Extraordinário, o filme

Em 07.12.2017   Arquivado em Filmes

Extraordinário

Extraordinário (Wonder) *****
Elenco: Jacob Tremblay, Julia Roberts, Mandy Patinkin, Owen Wilson, Izabela Vidovic, Sônia Braga, Daveed Diggs,
Ali Liebert, Millie Davis, Noah Jupe
Direção: Stephen Chbosky
Gênero: Drama
Duração: 113 min
Ano: 2017
Classificação: 10 anos
Sinopse: “August Pullman é um garotinho que nasceu com uma desordem craniofacial congênita. Pela primeira vez, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança. No quinto ano, ele irá precisar se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Antes de mais nada, seria desleal da minha parte começar a falar sobre o filme sem citar a importância que a história de Auggie já tem na minha vida. “Extraordinário”, de R.J. Palacio, é meu livro favorito! É IMPOSSÍVEL que eu seja imparcial assistindo a adaptação dele para o cinema. Não dá pra não levar em conta o peso que acho que ele tem socialmente, inclusive. Tendo isso dito, vamos lá: Auggie Pullman aos 10 anos já passou por dezenas de cirurgias ao longo da sua vida, mas nunca foi para a escola, tudo isso graças à deformação craniofacial com a qual nasceu. Sua mãe, Isabel, o ensina em casa, mas acha que suas “habilidades” não são mais suficiente agora que o filho está grandinho. Sendo assim ele é matriculado no primeiro ano do Ensino Fundamental II (ou seja: sexto ano aqui do Brasil) e tem que lidar com a reação que seu rosto tão incomum causa nas pessoas…

Levar qualquer livro para o cinema é uma tarefa difícil. A gente sabe que existe a possibilidade de nossa cena favorita ser cortada, o personagem do coração ser completamente diferente do que a imaginação mostrava, etc. Ao mesmo tempo mais importante que essas coisas é a mensagem que o filme precisa passar, e no caso de Extraordinário isso é CRUCIAL. Ele vem sendo usado nos EUA como material de combate ao bullying, através da sua mensagem de escolher a gentileza acima de tudo e enxergar além da aparência. Nesse aspecto, não tem como, merece 5 estrelas com certeza! Eles criaram um ambiente super lúdico para que o expectador “entre” na cabeça do Auggie o tempo todo, materializando a imaginação dele em algumas cenas, dando um toque divertido e inocente à temática super pesada que estava sendo retratada.

A gente não pode ignorar que, mesmo sendo merecidamente aclamado por adultos, se trata de um filme infantil. Os protagonistas são crianças porque é pra elas que a autora tentou passar sua mensagem. Ler sobre uma cena violenta de bulliyng pode ser difícil, mas o impacto visual é sempre MUITO MAIOR! Por isso vários aspectos foram suavizados, sem ser excluídos completamente da história. Vi muitas reclamações sobre a aparência do protagonista, que no livro ele é “mais feio”, mas achei bem fiel se comparado a crianças que possuem a mesma doença. Além disso o ator precisava de liberdade para se expressar e fazer o trabalho, e mais maquiagem podia atrapalhar nisso… Felizmente não foi o que aconteceu, porque Jacob Tremblay foi INCRÍVEL! Cada lágrima dele na tela resultava em várias e várias saindo dos olhos da plateia. Na verdade o elenco inteiro foi muito bem escolhido, com destaque para Julia Roberts que está maravilhosa no papel de mãe.

Extraordinário Foto do Amsterdam News

Uma “mudança” que achei muito positiva foi a adição de alguns aspectos da vida dos Pullman que não está no livro, mas que era necessária no filme. Eles deram para Isabel uma breve história profissional antes de ter que se dedicar integralmente ao filho e uma possibilidade de futuro diante do fato que agora não precisa mais ficar com ele 24 horas por dia. Nate, o pai, também foi muito bem trabalhado, sempre divertido soltando piadas simples e inteligentes como é sempre dito que ele faz. E por último, mas não menos importante, temos o último membro da família que foi minha única decepção… Olívia, a irmã do Auggie, é minha personagem favorita e eu sempre tive muito medo que ela fosse retratada de forma egoísta, o que senti que aconteceu em várias cenas. Não é o “egoísmo justificável arrependido” que vemos originalmente, ela realmente foi mal direcionada mesmo. Não acho que isso prejudica o andamento da história, mas Via é uma pessoinha muito incrível para ser impedida de mostrar isso a todo momento, então fiquei bem chateada.

