Cinderela

Em 14.04.2015   Arquivado em Disney, Filmes

Cinderella

Cinderela (Cinderella) *****
Elenco: Lily James, Richard Madden, Cate Blanchett, Helena Bonham Carter, Holliday Grainger, Sophie McShera, Alex Macqueen, Barrie Martin, Ben Chaplin, Derek Jacobi, Eloise Webb, Hayley Atwell, Leila Wong, Nonso Anozie, Bob Brydon, Stellan Skarsgård.
Direção: Kenneth Branagh
Gênero: Fantasia, Romance
Duração: 113 min
Ano: 2015
Sinopse: “A história segue a vida da jovem Ella (Lily James), cujo pai comerciante casa novamente depois que fica viúvo de sua mãe. Ansiosa para apoiar o adorado pai, Ella recebe bem a madrasta (Cate Blanchett) e suas filhas, Anastasia (Holliday Grainger) e Drisella (Sophie McShera), na casa da família. Mas quando o pai de Ella falece inesperadamente, ela se vê à mercê de uma nova família cruel e invejosa. Relegada à posição de empregada da família, a jovem sempre coberta de cinzas, que passou a ser chamada de Cinderela, bem que poderia ter começado a perder a esperança. Mas, apesar da crueldade a que fora submetida, Ella está determinada a honrar as palavras de sua falecida mãe: tenha coragem e seja gentil.” (fonte)

Comentários: Alô você aí que é doido por contos de fadas, pelo “felizes para sempre”, pelas lindas e inocentes princesas que estão em busca de um príncipe encantado e por pura magia Disney: esse filme é pra você assim como foi pra mim, viu, porque eita COISA LINDA! Nossa, gente, saí do cinema completamente encantada, foi maravilhoso do começo ao fim.

É engraçado porque quando eu vi o trailer só coloquei defeito: que o vestido tava muito escuro, que a atriz não tinha cara de Cinderela, que Helena Bonham Carter estava ali em mais um papel interpretando ela mesma, etc, mas eu estava errada e admito: o vestido é maravilhoso, Lily James NASCEU para ser uma princesa e até a Helena me surpreendeu, ficou ótima de Fada Madrinha (eu até acho ela boa, gente, mas ainda assim todo filme que vejo com ela é a mesma coisa, foi mal). E além disso muito mais, né, porque escolheram um príncipe liiindo e maravilhoso, tem a presença até mesmo de personagens animais do clássico Disney como Lúcifer e os ratinhos, as irmãs dela são nojentas mesmo que bonitas pra quebrar a ideia de que são más por serem feias e, claro, a cereja do bolo que fez toda diferença e valeu o filme todo: Cate Blanchett! Meu Deus, como é incrível, a gente tem PRAZER em torcer contra a madrasta que ela interpreta, é aquela que amamos odiar.

A Ella/Cinderela é encantadora num nível que as pessoas no geral chegam a ter antipatia por tamanha bondade e fofura, mas eu adoro! É legal porque ela é super boazinha, faz as coisas sempre sem querer nada em troca e ainda assim não é submissa, quando ela curva a cabeça para alguém é porque acredita ser melhor e tem um momento em que a madrasta começa com chantagens e ela se recusa a aceitar mesmo que isso vá prejudicá-la, simplesmente porque é o CERTO. Me deu raiva que a garota atrás de mim no cinema falou “que menina idiota” porque acho isso uma total inversão de valores: a maldade vem da pessoa esperta, mas a bondade vem da imbecil? Discordo totalmente, não só na ficção como na vida real! Obrigada, Kenneth Branagh, por essa obra de arte!

A única coisa que eu senti falta, de verdade, foram as músicas da animação. Rola até uma menção delas em alguns momentos e a Fada Madrinha chega a usar o “Bibbidi Bobbidi Boo”, mas faltou mesmo, principalmente a valsa que ela dança com o príncipe, a cena foi linda e teria ficado mais ainda se contasse com a música certa. Achei que a alteração das personalidades do rei e o Gran Duke iam me incomodar, mas no final eu já tinha me conformado e até gostado disso pro conjunto total da obra porque favoreceu o romance da história para não passar aquela imagem de “nem te conheço e já te amo”, sabe, foi bem mais desenvolvido do que isso.

