Mulheres Incríveis

Em 06.12.2019   Arquivado em Feminismo, Leitura

Mulheres Incríveis (Rad Women Worldwide) *****
Mulheres Incríveis Autoria: Kate Schatz | Perfis brasileiros por Jules de Faria, ilustrações de Miriam Klein Stahl e tradução Regiane Winarki
Gênero: Biografia
Ano: 2017
Número de páginas: 138p.
Editora: Astral Cultural
ISBN: 978.858.246.548-6
Sinopse: Feche seus olhos e pense numa pirata. Agora imagine uma espiã. Ou uma presidenta. Pense numa guerreira em ação. Uma grande pintora ou na maior jogadora de futebol de sua época. Estas são apenas algumas das mulheres incríveis que você encontrará neste livro. São 44 perfis de mulheres extraordinárias, numa coleção de histórias que começa em 430 antes de Cristo e alcança os dias de hoje. Da Mesopotâmia até a Antarctica, “Mulheres Incríveis” conta a história de vida de jovens e adultas transgressoras, que subverteram leis, lutaram por menos desigualdade entre gêneros e ajudaram a construir um futuro melhor para todos nós.” (fonte – capa e sinopse)

“Escolher escrever é rejeitar o silêncio.” – Chimamanda Ngozi Adichie

Comentários: Já faz dois anos que ganhei esse livro do meu querido Gil, num amigo oculto de natal que participamos juntos, e só agora parei pra recomendá-lo aqui, mas é uma recomendação “daquelas”! “Mulheres Incríveis” é um livro que se vocês puder ler e ter, leia e tenha! São 40 mulheres (44 na versão brasileira) de 30 países diferentes, listadas por se destacarem seja qual for sua área de atuação, ativismo e luta antes mesmo da existência da expressão “feminista”. Atletas, cientistas, artistas, realeza, pesquisadoras, mães com esperança de um dia encontrarem seus filhos perdidos… Todas ganham um pouquinho de notoriedade nessas páginas encabeçadas por um citação provenientes das mesmas e diagramadas de forma LINDA, colorida e especial, com direito a capa dura e falso cabeceado, tudo pensado para te impressionar e, claro, emocionar demais! Eu, manteiga derretida como sou, cheguei ao final de absolutamente TODAS as histórias cheia de lágrimas no rosto, mesmo naquelas (poucas, confesso) que já conhecia.

Mulheres Incríveis

Foto feita dois anos atrás, para um look de natal!

Como educadora, os livros da Kate focam bastante no empoderamento de meninas, para que as próximas gerações de mulheres tenham em quem se inspirar para chegar onde quiserem. Por esse motivo a leitura é muito fácil, fluída e até didática, o que a torna bastante inclusiva. A pesquisa é acadêmica, mas o público alvo vai desde crianças e sem limite de idade, porque ser simples não a torna medíocre de forma alguma! Os dados e informações estão presentes, só não são expostos de maneira rebuscada, sabe? Pro público adulto isso é bem legal também, porque o número de culturas apresentadas é bem variado e você é apresentada a elas a todo momento, absorvendo conhecimento sem sentir o “peso” dele (como muitas vezes acontece em artigos acadêmicos, por exemplo).

O livro é também COMPLETAMENTE ilustrado: todas as personalidades têm uma caricatura minimalista formada de luz e sombra, feitas pela artista Miriam Klein Stahl que, assim como a autora, é educadora e ativista feminista. É muito legal porque mesmo com poucos traços, nada delicados, é fácil visualizar direitinho a aparência da pessoa retratada e, em alguns casos, até o ambiente onde ela estava inserida. Uma parceira bacana demais, já que ela também ilustrou outros livros da autora que seguem a mesma temática… Aquela história de incentivo da parceria entre mulheres colocado na prática, além de discursos, bonito e necessário.

Mulheres Incríveis

Leia Também: Tina: Respeito, resenha da HQ da Fefe Torquato para o selo Grapihc MSP que tem como tema principal assédio no trabalho.

Pra mim, pessoalmente, foi uma boa fonte de nomes de artistas para o Vênus em Arte, meu canal sobre visibilidade feminina na história das artes plásticas. Ele tá parado? Tá. Mas uma hora vai ter que voltar? Vai! Descobri mais sobre as Guerrilla Girls dos Estados Unidos, grupo contemporâneo que busca igualdade de gênero nos museus americanos, conheci a Bastardilla, uma pintora de rua colombiana anônima e, claro, revi a história de Frida Kahlo que já sei de cor… Frida é, inclusive, quem está em maior destaque na capa. Apesar de eu problematizar essa atual super exposição dela (isso rendeu um vídeo, gente), pra mim é o tipo de lugar onde faz total sentido vê-la estampando.