Um outro aspecto que me incomodou no início, mas depois passou, foi como a Summer, melhor amiga do Auggie, foi levemente minimizada. Ela é uma criança fantástica, que estende a mão para ele desde o começo, mas que teve essa amizade jogada bem mais pra frente. Ainda assim, porém, conseguiram mostrar toda a gentileza que ela passa e sua importância em diversos momentos, então entendi o motivo dessa modificação. Também não gosto muito como a Miranda é vista sempre como “boazinha” porque tenho antipatia dela, mas no original já é assim, não foi realmente uma alteração, mais um ranço pessoal mesmo… E Justin, gente? O romance da Via ganhou uma visão muito bonitinha, tiraram as características ansiosas dele mas mantiveram a essência de artista apaixonado. Uma graça as cenas dos dois juntos! Daisy, a cachorrinha deles, era outra que fazia o coração inflar de amor. Teve sua representação apresentada de forma muito digna.

E agora… Um registro do momento maravilhoso em que eu conheci os Pullman pessoalmente não podia faltar, né? Faltou você, Via, ‘bora marcar uma sessão de “Dirty Dancing” aqui em casa pra botar o papo em dia! (Ou vocês acharam que eu ia ignorar um totem desse tamanho e deixar passar a oportunidade de tirar uma foto com ele?)

Extraordinário

Em resumo… É uma adaptação que passa a essência necessária para o expectador de forma sensível e muito respeitosa. Mesmo com essas acomodações que precisam ser feitas muita coisa ficou extremamente fiel e alguns diálogos são exatamente iguais, sem parecer forçado. Eu nunca cheguei a escrever uma resenha do livro, apenas um texto dedicado a ele, mas hoje estou fazendo essa do filme com meu coração cheio de carinho e o rosto ainda manchado por causa das lágrimas que não pararam de cair nem por um minuto. Usando a própria frase da divulgação oficial da Lionsgate só o que tenho a dizer pra fechar é: “Go see Wonder!”

Trailer:

Blogmas 2017

Tag Literária: Deuses do Olimpo

Em 16.10.2017   Arquivado em Leitura, Memes e Tags

Aaaaah, que saudades de responder uma tag sobre livros por aqui! Esse ano estou lendo menos do que nunca, então está difícil falar do assunto, infelizmente. Mas hoje isso vai mudar: a Rubyane do Epílogo em Branco me indicou a tag literária Deuses do Olimpo há uns dias e foi gostosa de responder demais porque mitologia grega é um assunto que eu absolutamente AMO DE PAIXÃO! São 14 perguntas (meu numero favorito) criadas pelos blogueiros Davyd, do Encontro com Livros, e Magno do Diálogo Literário!

Regras:
01)Indicar no mínimo 5 blogs;
02) Dizer quem são os criadores da TAG.
03) Dizer quem te tagueou.

01. Zeus: Rei dos Deuses

Qual livro é o rei da sua estante? Essa pergunta pode ter muitos significados, né? Pode ser seu livro favorito, o mais caro, o que teve mais impacto na vida, etc… Eu resolvi falar do meu livro mais “imponente”, que é o “Devoção e Arte”, da Beatriz Coelho. Esse foi o primeiro livro que comprei quando entrei na faculdade e como minha turma era a primeira de graduação em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis da UFMG tivemos uma sessão de autógrafos e lanchinho com a dona Beatriz na época que compramos. Foi MUITO incrível! Acho que ele é meu livro mais caro, e também é o mais bonito, com imagens em altíssima resolução de várias esculturas de igrejas barrocas mineiras. Pra quem é da área, vale a pena!