Melhores momentos: Se me perguntassem meu momento favorito da animação eu responderia COM CERTEZA que é quando a Fada Madrinha cria o vestido da Cinderela nela, então nem preciso dizer que mesmo sendo cenas tão diferentes dessa vez foi igual, né? Lindo demais. E para quem gosta das músicas da Disney (e vai sentir falta delas como eu), vai meu aviso: fiquem até o final dos créditos finais porque tem a versão da Lily James cantando “A Dream Is A Wish Your Heart Makes” que teria me feito chorar se eu já não estivesse chorando!

Curta: E é LÓGICO que eu não ia terminar esse post sem falar de Frozen Fever, né? Foi lindo, gente! Elsa e Anna se amando, o Olaf ganhando baby-brothers de neve, Kristoff declarando seu amor, Sven sendo o melhor alívio cômico ever… Ao contrário do filme mesmo o curta é super alegre, mas ainda assim mantiveram a personalidade e principalmente o peso da relação dos personagens, amor puro e Disneyco! E com participação especial de Príncipe Hans e tudo mais!

Trailer: Agora depois de ver o filme vejo os trailers com outros olhos, vontade de ir ao cinema assistir de novo!

Caminhos da Floresta

Em 01.02.2015   Arquivado em Disney, Filmes

Into The Woods Caminhos da Floresta (Into The Woods) *****
Elenco: Meryl Streep, Emily Blunt, James Corden, Anna Kendrick, Lilla Crawford, Daniel Huttlestone, Johnny Depp, Chris Pine, Mackenzie Mauzy, Billy Magnussen, Christine Baranski, Tracey Ullman, Annette Crosbie, Frances de la Tour, Lucy Punch, Tammy Blanchard, Barrie Martin, Joanna Riding, Richard Glover, Simon Russell Beale
Direção: Rob Marshall
Gênero: Musical, Fantasia
Duração: 125 min
Ano: 2015
Sinopse: Uma bruxa (Meryl Streep) está decidida a dar uma lição em vários personagens famosos dos contos de fadas, como Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e Rapunzel. Cabe a um padeiro e sua esposa a tarefa de enfrentá-la, de forma a colocar as histórias e seus personagens em ordem.” (fonte)
Comentários: Primeiramente: esqueçam COMPLETAMENTE essa sinopse horrenda que tá sendo divulgada por aí porque o filme não tem absolutamente nada a ver com isso. “Segundamente”, já que não estão divulgando muito isso: esse filme é um MUSICAL, e daqueles que tem música e diálogos cantados e rimados o tempo inteiro e sem parar, então é bom ir preparado já para isso porque é um estilo que não agrada muita gente. Tendo isso em consciência vai em frente porque o filme é maravilhoso. Sério, pura magia Disney!
A história é um mix de contos de fadas diversos (Cinderela, Rapunzel, João e o Pé de Feijão e Chapeuzinho Vermelho) que se entrelaçam o tempo todo com a história de um padeiro e sua esposa que não conseguem ter filhos. O que faz eles se encontrarem é uma missão dada por uma bruxa (interpretada pela Meryl Streep que tá ultrapassando seus limites de diva suprema do cinema) que acaba levando esse casal para a floresta ao mesmo tempo dos outros personagens. E aí que nesse meio tempo tem músicas que grudam lindamente na cabeça, um monte de atores bons de serviço, romance, humor, aventura, drama: TUDO! Tem tudo, gente, simples assim, e é tudo misturado direito de uma forma que só a Disney consegue fazer. E mais: mesmo com o final “diferente” a história é super fiel ao original dos contos de fadas, com os momentos impactantes e tudo mais, a parte da Cinderela deixou o pessoal que estava no cinema (e provavelmente não conhece a história) até meio chocado.
Eu vi muita gente falando mal do filme desde ontem e não tô entendendo, sério. O povo reclama dos clichês de contos de fada, aí vem um filme que mostra tudo de forma bem humorada até acabar quebrando com o que é esperado e o povo reclama. Tem Johnny Depp fazendo o MESMO PAPEL DE SEMPRE que é só o que ele tem feito desde Piratas do Caribe e todo mundo idolatra, e a galera diz que a aparição dele foi desvalorizada (apesar de ser igual a todas as outras). Tem Meryl Streep mais maravilhosa do que nunca e me fazendo até arrepiar na cadeira (sério, vontade de me ajoelhar aos pés dela) e só o que o povo consegue dizer é que nem ela consegue salvar a história. Não acreditem nisso, crianças, assistam ao filme porque eu garanto que é maravilhoso. Ele une as histórias e dá um final, mas ao mesmo tempo ficam algumas possibilidades soltas pra você ver que nem tudo na vida acaba ou tem um felizes para sempre. (Como é o caso, por exemplo e com um leve spoiler, da Rapunzel e do padeiro, que nunca chegam a se conhecer por mais que você ache que isso vai acontecer devido à história deles).
O que eu achei mais incrível é que é uma história de fantasia que funciona bem sem mocinhos nem vilões: todo mundo ali tem erros e acertos! Até mesmo a bruxa, que tem a aparência meio perversa, é assim e as letras das músicas dela estão sempre mostrando isso, que nós somos humanos e que tem bem e mal em todo mundo. Eu sou daqueles que torce pro herói e quer ver o vilão morrendo SEMPRE e não me decepcionei, gostei de absolutamente to-dos os personagens.
Melhores momentos: A hora mais engraçada é quando os dois príncipes irmãos (o da Cinderela e o da Rapunzel) cantam uma música digna de vergonha alheia e hilária mostrando o lado engraçado desses “príncipes encantados”. A gente ria de rolar. Quanto às histórias de contos de fadas minhas partes favoritas eram as do Jack/João: eu não conhecia o Daniel Huttlestone mas achei o garoto incrível, acho que tem mega futuro e é a cara do Reginald, meu Isul, impossível não morrer de amores.
Mas ninguém, ninguém, NINGUÉM ganha da bruxa, jamais. Ela é absolutamente maravilhosa, uma atuação fora do normal, as músicas eram as melhores, impecável. Meu apelo pessoal é: deem mais um Oscar pra essa mulher porque ela merece e muito! Quero muito o dvd depois pra ver e rever porque amei tudo, mas principalmente por causa dela!
Trailer:

