Remember Universitário: 20 horas semanais…

Em 31.10.2013   Arquivado em Conservação-Restauração

Logo no início do curso, talvez por sermos a primeira turma, começou um temporada de estágios intensa. De cara eu resolvi que tentaria de tudo e no primeiro deles eu já mandei meu currículo que não tinha absolutamente nada. Aliás a turma inteira mandou, mas só metade conseguiu: graças à turma dividida na disciplina de fotografia alguns ficaram sem disponibilidade e eu, com meu nome começado com “L”, fazia parte desse grupo. Mas tudo bem, eu tava tranquila porque ainda viriam outras chances.
Só que foi passando o tempo e os gostos restaurativos foram sendo definidos em mim. As ofertas de estágio pipocavam pra todo lado, mas meu currículo foi sendo enviado cada vez menos… Eu queria e precisava de dinheiro, sim, mas não queria que fosse de qualquer jeito: eu tava DOIDA pra trabalhar com restauração de papel!!

Foi aí que uma das minhas colegas me ligou um dia. Ela fazia estágio no Arquivo Público Mineiro e tinha uma vaga aberta por lá. Eu ganharia um dinheirinho, que pra mim era uma quantia incrível, e em troca eu dedicaria a eles nada mais, nada menos do que 20 horas semanais de trabalho enquanto não estivesse em aula. Troca justa, contrato assinado, já saí pedindo o cartão de crédito do vovô emprestado e comprei uma câmera parceladinha em 6 vezes. Agora eu tinha meu próprio dinheiro que eu fazia render tanto que hoje me surpreendo, porque sei o que é ganhar mais do que o dobro daquilo e não durar quase nada.
Minha função? Tratar fichas no Photoshop. Simples assim. Eu virava as que estavam de lado ou de cabeça pra baixo e escurecia as que estavam muito claras e não dava pra ler. Eu sei que parece pouco, mas ALGUÉM tinha que fazer. Assim que acabei meu desejo se realizou mais rápido do que eu esperava: eu fui pra restauração!! Durei uma semana até que me mandaram de volta pra digitalização porque precisavam de gente no banco de dados das fichas que eu tinha tratado: o projeto Hélio Gravatá era o que estava em vigor por lá e tinha que dar certo.
Eu até pensei em sair, mas eu gostava tanto de lá… Dei tudo de mim no Hélio Gravatá, me diverti a beça e quando acabou o principal eu fui recompensada voltando pro laboratório de restauração. Paciência vale a pena.

Eu fiquei um ano no APM. Quando meu contrato venceu tive que sair: eles não tinham como renovar. Foi triste, chorei a beça e depois disso fiquei quase um ano parada. Eu queria estar livre caso eles precisassem de mim. Mas aí o tempo foi passando e no ano seguinte, quando eu já estava no 7º período, veio uma chance de estágio no Cecor. O trabalho era a restauração de um missal do século XVII e eu fui aceita por causa da minha, digamos, experiência. Foi incrível, trabalhamos muito e eu ainda fiquei amiga da Marina, que hoje é uma pessoa cujo telefone fica até na discagem rápida do meu celular, hahaha.
Por que? Bom, até de “compassas” nós já fomos chamadas. Depois que o estágio do Cecor acabou ficamos um tempinho de folga até que o APM abriu vagas para um mega projeto e adivinha: duas delas era pra restauração. E lá fomos nós duas… E se no Cecor a perfeição era ideal, lá no Arquivo é a agilidade… Tratamento em massa, e eu adoro!! E a maior mudança é que não eram mais 20 horas semanais: são mais!! E como consequência, mais dinheiro. Até agora, depois de formadas, já pudemos trabalhar juntas de novo!