Tag Literária Deuses do Olimpo
Cantinho da estante com alguns livros de arte, entre eles “Devoção e Arte” (empoeiradíssimos!)

02. Hera: Deusa do casamento

Um casal que você shippa? Bom, eu sou a maior shipper de todos os tempos e tô sempre shippando tudo e todos, mas nesse caso resolvi falar dos dois personagens que eu MAIS shippo e há mais tempo. Meus queridinhos, meus seres favoritos na ficção, meu casal número 01: Rony e Hermione!

03. Poseidon: Rei dos Mares

Qual livro você jogaria no mar do esquecimento? Não, não falarei da Saga Crepúsculo, não se preocupem… Veja bem, eu obviamente não gostei da história porque já não era mais público alvo na época, além de ter críticas severas à influência que ela causa, mas pelo menos consegui TERMINAR os livros… E não foi assim com “O Segredo”, da Rhonda Byrne. Não sei se auto ajuda não é pra mim ou o que, mas abandonei sem dó. A ideia é muito bacana e tal, mas o livro inteiro poderia ter sido resumido no primeiro parágrafo: ela “conta” o segredo e depois fica mostrando como aplicar em todos os aspectos da sua vida. Isso significa que é só uma repetição sem fim do que já foi dito! Só sei que não cheguei no final, pode ser que esteja sendo injusta, mas é que não deu, MESMO!

04. Deméter: Deusa da Agricultura

Imaginando que sua bagagem literária é uma árvore, qual foi o livro semente? Obviamente “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. Se pensar beeem antes, na época que aprendi a ler, eu poderia dizer “Flicts”, do Ziraldo, que foi meu favorito de infância, mas seria injusto. Foi J. K. Rowling quem me ensinou a gostar de ler, esse mérito é só dela!

Tag Literária Deuses do Olimpo
Hermione, Rony e minha breve coleção de edições de “A Pedra Filosofal”. Todos foram presentes: a 1ª edição brasileira da minha madrinha no natal de 2000, a ilustrada e a de 20 anos da Grifinória do Gil em dois aniversários seguidos e a nova de capa dura da Editora Rocco! Os Funkos também ganhei, dessa vez da Lili!

05. Hades: Deus dos Mortos

Um personagem que você mataria? Não faço a mínima ideia, acho que todos os personagens que eu queria ver morrendo ou que achei isso necessário realmente morreram. Deixem ideias aí nos comentários pra eu ver se concordo!

06. Héstia: Deusa virgem do lar

Qual personagem você levaria para casa? Bom, já que o assunto aqui são Deuses do Olimpo e Hades acabou de ser citado, vamos falar do mais lindo dos filhos dele: Nico di Angelo! Nico é minha personagem favorita das séries de mitologia greco-romana do Rick Riordan, seja Percy Jackson, Heróis do Olimpo ou mesmo essas “pontas” nas Provações de Apolo. Acho ele complexo e maravilhoso! Tanto que coloquei o nome dele no meu falecido cacto e em um dos protagonistas dos próximos livros que estou escrevendo (e, se tivesse um filho biológico um dia, cogitaria como possibilidade também).

07. Afrodite: Deusa do Amor e da Sensualidade

Um livro pelo qual você se apaixonou? Eu preciso caprichar BEM na resposta da pergunta referente à minha “mãe divina”, né? E vou, porque esse (junto com “O Prisioneiro de Azkaban”) é meu livro favorito: “Extraordinário”, da R. J. Palacio! Ah, como eu AMO Auggie, Via e todos seus amigos, não dá nem pra colocar em palavras. Eu já fiz um post dedicado a ele uma vez e tô contando os dias pra sair o filme, que estreia em novembro!

Tag Literária Deuses do Olimpo
A família do Auggie quase completa!

