6 on 6 Março: Duas Cores

Em 06.03.2016   Arquivado em Fotos

Esse é o primeiro post do 6 on 6 com tema escolhido pelo grupo, gente, olha que lindeza! Dessa vez escolhemos fazer fotos com Duas Cores, o que eu descobri que é MUITO DIFÍCIL! Sério, tudo o que eu olhava achando que poderia ficar legal tinha três, penei até conseguir ficar satisfeita, mas fiquei!!

6 on 6 Março
6 on 6 Março
6 on 6 Março
6 on 6 Março
6 on 6 Março
6 on 6 Março

01. Procurei e procurei algum livro que tivesse a capa só de duas cores e lembrei que “O Caminho Jedi” é cinza e prata
02. … enquanto “O Livro dos Sith” é vermelho e preto;
03. Logo de M&M’s branca e marrom da lapiseira que uso na agenda aqui do blog;
04. Momento “broken heart” com minhas duas cores favoritas: rosa e preto;
05. Já que tô nessa vibe de encadernação-mania (esse mês mostro pelo menos mais dois no Expresso Rosa) e queria muito que tivesse algo preto e branco aí está, um dos rolinhos de linha que uso pra costurar os cadernos;
06. Minha blusa do Hogsmeeting, que já é mês que vem! Eu ganhei ela da Cia do Ponto ano passado e estou desde então esperando para usá-la… Na edição passada já rolaram algumas pretas, mas essa bordô e dourada meio “Grifinória” foi feita só pra mim!

Agora não deixem de conferir os posts dos outros participantes do projeto: Aninha, Igor, Lucas, Maíra e Renatinha!

Último dia

Em 26.02.2016   Arquivado em Escrevendo

Naquela época, no auge da infância, a gente nunca ia imaginar que eu tinha as cordas vocais ferradas, então minha professora me escolheu como um dos alunos que faria parte do coral comemorativo de 50 anos da escola. Eu sei, hoje em dia é até engraçado imaginar isso, mas foi o que rolou, por mais incrível que possa parecer. Fizemos a primeira apresentação na festa de aniversário e depois, por que não, eles resolveram manter aquele grupo de alunos em outras apresentações, como o Auto de Natal e, nos anos seguintes, festas juninas e qualquer outra ocasião que houvesse para a gente cantar.

Gravamos cds, cantamos em recepções de seminários, festas no shopping e aberturas de agências bancárias e, a cada nova apresentação, eu amava mais e mais fazer parte do coral. Meu amigos foram cansando depois de dois anos, mas eu continuava firme e forte, tendo que ir para a escola em horários fora de aula pros ensaios e levando a família toda pras apresentações. Era engraçado porque à medida que o tempo foi passando eu era uma das mais velhas da turma, mas continuava nas primeiras fileiras porque pequenininha daquela jeito tinha que ficar entre os mais novos e mais baixinhos. Porém, como tudo o que é bom dura pouco, na quarta série a primeira fase do Ensino Fundamental acabou e eu tive que sair da escola, deixando de fazer parte também do coral. Naquele ano eu me preparei pra cada apresentação com mais e mais alegria e no dia da última delas, o Auto de Natal de 2000, TODO MUNDO foi pra escadaria da escola me assistir cantando pela última vez. Eu nunca esqueço que eu e uma amiga (que é filha de uma amiga da minha mãe) nos arrumamos juntas lá em casa e até passamos uma sombra brilhosa nos olhos, que fomos descobrir depois que na verdade era purpurina para usar no papel, e não no rosto. Mas a gente não ligou, não. Coisa de criança né?

Ao final da apresentação eu chorei. Primeiro porque eu choro mesmo, sou a pessoa mais chorona que já existiu nesse mundo, e segundo porque estava tendo que me despedir da minha escola querida, meus amigos queridos e meu coral querido. Mas depois que as lagriminhas acabaram a gente se divertiu até… Acho que criança “supera” essas coisas com mais facilidade e, bem, a gente ia comer pizza naquela noite, não tinha muito do que reclamar, né? Mas uma coisa eu fiz questão de fazer antes de ir embora e o Rodrigo, que também estava “formando”, concordou comigo: nós tínhamos que pisar na grama da fachada da escola, aquela grama que era proibida para todos os alunos, uma vez que não estudávamos mais lá e ninguém poderia chamar nossa atenção. E foi ali, naquela grama, que tiramos uma foto celebrando aquela data “especial”.

Olha, eu até tentei participar do coral da minha nova escola, mas como foi a ÚNICA aluna a fazer isso não deu muito certo e cancelaram a ideia. Me colocaram pra ser backing vocal da banda que os meninos do Ensino Médio tinham montado e era isso aí, foi minha última experiência como cantora da vida (para o bem de nossos ouvidos). Mas foi uma fase que rendeu várias histórias saudosas e uma das fotografias favoritas que temos da infância, desrespeitando regras e sendo aplaudidos por isso!

