Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo

Em 09.08.2018   Arquivado em Filmes, Música

Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo Mamma Mia! Lá Vamos Nós De Novo (Mamma Mia! Here We Go Again) *****
Elenco: Amanda Seyfried, Christine Baranski, Julie Walters, Colin Firth, Pierce Brosnan, Stellan Skarsgård, Lily James, Meryl Streep, Dominic Cooper, Jessica Keenan Wynn, Alexa Davies, Cher, Andy Garcia, Benny Andersson, Björn Ulvaeus, Hugh Skinner, Jeremy Irvine, Josh Dylan
Direção: Ol Parker
Gênero: Musical
Duração: 113 min
Ano: 2018
Classificação: 12 anos
Sinopse: “Ao descobrir que está grávida, Sophie busca inspiração para a maternidade lembrando do passado da mãe. Nos anos 70, a jovem Donna viveu muitas aventuras com seu grupo musical Donna & The Dynamo, em parceria com suas amigas Tanya e Rosie. Porém, mais do que isso, Donna se apaixonou e viveu relacionamentos intensos com três homens diferentes: Harry, Sam e Bill.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Cinco anos após os acontecimentos de Mamma Mia!, quando conheceu seus três possíveis pais, Sophie está pronta para reinaugurar o Hotel Bella Donna junto com a ajuda de um deles, e também padrasto, o arquiteto Sam. A festa de inauguração conta com a presença das grandes amigas de sua mãe, Tanya e Rosie, mas também com a ausência dos outros pais e de Sky, seu namorado/marido, que está nos Estados Unidos aprofundando conhecimentos em hotelaria. Em meio à nostalgia que a falta de Donna traz a todos no momento em que seu grande sonho é enfim realizado, uma tempestade parece ameaçar essa tão esperada festa. Enquanto isso, de volta à década de 70, a jovem Donna acaba de se formar e resolve desbravar as maravilhas do mundo na mesma ilha grega onde a filha ainda vive, ao lado desses caras que mudaram sua vida completamente…

Uma década se passou desde o primeiro filme, lançado em 2008, e ele permanece sendo um dos meus queridinhos cada vez com mais força. Quando fiz um post emocionadíssima após voltar do cinema tudo o que me importava era o fato de que tudo ali girava em torno do ABBA, a banda da minha adolescência e, até hoje, uma das favoritas. Mas depois fui percebendo quantas mensagens maravilhosas ele traz. A Donna de Meryl Streep é uma mulher fortíssima que construiu sua vida sozinha e ajudou Sophie a ser alguém tão incrível quanto ela. Em momento algum ela é julgada, mesmo pela filha, por não saber quem é o pai da garota, que também toma as rédeas de sua vida independente das expectativas das outras pessoas. Ainda assim elas mostram uma ligação fortíssima, principalmente na cena linda em que cantam “Sleeping Throug My Fingers”, e esse elo é o grande “protagonista” da continuação, que é igual e diferente de seu antecessor ao mesmo tempo…

Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo

Imagem via Adoro Cinema

Como semelhança principal, é claro, temos o fato de que é mais um musical somente com músicas do ABBA, que aparecem de diversas formas ao longo da trama. Sim, existem os momentos em que eles “cantam e dançam ao invés de conversar”, mas não é só isso, afinal a música é importantíssima na vida das personagens! Em algumas cenas elas realmente são parte do enredo, principalmente nas cenas da jovem Donna que vive o auge da sua carreira ao lado das Dynamos. Vi uma crítica rodando a internet reclamando que não há o encaixe real da história com as letras, mas a verdade é que TEM SIM! O tempo todo, tanto nos “dias atuais” quanto nos flashbacks, onde ela é interpretada pela “Cinderela” Lily James. As roupas escolhidas para cada um respeitam o estilo pessoal, mas também o momento vivido, já que décadas se passam ali. O grande destaque nesse quesito é a jardineira característica da protagonista e, claro, os look discoteca onde as meninas usam plataformas e MUITO brilho de forma verossímil, sem parecer fantasia. Os looks de época dos três rapazes ficaram extremamente realistas se comparados à caricatura proposital que vimos antes, adorei o Harry de “metaleiro suave” já tendo que manter o ar sério, mas ainda assim com sua aura headbanger.