08. Apolo: Deus do Sol e da Arte

Um personagem artista? Serve um escritor? Porque escrever é arte! E nesse caso o personagem é o próprio autor do livro: John Grogan, de “Marley & Eu”, a história maravilhosa da “vida e o amor ao lado do pior cachorro do mundo” que arranca lágrimas de toda e qualquer pessoa com o mínimo de sensibilidade no coração, hahahaha!

09. Ártemis: Deusa virgem da caça

O livro que te levou a grandes aventuras? Bom, eu não queria falar de Harry Potter de novo pra não ficar repetitivo, mas não dá, né galera? Foi a série que me ensinou a ler por diversão, que me apresentou vários dos melhores amigos que tenho hoje, que por mais que eu tenha relaxado um pouco em alguns aspectos continua me emocionando muito. Eu sou vice presidente de um fã clube, caramba! Pensei em citar o “Destrua Esse Diário” que traz aventuras em outros aspectos, mas seria injusto, simples assim!

10. Ares: Deus da Guerra

Um livro ou personagem que te deixou com ódio? Falaremos de um personagem, então, melhor. Recentemente falei aqui no blog do “Todos, Nenhum: Simplesmente Humano”, que fala sobre fluidez de gênero. Senti profundo ódio de todos os personagens que praticavam bullying com Riley, mas principalmente o “líder” deles e sua atrocidade final.

11. Atena: Deusa Virgem da Sabedoria

Um personagem que te inspira? Estamos evitar HP demais, então vou esconder Hermione para citar meu personagem favorito de “O Senhor dos Anéis”: Aragorn! Eu já gostava dele nos filmes, mas meu coração ainda batia mais forte por Sam e Legolas, até que li os livros e Passolargo assumiu esse amor de vez! Tanto que eu dei para minha gata o nome da esposa dele, Arwen!

12. Dionísio: Deus do vinho e das festas

Qual foi a sua maior ressaca literária? Quando eu li de uma vez os três livros da série “Jogos Vorazes”… Aquilo ACABOU COMIGO! Fiquei horas pensando como seria ruim se o mundo funcionasse daquele jeito até enfim perceber que já funciona. Mas o lado bom é que hoje eu sei que se precisar ser Katniss pra não deixar algo parecido acontecer de vez, eu serei!

13. Hefesto: Deus do Ferro e do Fogo, Ferreiro dos Deuses

Um livro que tenha ferro ou fogo na capa? Eu tinha escolhido “O Hobbit”, do Tolkien, cheguei a tirar a foto pro post e tudo mais… Até que percebi que não é fogo que está ilustrado e sim ouro! Que lerdinha, né? Mas tudo bem, as moedas de metal representam o ferro e o dragão Smaug cospe fogo, então tá valendo!

Tag Literária Deuses do Olimpo
Um “Percy Jackson” porque essa tag pedia ao lado de “O Hobbit”!

14. Hermes: Deus do comércio, Mensageiro dos Deuses

Um livro que você não compraria ou se arrependeu de ter comprado? Bom, vamos respirar fundo antes de responder essa porque é uma resposta meio triste. Eu me arrependi muito de ter comprado “O Livro do Bem”, da Ariane Freitas e da Jéssica Grecco. É o livro interativo mais fofinho que já vi, as atividades são bem lindas e já fiz várias delas, mas acaba que quando você tem mais de um desses vai cansando, sabe? Na hora da compra uma empolgação danada, mas depois fica lá, ocupando espaço… Não quero morrer por causa dele, não, mas se pudesse voltar atrás teria deixado passar.

E agora seis lindezas para responder essa tag: Clay, do Sai da Minha Lente, Renatinha, do Clumsy Luv, Rê, do Retipatia, Poly do Poly Pop, Adriel do Não Me Venha Com Desculpas e Gil, do canal Menino Gil!

Tropeços do Bem

Em 22.08.2016   Arquivado em Vídeos

Sabe quando acontece uma coisa ruim na sua vida, mas depois você percebe que foi pra evitar algo ainda pior? É aquela sensação de que você abriu uma porta errada e não deu tempo de voltar atrás, mas aí foi caminhando e caminhando até o fim da sala e ali tinha outra porta e quando foi abrir essa também, pronto, era a certa! Pois bem, o vídeo de hoje é justamente sobre isso: os tropeços que podem evitar uma queda!