Divergente

Em 20.04.2014   Arquivado em Filmes

Divergente Divergente (Divergent) *****
Elenco: Shailene Woodley, Theo James, Kate Winslet, Ansel Elgort, Ashley Judd, Ray Stevenson, Zoë Kravitz, Ben Lloyd-Hughes, Tony Goldwyn, Jai Courtney, Maggie Q, Miles Teller, Christian Madsen (I), Ben Lamb, Mekhi Phifer
Direção: Neil Burger
Gênero: Aventura
Duração: 139 min
Ano: 2014
Sinopse: “Na futurística Chicago, quando a adolescente Beatrice (Shailene Woodley) completa 16 anos ela tem que escolher entre as diferentes facções que a cidade está dividida. Elas são cinco, e cada uma representa um valor diferente, como honestidade, generosidade, coragem e outros. Beatrice surpreende a todos e até a si mesma quando decide pela facção dos destemidos, escolhendo uma diferente da família, e tendo que abandonar o lar. Ao entrar para a Dauntless, ela torna-se Tris e vai enfrentar uma jornada para afastar seus medos e descobrir quem é de verdade. Além disso, Tris conhece Four, um rapaz mais experiente na facção que ela, e que consegue intrigá-la e encantá-la ao mesmo tempo.” (fonte)
Comentários: Eu assisti ao filme “Divergente”, adaptado no livro de mesmo nome, pouco mais de uma semana antes do lançamento na pré-estréia para convidados que teve em Belo Horizonte – que foi a primeira do país. Pensei em postar sobre ele antes mas acabei adiando porque achei melhor esperar sair oficialmente e o pessoal assistir pra expressar o que achei e ter quem concorde ou não comigo.
No geral achei o filme muito bom, com alguns erros de adaptação meio tristes, mas que não acho que atrapalharam o enredo em si. Gostei de como o universo de Divergente foi apresentado, gostei de como a Chicago futurista foi retratada e gostei principalmente da apresentação das facções, eles mostravam os símbolos de forma incrível antes de falar sobre, ficou lindo! O figurino de algumas delas também merece destaque: Erudição tá de matar de lindo e Audácia e Franqueza ficaram bons também. Abnegação por sua vez achei que podia ter tido um acabamento melhor e Amizade ficou HORROROSO, um estilo meio hippie forçado que nem seguia as cores da facção, uma pena porque tem como fazer coisas lindas com a combinação vermelho e amarelo. Fiquei triste porque considero a Amizade “minha facção” e não acho que eles deviam ser vistos só como agricultores drogados, pra mim a essência deles é a melhor de todas por serem pessoas gentis e amigáveis e tudo mais. Mas ok.
Sobre o elenco do qual reclamei durante meses: quebrei a cara! Kate Winslet ARRASOU como como Janine, estava irreconhecível e impecável, e Theo James, socorro, alguém me abana com aquele homem, mãe do céu, que voz é aquela? Todas as meninas – e alguns meninos – arfavam de emoção cada vez que Quatro falava qualquer coisa no filme, não tinha como sair impune a ele, incrível mesmo. Só a Shailene que não achei que funcionou no papel: a voz dela é meio molenga mosca morta pra alguém tão forte como a Tris e ela é MUITO ALTA com um “corpão” que não combina já que a personagem é pequena e isso é falado o tempo todo.