“Eu acho que a mulher do fim do mundo é aquela que busca, é aquela que grita, que reivindica, que sempre fica de pé. No fim, eu sou essa mulher.” – Elza Soares
Mulheres Incríveis

Chimamanda Nogozi Adichie (Nigéria), páginas 42 e 43

A edição “original” norte americana de Mulheres Incríveis já conta com uma brasileira, a artilheira Marta, mas nossa tradução tem outros quatro perfis adicionais escritos por Jules de Faria, fundadora da ONG Think Olga. A escrita dela é um pouco diferente do da autora, um pouco menos didática e mais jornalística, mas de forma alguma isso é um ponto negativo. Mesmo com a diferença ficou tudo bem integrado, como um conjunto: Elza Soares (cantora), Débora Diniz (antropóloga, professora e pesquisadora), Maria da Penha (farmacêutica) e Sônia Guajajara (líder indígena), todas com o nome de Jules sinalizado e um asterisco em baixo, informando onde o texto foi publicado originalmente.

No final do livro, após os artigos, tem uma listagem com outros 250 nomes, 4 deles também do Brasil, de mais mulheres que merecem ser conhecidas ao redor do mundo, também variadas no que diz respeito à época e ocupação. Entre elas estão, por exemplo, Winnie Mandela, Princesa Isabel e Lili Elbe, organizadas em ordem alfabética primeiro por país e depois pelo primeiro nome. Como existe uma breve descrição em baixo, apenas pontuando as atividades de cada, é também uma fonte interessante de referências para quem tem foco ou vontade de estudar trabalhos femininos em áreas específicas.

Mulheres Incríveis

Maria da Penha (Brasil), por Jules de Faria, páginas 56 e 57

Conheça mais da Kate Schatz, ativista feminista americana e educadora, no site da autora, Twitter e Facebook. Ela tem também um site para o projeto Rad Women, que além desse, com mulheres do mundo todo, tem livros específicos sobre americanas, meninas mais novas e afins, nele constam informações não só das publicações mas também visitas em escolas e outros eventos.

Lookbook: We Should All Be Feminists

Em 19.12.2017   Arquivado em Moda

Olha a MinKa marcando presença em mais um post de Lookbook, gente! E dessa vez com a camiseta MAIS IMPORTANTE DE TODAS que eu queria muito e a Yasmin, linda, me mandou de presente (o vídeo do unboxing tá aqui!). Eu sempre digo isso, mas lá vai: por muito tempo tive medo de usar a palavra feminista e seus derivados, não porque eu não entendia o que significa, mas porque sei que as pessoas de um modo geral não entendem e tinha medo de ser julgada. Mas aí fui me descobrindo cada vez mais “ativista” e simplesmente parei de besteira, resolvi estampar isso onde quer que eu fosse. Agora, inclusive, faço o contrário de antes, tento sempre “jogar” essas expressões nas pessoas pra elas verem que é algo positivo, que é equidade! Por esse motivo acho essa camiseta “Feminista Significado” NECESSÁRIA demais, quanto mais gente entender, melhor pra todo mundo… Já que o machismo prejudica até mesmo os homens, em uma escala diferente.

Esse look tão relevante pra mim é, porém, também uma mini fraude… A festa que fui no dia que o usei tinha piscina, então por baixo da camiseta não estava esse sutiã rosa e sim meu maiô preto e branco amado. Porém eu achei melhor tirar as fotos assim porque, por mais que fosse prático pra ocasião, a gola dele ficou BEM mais alta que a da camiseta, então visualmente não estava tão legal… Uma mentirinha do bem, né, vocês claramente vão me desculpar uma vez que sou uma menina sincera que admite essas coisas. O salto depois de um tempo também foi trocado por um chinelo, obviamente, e como tem detalhes coloridos combinou super com o lação que ganhei na véspera! Ele é meio arco-íris com glitter, sério, meu novo laço favorito! O batom é o Mrs. Mia Wallace, da Urban Decay, e esse solzão na cara tornou impossível manter os olhos abertos, o que deixou minha covinha mais aparente que o normal (e eu amo essa danadinha).

Lookbook: We Should All Be Feminists

Descrição das peças no Lookbook!

O livro “figurante” nas fotos, que deu título ao look, é o “Sejamos Todos Feministas” da Chimamanda Ngozi Adichie, uma transcrição do discurso de mesmo nome que ela deu no TEDx Talk 2012 e pode ser visto na íntegra no YouTube. Depois a Beyoncé adicionou fragmentos dele, como esse que está na camiseta, em sua música “Flawless”, e aí o trecho estourou de vez. O que é ótimo, lindo e maravilhoso, né? No conjuntinho não deu pra ver ele direito porque é estreitinho, mas como a gente gosta de mostrar as coisas direito tem uma foto extra só pra isso! Inclusive gostei tanto dela, mesmo com os olhinhos cerrados, que saí postando em tudo que é rede social, claro!