Esse foi o preceito do dia 22 de agosto do livro 365 Dias Extraordinários, da R. J. Palacio, que é tipo um “livro extra” de Extraordinário, como se o Sr. Browne (professor do Auggie) tivesse lançado sua coletânea de preceitos na história. Além de um lema legal para cada dia do ano, alguns enviados por crianças fãs da Palacio, entre os meses existem algumas reflexões do personagem que sempre têm uma moral bacana também. A ideia de fazer esse tipo de vídeo começou com meu BEDA em abril desse ano, onde gravei dois, mas agora resolvi tentar voltar com eles de vez em quando. O que vocês acham? Me digam nos comentários!

22 de Agosto

BEDA2016

Extraordinariamente

Em 12.08.2016   Arquivado em Escrevendo, Leitura

Ex.tra.or.di.ná.rio; adjetivo: 1. fora do comum; 2. adicional, suplementar; 3. admirável, espantoso, grandioso. Acontecimento imprevisto ou inesperado. (fonte)

Extraordinariamente

A primeira vez que assisti ao booktrailer, em plena Turnê Intrínseca, foi em 2013 e minha reação foi a que todos já esperariam de mim: eu chorei. Um ano depois no mesmo evento foi reproduzido mais uma vez e chorei de novo, e aí percebi que precisava finalmente ler aquele livro que já me arrancava lágrimas antecipadas. Foi o que eu fiz e desde então posso dizer que, de certa forma, é meu livro favorito (Potter doesn’t count). Uma aula de empatia, humanidade, sensibilidade e, acima de tudo, gentileza: é assim que podemos definir Extraordinário, de R.J. Palacio, cujo título se refere ao personagem, mas poderia ser também à história, não existe classificação melhor!

August Pullman tem 10 anos, é viciado em Star Wars, adora jogar video game, vive com seus pais, irmã mais velha e uma cachorrinha de estimação. Ele também tem uma deformação craniofacial que o fez passar por diversas cirurgias ao longo de sua vida, impedindo que ele vá para a escola… Pelo menos até agora! Ser o aluno novo já é difícil, entrar na segunda fase do ensino fundamental também, mas tudo se torna muito mais impactante quando você tem um rosto tão diferente. Auggie é uma pessoa que causa reações fortes, sempre, mas nem todas são ruins: quanto mais as pessoas se abrem para ele, mais elas percebem a influência positiva que essa história pode trazer em suas vidas. Isso já é de conhecimento de Via, sua irmã igualmente extraordinária, e acaba sendo também daqueles que estão ao seu redor, como Summer, Jack, Justin… E de cada leitor que embarca junto com eles nas palavras de Palacio. Eu tornaria essa leitura obrigatória em toda e qualquer turma de escola que contenha crianças da faixa etária dele, e recomendo para todo mundo, de não importa a idade. Através de momento do cotidiano, preceitos e muitos lágrimas você termina a última página aprendendo que vale a pena ser escolher ser gentil sempre, e acima de todas as coisas!

Extraordinariamente

Esse post foi inspirado na proposta #31 do Creative Writing Prompts, que oferece mais de trezentas ideias legais para desenvolver sua escrita criativa. É o entre os 25 que me propus a escrever até outubro de 2018 e nesse eu simplesmente tinha que falar sobre um objeto azul.