Mas nem só de música vive uma história… E quando o assunto é enredo, também foi um acerto. O diretor disse que queria “uma versão de O Poderoso Chefão 2 para Mamma Mia!”, e como isso nos trouxe não só uma comédia gostosa, daquelas que você ri sem receio, mas também um filme EXTREMAMENTE sensível. O final, através dos números “I’ve Been Waiting For You” (minha cena favorita!) e “My Love, My Life” (esse segundo contando com a participação especial de Meryl Streep) é uma avalanche de emoções no espectador e as “manteigas derretidas” de plantão, como eu, podem esperar muitas lágrimas nesses momentos, porque são realmente impactantes. É como se o primeiro filme quisesse que a gente visse as consequências de Donna na vida da filha, e o segundo complementasse com as de Sophie na vida da mãe, mesmo que num primeiro momento a gente ache que vai ser o contrário.

Mamma Mia! Lá Vamos Nós de Novo

Imagem via Adoro Cinema

O foco, claro, mudou, mas alguns pontos leves na história também estão diferentes do anterior, ou mesmo foram ocultados. Enquanto antes dava a entender que as meninas não sabiam da possibilidade de Sophie não ser filha de Sam, nesse elas sabem que os outros dois existem e ainda presenciam os flertes entre Donna e Bill. Ele também não mostra o reencontro dela com Harry, que vai da França até a Grécia atrás da menina porque ficou apaixonado de cara. As duas coisas, porém, não atrapalham em nada nem causam incômodo algum, são só adaptações para tornar a dinâmica interessante. Sem contar que quem não viu o primeiro pode ver o segundo tranquilamente, só vai demorar um pouco pra saber “quem é quem”, mas no final tudo dá certo!

E por último, mas não menos importante… PRECISAMOS FALAR SOBRE A PRESENÇA DE CHER! A diva suprema aparece como a mãe já mencionada, mas nunca presente, de Donna e, ah… Nem precisa falar, né? Quando ela abriu a boca para cantar “Fernando” eu JURO que o braço até arrepiou! A mulher é um esplendor musical, parece até de mentira. Uma escolha certeira que combinou demais com o clima, cenário, figurino, tudo. Aliás, que elenco, não é mesmo? Tanto o “original” quanto o novo, atuações excelentes e vozes diferentes que se misturam lindamente. E, claro, com a participação de Björn e Benny como um professor e um pianista, além de produtores, pra que o ABBA marcasse presença física, além da influência. FILMÂO, quero ver de novo!

Trailer:

Mentes Sombrias: 16 de agosto nos cinemas!

Trolls

Em 03.11.2016   Arquivado em Filmes

Trolls, via Filmow

Trolls *****
Elenco: Anna Kendrick, Justin Timberlake, Christine Baranski, Christopher Mintz-Plasse, Gwen Stefani, James Corden, John Cleese, Kunal Nayyar, Ron Funches, Russell Brand, Zooey Deschanel
Direção: Mike Mitchell, Walt Dohrn
Gênero: Animação, Fantasia
Duração: 93 min
Ano: 2016
Classificação: Livre
Sinopse: “Nova animação da Dreamworks levará as telas os famosos bonecos Trolls, conhecidos por aqui como os Duendes da Sorte.” (fonte – sinopse e pôster)

Comentários: Durante os anos 90 todo mundo tinha um amigo que tinha um “Duende da Sorte”, que eram bonequinhos amarronzados peladinhos com os cabelos pra cima super macios de cores vibrantes, isso quando a própria pessoa não era esse amigo em questão. Eu achava aquilo MUITO FEIO e mesmo assim ficava doida pra ter um rosa, era uma febre que eu não entendo muito bem, mas estamos falando de uma década que tinha vários desses ícones inexplicáveis. Eis que a Dreamworks resolveu resgatar isso usando sua clássica fórmula mágica de “animação para criança com trilha sonora para adulto” e, pronto, daí nasceu Trolls, o filme mais fofo e colorido do ano!

A história começa no trollsístio, que é o dia do ano onde os Bergens se unem para poder comer trolls: a única coisa que pode fazê-los feliz, já que são seres que não conhecem esse sentimento muito bem e só sabem se lamentar e reclamar da vida. A festa, porém, não é concretizada quando eles dão de cara com a árvore onde acontece a “colheita” completamente vazia após a fuga das pequenas criaturas, liderados pelo seu rei. E foi assim que eles puderam voltar a viver a vida da forma como mais gostam, cantando, dançando e se abraçando o tempo todo, rodeados de alegria e positividade. O tempo passa e a “alma” da aldeia é a princesa Poppy, que está promovendo uma festa para comemorar duas décadas de liberdade, até que o barulho atrai a atenção de da antiga chef de cozinha dos bergens, que acaba raptando os amigos da princesa para levar de volta ao seu povo, então ela tem que ir atrás deles para salvá-los com a ajuda MUITO relutante de Tronco, o único troll mal humorado e “cinza” vivendo naquela comunidade feita de animação e cores!