Lookbook: We Should All Be Feminists

Blogmas 2017

MinKa Camisetas Feministas

Em 06.11.2017   Arquivado em Feminismo, Moda

Já contei, num post desses meus de LookBook, que nos últimos meses eu tô atrás de camisetas com temática feminista que sejam legais, de qualidade e não custem uma fortuna. Na verdade sempre tento me vestir com as coisas que gosto “estampadas” em mim, grande parte do meu guarda roupa é “temático” dos meus personagens e assuntos favoritos, mas no caso do feminismo acho mais importante ainda. As pessoas de um modo geral, mesmo mulheres, têm um medo MUITO grande dessa palavra, como se fosse uma maldição, então é fundamental para mim usá-la ao máximo, pra mostrar mesmo que é um movimento positivo que devia ser geral. Sendo assim fiquei absolutamente APAIXONADA quando conheci a MinKa, uma marca que produz exclusivamente camisetas feministas!

MinKa Camisetas Feministas

Quem me “apresentou” a MinKa foi a Hanna, uma das modelos da Loja Virtual que é minha amiga de anos. Ela começou a postar as fotos do ensaio e desde que vi a primeira já mandei uma mensagem perguntando “De onde é essa lindeza?”, e foi só ela responder para que eu começasse a acompanhar as redes sociais, adicionar as blusas na minha Wish List e decidir que devia mostrar isso pro mundo! As idealizadoras são a Yasmin e a Karim, duas mineiras que, com o desejo de que as mulheres expressassem a força feminina através do vestir, começaram essa jornada ano passado aqui em Belo Horizonte. Mais um motivo pra eu amar demais, né?

MinKa Camisetas Feministas
Camiseta “100% Feminista

Eu entrei em contato pela fanpage do Facebook (elas têm Instagram também) e quem me atendeu foi a Yasmin, super rápida e atenciosa. Minha ideia era pedir permissão para “roubar” as fotos da loja, mas ela não só enviou todas as que pedi (e mais algumas) em alta qualidade, como se dispôs a responder qualquer dúvida que eu tivesse. Fofa demais! Papo vai, papo vem, ela deu um depoimento ainda mais legal do que eu já esperava:

“Acho importante lembrar que somos uma marca de camisetas feministas, mas antes somos uma MARCA FEMINISTA. Todas as pessoas envolvidas em todos os processos aqui na MinKa são mulheres. Acreditamos no empoderamento feminino de várias formas: através das camisetas, da sororidade, de mensagens de auto amor e do empoderamento financeiro de mulheres. As camisetas são produzidas em confecção própria com mão de obra humanizada, matéria prima 100% nacional, não utilizamos plástico em nossas embalagens, que inclusive são sustentáveis e reutilizáveis.”

MinKa Camisetas Feministas
Camiseta Grávidas “We Can Do It

No final da conversa, que já tinha superado todas as minhas expectativas, ela ainda se despediu com um “Vamos juntas!”… Dá vontade até de trabalhar num lugar assim, né? Fala sério! Sobre as blusas em si são muitas estampas bacanas, algumas só com frases e outras com ilustrações delicadíssimas. Elas são feitas em malha 100% poliéster nas cores branca e cinza, ambas em modelagem de camiseta tradicional e regata cavada, e numa variedade enorme de tamanhos: vai do PP (que eu acho que é o meu) ao XG! Arrasaram!

MinKa Camisetas Feministas
Camiseta “Mulher sem Temer

A vontade MESMO é ter todas elas, mas como estamos trabalhando com humildade (e desemprego) aqui resolvi fazer uma lista de desejos MinKa com meu Top 5 Favoritas, aquelas que guardei o link no fundo do coração para, assim que puder, comprar e me dar de presente. Com o tempo a gente extrapola e aumenta um cadinho, quem sabe. E vocês, de qual gostaram mais? Me conta e passa lá na loja virtual pra conhecer todas!

MinKa Camisetas Feministas

01) Viva La Frida; 02) Girls just wanna have fun(damental rights); 03) GRL PWR; 04) GRL PWR Branca de Neve; 05) The Present Is Female. Depois de muito pensar decidi que queria fazer uma menção honrosa porque a “Feminista Significado” é maravilhosa – e necessária!

MinKa Camisetas Feministas

Psiu! ‘Prestenção!