BEDA2016

Auggie & Eu

Em 18.01.2016   Arquivado em Leitura

Auggie & Eu – Três histórias Extraordinárias (Auggie & Me) *****
Autor: R. J. Palacio
Gênero: Infantojuvenil
Ano: 2015
Número de páginas: 326p.
Editora: Intrínseca
Sinopse: “A história de Auggie Pullman, o menino de aparência incomum que tem encantado milhares de leitores desde o lançamento do romance Extraordinário, em 2013, ganha agora novas perspectivas: Julian, Christopher e Charlotte, personagens da vida de Auggie, narram nos três contos reunidos no livro Auggie e eu seus encontros e desencontros com o amigo extraordinário.” (fonte)

Auggie & Eu

Comentários: Como contei no meu Top 5 de melhores livros de 2015, “Auggie & Eu” foi o último que li no ano, mas também o que mais gostei. Não tinha como ser diferente uma vez que “Extraordinário” é um dos meus livros favoritos (eu diria que é o número 01 se não fosse pela série “Harry Potter”) e eu estava morrendo de saudades dos personagens, apesar de concordar com a autora que não sabe fazer uma continuação para ele porque NÃO, não é isso que temos aqui, e sim três histórias paralelas que faltaram no livro onde August é apenas um coadjuvante. O objetivo, porém, é o mesmo: mostrar como ele afeta as pessoas ao seu redor, mesmo que indiretamente.

“O Capítulo do Julian” mostra o ponto de vista geral de quem as pessoas mais sentiam falta no livro original: o garoto que lidera as práticas de bullying contra o Auggie. Eu tinha muito, muito, muito medo de o Julian ser vitimizado nessa história porque eu acho que nada nessa vida justifica maltratar um colega de escola, ou incentivar esse mal trato, mas não é isso que acontece, felizmente. A história explica o medo de Julian em relação ao colega (com o qual me identifiquei um pouco, apesar de que eu jamais agiria como ele na vida), a influência da família diante dessa situação, os pensamentos não muito legais de um menino não muito legal e, por fim, uma história tristíssima contada pela avó que ensina o quanto seu comportamento foi errado. Gostei de como mostra que, apesar de ele não estar certo em suas atitudes, pode aprender a “escolher ser gentil”, que é o lema da história.

“Plutão” era o que eu mais queria ler porque senti falta de ver pelo menos um pouquinho do Christopher, melhor e mais antigo amigo do Auggie, em “Extraordinário”, já que ele nem aparece. Assim como o amigo, Chris está passando pela vida esquisita na pré-adolescência e tem que fazer suas escolhas em relação à família, já que ele e a mãe vivem discutindo, e os colegas de escola, onde ele tenta se encaixar da melhor maneira que pode diariamente (e quem não tenta?). É engraçado porque as atitudes e pensamentos dele são exatamente o que se espera em relação a tudo! A gente vê as dificuldades que ele teve por ser amigo de uma criança “deformada”, as consequências disso nas suas atuais amizades, a maneira como ele lida com a separação dos pais, e consegue entender, porque é exatamente isso que se passa na cabeça de uma criança aos 10, 11 anos de idade. Palacio é brilhante nesse aspecto, gente, é impressionante. Outra coisa legal é ver pequenos flashs da infância deles, com a presença da Via, que é minha personagem favorita, então fiquei super feliz.

“Shingaling” é a história da Charlotte, uma garota da sala do Auggie que, apesar de não ter se tornado amiga dele, sempre o tratou da melhor maneira possível, independente da aparência. E foi minha favorita do livro, porque além de ser uma personagem realmente boazinha e com uma história bonita, me identifiquei MUITO com ela, era só ler sobre as coisas pelas quais ela passava que eu lembrava como era estar na quinta série e ser forçada a crescer para manter as amizades, mas com aquela necessidade de ser aceita do jeito que você é. Acho que fica ainda mais natural por ela ser menina, como a autora, aí as experiências ficam mais realistas. Outra coisa legal é conhecer mais sobre a personalidade das meninas que são apenas citadas no primeiro livro e rever MUITO a Summer, que é indiscutivelmente a melhor personagem e o tipo de pessoa que qualquer um quer e devia ser.

Para quem leu “Extraordinário” está super recomendado. Para quem não leu já recomendo os dois de uma vez, é daqueles que mudam alguns pontos de vista da vida da gente (sério)!

Auggie & Eu

Página 1 de 212