O filme passa VÁRIAS mensagens bacanas ao longo da sua duração, tanto de forma óbvia sobre gentileza, acreditar em si mesmo e ver o lado bom das coisas, quanto indiretamente quando se trata de fidelidade, preservação e senti até aquela “pontinha” de defesa ao meio ambiente e consumo desenfreado, que são pautas incríveis de já ir inserindo na vida das crianças. O visual também é lindíssimo, tudo fofinho que dá muita vontade de apertar, parece feito de pelúcia, isso sem contar as fumaças de glitter jorrando pra lá e pra cá o tempo todo. O ponto alto, porém, é a trilha sonora MARAVILHOSA, e se tratando de um musical não poderia ser diferente… Temos Simon & Garfunkel, Lionel Richie, Cindy Lauper, Ariana Grande e o single “Can’t Stop the Feeling!” nas vozes de Justin Timberlake (que foi o produtor musical), Anna Kendrick, Zooey Deschanel e um BAITA elenco na versão legendada. Para quem for assistir dublado, que é como a maioria das salas está exibindo, já fica o aviso: a maioria das músicas também foi traduzida para o português porque fazem parte do enredo, confesso que fiquei curiosa para assitir com áudio original depois pra ver como ficou porque deve ser lindo, tem VÁRIAS que eu gosto muito.

A MELHOR CENA DE TODAS é bem no clímax, aquele momentinho em que todo mundo acha que perdeu, e eles cantam “True Color” lindamente, os “reloginhos de abraço” deles começam a brilhar e é mágico demais ver como tudo “acontece” a partir daí. Fora a música é uma delícia por natureza e combina muito com a história e os personagens, chorei o tempo todo, muito emocionante! “Trolls” vale a pena independente da idade, já tô apostando que vai levar indicação ao Oscar pelo menos de melhor canção e longa de animação porque merece! E pra quem sair do cinema encantado (quero uma Poppy, gente, ela é linda!), rola de se “trollificar” no site oficial, olha a “Trolluly” que fofura que ficou:

trollifyyourself

Trailer:

