Vídeo-Tag: Minha Faculdade – Conservação e Restauração

Em 01.08.2016   Arquivado em Conservação-Restauração, Vídeos

Sempre, sempre, SEMPRE que o fato de que sou formada em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis surge por aqui em algum post alguém comenta sobre isso, muitas vezes pedindo para eu falar mais sobre o assunto, por mais que eu já tenha falado várias vezes. Eu não só gosto como também entendo perfeitamente essa demanda, já que é um curso… “Incomum”! Até pouco tempo sequer existia como graduação, minha turma foi a primeira do país, antes só tinha pós ou técnico. Aliás se parar pra pensar muita gente nem raciocina que a profissão conservador-restaurador existe, inconscientemente a gente assume que esse trabalho é feito por artistas, arquitetos, museólogos ou o que mais for, e muitas vezes é mesmo (mas isso é assunto pra outro momento). Sendo assim cá estou para responder à tag Minha Faculdade e mostrar um pouquinho dessa delícia que foram os cinco anos que passei na UFMG.

Perguntas:
01. Qual seu curso de graduação?
02. Quantos períodos ele tem? E em qual você esta?
03. Porque você escolheu esse curso?
04. Antes de escolher esse curso você pesquisou sobre o mercado de trabalho e o piso salarial?
05. Como foi seu primeiro dia de aula? Tem dicas para os calouros?
06. Sobre seu TCC, já começou a fazer? Qual tema pretende abordar?
07. Você se considera uma boa aluna(o)?
08. Você esta 100% satisfeita com o curso que escolheu?
09. O seu curso tem algum material especifico que não tem em outros cursos? (ex: estetoscópio e calculadora cientifica.)
10. Na sua faculdade teve trote? Se sim como foi?
11. Seu curso tem muita matemática?
12. Geralmente nas faculdades existem o “ciclo natural de desistência” a turma começa com 70 alunos e permanecem só 20. Isso aconteceu na sua faculdade?
13. Quais dicas você daria para quem esta querendo começar a fazer o mesmo curso que você?
14. Já ficou em DP? Possui algum método diferente de estudo?
15. Faça um resumo básico do seu curso pra quem estiver interesse em fazê-lo.

Para quem quiser ler mais sobre o curso, seja em posts específicos sobre o assunto ou narrando alguma(s) das experiências que vivi nele, aqui no blog eu tenho a categoria Conservação e Restauração, você acham MUITA coisa nela!

BEDA2016

Remember Universitário: 20 horas semanais…

Em 31.10.2013   Arquivado em Conservação-Restauração

Logo no início do curso, talvez por sermos a primeira turma, começou uma temporada de demanda de estágios intensa na faculdade. De cara eu resolvi que tentaria de tudo e no primeiro deles eu já mandei meu currículo que não tinha absolutamente nada. Aliás a turma inteira mandou, mas só metade conseguiu: graças à turma dividida na disciplina de fotografia alguns ficaram sem disponibilidade e eu, com meu nome começado com “L”, fazia parte desse grupo. Mas tudo bem, eu tava tranquila porque ainda viriam outras chances.

Só que o tempo foi passando e os gostos “restaurativos” foram sendo definidos em mim. As ofertas de estágio pipocavam pra todo lado, mas meu currículo foi sendo enviado cada vez menos… Eu queria e precisava de dinheiro, sim, mas não queria que fosse de qualquer jeito: eu tava DOIDA pra trabalhar com restauração de papel!

Foi aí que uma das minhas colegas me ligou um dia. Ela fazia estágio no Arquivo Público Mineiro e tinha uma vaga aberta por lá. Eu ganharia um dinheirinho, que pra mim era uma quantia incrível, e em troca eu dedicaria a eles nada mais, nada menos do que 20 horas semanais de trabalho enquanto não estivesse em aula. Troca justa, contrato assinado, já saí pedindo o cartão de crédito do vovô emprestado e comprei uma câmera parceladinha em 6 vezes. Agora eu tinha meu próprio dinheiro que eu fazia render tanto que hoje me surpreendo, porque sei o que é ganhar mais do que o dobro daquilo e não durar quase nada.