Creative Writing Prompts 02
Rodrigo (irmão da Pati), Daninha (minha irmã), Patiquinha (nossa melhor amiga-quase-irmã) e eu, no nosso momento *vida loka*. Porém não sigam nosso exemplo pois pisar na grama é feio e faz mal pras plantinhas, ok crianças? Ok!

Esse post foi inspirado na proposta #02 do Creative Writing Prompts, que oferece mais de trezentas ideias legais para desenvolver sua escrita criativa. É o entre os 25 que me propus a escrever até outubro de 2018!
Nesse específico eu tive que expressar em apenas 10 minutos todos os sentimentos que essa foto me trouxe, então me perdoem pelo texto meio sem nexo, achei melhor publicá-lo assim mesmo porque essa que é a graça do negócio, né, se fosse arrumar demais ou censurar o resultado perdia todo o sentido. Só finalizei e revisei mesmo!

6 on 6 Fevereiro: Livre/Música

Em 06.02.2016   Arquivado em Fotos

Mais um mês livre aqui no Projeto 6 on 6, mas como eu gosto de tematizar tudo nessa vida resolvi que dessa vez o foco das fotos será MÚSICA, que eu amo de paixão e não sei viver sem…

6 on 6 Fevereiro
6 on 6 Fevereiro
6 on 6 Fevereiro
6 on 6 Fevereiro
6 on 6 Fevereiro
6 on 6 Fevereiro

01. Trecho de Wish You Were Here: uma das minhas músicas favoritas no mundo;
02. Light Side x Dark Side: Meu iPod roxim com Yoda contra o iPod azulzim com Vader da Daninha – coincidentemente as cores dos iPods são as mesmas dos nossos Sabres de Luz;
03. Elton John: meu amorzão e o único vinil que tenho dele (por enquanto), Jump Up;
04. CDs: alguns dos que eu tenho, que são em sua grande maioria trilhas sonoras;
05. Alguns dos musicais favoritos: ou pelo menos os que tenho em casa! Não coloquei animações;
06. Memory Jar: que não tem nada a ver com música, mas queria mostrar mesmo assim. eu peguei essa ideia no post do projeto que o Lucas fez mês passado e agora toda memória feliz de 2016 vai lá dentro para que quando o ano acabar eu possa ver tudo que foi positivo!

A foto 5 não ia entrar, era pra ser uma com meus dvds de shows, por causa dessa coisa de ter ficado contra a luz, mas no fim acabei agradando dessa falha e a dos shows perdeu seu lugar!

Agora não deixem de conferir os posts dos outros participantes do projeto: Aninha, Igor, Lucas, Maíra e Renatinha!

6 on 6 Janeiro: Livre/Metas

Em 06.01.2016   Arquivado em Fotos

Novidade #1 aqui no blog em 2016: estou participando do Projeito 6 on 6, onde todo dia 6 do mês eu e mais cinco blogueiros postaremos 6 fotos em um determinado tema estabelecido pelo grupo. Vai ser bem desafiador pra mim porque minha câmera, que já era ruinzinha, está bem louquinha ultimamente, mas aí a gente faz de conta que isso deixa a coisa mais emocionante até eu comprar uma nova, hahaha!
Para esse primeiro mês, como estava tudo muito corrido, nós deixamos o tema livre, que pode significar tanto postar o que der na telha como escolher seu próprio tema, que foi o que eu fiz. Resolvi juntar esse clima de início de ano com a necessidade de tirar minhas mini coisas da caixa e mostrar minhas metas de ano novo através de miniaturas! (Algumas acabaram ficando meio conceituais, mas tudo bem, ‘tamos aí pra isso mesmo.)

6 on 6 Janeiro
6 on 6 Janeiro
6 on 6 Janeiro
6 on 6 Janeiro
6 on 6 Janeiro
6 on 6 Janeiro

01. Aprender a cozinhar: Essa é provavelmente a mais importante. Não gosto de cozinhar, mas quero saber me virar melhor na cozinha, pelo menos o básico.
02. Seguir com os projetos que me propus aqui no blog: Não só esse aqui como um novo que envolve vídeos e que o primeiro post sai semana que vem, tô doida pra botar adiante!
03. Juntar dinheiro: Para poder fazer algo grande ano que vem. Espero conseguir!
04. Ficar mais bonita: Sei que parece meio fútil, mas é mais uma questão de estar satisfeita comigo mesma, olhar no espelho e não ter muito do que reclamar.
05. Falar menos e ouvir mais: Minha fonoaudióloga me proibiu de falar muito, mas eu não consigo… Ainda assim esse ano quero aprender a só soltar minha opinião depois que todos já tenham feito isso!
06. Chegar em 2017 feliz: Porque não tive tanta felicidade ano passado, na verdade fui bem triste, e não quero isso de novo.

