Do Jeito Que Elas Querem

Em 20.06.2018   Arquivado em Filmes

Do Jeito Que Elas Querem

Do Jeito Que Elas Querem (Book Club) *****
Elenco: Candice Bergen, Diane Keaton, Jane Fonda, Mary Steenburgen, Richard Dreyfuss, Don Johnson, Craig T. Nelson, Andy Garcia, Alicia Silverstone
Direção: Bill Holderman
Gênero: Comédia
Duração: 104 min
Ano: 2018
Classificação: 12 anos
Sinopse: “Diane ficou viúva após 40 anos de casamento. Vivian gosta de seus relacionamentos sem compromisso. Sharon ainda está trabalhando em um divórcio de décadas e o casamento de Carol está em baixa após 35 anos. No clube de leitura, o novo livro estimula romances e reavive velhas chamas. Juntas, as amigas incentivam uma a outra, para tornar o próximo capítulo de suas vidas o melhor de todos. E a mensagem é clara: ‘Nunca é tarde para apimentar a vida amorosa!’.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Solteira, casada, viúva e divorciada: essas quatro amigas, no auge dos seus 60 anos, mantém ao longo de décadas um clube do livro. Nada de muito diferente do que estamos acostumados: todo mês uma escolhe o que deve ser lido e as outras aceitam, para que na próxima reunião elas mantenham essa tradição de se reunir, beber um vinhozinho e discutir o que cada uma tirou daquilo. E é no meio desse esquema que Vivian, uma solteinora convicta cansada de ver as amigas com a vida sexual tão mais “sem graça” que a dela, distribui exemplares de “Cinquenta Tons de Cinza” como sua escolha da vez. A princípio as outras são contra, claro, mas acabam tendo que ceder e permitem que Christian Grey… “Penetre” em suas vida a mensagem de que nunca é tarde para apimentar as coisas.

Acho que o mais importante desse filme é o fato de que ele trata da sexualidade de mulheres de meia idade. A maioria esmagadora de comédias românticas que são lançadas mostra mulheres, mesmo que em diferentes fases da juventude, descobrindo aquele grande amor ou mesmo explorando o próprio corpo pela primeira vez. Aqui não é isso que acontece. Mesmo que suas vidas sexuais sejam tão diferentes, ainda assim são mulheres velhas que se relacionam com homens velhos, mas isso não significa que sejam frígidas ou mesmo que sabem tudo. Sua busca é por aquilo que as personagens novas também buscam: amor, carinho ou só sexo mesmo, por que não?

A escolha de todo o elenco é maravilhosa, mas as atrizes principais são realmente um grupo “all-stars” muito poderoso. Quatro grandes nomes de Hollywood, todas com Oscars nas estantes, estrelando uma… COMÉDIA! Porque afinal de contas o que há de errado em uma comédia? Por que não apreciar uma comédia? Ela pode ter seu valor tanto quanto qualquer filme cult, cada um na sua função. E Do Jeito Que Elas Querem cumpre bem a função: é engraçado, descontraído, faz suas piadas bobas sobre sexo porque fazemos o mesmo, todos nós. É claro que ele tem lá seus clichês, como a juíza durona que nunca se relacionou de novo após um divórcio e a senhora solteira plastificada, mas isso não atrapalhou em nada no andamento da história. Deixa até mais divertido!

Do Jeito Que Elas Querem

Diane, Sharon, Vivian e Carol. Imagem via Vox

Outra vantagem maravilhosa é que em momento NENHUM elas romantizam Christian Grey! Ele é citado várias vezes, claro, e usado como um incentivo para que elas mudem o aspecto afetivo nas suas vidas, mas não buscam por ele nos homens com os quais vão se relacionar (sejam eles o marido de anos ou alguém que conheceram agora). Inclusive uma das conclusões nas quais chegam é justamente se ATÉ ELE, como todos os seus problemas como pessoa, achou alguém que mudou sua vida, então por que elas não poderiam? Esse era um medo que eu tinha antes de entrar no cinema, o acho uma personagem muito problemática que acabou sendo sinônimo de “homão da porra” na época que estourou. Que bom que nem todo mundo pensa assim.