Minha função? Tratar fichas no Photoshop. Simples assim. Eu virava as que estavam de lado ou de cabeça pra baixo e escurecia as que estavam muito claras e não dava pra ler. Eu sei que parece pouco, mas ALGUÉM tinha que fazer. Assim que acabei meu desejo se realizou mais rápido do que eu esperava: eu fui pro laboratório de restauração! Durei uma semana até que me mandaram de volta pra digitalização porque precisavam de gente no banco de dados das fichas que eu tinha tratado: o projeto Hélio Gravatá era o que estava em vigor por lá e tinha que dar certo. Eu até pensei em sair, mas eu gostava tanto de lá… Dei tudo de mim no Hélio Gravatá, me diverti à beça e quando acabou fui recompensada voltando pro laboratório. Paciência vale a pena.

Fiquei um ano no APM. Quando meu contrato venceu tive que sair: eles não tinham como renovar. Foi triste, chorei bastante e depois disso fiquei quase um ano parada. Eu queria estar livre caso eles precisassem de mim. Mas aí o tempo foi passando e no ano seguinte, quando eu já estava no 7º período, veio uma chance de estágio no Cecor. O trabalho era a restauração de um missal do século XVII e eu fui aceita por causa da minha, digamos, experiência. Foi incrível, trabalhamos muito e eu ainda fiquei amiga da Marina, que hoje é uma pessoa cujo telefone fica até na discagem rápida do meu celular, hahaha.

Por que? Bom, até de “compassas” nós já fomos chamadas. Depois que o trabalho do missal acabou ficamos um tempinho de folga até que o APM abriu vagas para um mega projeto e adivinha: duas delas era pra restauração. E lá fomos nós… E se no Cecor a perfeição era ideal, lá no Arquivo é a agilidade… Tratamento em massa, que eu adoro! E a maior mudança é que não eram mais 20 horas semanais: são mais! E como consequência, mais dinheiro. Até agora, depois de formadas, já pudemos trabalhar juntas de novo, o que foi ótimo.

Por um lado é ruim porque quando olham para meu currículo eu SÓ tenho experiência profissional na área de papel. Aliás, seria ruim, mas na verdade é bom porque é isso que eu quero fazer. Nosso contrato terminou em abril desse ano, mas foi naquele lugar que eu comecei e lá terminou minha vida de estagiária. Minha dica para quem tá na faculdade agora é essa: faça estágios! Só assim as pessoas sabem que você existe, só assim você fará realmente seus contatos.

Aliás, muitos me perguntam e eis a resposta: por esse motivo fiquei um ano a mais na faculdade… Dedicar aos estágios tomou meu tempo e eu, burrinha, não pedi os créditos que tinha direito, mas foi bom, valeu a pena, e eu não vejo a hora de viver restaurando papel até o fim da vida. Não que eu tenha estado parada desde então porque já tive trabalhos pra fazer, mas trabalho é trabalho e emprego é emprego, e meu desejo para o fim de 2013 e 2014 é um, dessa vez gastando 40 horas semanais.

20 Horas Semanais

Esse post é o quarto de uma série de posts nostálgicos sobre meus 5 anos como universitária. Esses 5 anos acabaram em março e só Deus sabe o que vai acontecer daqui pra frente. Então vale a pena lembrar, porque é com o fim que a gente vê de verdade como era bom o início, como foi bom o trajeto!!
Todos os posts aqui.