Em alguns momentos senti falta de algumas partes do livro como, por exemplo (E SPOILER) o romance da Cristina com o Will (Que virou um abraço carinhoso. Só), o ataque que o Edward sofre que nem é mencionado e o final. Teve um parte incrível que envolve Tris atirando facas que eu até aplaudi, mas ficou meio forçado no geral e não tinha naaaada a veeeer com o livro. Fora isso os outros cortes e modificações não me incomodaram, inclusive achei necessário em alguns casos.
Melhores momentos: Além dos símbolos da Erudição, Amizade e Abnegação sendo apresentados de forma incrível com uma caracterização real das imagens e da apresentação das facções no início como deveriam ser, e não da forma estereotipada como realmente são, minha cena favorita foi a da tirolesa. O cenário tá fantástico, a trilha sonora incrível, Veronica Roth (que, pra quem não sabe, é a autora dos livros) faz uma apariçãozinha e é um momento icônico e importante PRINCIPALMENTE para quem leu Convergente, o último livro da trilogia. Eu tinha esquecido de como era exatamente então quando ela foi lançada acabei lembrando e o epílogo do terceiro livro me veio na cabeça e eu CHOREI COMPULSIVAMENTE DE SOLUÇAR! Sério, gente, não achei que ia chorar – e vocês me conhecem, eu choro em propaganda de margarina – mas não deu pra segurar, cada vez que lembro daquilo fico mais e mais emocionada, cena linda mesmo!
Dei 3 estrelas e meia aqui no blog e acho que 4 lá no Filmow. Não sei se essa minha opinião vai se manter para sempre quando eu rever o filme sabe-se lá quando, mas tô satisfeita agora e isso que importa, vale a pena pra quem leu e gosta da série, pra quem leu e nem gosta tanto assim e pra quem não leu e gosta de uma distopia ou de filmes de ação leve!

Top 10: Animações Pixar Favoritas

Em 11.04.2014   Arquivado em Disney, Vídeos

Hello, hello especial hoje pra todos vocês que já viram algum Top 10 aqui no blog porque isso significa acompanhar o blog a ANOS já que desde outubro de 2011 não rola um vídeo desse aqui. Mas antes tarde do que nunca, não é minha gente? Hoje eu vou falar das minhas Animações Disney/Pixar Favoritas, e digo “animações” e não filmes porque tentei fazer a lista só com longas e não ficou tão digna, aí deixei só 7 mesmo (8, mas dois tão juntos por serem da mesma série) e adicionei no final os 3 curtas que mais amo.
O vídeo ficou longo-enorme-gigante como sempre, mas quem gosta de animações deveria assistir pra me falar quais desses eu citei gosta também. E quem não gosta assiste só pra ver (quase) chorando só de FALAR de um deles, hahahahaha!! A hashtag #LulyManteiguinha seria TT se fosse postada a cada lágrima que sai desses meus olhinhos!


Para mais vídeos se inscrevam no canal AQUI (e não esqueçam de curtir o vídeo pra me fazer feliz)!

Acho que não tenho mais nada a comentar, mesmo porque um vídeo desse tamanho fala por si mesmo, né? Só quero saber mais uma coisa: Qual seu longa e seu curta favoritos da Pixar?