Mais um aspecto que foi leve, mas que me agradou, é a “garota jovem que namora um homem velho”, presente no plot de Sharon. É uma menina realmente muito nova, que poderia ser filha de seu ex marido, loira, alegre, cor-de-rosa e gostosona, mas que não rivaliza com ela ou é mostrada como a mocinha burra. Ela só está vivendo sua vida, apaixonada por um cara muito mais velho que, por mais que tente parecer mais jovem, não age também como um completo babaca. Gosto disso pessoalmente pois ainda tenho, confesso, uma certa dificuldade em lidar com diferenças de idade muito grandes em relacionamento, e nesse caso não me incomodou.

Como parte “negativa” pode ser citado o fato de que NINGUÉM tenta resolver seus problemas da forma mais simples de todas que existe de fazer isso: conversando. Diane perdeu o marido há um ano e lida com filhas super protetoras que insistem em tratá-la como se estivesse à beira da morte. Ao invés de dar um “chega pra lá” nelas, dizer que quer explorar novos aspectos de sua vida, o que ela faz? Inventa histórias que, quando descobertas, só pioram essa opinião. Carol é outra que, ao invés de tentar conversar com o marido para que eles retomem à vida sexual que tinham, resolve forçá-lo a isso lhe dando Viagra sem que ele saiba… Já imaginam o resultado disso, né?

Mas a verdade é: não somos realmente assim na vida real? Muitas vezes sentar e resolver não nos parece muito mais trabalhoso do que ter que criar métodos de contornar as dificuldades, ou mesmo lidar com elas? Se parar pra pensar essa parte “irritante” é mais um das vantagens que Do Jeito Que Elas Querem tem, retratando pessoas normais como realmente são, de forma divertida, é claro. A ideia de que “nunca é tarde para apimentar sua relação” é deixada de lado quando você percebe que, na verdade, nunca é tarde para melhorar uma relação, seja ela com quem for (incluindo consigo mesma)!

Trailer:

Com Amor, Simon: representatividade, identificação, emoção!

Em 10.04.2018   Arquivado em Filmes

Com Amor, Simon

Com Amor, Simon (Love, Simon) *****
Elenco: Nick Robinson, Katherine Langford, Alexandra Shipp, Jorge Lendeborg Jr., Keiynan Lonsdale, Logan Mille, Jennifer Garner, Josh Duhamel, Alex Sgambati, Clark Moore, Colton Haynes, Mackenzie Lintz, Miles Heizer, Natasha Rothwell, Talitha Bateman, Tony Hale, Tyler Chase
Direção: Greg Berlanti
Gênero: Drama, Romance
Duração: 109 min
Ano: 2018
Classificação: 12 anos
Sinopse: “Aos 17 anos, Simon Spier aparenta levar uma vida comum, mas sofre por esconder um grande segredo: não revelou ser gay para sua família e amigos. E tudo fica mais complicado quando ele se apaixona por um dos colegas de classe, anônimo, na internet.” Fonte: Google (sinopse e pôster).

Comentários: Simon Spier é um adolescente com a vida bem comum. Ele sai com seus amigos, ajuda o pai a fazer um presente de aniversário de casamento para a mãe, vai à escola, coloca fotos de viagens e ícones dos filmes que gosta no mural que tem na parede do seu quarto. Porém ele tem um segredo, o maior de todos , que não quer mais precisar guardar, mas também não sabe como revelar a todos. Simon é gay. Nesse contexto ele descobre que um colega anônimo, Blue, vive a mesma coisa e resolve se comunicar com ele, também anonimamente, via e-mail, sob no nome de Jacques. Só que alguém acaba descobrindo o contato entre os dois e revelando a todos seus colegas o forçando a “sair do armário” antes que estivesse pronto pra isso.

Baseado no livro “Simon vs. a Agenda Homosapiens” de Becky Albertalli, o filme “Com Amor, Simon” é uma história adolescente que traz algo que ainda está a falta nas grandes produções de cinema norte americanas: um romance gay leve! É claro que ele tem questões com a sua sexualidade, e claro que elas são mais complexas do que seriam se fosse hétero, mas ainda assim não é o tipo de filme que te deixa cheio de agonia ou traz lágrimas de tristeza. As lágrimas sim, claro, o tempo inteiro, mas a grande maioria delas de emoção e alegria. Eu fui à pré-estreia há quase um mês, junto com alguns outros convidados, e desde então estou pensando em como expressar tudo o que queria dizer sobre ele… Sendo assim resolvi descrevê-lo em três palavras e desenvolver essa “resenha” a partir delas: representatividade, identificação e emoção!