Cantiga por Luciana

Em 13.06.2013   Arquivado em Conservação-Restauração

Eu não sei REALMENTE quem é o autor da música, mas sei que conheço ela na voz da Evinha (que, por sua vez, quanhou o IV FIC com ela) desde que, sei lá, me entendo por gente. E eu até gosto da música, acho a letra fofinha e bem sentimental, realmente o tipo de coisa que faz minha mãe se emocionar cada vez que escuta e pensa em mim… Afinal mesmo não tendo favoritismo entre eu e minha irmã (e não tem MESMO) eu acho que 1º filho é sempre assim, né? Só de pensar em cada conquistinha já abre a boca, afinal eu fui o primeiro “bebê” dela.
– Quando eu me apresento pras pessoas raramente é como “Luciana”. Se é algo profissional ou acadêmico, claro, falo todas as sete letrinhas juntinhas sem nem pensar. Mas se o local é informal não: eu sou Luly mesmo. SEMPRE. Não que eu não goste do meu nome – eu amo -, mas é que eu me afeiçoei a esse apelido de tal forma que, não sei, eu me sinto mais Luly do que Luciana a muitos anos. E desde neném eu era assim… Quando eu aprendi a falar e me perguntavam como eu me chamava a resposta era sempre “É Lulu!”. “Lulu” era meu nome e ponto final! Ainda é em meio familiar e nas amizades mais antigas… Inclusive agora o Henrique, meu primo de 1 ano e meio, aprendeu que eu sou a “Lhu-lu” e repete isso cada vez que me vê. Imagina se ele tivesse que me chamar de “Lhu-xi-anha”? Ah, não, é muita letra!!
Assim como as pessoas do meu cotidiano… Se me chamam pelo nome já acho que tô levando uma bronca! Eu tenho AMIGOS (amigos mesmo, não conhecidos e nem colegas) que demoraram pra descobrir meu nome de verdade. E quando vão me apresentar para outras pessoas já falam “Essa é a Luly” e eu morro de alegria. Não que eu o esconda. E nem deveria esconder, porque olha que coisa mais linda que surgiu por causa dele, voltando à tal da “Cantiga por Luciana”:

“Manhã no peito de um cantor
cansado de esperar só.
Foi tanto tempo que nem sei
das tardes tão vazias por onde andei.

Luciana, Luciana,
sorriso de menina dos olhos de mar…
Luciana, Luciana
abrace essa cantiga por onde passar.

Nasceu na paz de um beija-flor,
em verso, em voz de amor,
já desponta, aos olhos da manhã,
pedaços de uma vida que abriu-se em flor…”

O que eu NUNCA IA IMAGINAR é que até a Sandy (sim, irmã do Júnior) já cantou essa música… E fui descobrir da maneira mais linda do mundo!! Porque eu escrevi essa baboseira toda aí em cima só pra mostrar pra vocês o presente (lindo) que meu padrinho fez pra mim de formatura, que me dá vontade de chorar milhões de vezes… Olha aí:

Obrigada, padrinho!! Obrigada também todo mundo que o ajudou a fazer esse vídeo escondido de mim BEM DO MEU LADO e todas as pessoas das fotos que foram me ver!! Amei…

ps.: o nome do curso é “Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis”, mas o que são duas palavrinhas fora de lugar perto de tanto amor puro??

Rapidinhas de Março

Em 07.04.2013   Arquivado em Cotidiano

Acho que é a primeira vez em 2013 que venho contar sobre um mês aqui!! Que bom, tava com saudades… Enfim, eu não faço IDEIA do que aconteceu com a sidebar aqui do blog, mas seja lá o que for aconteceu na hora certa: fiz mega mudanças no layout (pra não dizer que fiz um layout novo, já que ficou bem parecido) e acho que até mês que vem vou trocar isso, então não vai ficar feio assim por muito tempo. Até lá vamos aos fatos.

ATENÇÃO: SE VOCÊ NÃO LEU O FINAL DA TRILOGIA DE “JOGOS VORAZES” AINDA PULE ESSA PRIMEIRA FOTO E VÁ DIRETO PRA PRÓXIMA!! EU AVISEI…

