‘Til It Happens To You…

Em 29.05.2016   Arquivado em Feminismo

No início do ano, Lady Gaga concorreu ao Oscar de Melhor Canção Original com a música “Til It Happens To You”, do documentário “The Hunting Ground”, que fala sobre a violência sexual em ambientes acadêmicos dos Estados Unidos. A vencedora, porém, foi “Writing’s On The Wall” e na minha humilde opinião (desculpa aí, Sam Smith, nada contra sua pessoa), foi a maior injustiça do ano. Não só acho a música da Gaga melhor como penso que uma temática importante nesse nível (e que está tão em evidência) também deve ser levada em conta na hora dessa escolha. Mas tudo bem, vida que segue, a música não deixa de ser maravilhosa por causa disso.

Para quem nunca ouviu (mas pode fazer isso agora através desse vídeo aí em baixo), é um desabafo SUPER sincero e sentimental sobre como uma vítima de estupro é tratada por aqueles que a cercam, até mesmo os que a querem bem. Ela fala sobre essa tentativa que acontece de convencer a pessoa de que vai ficar tudo bem, que um dia vai superar e esquecer o que aconteceu com ela, de que é “mais forte do que isso”… Mas isso sempre vindo de pessoas que não fazem ideia do que é sofrer um ato de violência tão abusivo e brutal. E daí vem a frase título da música: “Até que aconteça com você, você não saberá como eu me sinto.”, um pedido desesperado para que ajudem essas pessoas a viver com essa realidade sem ignorar a dor inimaginável para aqueles que nunca sentiram. E para ter uma MÍNIMA ideia de que dor é essa é só assistir ao clipe, que é pesadíssimo mas, infelizmente, muito real. Eu confesso que não dei conta de chegar ao final…

“‘Til your world burns and crashes
‘Til you’re at the end, the end of your rope
‘Til you’re standing in my shoes
I don’t wanna hear a thing from you, from you, from you
‘Cause you don’t know
‘Til it happens to you
You don’t know how I feel, how I feel.”
(fonte)

Porém esse post está aqui não somente para mostrar a mensagem que ela quis passar, mas também para DISCORDAR disso de certa forma. Aliás, discordar não: complementar! E não, não pensem que vou falar que dá pra imaginar a dor sim, muito menos criar um “sofrimentômetro” nojento para rebaixar mulheres que já sofreram com estupro (ou mesmo a tentativa dele) na vida. Muito pelo contrário, na minha opinião mesmo que aconteça com você, você não saberá como a outra pessoa se sente! Cada um reage de uma forma às injustiças absurdas que a vida trás e não existe regra… Então ainda que você tenha passado por tudo isso, por favor, não meça a dor de outra garota através da sua. Não coloque sua superação (ou mesmo a falta de) como uma meta a ser seguida por ela. Ainda que tenha acontecido com você (e eu gostaria que JAMAIS acontecesse com QUALQUER PESSOA nesse mundo) saiba que só ELA sabe realmente e profundamente como se sente, como lidar com isso, até que ponto pode chegar para seguir adiante.

“Mas isso quer dizer que não posso ajudar, não posso intervir?” – CLARO QUE NÃO! Você deve sempre ajudar, sempre estender sua mão, SEMPRE dar o apoio. Mas faça isso com toda a empatia que conseguir reunir no seu ser. Lembre do difícil processo que é enfrentar a sociedade, os julgamentos, a si própria no espelho, mesmo que nada disso devesse ser um problema. Saiba que o abuso sexual é algo hediondo quando acontece com uma garota aos 16 anos e praticado por dezenas de homens diferentes que depois a expõe ao público, mas também com mulheres que estão na rua e são abordadas por um desconhecido… Ou mesmo com esposas que não conseguem lutar contra a força de seus maridos opressores, jovens que acabam bebendo demais e atraem algum aproveitador na festa que deveriam estar curtindo, uma pré adolescente que é assediada por um parente próximo e não consegue denunciar por isso, a universitária que mudou de ideia ao sair com seu colega de sala e ele não aceitou isso muito bem. Independente do local, das circunstâncias, das companhias, da idade, da roupa, do horário e de qualquer outra coisa o estupro é asqueroso, não importa quem é a vítima ou o agressor. É crime independente de você achar certa ou errada qualquer atitude da pessoa que passou por ele. Não é sexo, fetiche ou doença: é violência, é invadir um ser humano de uma forma que nem mesmo objetos devem ser tratados, é o resultado da atitude de alguém que fecha os olhos, os ouvidos e o coração para o grito desesperado de milhares de mulheres que querem apenas ser tratadas como um igual. Todos os dias.

E aí você pensa que poderia ser sua filha, sua amiga, sua irmã e sua neta… Que poderia ser você! Mas mesmo que não seja, ainda assim é alguém. Alguém com dores e sentimentos que, não importa o que tenha feito, não merece de modo algum passar por isso. Não limite seu amor ao próximo a quem você conhece e é importante na sua vida, expanda-o para cada uma que precisa dele desesperadamente. Mesmo que você não vá receber isso de volta no momento, faça não só porque você pode precisar que façam o mesmo por você amanhã, ou porque precisou que fizessem ontem. Faça porque é o certo, porque é o necessário, faça porque HOJE muitas e muitas de nós precisam! E quanto mais nós lutarmos contra essa cultura do estupro, esse machismo nojento, menos pessoas precisarão ser ajudadas e mais pessoas verão a importância de ajudar. E quem sabe chegaremos ao ponto em que, felizmente, ninguém mais saiba exatamente como as pessoas que passam por isso se sentem simplesmente porque ninguém mais passará. Parece um sonho, eu sei, mas nada poderia ser para mim hoje mais bonito de ser sonhado…