Psiu! Prestenção! O conteúdo principal desse post está em forma de “fala” num vídeo postado no meu canal do YouTube. Se você estiver afim de ler, é só continuar aí em baixo! Mas se tiver mais interessado em ouvir corre lá pra conferir!

Representatividade

O tema principal por si só já é representativo, né? Afinal fala sobre as dificuldades de viver o amor de forma leve por parte da comunidade LGBT! Simon é um jovem imaginativo que expõe várias situações que mostram essas grandes diferenças, como por exemplo o fato de ele precisar contar à toda a população que é gay, enquanto seus amigos não precisam fazer o mesmo já que a heterossexualidade já é esperada e não causa nenhum tipo de reação forte ao ser manifestada. Também mostra as diferenças de personalidade que as pessoas podem apresentar e que isso é ok. Simon é “discreto”, ninguém desconfia da sua sexualidade, enquanto seu colega de sala Ethan, já assumido, é o esteriótipo no jeito de vestir, agir e falar… E TÁ TUDO BEM! Os dois merecem igual respeito e direito de ser quem são e quem querem ser! Quem não entende isso é que está infinitamente errado…

O filme também tem vários personagens negros, eles são maioria entre os amigos mais próximos do protagonista sem o clássico “garoto negro metido a engraçadão” e “menina negra exclusivamente gostosa”. Não, todos eles têm personalidades variadas como a de qualquer ser humano. Aliás, outro ponto legal, isso é bem presente no filme todo. Eles não são super populares e nem super excluídos, apenas… Adolescentes! Claro que tem o cara babaca meio ned e tudo mais, mas até ele tem mais de um lado, não é só uma coisa o tempo todo.

Com Amor, Simon

Foto do The Playlist

Identificação

É claro que o filme em como principal objetivo abraçar jovens gays para que se aceitem, mas acaba também trazendo o reconhecimento de si próprio pra quem não está nesse grupo. Eu sou mais de dez anos mais velha que Simon, estamos em momentos da vida muito diferentes, e ainda assim consegui me identificar com ele… Principalmente nas suas conversas com Blue, onde ele nunca sabia o que digitar e pirava com qual poderia ser a resposta para o que tinha escrito… Em um momento uma amiga que estava ao meu lado falou “Podia ser ‘Com amor, Luly’ né!” porque sou bem assim… Também consegui sentir bem no fundinho do peito o aperto que foi o diálogo dele com sua melhor amiga de infância quando ela questiona o porquê de ele não ter contado a ela, já que o mesmo aconteceu comigo e um dos meus amigos mais antigos. Desde que ele me contou que era gay eu sentia uma certa tristeza por ter demorado tanto, como se houvesse a possibilidade da minha reação ser negativa, mas a fala dos dois ali se encaixou tão bem na minha vida que me veio um grande alívio, além da maior quantidade de lágrimas da noite.

Foi muito bacana estar numa sessão “especial”, com bate papo e tudo mais, porque tinha MUITA gente ali que levou os pais, que logo em seguida deram seus depoimentos sobre o que tinham visto. Fiquei imaginando como eles se sentiram vendo os pais do Simon descobrindo o filho e sua reação… Principalmente a mãe, interpretada por Jennifer Garner que está inda como sempre! Tenho um amigo que resolveu se revelar para sua família quando saiu do cinema, confiram a resenha super emocionante que ele escreveu também! Pra mostrar a força que um enredo aparentemente tão simples traz em nossas vidas…

Leia também: Garoto Encontra Garoto, resenha de um romance gay por David Levithan

Emoção

“Todo mundo merece uma grande história de amor” é o lema escolhido pela Fox par a divulgação, e não podia ser mais certeiro. Com Amor, Simon fala não só do amor romântico, mesmo que esse seja seu foco, mas também de amor fraterno! De como ele pode ser imperfeito às vezes, mas ainda assim nos ajudar a vencer as diversas fases difíceis da vida e, claro, a própria falta de amor. É pra trazer emoção pra pessoas de todas as idades, todos os gêneros, porque consegue passar o sentimento de um garoto e levar direto para o espectador. É pra quem a tem a mente aberta curtir do começo ao fim e quem tá precisando abrir ter o “empurrãozinho” que faltava pra isso acontecer!