As imagens presentes nesse post foram enviadas pela MinKa Camisetas a meu pedido, assim como o depoimento da Yasmin, porém a ideia de escrever esse post foi minha e não houve qualquer remuneração ou benefício para que eu fizesse isso, ok? Não é publi!

LookBook: Grl Pwr

Em 07.08.2017   Arquivado em Moda

Então… Leeeeembra quando eu contei no post de Lookbook passado que não tinha resistido e trazido não só uma, como DUAS *brusinhas* de estampa feminista entre as várias que estavam sendo vendidas na C&A? Pois bem, hora de mostrar a outra! Essa foi na verdade a primeira delas que vi e já peguei o cabide sem nem pensar. De cara, claro, o tema, que era justamente o que eu estava procurando no dia, mas não foi só isso… Na verdade eu achei ela MUITO FOFA! Os símbolos bonitinhos e escritos pequenininhos formam uma padronagem muito delicada e nas cores que eu mais gosto na vida, que são rosa e preto!

(Na verdade, verdade mesmo num tem nada de rosa aí, né! Isso é bordô, mas é um bordô rosado, quase “rosa escuro”, é igualmente lindo e eu gosto, então me deixa!)

Como eu já disse, não sou muito chegada en roupa branca e evito ao máximo, mas há casos onde a exceção se torna necessária, não é mesmo? Esse definitivamente foi um deles. Sem contar que ela tem um tom que puxa mais pro bege bem clarinho, então tá tudo certo! Pra combinar as boas e velhas “disco pants” com a cor certinha pra ocasião, colarzão, uma camisa amarrada na cintura pro caso de sentir frio, sapatilhas confortáveis e, claro, uma necessidade absurda de sol! SOCORRO, QUE BRANQUELEZA NESSES PÉS! Dá até vergonha, mas rolou uma preguiça de fazer bronzeamento artificial via Photoshop e vamos ter que lidar com isso, vida que segue.

Descrição das peças no Lookbook!

E é isso, gente, não sei mais o que dizer! Finalizar post de look é sempre muito difícil… Gostaram? Num gostaram? Disfarcei bem as olheirinhas? Alguém mais viu essas blusas sendo vendidas e correram pra comprar? Preferem essa ou a outra? Conta aí nos comentários!

Lookbook: GRL PWR
Uma olhada mais de pertinho (e fora de foco) de como a padronagem dela é linda!

Lookbook: This is what a FEMINIST looks like

Em 04.08.2017   Arquivado em Moda

Vamos começar esse post com mais uma história de conquista pessoal boba que traz pequenas alegrias pro nosso dia-a-dia. Há alguns meses atrás vi no SnapChat uma amiga com uma roupa preta escrito “FEMINIST” em rosa e corri pra perguntar de onde era, fiquei apaixonada. Ela me disse que comprou numa loja de fast fashion (que não direi qual porque é “concorrência” da que citaremos aqui), então fui lá procurar e… Não tinha mais! Fiquei chateadinha, mas vida que segue, tem outras blusas, a gente supera. tá tudo ok. Eis que essa semana enquanto matava um tempo no shopping entre um compromisso e outro resolvi voltar lá pra ver se num dava sorte, não dei, fui em outra, não dei de novo, até que por fim fui rodar pela C&A… E mais uma vez foi lá que achei tudo o que estava procurando e ainda não sabia (e que merece vir pro Lookbook, né)!

Ano passado foi o maiô dos sonhos, nesse um moletinho praticamente feito pra mim… E agora eles estão com UM MONTE de blusas e roupas de frio com essa temática “Girl Power”, era até difícil escolher! Peguei um monte delas pra levar pro provador e jurei que ia ficar uma só porque as coisas estão $difíceis$… Mas não deu, gente, vieram duas! A segunda, mais fofinha, vou mostrar num próximo look, mas a primeira foi a favorita e já precisei vestir assim que possível porque sou dessas!

Descrição das peças no Lookbook!

Eu não sou muito de usar roupa branca, não gosto mesmo, mas a gente abre exceções em ocasiões especiais assim, né? E o preto junto é lindo, compensa tudo! Junto vemos uma calça bandagem porque as minhas jeans continuam não servindo direito (vou mandar apertar tudo!) e All Star porque senão ficava séria demais e gosto mais de ser casual, né? Tentei colocar um colarzinho, mas todos os legais tampavam a estampa e o objetivo aqui é esfregar essa palavra na cara das pessoas o máximo possível, justamente para que elas parem de ter tanto medo dela…

Lookbook: This is What a FEMINIST looks like
Uma Lulynha bem felizinha com sua aquisição – essa foi pro Instagram!

Lookbook: This is What a FEMINIST looks like
E outra Lulynha bem felizinha =D

Lookbook: This is What a FEMINIST looks like

Página 1 de 3123