Rapidinhas de Março

E março para mim começou já com um final… Depois de ler “Jogos Vorazes” – que eu já tinha visto o filme – e “Em Chamas” no fim de fevereiro, assim que o mês começou eu devorei “A Esperança” logo de início. Eu não sei se vou chegar a escrever sobre os livros, mas apaixonei pela saga, gente! Primeiro porque eu amo livros que você não consegue parar de ler e todos os três são assim: viciantes. E segundo porque acabei gostando da história mesmo, da inteligência como ela te leva a ver as coisas. Mas aí… Terminei, ok. Depois de ter chorado em diversas mortes de todos os gêneros durante a saga eis que chega o final. O final feliz mais infeliz da história… Não que seja ruim, mas porque você lê aquilo e perde totalmente sua fé na humanidade Quando eu terminei o livro coloquei de lado e pensei “Puxa, imagina se o ser humano realmente fosse assim”, e aí desatei a chorar mais porque não era uma “se”: o ser humano já é exatamente daquele jeito… Mas gostei muuuito, recomendo, quero os livros pra mim e novembro não chega nunca pra eu ver a arena mais legal do mundo no cinema (aliás achei o 2º o melhor).

Rapidinhas de Março

Aí que foi um grupo de Patrocínio lá no APM pra fazer um treinamento de preservação, conservação e armazenamento para que fosse aplicado lá no Museu/Arquivo que eles têm lá. Foram duas manhãs ensinando a fazer pequenos reparos nos livros, pensando em possíveis formas de manter saudável o acervo deles (as moças me disseram que lá tem várias moedas e discos de vinil, isso rendeu muitas ideias) e, no final do segundo dia, uma surpresa: ganhamos café! Na verdade eu nem tomo café, mas achei a coisa mais fofa elas terem levado pr’a gente, e meu pai disse que é uma delícia!

Rapidinhas de Março

E dia 9 de março, ô dia que valeu a pena!! Foi o dia mais feliz da vida com Show do Elton John aqui em Belo Horizonte. Aiaiai, todas as vezes eu olhar pras fotos desse dia vou chorar de alegria só de lembrar, queria poder ter um por ano! Só tô triste agora porque não consegui ingresso pro Paul… É, né, fazer o que?

Rapidinhas de Março

Dia 21 também foi importante: EU FORMEI!! Foi o dia da minha colação de grau lindinha. Num teve beca, nem auditório decorado, nem discurso grande. Foi na EBA mesmo, junto com os outros cursos de lá (Artes Visuais, Teatro e Moda), em plena quinta feira às 11h da manhã, mas foi ótimo mesmo assim, foram alguns familiares meus e tals. Aí Marina ainda levou o capelo da irmã dela e o canudo de quando ela formou em Turismo, então eu pude tirar fotos bonitinha com carinha de formada. E agora eu sou oficialmente bacharel em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis!

Rapidinhas de Março

No feriado de Páscoa a Pati veio aqui pra casa (e a gente se viu 2 meses no mesmo mês, ó que lindo!). Seria a mesma diversão de sempre se não tivesse uma surpresa que deixou tudo melhor: nós demos uma Pullip pra ela de aniversário! Na verdade a doll era usada, mas em perfeito estado de conservação, e como é ruivinha eu coloquei eyechips azuis nela e combinou perfeitamente com o nome que a Pati escolheu (que nós já sabíamos que escolheria): Anya, por causa do filme favorita dela que é Anastasia. Foi uma mega surpresa, nós fizemos o cartão e até uma caixa pra ela ter um “Box Moment”. Ela ficou apaixonada, foi melhor do que uma doll nova pra mim mesma. Tem fotos dela aqui! Fora isso nós vimos filmes, tiramos fotos, brincamos de Guerra de Travesseiros, comemos muito… O de sempre!

Rapidinhas de Março

E por fim o mês acabou com PÁSCOA! Ai, e como tem chocolate aqui em casa, vocês não têm noção. Mas o dia foi bom em outros sentidos também, tirando a baita dor de estômago que eu arrumei (não relacionada ao chocolate, por incrível que pareça) e que ficou me infernizando por uns dias… Mas, né, Páscoa é sempre bom!

Rapidinhas de Outubro e Novembro

Em 04.12.2012   Arquivado em Cotidiano

Ok, vou contar sobre novembro, mas antes deixa eu soltar umas rapidíssimas de outubro porque eu detesto deixar as coisas passar em branco!!