E você aí, é de BH e ficou querendo ver o filme? Estou com dois pares de ingressos para dar aos leitores do blog que quiserem conhecer a história de Simon também! Os dois primeiros que disserem “Eu quero, Luly!” aí nos comentários e puderem pegar diretamente comigo no Centro da cidade entre quinta feira e sábado, ou na Fnac do BH Shopping dia 22, levam! Não esqueça de deixar alguma forma de contato pra gente combinar, hein Eles são válidos para ser usados de segunda à quarta, enquanto estiver em cartaz.

Trailer:

/p>

Extraordinário, o filme

Em 07.12.2017   Arquivado em Filmes

Extraordinário

Extraordinário (Wonder) *****
Elenco: Jacob Tremblay, Julia Roberts, Mandy Patinkin, Owen Wilson, Izabela Vidovic, Sônia Braga, Daveed Diggs,
Ali Liebert, Millie Davis, Noah Jupe
Direção: Stephen Chbosky
Gênero: Drama
Duração: 113 min
Ano: 2017
Classificação: 10 anos
Sinopse: “August Pullman é um garotinho que nasceu com uma desordem craniofacial congênita. Pela primeira vez, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança. No quinto ano, ele irá precisar se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Antes de mais nada, seria desleal da minha parte começar a falar sobre o filme sem citar a importância que a história de Auggie já tem na minha vida. “Extraordinário”, de R.J. Palacio, é meu livro favorito! É IMPOSSÍVEL que eu seja imparcial assistindo a adaptação dele para o cinema. Não dá pra não levar em conta o peso que acho que ele tem socialmente, inclusive. Tendo isso dito, vamos lá: Auggie Pullman aos 10 anos já passou por dezenas de cirurgias ao longo da sua vida, mas nunca foi para a escola, tudo isso graças à deformação craniofacial com a qual nasceu. Sua mãe, Isabel, o ensina em casa, mas acha que suas “habilidades” não são mais suficiente agora que o filho está grandinho. Sendo assim ele é matriculado no primeiro ano do Ensino Fundamental II (ou seja: sexto ano aqui do Brasil) e tem que lidar com a reação que seu rosto tão incomum causa nas pessoas…

Levar qualquer livro para o cinema é uma tarefa difícil. A gente sabe que existe a possibilidade de nossa cena favorita ser cortada, o personagem do coração ser completamente diferente do que a imaginação mostrava, etc. Ao mesmo tempo mais importante que essas coisas é a mensagem que o filme precisa passar, e no caso de Extraordinário isso é CRUCIAL. Ele vem sendo usado nos EUA como material de combate ao bullying, através da sua mensagem de escolher a gentileza acima de tudo e enxergar além da aparência. Nesse aspecto, não tem como, merece 5 estrelas com certeza! Eles criaram um ambiente super lúdico para que o expectador “entre” na cabeça do Auggie o tempo todo, materializando a imaginação dele em algumas cenas, dando um toque divertido e inocente à temática super pesada que estava sendo retratada.

A gente não pode ignorar que, mesmo sendo merecidamente aclamado por adultos, se trata de um filme infantil. Os protagonistas são crianças porque é pra elas que a autora tentou passar sua mensagem. Ler sobre uma cena violenta de bulliyng pode ser difícil, mas o impacto visual é sempre MUITO MAIOR! Por isso vários aspectos foram suavizados, sem ser excluídos completamente da história. Vi muitas reclamações sobre a aparência do protagonista, que no livro ele é “mais feio”, mas achei bem fiel se comparado a crianças que possuem a mesma doença. Além disso o ator precisava de liberdade para se expressar e fazer o trabalho, e mais maquiagem podia atrapalhar nisso… Felizmente não foi o que aconteceu, porque Jacob Tremblay foi INCRÍVEL! Cada lágrima dele na tela resultava em várias e várias saindo dos olhos da plateia. Na verdade o elenco inteiro foi muito bem escolhido, com destaque para Julia Roberts que está maravilhosa no papel de mãe.

Extraordinário Foto do Amsterdam News

Uma “mudança” que achei muito positiva foi a adição de alguns aspectos da vida dos Pullman que não está no livro, mas que era necessária no filme. Eles deram para Isabel uma breve história profissional antes de ter que se dedicar integralmente ao filho e uma possibilidade de futuro diante do fato que agora não precisa mais ficar com ele 24 horas por dia. Nate, o pai, também foi muito bem trabalhado, sempre divertido soltando piadas simples e inteligentes como é sempre dito que ele faz. E por último, mas não menos importante, temos o último membro da família que foi minha única decepção… Olívia, a irmã do Auggie, é minha personagem favorita e eu sempre tive muito medo que ela fosse retratada de forma egoísta, o que senti que aconteceu em várias cenas. Não é o “egoísmo justificável arrependido” que vemos originalmente, ela realmente foi mal direcionada mesmo. Não acho que isso prejudica o andamento da história, mas Via é uma pessoinha muito incrível para ser impedida de mostrar isso a todo momento, então fiquei bem chateada.

Um outro aspecto que me incomodou no início, mas depois passou, foi como a Summer, melhor amiga do Auggie, foi levemente minimizada. Ela é uma criança fantástica, que estende a mão para ele desde o começo, mas que teve essa amizade jogada bem mais pra frente. Ainda assim, porém, conseguiram mostrar toda a gentileza que ela passa e sua importância em diversos momentos, então entendi o motivo dessa modificação. Também não gosto muito como a Miranda é vista sempre como “boazinha” porque tenho antipatia dela, mas no original já é assim, não foi realmente uma alteração, mais um ranço pessoal mesmo… E Justin, gente? O romance da Via ganhou uma visão muito bonitinha, tiraram as características ansiosas dele mas mantiveram a essência de artista apaixonado. Uma graça as cenas dos dois juntos! Daisy, a cachorrinha deles, era outra que fazia o coração inflar de amor. Teve sua representação apresentada de forma muito digna.

E agora… Um registro do momento maravilhoso em que eu conheci os Pullman pessoalmente não podia faltar, né? Faltou você, Via, ‘bora marcar uma sessão de “Dirty Dancing” aqui em casa pra botar o papo em dia! (Ou vocês acharam que eu ia ignorar um totem desse tamanho e deixar passar a oportunidade de tirar uma foto com ele?)

Extraordinário

Em resumo… É uma adaptação que passa a essência necessária para o expectador de forma sensível e muito respeitosa. Mesmo com essas acomodações que precisam ser feitas muita coisa ficou extremamente fiel e alguns diálogos são exatamente iguais, sem parecer forçado. Eu nunca cheguei a escrever uma resenha do livro, apenas um texto dedicado a ele, mas hoje estou fazendo essa do filme com meu coração cheio de carinho e o rosto ainda manchado por causa das lágrimas que não pararam de cair nem por um minuto. Usando a própria frase da divulgação oficial da Lionsgate só o que tenho a dizer pra fechar é: “Go see Wonder!”

Trailer:

Blogmas 2017

Top 5: Filmes pro Halloween se você tem medo de terror!

Em 13.10.2017   Arquivado em Filmes

Sexta feira 13 no ar, outubro que passa voando, Halloween chegando e são datas perfeitas para sentar com pipoca no colo e os filmes de terror mais assustadores de todos os tempos na telinha, certo? ERRADO! Bom, pode ser “Certo” se você gostar, né, mas eu morro – de – medo – de – filme – de – terror! Na verdade rola o medinho, mas nem é só isso… Raramente temo assuntos “extraordinários” assim. O que rola uma junção disso com nojo das cenas sangrentas/asquerosas, mesmo as mais leves, e muita ansiedade, então no fim das contas eu não gosto do gênero, foi mals, prefiro nem tentar.

Pensando nisso, na vontade de não deixar a data passar em branco e em você, amiga medrosinha que se desviou dos convites de amigos para ver “Annabelle” e “It” de todo jeito esse ano, vamos fazer a listinha mais covardona do momento. Com vocês meu Top 5 Filmes de Halloween pra quem MORRE de medo de filmes de terror, como eu! Afinal, pra que passar o dia levando susto se você pode dar umas boas risadas, não é mesmo?