O Hobbit: A Desolação de Smaug

Em 08.01.2014   Arquivado em Filmes

O Hobbit O Hobbit: A Desolação de Smaug (The Hobbit: The Desolation of Smaug) *****
Elenco: Martin Freeman, Ian McKellen, Richard Armitage, Benedict Cumberbatch, Orlando Bloom, Ken Stott, Aidan Turner, Dean O’Gorman, Adam Brown, James Nesbitt, Jed Brophy, John Bell, John Callen, Graham McTavish, Mark Hadlow, Stephen (I) Hunter, Peter Hambleton, William Kircher, Evangeline Lilly, Lee Pace, Luke Evans, Cate Blanchett, Sylvester McCoy
Direção: Peter Jackson
Gênero: Aventura, Fantasia
Duração: 161 min
Ano: 2013
Sinopse: “Tendo sobrevivido ao início de sua jornada inesperada, o grupo continua em direção ao Leste, encontrando no caminho o metamorfo Beorn e aranhas gigantes da traiçoeira Floresta das Trevas. Depois de escapar do cativeiro dos perigosos Elfos da Floresta, os anões viajam para Esgaroth, a Cidade do Lago, e finalmente chegam à Montanha Solitária, onde devem enfrentar o maior perigo de todos – uma criatura mais aterrorizante que qualquer outra; uma que testará não apenas o nível de coragem dos aventureiros, mas também os limites de sua amizade e a sabedoria da própria jornada – o dragão Smaug.” (fonte)
Comentários: Sim, eu estou DECEPCIONADA! Muito, diga-se de passagem… Quando eu assisti “Uma Jornada Inesperada”, que foi o primeiro filme, não postei aqui porque estava em plena época de TCC e não tinha muito tempo pro blog, mas lembro que saí do cinema encantada porque mesmo com 3 horas de duração, o que não é brinquedo não, foi bem fiel ao livro, as cenas baseadas nos apêndices se encaixavam bem, foi uma obra de arte! Aí logo que saiu o segundo mês passado já comecei a ouvir aqui e ali reclamações de quem gostava ou não do livro e vi que seria uma decepção. Ainda assim fui assistir com meus primos porque não podia deixar de ir lá e ver com meus próprios olhos o que Peter Jackson tinha aprontado pr’a gente. E ele aprontou foi FEIO dessa vez.
O filme não foi fiel ao livro e as partes de fora também não se encaixaram na história. “Mas, poxa Luly, pra transformar 300 páginas em 9 horas de filme precisa inventar, ué”. ENTÃO NÃO FAZ 9 HORAS DE FILME, CARAMBA! Pra que isso tudo? Pra colocar uma elfa sem carisma nenhum de casinho com um anão? Pra inserir coisas que teoricamente deveriam emocionar fãs de “O Senhor dos Anéis”, mas que pra mim foram só encheção de linguiça? Até a presença do Legolas, que é um dos meus personagens favoritos no universo do Tolkien, começou a me irritar em um certo ponto do filme. E o pior, pior, pior: eu saí do cinema sem deixar cair uma única lágrima. NADA MESMO. Gente, isso não é normal. Não chorei com a trilha sonora, com personagens, com a emoção de ver cenas que gosto no livro. Nada. Eu sei que soa bobo isso, mas não é normal eu não chorar, e a Desolação de Smaug conseguiu. Sei lá, eu acho as músicas a parte mais chata dos livros do Tolkien, mas preferia ver todo mundo cantando no lugar do que vi. Até o que eu já esperava, que era que fosse um filme sem começo nem fim (assim como é “As Duas Torres”) me deixou com raiva porque foi SEM FIM MESMO, na hora que acabou fiquei olhando pros créditos finais que iam aparecendo sem entender o que tava acontecendo, esperei até acabar tudo pra ver se não tinha mais nada, nenhum pós créditos, porque não conseguia aceitar que fosse só aquilo ali.
Ok, vocês querem pontos positivos? Vamos lá… Além dos efeitos que estavam (em sua maioria) ótimos, os atores que são muito bons e etc… Em questões cinematográficas gostei bastante do Smaug. Achei lindo o fogo saindo dele desde a garganta, gostei de como ele se movimentava, das aparições dele. Acho que, pra mim, foi o ponto alto do filme. Um dos únicos.
Queria terminar dizendo que não vejo a hora da parte final que sai em dezembro mas seria mentira, porque se continuar decaindo assim vai ser mais tempo perdido. Aliás, quem leu o livro pode, por favor, me dizer de onde Peter Jackson vai tirar mais três horas de história? Eu particularmente não consigo ver como isso pode dar certo. Espero que eu esteja completamente errada.

Página 4 de 171 ...12345678... 17Próximo