram amigos, temos referências em algumas falas (“I hate you!” “I know!”), curtimos a velha trilha sonora adaptada a esse novo momento. Pela primeira vez na história da “Galáxia Muito Distante” o assunto principal não é política, que é o grande foco de todas as outras aventuras. Esses personagens são o lado “abandonado” do Império, tendo que se aliar a ele e traí-lo a todo momento porque, afinal, o que importa ali não é quem está no poder e sim sua sobrevivência. Eles também não usam ou demonstram possuir a Força, as batalhas são todas usando “força bruta” e, claro, tiros e explosões. Há também a presença INCRÍVEL de Lando, que ficou extremamente fiel ao original, e sua Millenium Falcon que, como todos sabemos, é a nave e xodó do personagem título – sim, você vai descobrir como foi o “jogo justo” que fez com ela passasse de um para o outro!

Han Solo: Uma História Star Wars

Imagem via ABC News

Sobre novas personagens, minha favorita foi a L3-37, companheira de Lando, uma droid problematizadora e ativista que luta contra a subordinação das máquinas. Ela é absolutamente encantadora e foi IMPOSSÍVEL pra mim não me identificar – BB-8 acaba de ganhar uma concorrente na minha lista de queridinhos! Também conhecemos o casal de contrabandistas Beckett, que praticamente introduzem o rapaz nessa nova vida de forma profissional. É Thobias Beckett que, no final, dá a brecha para que ele se transforme no adulto interpretado por Harrison Ford. E, claro, não podemos deixar de falar de Emilia Clarke como Qi’ra, provavelmente a pessoa mais misteriosa entre todas as apresentdas. Algo me diz que veremos mais da “ex” de Han em filmes da série.

Digo isso porque Alden Ehrenreich, intérprete de Han Solo, já tem um contrato de três filmes com a Lucasfilm e, no final, temos brecha para ver mais histórias antigas sendo mostradas, como por exemplo no longa já confirmado de Boba Fett. Inclusive os dois personagens fazem parte do mesmo núcleo, sendo caçadores de recompensa trabalhando para o Jabba ao mesmo tempo… Não sei se realmente haverá uma trilogia de Solo, ou se esse contrato é pra outros spin-offs assim, mas espero que sejam tão divertidos quanto esse, que tem humor, aventura, emoção e muita referência, do jeito que a gente gosta!

E, por fim, o meu apelo pessoal à Disney: CADÊ KENOBI NESSA LISTA DE LANÇAMENTOS AÍ, MINHA GENTE? CÊS NUM ME DECEPCIONEM NÃO PORQUE EU JÁ TÔ AQUI SE SABRE AZUL NA MÃO AGUARDANDO POR ESSE SONHO TÃO FÁCIL DE SER REALIZADO, HEIN! AI AI AI!

Trailer:

Star Wars – A Ameaça Fantasma 3D

Em 10.02.2012   Arquivado em Filmes

Eu nunca comentei realmente sobre Star Wars aqui no blog. Eu SEMPRE conheci a história e seus elementos principais, mas só fui assistir aos filmes ano passado e desde então sou fãzona. Agora com o lançamento dos filmes em 3D vou poder dar minha opinião não só sobre essa nova versão, mas também sobre o enredo de cada um deles em si!!