Filmes de Halloween pra quem tem medo de terror

O Estranho Mundo de Jack

Vou falar verdade, não vou mentir: eu tenho uma certa antipatia do Tim Burton. Melhor nem citar os motivos porque senão seria um post à parte, mas o que importa é que se eu gosto de algum filme dele é porque acho bom MESMO, já que uma parte significativa pra mim é bem meia boca. E “O Estranho Mundo de Jack” tá nessa lista do amor! Nessa animação de fantasia sombria, Jack Skellington já cansou da mesmice que é preparar o Halloween todos os anos, mesmo que seja a grande atração da cidade que promove a data. Após dar uma espiada na “Cidade do Natal” ele fica absolutamente apaixonado pelo clima e resolve que seria o responsável pelo Natal daquele ano… Mesmo que não entenda NADA do assunto! O filme foi distribuído pela Disney, então podem esperar uma trilha sonora muito gostosa e mais: é feito em stop motion! Sim, cada quadro dele foi produzido individualmente, o que dá um trabalho gigantesco, então a gente tem que aplaudir te pé o resultado lindo…

Já viu “O Estranho Mundo de Jack”? Então pode partir pro “irmão” dele “A Noiva Cadáver”, do mesmo diretor e na mesma categoria, mas dessa vez contando com parte do elenco “clássico” dele na dublagem original.

A Família Addams

Cartoon, série de TV, desenho animado e… Longa metragem! Um clássico do humor negro americano, os Addams dispensam apresentações, né? Nessa história, Gomez Addams está há anos procurando por seu irmão, o “tio” Fester, que faz com que seu advogado trame contra ele com ajuda da agiota pra quem deve dinheiro, colocando o filho da mulher no lugar de Fester para botar as mãos na fortuna da família. E que família! Mórtícia, sua esposa, é uma monumental dama de preto, seus filhos Wednesday e Pugsley adoram decepar bonecos e fazem apresentações sangrentas na escola, a vovó Esmeralda é uma bruxa (literalmente!)… E ainda temos a presença de “Coisa”, a mão ambulante que passeia pra lá e pra cá na mansão mal assombrada e bem humorada. Se você ainda não conhece os Addams pare tudo e vá fazer isso agora mesmo, é importante até pra formar caráter, gente!

Curtiu “A Família Addams”? Não tem como não gostar, né? Então hora de ver a continuação, “A Família Addams 2”, onde Mortícia e Gomez celebram a chegada de seu terceiro filho e, cá entre nós, é ainda mais delicioso que o primeiro!

Abracadabra

Vamos para mais um live action! Lançado em 1993, nele conhecemos as três bruxas da cidade de Salém, Winnie, Mary e Sarah Sanderson, que pretendem se manter belas a qualquer custo através da magia. Para isso, elas pretendem sugar a juventude de uma garotinha local chamada Emily, fazendo com que os aldeões as sentenciem à morte. Trezentos anos depois a chegada da família dos irmãos Max e Dani faz com que as irmãs Sanderson retornem à vida na noite do Halloween, com o objetivo de prosseguir com seu plano há muito impedido… Assisti “Abracadabra” quando criança e acho que até hoje devo ter medinho de algumas das cenas deles, foi o único filme Disney que fez isso comigo até hoje!

Kubo e as Cordas Mágicas

Eu já fiz uma resenha de “Kubo e as Cordas Mágicas” quando o assisti no início do ano onde vocês podem ler tudo sobre ele mas o resumo é que quando terminou eu estava 01) aos prantos e 02) encantada! Ele também é uma animação e também em stop motion, mas dessa vez produzido pelos Estúdios Laika. O filme conta a história de Kubo, um garoto que consegue dar vida a origamis ao tocar seu shamisen, contando para os moradores de sua vila histórias que ouviu de sua mãe. Quando bebê seu avô, o Rei da Lua, assassinou seu pai para roubar os olhos do menino, que chegou à pré-adolescência com apenas um deles graças a esse ataque. A missão de Saritu, sua mãe, é mantê-lo seguro para que ele não perca o outro, estando disposta até a sacrificar a própria vida para isso, o que dá início à jornada do recém órfão… A história aborda magia de forma natural, tem cenas de leve suspense super emotivas e é visualmente MARAVILHOSO! Em uma das cenas o menino constrói um navio a partir de folhas de árvore enquanto toca, e foi uma das cenas de animação mais bonitas que já vi em toda a minha vida!

Se você gostou da história de “Kubo” já deve conhecer os outros filmes feitos pela Laika, né? Eles conseguem ter um clima mais na vibe de Halloween ainda! Principalmente os queridinhos “Coraline” e “ParaNormam”.