Agora não deixem de conferir os posts dos outros participantes do projeto: Aninha, Igor, Lucas, Maíra e Renatinha!

Projeto Psiquê: Novembro e Dezembro

Em 04.01.2015   Arquivado em Dolls

Ai, gente, que saudades que sentirei do Projeto Psiquê! Foram 12 meses, 12 temas, 12 fotos e 12 alegrias, DE VERDADE! Vai ser tão estranho não ter um tema novo no começo do mês, não ter que quebrar a cabeça em como interpretá-lo e que boneca se encaixaria melhor nessa interpretação. Esse projeto me fez redescobrir minha paixão pelas minhas (e agora “meus”) dolls e mais: me fez deixar de lado o receio de assumir publicamente o valor que cada cabeçudinho tem na minha vida. Antes eu tava sempre medindo, pensando coisas do tipo “Já postei uma foto de boneca outro dia, se eu postar outra vai ficar demais”… AZAR, GENTE! A gente não tem que esconder o que nos faz feliz, simples assim! Eu nunca tive vergonha de ser tão aficionada por bonecas, sempre levei as minhas pra cima e pra baixo sem medo de tirá-las da mochila, assumindo pra amigos, família, colegas, TODOS, então por que não continuar mostrando pro mundo o quanto isso me faz bem? Por causa de julgamentos alheios? Olha, sei que é clichê falar isso, mas quem paga por elas sou eu, não os outros. E se os outros não pagariam não posso fazer nada, eu sim. Ponto.
(Parênteses porque em 2014 eu ganhei duas dolls – todas as outras eu comprei -, a Silena da mamãe e o Reginald da Mari e do Vinícius, então eles acabaram pagando também, hahaha. Mas foi sem julgamentos, foi por amor, isso que vale.)
Enfim, fica a dica pra quem tem vergonha/receio/medo/whatever de mostrar pro mundo qualquer coisa boa causadora de sorrisos. O importante é estar feliz.

Enfim, saí um cadinho do foco do post que é mostrar as duas fotos finais que fiz pro projeto. O interessante desses últimos temas é que eles sempre tinha um sentido por trás, além do próprio nome, então isso abria pra mais e mais interpretações!

Em novembro o tema foi Uma, que se relacionava à intimidade. Quando saiu o tema eu vi dois possíveis significados pra essa palavra que me interessaram: o primeiro foi “Unidade de Massa Atômica” e o segundo foi a deusa hindu, uma variação da deusa Parvati.
Ao mesmo tempo eu tinha um objetivo particular pra novembro: usar a Kim. Ela não foi modelo de NENHUMA outra foto do projeto justamente pra ficar no penúltimo mês. Ia ser o último, mas o tema dele saiu um pouco antes e eu sabia que não tinha muito a ver com ela, então “senti” que ela ficaria pra foto 11. Sei lá, ela tava meio que predestinada, os dois significados que eu tinha achado e que eram bons combinavam direitinho com ela, era pra ser mesmo.
Acabei escolhendo a deusa porque achei que daria algo mais bonito graças a esses cabelons pretons! Na verdade eu nem tinha muitas coisas pra compor um cenário legal nem nada, então fiz simplezinho mesmo, só ela, uns elefantes, roupas vermelhas e pronto!
Mentira, a parte mais legal não foi nada disso, foi que ela tem QUATRO BRAÇOS, olha que esquisitice hinduzinha linda! Os braços “extras” são originalmente da Mimia, mas ela emprestou de bom grado e tals…

Projeto Psiquê - Novembro

O tema de dezembro que, como eu tinha dito, foi anunciado uns meses antes, foi simples e lindo: Maria, a representação da amizade! E que mais uma vez eu foquei no nome do tema um si, e que Maria melhor do que a mais famosa Maria do mundo?
A ideias eram VÁRIAS e a mais legal foi a de fazer um presépio de bonecas, combinando lindamente com o tema de fim de ano e tudo mais. Até que lembrei uma música que eu sempre cantava quando criança e me inspirei nela:

“Mãezinha do céu, eu não sei rezar,
Eu só sei dizer: eu quero te amar!
Azul é seu manto, branco é seu véu,
Eu quero ser sua, mãezinha do céu.”

Aí Silena apareceu no papel improvisado de Maria e ÓBVIO Reginald rezando pra ela, porque ele é meu amorzinho bebê da mamãe e merecia sua vez no projeto também, né!

Projeto Psiquê - Dezembro

E… Acabou! Triste, isso… Mas vamos ver se agora eu não começo a ilustrar os posts com fotos bonequeiras criativas, inspirada pela falta que o projeto. Fica essa dúvida no ar!

Página 3 de 9123456789