Rapidinhas de Outubro

Que bonito é (não) conseguir levar a sério a leitura d’uma série que você ama!! Depois de terminar com a “Sociedade do Anel” – lindo – eu comecei “As Duas Torres” e tava lendo e amando e aí não consegui continuar porque a vida não deixa =( Mas tudo bem, a leitura tá iniciada, voltei a amar o Legolas e vou saber como é, no papel, a história do meu filme favorito da trilogia.

Rapidinhas de Outubro

Aihn, gente, eu preciso falar sobre ele mais detalhadamente (não me deixem esquecer), mas chegou aqui em casa a liiinda da edição Diamante de Cinderela!! E, gente, já adianto a vocês: nada de re-dublagens mal feitas. Depois eu conto mais, mas vi, chorei, etc, etc…

Rapidinhas de Outubro

Olha essa coisinha mais linda da titia… Essa é a Eubalena, uma Dal Cinnamorol 10th Anniversary, ela é da Lili e o bracinho dela veio machucado, então ela aproveitou as férias da mãe dela e veio passar férias na casa da tia Luly pra ganhar bracinho novo e fazer amizades. Ela não é uma coisa linda??

Rapidinhas de Outubro

E no último dia de outubro fez um ano desde que nosso Pequeno Príncipe veio ao mundo. Foi aniversário do Henrique e ele foi comemorado alguns dias antes de forma LINDA, com o tema “padrão” das coisinhas dele. A festa foi lindinha, divertida, cheia de doces e brincadeiras e com ele rindo, rindo e rindo como sempre faz (só que o calor… Jesus, Belo Horizonte, para com isso!!).

– Agora posso, enfim, falar de novembro que passaou voando na velocidade da luz, aiai.

Rapidinhas de Novembro

Olha a definição de novembro na minha vida… Agora mais do que nunca existem três letras que tomam conta do meu pensamento constantemente: TCC. E com a chegada de novembro eu pude finalmente iniciar a parte prática. Espero que ela não se estenda muito por dezembro, porque a parte da pesquisa tá rolando e vai tomar todo meu tempo até a apresentação que será em fevereiro com a graça do Senhor.
Sobre a parte prática em si… É, por enquanto é só dor na mão pela força que tô fazendo e os cortes que tenho feito diariamente com o bisturi. Mas logo eu termino com isso e vou começar a dar banho na gravura e quando acabar vai ficar lindinha!!

Rapidinhas de Novembro

No dia da produção da Cerveja Amanteigada aqui em casa a Lili tinha acabado de voltar de Orlando e olha que coisa LINDA que veio na sacola de presente. Tenho cachecol e caneca Grifinórios, vários Vinylmations novos (incluindo da Kim Possible, olha o surto que tive), trio de meias UK e outras coisitas mais. Eu nem falo que amei, né? Ô mulher que me conhece bem, essa.

Rapidinhas de Novembro

Aí no dia d’A Primeira Tarefa eu fui direto pra casa da vovó depois do evento. A Daninha tinha feito a prova da PUC dela com uniforme de quadribol (e eu tava Hermiônica) porque quando o Henrique chegou lá tava com o uniforme da Grifinória que dei pra ele de aniversário. Ah, as primas de bom gosto influenciando o menino desde cedo, hehehe. Pride total, olha a cara de alegria dele com a farra que fizemos, LINDO!!!!!!!

Rapidinhas de Novembro

Olha outro assunto pendente que tenho pra falar aqui, ainda não apresentei minhas Little Byul direito, mas pela foto dá pra ver que esse mês a Kenny deu uma socializada (as Little Dal da Julia são fofas demais, gente) e agora até um sabre de luz ela tem. Amor puro em miniatura.

Rapidinhas de Novembro

E finalmente abriu o stand do IS Bubble Tea no Pátio, eu esperava por isso desde Julho. Gente, é uma delícia. As bolinhas de sabores são incríveis, a de morango então é maravilhosa. É bem gostoso de tomar o chá gelado agora no calor, mas confesso que vou começar a testar os sucos porque 500ml de chá é muita coisa. Mas é bom demais, e LINDO. esse meu da foto foi chá verde com limão e as bolinhas de morango (e canudinho roxo porque é a cor do meu sabre de luz).

Página 1 de 3123