Por um lado é ruim porque quando olham para meu currículo eu SÓ tenho experiência profissional na área de papel. Aliás, seria ruim, mas na verdade é bom porque é isso que eu quero fazer. Nosso contrato terminou em abril desse ano, mas foi naquele lugar que eu comecei e lá terminou minha vida de estagiária. Minha dica para quem tá na faculdade agora é essa: faça estágios! Só assim as pessoas sabem que você existe, só assim você fará realmente seus contatos.
Aliás, muitos me perguntam e eis a resposta: por esse motivo fiquei um ano a mais na faculdade… Dedicar aos estágios tomou meu tempo e eu, burrinha, não pedi os créditos que tinha direito, mas foi bom, valeu a pena, e eu não vejo a hora de viver restaurando papel até o fim da vida… Não que eu tenha estado parada desde então porque já tive trabalhos pra fazer, mas trabalho é trabalho e emprego é emprego, e meu desejo para o fim de 2013 e 2014 é um, dessa vez gastando 40 horas semanais.

20 Horas Semanais

Esse post é o quarto de uma série de posts nostálgicos sobre meus 5 anos como universitária. Esses 5 anos acabaram em março e só Deus sabe o que vai acontecer daqui pra frente. Então vale a pena lembrar, porque é com o fim que a gente vê de verdade como era bom o início, como foi bom o trajeto!!
Todos os posts aqui.

Rapidinhas de Março

Em 31.03.2012   Arquivado em Conservação-Restauração, Cotidiano

Só eu que acho março um mês HORROROSO?? Vem logo depois de fevereiro que é lindo e passa rapidinho, e temos que esperar dolorosos 31 dias para chegar abril, tão querido abril com seus feriados.
O que tenho a dizer sobre meu mês foi que começou bonito, teve uma duração medonha de ruim e se fechou bem. Se formos fazer um balanço tá até bom, né??

Rapidinhas de Março

O motivo de ter começado tão lindamente, tãdã-dãdããããã… ESTÁGIO!! Yes!! Já é a terceira vez que começo um estágio desde que entrei na faculdade e esse é muito importante porque estou VOLTANDO pro APM, onde estagiei pela primeira vez. Foi lindo ir andando e vendo as pessoas que eu gosto falando “Você voltou!!” animadas. Esse primeiro mês foi difícil, início de projeto sempre dá problema, mas essa semana resolvemos muita coisa e a partir de 2ª feira agora o laboratório de restauração de lá voltará firme e forte tendo eu e a Marina, que trabalhou comigo no Cecor. É ótimo conhecer gente nova, mas melhor ainda ter as “velhas” pessoas queridas por perto. Tô TÃO feliz, eu me sinto tão bem naquele lugar, desde a 1ª vez que pisei lá para uma visita técnica, espero poder aproveitar muito os próximos meses, e quem sabe além??

Rapidinhas de Março

Falando em Marina, olha que coisa mais-linda-dessa-vida que ela fez pra mim… Um estojo de ferramentas que dá pra amarrar na cintura virando “cinto de utilidades do Batman”, e aí as ferramentas ficam à mão e a mesa de trabalho fica organizada!! Nós temos uma professora que usa o dela assim e é super prático, então ela tá fazendo pra vender, a idéia é incrível.
E o melhor foi o estojo em si, né?? Forro cor-de-rosa, cupcakes fooofos do lado de fora, fitinha de bolinhas e agulheiro em forma de coração. Muito amor puro transbordante, de quem mais poderia ser, tinha que ser MEU né?? Hahaha, esse aí tá mais pra “Cinto de utilidades da BATGIRL”!! Amei demais, ele não é liiindo??

Rapidinhas de Março

E aí que março eu fui de completamente ATOA pra muuito, muuuuuuito ocupada, porque além do estágio que será de 30h, as aulas também estão de volta. Por mais que eu esteja à beira da formatura, com o pezinho lá já, essa é a hora de fazer o que eu tinha deixado pra trás em nome das 20h semanais que separei pros meus estágios. E a mais importante delas a foto retrata fielmente: encadernação. Como vou me formar com o foco na restauração de papel essa é uma que eu já devia ter feito e não posso me formar sem. As aulas são beeem práticas, metódicas e puxadas, mas por ter feito todas as outras de papel eu não me perco em nada. Essa foto aí é da aula em que costuramos os cadernos fazendo uma encadernação tradicional francesa, eu refaria mais bem feitinho, mas a costura em si foi elogiada, então tá ótimo.

Rapidinhas de Março

Outra que eu estou amando fazer é também a única que me faltava no percurso de restauração de escultura – que foi minha 2ª escolha e que eu gosto de muitas coisas nele, apesar de que minha vida mesmo vai ser no papel. A disciplina chama “Prática de Restauração – Escultura” e o próprio nome já diz: são 4 horas seguidas debruçada em cima do castiçal que já venho restaurando nos últimos tempos e minha última chance de dexa-lo bem feito. Pra isso EPI não falta: até lupa de cabeça tô tendo que usar agora porque sem ela não vejo NADA do que estou fazendo.
Além disso pra ninguém reclamar, hehe, taí um momento “Luly Restauradora” pra vocês verem como minhas costas adoooram (cahã) essa profissão que terei em breve, tadinhas.

Rapidinhas de Março

Vamos falar de coisa boa agora, não que o resto foi ruim, mas ainda assim… Lá do lado do APM abriu recentemente essa casa de Milk Shake que é coisa de doido. O que me levou até lá foi o Frozen Yogurt, mas depois que entrei e vi que tinham 151 sabores de Milk Shake resolvi que vou provar um por semana, hahahaha. Esse da foto é de chocomenta e é um pedacinho de paraíso na Terra.

Rapidinhas de Março

Eis que hoje, último dia do mês, chego na Seven para assistir aula e o que encontro por lá?? “19 Anos Depois” na parede e na bancada da recepção. Fiquei toda empolgada e me deu vontade de sair distribuindo os panfletos pra todo mundo, haha. Não cheguei nesse grau de loucura, mas confesso que entreguei alguns para algumas pessoas – e tiiiive que fotografar essa coisa linda.

Rapidinhas de Março

Por fim, mas não menos importante, minha última e muito desejada aquisição: “Manual para Normalização de Publicações Técnico-Científicas”, da Júnia Lessa França. Eu sempre quis esse livro, mas como ele é sempre atualizado resolvi deixar pra compra-lo quando “chegasse a hora”. E se comprei significa que a hora chegou e, meus queridos, isso quer dizer uma coisa: TCC à vista!!
Felizmente depois de ter passado o mês inteiro tensa em relação à parte prática agora, na última semana, tudo se resolveu. Tenho obra pra restaurar, tenho orientadora e tenho também MUITO TRABALHO PELA FRENTE!! Mas sobre isso eu vou falando ao longo do ano, porque só acaba em dezembro…

Um estágio e mil atividades!!

Em 04.05.2011   Arquivado em Cotidiano

Esse é meu post lindo para contar as coisas lindas que tão acontecendo na minha vida. Eu não sei bem por onde começar, acho que vou do mais recente pro mais “antigo”, porque assim vai dar pra ter uma noção melhor de como acumulou e do quão ocupada serei nos próximos meses!!

Novo estágio!!

day thirteen: I got a new job!
por Anitah via Flickr

Essa é a notícia mais linda de todos os tempos, já que desde que saí do Arquivo, em julho, tô parada na vida, só estudando. Semestre passado isso foi bom porque foi uma loucura, mas eu tenho que admitir que quanto mais coisa tenho pra fazer, mais rápico eu faço. E tem o quesito financeiro, porque não tem nada pior do que ter seu próprio dinheirinho e depois perder, mesmo sendo um “dinheirinho” bem “inho” mesmo. Mas aí, depois de algumas entrevistas frustrantes graças ao meu horário maluco, fui a uma semana passada no próprio Cecor e consegui!!
– É bom pra mim porque vou trabalhar numa restauração de um livro pra valer, com metas a cumprir, em equipe e extremo capricho sem muito tempo para explicações de como faz, não é mais um “treinamento” em sala de aula. Além disso é lá na Belas Artes, dentro da UFMG mesmo, então nem vou precisar pegar ônibus e almoçar correndo que nem louca. Mesmo tendo data pra acabar, que é em setembro, eu tô animada e muuuito feliz!!

Blythe.com.br

novidades01_01

A uns dias a Ana me mandou um reply no Twitter falando que precisava muito falar comigo e eu fiquei desesperada sem saber o que podia ser. Aí logo em seguida veio a oferta de escrever sobre Pullips no Blythe.com.br, agora que ele é OFICIALMENTE um site para todos os tipos de boneca (não que não fosse antes). Eu achei o convite super mega ultra amor-puro, hihi, e aceitei.
– Eu vou começar com um post por mês falando dos lançamentos e depois pretendo fazer mais um, mostrando fotos “reais” dos lançamentos que tinha falado antes assim que forem surgindo.
Espero fazer um trabalho bem feito à altura do site!!

Plastic Teen e Expresso Rosa

novidades01_02

Esses provavelmente serão meus dois maiores dilemas diários, porque são duas coisas 100% fora do meio acadêmico, mas que exigem frequencia e formulação de coisas, espero me dedicar muito mais que no passado.
– Esses dias o Plastic Teen voltou com novo layout. Ainda não pegamos o ritmo pra valer, mas vamos pegar e nossa revista vai voltar a ser lindaaaaaaaa!!
– E o Expresso Rosa… Já tá com o layout a muuuuito tempo super clean, num rosa delicado nada enjoativo. Agora tô tentando fazer pelo menos um tutorial variado por mês (devagar eu consigo) e depois começo com outras coisas que quero fazer lá, como as receitas e voltar com as imagens comemorativas que eu fazia em 2009. Tô satisfeita com meu site, finalmente, e o melhor: não tem nada lá ferindo os direitos autorais de ninguém!!

– Isso sem contar 6 disciplinas na faculdade e o blog. Tudo bem que ambos funcionam num processo natural, eu acho, eu tô sempre arrumando meus trabalhos e os posts, então fica dividido. Mas agora que maio chegou já tô sentindo o “cheiro” de junho no ar e fico até de cabelo em pé lembrando o quanto esse mês maldito é tenso!!

1 ano de APM!!

Em 01.06.2010   Arquivado em Conservação-Restauração

APM

– Hoje fazem 365 dias desde que vivi meu primeiro dia de estágio no Arquivo Público Mineiro e, consequentemente, o meu primeiro dia de trabalho de verdade da vida. Logo que fui contratada eu fiz um post aqui contando o quanto tava empolgada e o que faria lá. Mas eu não imaginava que a partir desse dia viveria os 365 dias mais “montanha russa” da minha vida, porque esse ano de estágio foi mais cheio de altos e baixos do que vocês podem imaginar. Vou fazer aqui uma cronologia de tudo o que já passei lá dentro para chegar onde hoje eu cheguei e, sinceramente, se pudesse não sairia NUNCA MAIS!!

– Junho/2009 – Fui contratada e trabalhei na sala de digitalização por dois meses virando as fichas que haviam sido digitalizadas para o Arquivo Hélio Gravatá.
– Julho/2009 – Com pouco mais de um mês de trabalho, no dia 10, ganhei uma festinha de aniversário de alguns dos meus colegas de MEGA SURPRESA!! Foi um dos dias mais especiais de todos e eu finalmente me senti “em casa” lá.
– Agosto/2009 – Na segunda semana terminei com as fichas e desci para o laboratório de restauração para, enfim, executar um trabalho na minha área. Pouco mais de uma semana depois o “sonho acabou”: me subiram para a digitalização denovo (supostamente até outubro) para trabalhar no preenchimento do banco de dados do Arquivo Hélio Gravatá.
– Setembro a dezembro/2009 – Peguei o jeito do Hélio Gravatá e minha produção era altíssima!! Nesse período o entra-e-sai de estagiários no Projeto fizeram com que eu me tornasse amiga de verdade de algumas pessoas lá dentro. O Projeto continuou até o fim de dezembro e não sabiam se ia realmente acabar ou não, então continuei lá.
– Dezembro/2009 – Um corte de estagiários realizado pelo CIEE fez com que tomassem medidas desesperadas. Para que eu continuasse com minha bolsa me colocaram na vaga de estagiária da biblioteca de lá, ou seja, meu sonho de mecher com restauração mesmo tava quase impossível e eu pensei em sair. Mas conversando com váááááááárias pessoas vi que era melhor ficar, pelo menos até conseguir outro estágio que eu gostasse tanto quanto gosto de lá.
– Janeiro/2010 – Tirei meus 15 dias de férias e mais 1 semana de atestado médico por causa da minha cirurgia no pé. Quando voltou o projeto do Arquivo Hélio Gravatá havia sido prorrogado e uma surpresa me esperava: eu não iria para a biblioteca ainda e ficaria no Projeto. Sendo assim fizemos o teste do funcionamento dessa nova fase, eu ajudei a Diretora a definir o que era melhor e pegamos firme.
– Março/2010 – A biblioteca estava terminado de ser re-organizada, então eu fiquei no meio-termo: quando ia de manhã ficava lá, quando ia à tarde voltava pro Projeto. Nesse mesmo mês fui informada que as estagiárias do laboratório tinham saído do Arquivo e que assim que minhas funções terminassem eu iria para lá. Foi o dia mais feliz que eu tive naquele lugar, porque eu sabia que era pra valer. E aí terminei minhas funções.
– Abril/2010 – Fiquei uma semana na restauração de fotografia para ter o que fazer até ir para o laboratório que estava uma BAGUNÇA!! Fiz uma faxina e dei uma organizada geral lá. Fiz também orçamentos de materiais que estavam faltando e etc.
– Maio/2010 – O trabalho no laboratório começou, finalmente. E minha colega queriida Virgynia, que também faz Conservação e Restauração, mas tá no 3º período (um ano abaixo de mim) foi para o laboratório também. Com nós duas lá tem gente pondo aquele lugar pra funcionar praticamente em todos os horários durante a semana e nós duas, finalmente, estamos restaurando papel, e era o que a gente queria desde o início.

– Aliás, é o que eu quero até o fim, porque descobri que papel definitivamente é o que quero para mim e é o que tô estudando na faculdade. O Arquivo se tornou mais do que o lugar que faz com que eu receba um salarinho no meio do mês: é um lugar onde eu aprendo muuuuuuuito e onde eu estou melhorando não só como pessoa, mas como restauradora!!
Tenho que agradecer a todos que estiveram comigo lá no último ano, em especial ao Bruno, a pessoa mais amor puro desse mundo, Elisa e Alessandra que sempre me colocam para cima como profissional, à nossa “piriguete” Poly (que tá saindo de lá, feia!!) que sabe o que é não trabalhar no que quer e à Virgynia, que faz meus dias naquele laboratório muuuuuuito mais divertidos.
Espero poder crescer muito mais no ano de estágio que ainda posso fazer por lá e depois disso, bem… Seja o que Deus quiser!!

(mas se Ele quiser fazer um milagre e me deixar ficar por lá eu aceeeeeeeeeito!!)

Revista do APM – 01/2009

Em 15.07.2009   Arquivado em Conservação-Restauração

– No fim de junho foi o lançamento da nova revista do Arquivo Público Mineiro, com direito a coquetelzinho de laçamento e tudo mais!! Eu não pude ir porque tinha prova no dia seguinte, mas dois dias depois me ganhei meu exemplar, porque ser funcionário tem lá suas vantagens!! Só agora que tive tempo pra sentar, ler, analisar e me encantar: É LINDA!! Linda mesmo!! Deu vontade de fotografar todas as páginas e mostrar pra vocês, ma-as ia perder a graça, e vim só com uma prévia, hihihihi

Revista APM

Revista APM

Revista APM

– Bom… A revista é ligeiramente “cara”, mas pra quem é da área e/ou gosta de fotografia, acervos em papel, história, preservação e arquivologia em geral… Vale a pena!! Ela é enorme, parece mais um livro, e uma vez por semestre não mata ninguém!! Acho que eu compraria, se não tivesse ganhado!! Muita gente lá já falou que se tem uma coisa que não abre mão é disso!!
Então deixa eu dormir porque agora, em julho, sem faculdade, fico o dia inteirinho lá trabalhando dobrado, feliz, agradecendo a Deus por ter um emprego… O que?? Férias?? Isso NON ECZISTE!!

Página 1 de 212