Cisne Negro

Diferente dos outros filmes da lista, que são divertidos mesmo com uma pegada levemente sombria, “Cisne Negro” é pra quem quer atrás de respiração ofegante nessa data. Esse drama psicológico deu o Oscar de Melhor Atriz a Natalie Portman quando ela interpretou Nina, que acaba de ser nomeada bailaria principal da companhia onde dança como protagonista de “O Lago dos Cisnes”. A garota, porém, enfrenta vários problemas mentais intensificados pelo abuso constante da mãe. Ele é daqueles que quanto mais você assiste, mais detalhes bizarros consegue captar. Minha percepção dos problemas da Nina foram de uma simples insegurança até chegar em transtornos de ansiedade e abuso sexual. É pesado, mas também maravilhoso, ASSISTAM!

Filmes para Halloween: Cisne Negro

Agora vamos continuar esse post aí nos comentários: me indiquem filmes pra eu ver no dia 31 que não me impeçam de dormir à noite! Lembrando que “terror leve” não vale, hein? Ainda é terror e vou ter medo de qualquer jeito…

As imagens do mosaico desse post foram retiradas de diversos sites em 29 de setembro de 2017, listados a seguir: Rock n’ Tech, Vogue, Chá de Prosa, YouTube e Chic. O gif encontrei na mesma data no Giphy.

To The Bone: O Mínimo Para Viver

Em 02.08.2017   Arquivado em Filmes

O Mínimo Para Viver

O Mínimo Para Viver (To The Bone) *****
Elenco: Lily Collins, Keanu Reeves, Liana Liberato, Alex Sharp, Kathryn Prescott, Ciara Bravo, Hana Hayes, Joanna Sanchez, Michael B. Silver, Rebekah Kennedy, Yindra Zayas.
Direção: Marti Noxon
Gênero: Drama
Duração: 107 min
Ano: 2017
Classificação: Livre
Sinopse: “Uma jovem (Lily Collins) está lidando com um problema que afeta muitos jovens no mundo: a anorexia. Sem perspectivas de se livrar da doença e ter uma vida feliz e saudável, a moça passa os dias sem esperança. Porém, quando ela encontra um médico (Keanu Reeves) não convencional que a desafia a enfrentar sua condição e abraçar a vida, tudo pode mudar.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Antes mesmo de ter sido lançado na Netflix mês passado, “O Mínimo Para Viver” (em inglês “To The Bone”) já estava dando o que falar. O longa protagonizado por Lily Collins trata da tão falada, e ainda assim mal discutida, questão dos distúrbios alimentares através de Ellen, uma garota de 20 anos que sofre de anorexia nervosa. Após várias tentativas de tratamento impostas pela sua tumultuada família, todas frustradas, sua madrasta consegue para ela uma vaga na disputadíssima clínica do dr. Beckham, interpretado por Keanu Reeves, que tem um método muito “diferente” de tratar os pacientes, sem apelar para remédios ou medidas drásticas.

Digo “tão falada, e ainda assim mal discutida” porque é um assunto MUITO abordado na mídia e na arte, mas sempre com um foco meio errôneo. Novelas como “Malhação” sempre trazem personagens com anorexia e bulimia, e a história é quase a mesma todas as vezes: uma menina sem qualquer problema aparente, porém vulnerável aos padrões de beleza, é incentivada à prática e fica doente, mas raramente sente as consequências reais disso. Elas têm familiares e amigos que sabem exatamente como lidar, sofrem alguns desmaios que solucionam todos os seus problemas e continuam visualmente lindas, saudáveis e magras “na medida certa”. Não existem outros problemas naquela garota para serem tratados antes, durante ou depois do que rola. Mas na vida real não é bem assim.

Na vida real existe uma ramificação enorme de sequelas que viver com uma doença assim pode trazer, e é o que é abordado. A própria Ellen se corrói de remorso com o que a mistura da anorexia e arte desencadeou em sua vida e na dos outros, e ainda assim não consegue se livrar dela. Vemos vagamente que os outros pacientes da clínica também sofrem com isso, mas não é algo tão aprofundado. Se parar pra pensar isso condiz com a realidade, mesmo que a gente compartilhe das dores e problemas de alguém raramente saberemos ao fundo as causa e consequências disso. A escolha dos atores foi muito sábia nesse aspecto, assim como as tomadas feitas pela câmera… Os ossos deles aparecendo sob a pele é amargo de se ver, traz desconforto e fica quase difícil entender como alguém pode chegar a esse ponto, e aí você lembra que que não é realmente compreensível, o que torna a luta ainda mais árdua.