Star Wars - A Ameaça Fantasma

Star Wars: Espisódio I – A Ameaça Fantasma (Star Wars – The Phantom Menace) *****
Elenco: Ewan McGregor, Ian McDiarmid, Liam Neeson, Jake Lloyd, Natalie Portman, Ray Park, Samuel L. Jackson, Frank Oz (Voz), Kenny Baker, Andrew Secombe, Peter Serafinowicz (Voz), Anthony Daniels, Lewis Macleod, Keira Knightley, Ahmed Best (Voz)
Direção: George Lucas
Gênero: Ficção Científica
Duração: 131min
Ano: 1999/2011
Sinopse: “Quando a maquiavélica Federação Comercial planeja invadir o pacífico planeta Naboo, o guerreiro Jedi Qui-Gon Jinn (Liam Neeson) e seu aprendiz Obi-Wan Kenobi (Ewan McGregor) embarcam em uma aventura para tentar salvar o planeta. Viajam com eles a jovem Rainha Amidala (Natalie Portman), que é visada pela Federação pois querem forçá-la a assinar um tratado que é para eles muito importante. Eles têm de viajar para os distantes planetas Tatooine e Coruscant em uma desesperada tentativa de salvar o mundo de Darth Sidious (Ian McDiarmid), o demoníaco líder da Federação que sempre surge em imagens tridimensionais (a ameaça fantasma). Durante a viagem Qui-Gon Jinn conhece um garoto de nove anos que deseja treiná-lo para ser tornar um Jedi, pois o menino tem todas as qualidades para isto. Mas o tempo revelará que nem sempre as coisas são o que aparentam.” (fonte)

Comentários: Ah, gente, que cara é essa?? Só porque o filme é o pior dos seis?? Mas é legal, vai!! Legal porque pra quem viu começando da antiga triologia significa saber, FINALMENTE, “what the hell is a Jedi”. A gente escuta na trilogia original falando de Jedi isso, Jedi aquilo, mas nunca vê Jedi em ação, não conhece os costumes deles. E é o que eu gosto na nova trilogia, principalmente essa relação Padawan-Mestre que eu acho o máximo. Isso é colocado de forma liinda nessa filme na relação do Qui-Gon com meu personagem favorito da série, Obi-Wan. Vê-lo ali ainda de trancinhas, tendo que baixar a cabeça pra alguém como o Qui-Gon (que eu acho, de longe, o personagem mais imbecil da série), precisando de um impulso pra poder fazer as coisas e assumindo uma responsabilidade por fidelidade é lindo. E ponto final.

O problema do filme é que ele gasta muito tempo com pouca coisa. A Corrida de Pod, por exemplo, é legal, os sons são incríveis, muito importante, tá. Mas PÔ, reduz isso mais – porque era pra cena ser mais longa ainda! Acaba uma rodada e ainda tem outra rodada e depois mais OUTRA rodada. Que saco, George Lucas! Essa realmente me cansa.

Uma coisa que acho bem legal, por sua vez, é apresentação dos personagens aos poucos. Eles só mostram e aí, de repente, soltam o nome dele, e eu imagino quando o filme saiu no cinema originalmente e o pessoal ouviu “Obi-Wan”, “Anakin”, “Mestre Yoda”, “C-3PO” e “R2-D2” a primeira vez, deve ter sido uma gritaria atrás da outra. Sobre o 3D, num tem muito o que dizer, uma vez que um filme que não é em 3D não pode ter realmente muito efeito legal. É a mesma coisa, nada pulando da tela ou algo assim. Só profundidade. E “profundidadezinha”.

Ah, o Yoda foi modificado, como já era de se esperar, para personagem de CG. Mas num gostei não. Gosto dele nos episódios II e III, mas esse ficou com a cara esquisita, acho que eu até prefiro ele versão “muppet”… Não sei exatamente o que me incomodou, preciso ver de novo pra descobrir.

Melhores Cenas: “Anakin Skywalker, meet Obi-Wan Kenobi.” Lágrimas. Isso é lindo. Sem mais. Mas como isso não é uma cena, é só uma frase… Vamos partir pras BATALHAS! O final tem aquele 4 em 1 que eu adoro. Você vê de um lado Anakin, aí muda pra Rainha Amidala e aí Jar Jar… E você acha tudo muito legal até aparecer uma luta de Sabre de Luz bem na sua frente. Amo. Super coreografada, super bem feita… Quando tá Darth Maul versus Qui-Gon eu fico torcendo pro lado Negro (justo eu, a pessoa mais “Lado Luminoso” que conheço), e aí quando Obi-Wan assume mudo de lado, claro, ele faz movimentos fantásticos pra combater duas lãminas com uma só, até arrepio.

Trailer: