Onde a srta. Norbury errou…

Em 15.04.2016   Arquivado em Feminismo, Vídeos

Eu já contei várias vezes aqui que Meninas Malvadas é um dos meus filmes favoritos, mas nunca tinha parado pra falar numa coisa que pensei desde a primeira vez que o assisti, então essa é a hora: vou contar aqui onde a professora Norbury, essa personagem tão brilhante da história, errou um pouquinho no meio de tantos acertos. Sei que parece sem sentido, mas esse vídeo é, de um modo geral, minha maneira de dizer pra vocês que NÂO, nós não podemos mais nos chamar de “vagabundas” e “piranhas”, mas não para impedir que os outros também o façam, e sim porque já passou da hora de ver mulheres passando por isso!

Você é o que você quer ser!

Em 08.03.2015   Arquivado em Escrevendo, Feminismo

Já faz alguns meses que tô querendo escrever esse post, mas hoje, 8 de março, vi essa imagem abaixo no Facebook da Imaginarium e decidi que tava na hora de tirá-lo dos rascunhos de vez porque tinha tudo a ver com o assunto:

oquevocequer
Imagem tirada daqui.

Antes de mais nada, quero apresentar duas situações diferentes para vocês que foram os pivôs da existência desse post.
Situação 01, ocorrida em 2011 quando eu ficava o dia inteiro na UFMG porque além das aulas fazia estágio lá. Eu estava dentro do ônibus em pé, esperando a hora de descer pra voltar pra casa quando escuto um diálogo mais ou menos assim entre dois jovens rapazes em idade escolar (provavelmente no Ensino Médio). Nesse dia eu estava com meu cabelo sem chapinha, preso em um coque.
Garoto 01: Mas você tava afim da *fulana*, né?
Garoto 02: Tava, eu fiquei com ela!
Garoto 01: Mas você já viu o cabelo dela sem chapinha?
Garoto 02: Vi depois que fiquei com ela. Ow, assim não dá, né? Menina tem que ter uma chapinha.
Garoto 01: É, tem que fazer, é muito feio quando tá sem, fica desleixada. Aí você nem quis mais ficar com ela?
Garoto 02: Eu ficaria, mas se a gente fosse sair juntos ia querer que ela se cuidasse com certeza.

Agora situação 02, que aconteceu no meio do ano passado numa mesa de jantar com algumas pessoas da minha família depois da apresentação de dança da minha prima. Como eu sabia que ia assisti-la nesse dia, fui ao salão e estava de chapinha recém feita (que eu não gosto tanto, gosto de como fica no dia seguinte). O assunto era sobre cabelos no geral.
Tia (que tem um cabelo cacheado liiindo e usa sempre natural): Eu gosto assim (cacheado), mas minha irmã fez progressiva…
Eu: Eu fiz uma vez, mas não gostei, prefiro fazer chapinha de vez em quando.
Tio: Eu não gosto de nada artificial, para mim tudo o que é artificial é feio.
Eu: Poxa, quer dizer que tô feia agora? (Falei brincando, claro.)
Tio: Não, porque seu cabelo é liso, nem parece que você fez chapinha nele.
Eu: Tio, meu cabelo não é liso, ele é enrolado.
Tio: Não! Seu cabelo é liso!
Todas as outras pessoas da mesa: Não é não!
* Tio fica chocado. *

Eu não condeno meu tio por preferir o que é natural, mas a generalização “tudo o que é artificial é feio” soou muito errada para mim naquele momento, como se eu estivesse negando aquilo que eu era. Por outro lado achei abominável o papo dos dois adolescentes do ônibus: um deles gostava de uma garota, ficou com ela, mas aí eles viram o cabelo sem chapinha e a magia acabou, como se estar natural fizesse dela uma garota feia. Mas mesmo um caso sendo muito pior que o outro em nenhum dos dois foi levado em conta como eu e a *fulana* QUERÍAMOS estar independente de como ÉRAMOS realmente.

Não, meu cabelo não é liso: ele tem a raiz lisa e o resto é meio enrolado meio ondulado, nunca sei definir. Quando eu era criança, porém, era bem lisinho. Às vezes eu uso ele natural, às vezes faço trança como ele molhado para secar mais cacheado, mas na maioria das vezes eu fico de chapinha SIM. Não sei, eu “me vejo” de cabelo liso, sabe? Parece que eu fico mais eu, que nem quando uso batom vermelho ou quando sorrio e aparece minha covinha na bochecha, e até mesmo uma vez quando a moça fez minha sobrancelha fina demais e deixei um tempo sem mexer pra voltar a ficar mais grossa como gosto: algumas dessas características são naturais, outras artificias, mas são todas minhas. Porque EU QUERO ASSIM! Muitas vezes quando posto foto com o cabelo natural recebo comentários do tipo “Isso, assuma os cachos” ou “Seu cabelo agradece a folga” como se eu estivesse fazendo mal a mim mesma ou ao próprio cabelo – que por sinal fica MUITO MAIS BEM CUIDADO quando vou ao salão com frequência porque minha cabeleireira faz questão disso – simplesmente por querer estar daquele jeito, de um jeito que eu acho bonito. E se eu simplesmente abandonasse isso, nunca mais fizesse chapinha na vida só porque os outros dizem assim, acho estaria tão errada quanto a menina que tem sempre que fazer porque a sociedade ditou assim, mesmo muitas vezes não querendo
Gostar de sair com o cabelo arrumadinho (ou sempre maquiada ou de salto alto) não faz uma pessoa necessariamente fútil. Por outro lado cara lavada, um rabo de cavalo preso rápido ou a ausência de “depilação impecável” não transformam ninguém numa desleixada. São opções da própria pessoa, e o feminismo é isso: é o direito de ESCOLHA, é saber que você pode trabalhar e chefiar uma empresa, mas que pode também decidir por ficar em casa e não ter uma profissão, ninguém manda em você e na pessoa que você decidiu se tornar! Para mim uma donzela indefesa pode ter tanto valor quanto uma heroína, todas elas podem ser mulheres maravilhosas, basta querer.

Por isso nesse Dia Internacional da Mulher eu digo: você não é só o que é, mas também o que QUER SER! Seja a moça dos cabelos lisos ou cacheados, com ou sem maquiagem, estudando ou não aquilo o que você ou seus pais querem, mãe de crianças ou de cachorros, dona de casa ou alguém que trabalha fora, colecionadora de bonecas ou selos, chefe ou funcionária, gorda ou magra, fotógrafa ou fotografada, ouvinte ou falante, tímida ou extrovertida, mulher ou não; todas as anteriores, um meio termo entre elas ou até mesmo nenhuma delas! Que seja por ser feliz, por escolha, que seja por ser você. E mesmo que você julgue quem escolheu diferente, seja a diferença qual for, não condene: aceite. E assim ser você vai ser cada vez melhor!

Página 3 de 3123