Dois pontos, porém, foram extremamente fracos pra mim. Primeiro um breve romance que é enfiado na história, sem pé nem cabeça, que não faz sentido, não tem base para se firmar e não dá força a nenhum aspecto da narrativa. O impacto final que isso tem poderia ser o mesmo sem esse tipo de envolvimento e seria ainda mais bacana porque teria alguma lógica, já que a amizade convence e o casinho não. E o segundo é o final. O clímax do filme é maravilhoso com uma cena SUPER forte e emotiva envolvendo a mãe da personagem, e aí o que vem logo em seguida não combina muito bem com toda a realidade que estava sendo passada até segundos antes. Os últimos minutos se arrastaram e quebraram completamente um ritmo que eu estava gostando MUITO, até que acabou e fiquei olhando pra tela um pouco decepciona. Uma pena.

O Mínimo Para Viver Foto do Las Vegas Review-Journal

E agora um desabafo, porque acima de tudo seria impossível falar sobre esse filme sem isso. A maneira como me senti se sobressaiu a tudo, incluindo roteiro, atuações maravilhosas e fotografia belíssima. “O Mínimo Para Viver” enfiou o dedo numa ferida que eu sequer sabia que tinha, tão profundamente que chegou lá no osso, como o título sugere. Porque mesmo com mais de uma incidência com o passar dos anos eu continuava fingindo que nunca tinha tido um transtorno alimentar de verdade, mas a verdade é que tive, várias vezes.

Sendo uma pessoa que sofre de Transtorno de Ansiedade estou sempre suscetível a épocas de crises, muitas vezes causadas por “besteiras” que as ligações falhas do meu cérebro tornam algo grandioso. E um sintoma que NUNCA DEIXA DE APARECER é a falta de apetite. Já cheguei a emagrecer 5kg em duas semanas e esse ano a coisa chegou no seu ponto extremo em que havia dias onde eu fazia apenas duas refeições minúsculas, praticamente só pra fingir pras pessoas que estava normal. Um belo dia me olhei no espelho e vi que conseguia ver as costelas sem precisar forçar, algo que não acontecia nem quando eu era uma adolescente magrela. Minhas calças estão todas caindo e escolher o que vestir me leva ao profundo desespero, já que me sinto sempre horrorosa não cabendo em nada.

“Mas Luly, você não gosta de estar assim! Você nem se acha bonita estando tão magra! Não é a mesma coisa, né?” Não, não é a mesma coisa, mas não deve ser ignorado ainda assim. Durante todos os minutos de duração da história eu tentava me comparar visualmente com a Ellen com medo de estar iguala. É óbvio que a coisa fica ainda mais triste quando é imposta por uma sociedade que se preocupa mais com a magreza do que com a saúde, mas um distúrbio por compulsão ou isenção não deixa de ser um problema. Inclusive já falei sobre como me sinto em relação a isso largamente num vídeo que foi ao ar no meu canal do YouTube há pouco tempo…

Tem também o número absurdo que pessoas que já me disse ao longo da vida o quanto eu e a Lily somos parecidas fisicamente. Não sei se é realmente tão igual, mas entendo a comparação e fico feliz porque acho ela LINDA, e deixou tudo ainda pior! Só o que conseguia pensar era “Será que estou ficando assim? Será que já estou? Se ela ficou destruída dessa forma estando tão magra, vou ficar também? E se chegar nesse ponto?”… Ao mesmo tempo que não sei como mudar minha realidade… Desesperador.

O Mínimo Para Viver Foto do Las Vegas Review-Journal

Enfim… Em resumo, “O Mínimo Para Viver” não é um filme sobre superação, romantização ou finais felizes. É para incomodar e mostrar “na prática” que a doença pode chegar níveis extremos, acarretar outros problemas ainda maiores, se tornar mais importante que seus valores próprios. É pra te jogar na cara que vem pra matar! É pra exemplificar que afeta quem se acha gordo demais, magro demais, feio demais, infeliz demais, muito demais em algo que a pessoa pode nem ser e o pior: a torna alguém ruim ou feio mesmo se for!

Trailer:

Página 2 de 19123456... 19Próximo