Caminhos da Floresta

Em 01.02.2015   Arquivado em Disney, Filmes

Into The Woods Caminhos da Floresta (Into The Woods) *****
Elenco: Meryl Streep, Emily Blunt, James Corden, Anna Kendrick, Lilla Crawford, Daniel Huttlestone, Johnny Depp, Chris Pine, Mackenzie Mauzy, Billy Magnussen, Christine Baranski, Tracey Ullman, Annette Crosbie, Frances de la Tour, Lucy Punch, Tammy Blanchard, Barrie Martin, Joanna Riding, Richard Glover, Simon Russell Beale
Direção: Rob Marshall
Gênero: Musical, Fantasia
Duração: 125 min
Ano: 2015
Sinopse: Uma bruxa (Meryl Streep) está decidida a dar uma lição em vários personagens famosos dos contos de fadas, como Chapeuzinho Vermelho, Cinderela e Rapunzel. Cabe a um padeiro e sua esposa a tarefa de enfrentá-la, de forma a colocar as histórias e seus personagens em ordem.” (fonte)
Comentários: Primeiramente: esqueçam COMPLETAMENTE essa sinopse horrenda que tá sendo divulgada por aí porque o filme não tem absolutamente nada a ver com isso. “Segundamente”, já que não estão divulgando muito isso: esse filme é um MUSICAL, e daqueles que tem música e diálogos cantados e rimados o tempo inteiro e sem parar, então é bom ir preparado já para isso porque é um estilo que não agrada muita gente. Tendo isso em consciência vai em frente porque o filme é maravilhoso. Sério, pura magia Disney!
A história é um mix de contos de fadas diversos (Cinderela, Rapunzel, João e o Pé de Feijão e Chapeuzinho Vermelho) que se entrelaçam o tempo todo com a história de um padeiro e sua esposa que não conseguem ter filhos. O que faz eles se encontrarem é uma missão dada por uma bruxa (interpretada pela Meryl Streep que tá ultrapassando seus limites de diva suprema do cinema) que acaba levando esse casal para a floresta ao mesmo tempo dos outros personagens. E aí que nesse meio tempo tem músicas que grudam lindamente na cabeça, um monte de atores bons de serviço, romance, humor, aventura, drama: TUDO! Tem tudo, gente, simples assim, e é tudo misturado direito de uma forma que só a Disney consegue fazer. E mais: mesmo com o final “diferente” a história é super fiel ao original dos contos de fadas, com os momentos impactantes e tudo mais, a parte da Cinderela deixou o pessoal que estava no cinema (e provavelmente não conhece a história) até meio chocado.
Eu vi muita gente falando mal do filme desde ontem e não tô entendendo, sério. O povo reclama dos clichês de contos de fada, aí vem um filme que mostra tudo de forma bem humorada até acabar quebrando com o que é esperado e o povo reclama. Tem Johnny Depp fazendo o MESMO PAPEL DE SEMPRE que é só o que ele tem feito desde Piratas do Caribe e todo mundo idolatra, e a galera diz que a aparição dele foi desvalorizada (apesar de ser igual a todas as outras). Tem Meryl Streep mais maravilhosa do que nunca e me fazendo até arrepiar na cadeira (sério, vontade de me ajoelhar aos pés dela) e só o que o povo consegue dizer é que nem ela consegue salvar a história. Não acreditem nisso, crianças, assistam ao filme porque eu garanto que é maravilhoso. Ele une as histórias e dá um final, mas ao mesmo tempo ficam algumas possibilidades soltas pra você ver que nem tudo na vida acaba ou tem um felizes para sempre. (Como é o caso, por exemplo e com um leve spoiler, da Rapunzel e do padeiro, que nunca chegam a se conhecer por mais que você ache que isso vai acontecer devido à história deles).
O que eu achei mais incrível é que é uma história de fantasia que funciona bem sem mocinhos nem vilões: todo mundo ali tem erros e acertos! Até mesmo a bruxa, que tem a aparência meio perversa, é assim e as letras das músicas dela estão sempre mostrando isso, que nós somos humanos e que tem bem e mal em todo mundo. Eu sou daqueles que torce pro herói e quer ver o vilão morrendo SEMPRE e não me decepcionei, gostei de absolutamente to-dos os personagens.
Melhores momentos: A hora mais engraçada é quando os dois príncipes irmãos (o da Cinderela e o da Rapunzel) cantam uma música digna de vergonha alheia e hilária mostrando o lado engraçado desses “príncipes encantados”. A gente ria de rolar. Quanto às histórias de contos de fadas minhas partes favoritas eram as do Jack/João: eu não conhecia o Daniel Huttlestone mas achei o garoto incrível, acho que tem mega futuro e é a cara do Reginald, meu Isul, impossível não morrer de amores.
Mas ninguém, ninguém, NINGUÉM ganha da bruxa, jamais. Ela é absolutamente maravilhosa, uma atuação fora do normal, as músicas eram as melhores, impecável. Meu apelo pessoal é: deem mais um Oscar pra essa mulher porque ela merece e muito! Quero muito o dvd depois pra ver e rever porque amei tudo, mas principalmente por causa dela!
Trailer:

Mamma Mia!

Em 20.09.2008   Arquivado em Filmes, Música

O luto acabou, o céu se abriu, o universo se iluminou… Rulfaram os tambores, soltaram as gaivotas, surgiram arco-íris, rosas voam em direção ao infinito e eu, Sistah e Lu fomos no Shopping Cidade hoje e assistimos Mamma Mia! E pr’aqueles que estavam esperando que eu fizesse um post especial pro filme… Sim, estou fazendo um post especial pro filme!

Mamma Mia!

Sinopse I: “Donna (Meryl Streep) é dona de um pequeno hotel e mãe solteira da espirituosa Sophie (Amanda Seyfried), que vai casar. Donna precisa superar o fato de que irá ficar sozinha e convida duas amigas especiais para o casamento da filha, do tempo que era vocalista de uma banda chamada Donna and the Dynamos. Procurando conhecer a verdadeira identidade de seu pai, Sophie convida secretamente três homens especiais.”
Sinopse II: Adaptação para as telas da popular montagem da Broadway sobre uma jovem que acaba de ficar noiva e decide encontrar o pai que nunca conheceu. Isso porque pretende convidá-lo para que ele a leve ao altar no dia de seu casamento. Toda a história é narrada usando famosas canções do ABBA, grupo sueco de enorme sucesso nos anos de 1970.

Trilha Sonora: I Have A Dream; Honey, Honey; Money, Money, Money; Mamma Mia; Chiquitita; Super Trouper; Dancing Queen; Our Last Summer; Lay All Your Love On Me; Gimme! Gimme! Gimme! (A Man After Midnight); Voulez-Vous; SOS; Does Your Mother Know; Slipping Through My Fingers; The Winner Takes It All; Under Attack” (instumental); Knowing Me, Knowing You” (instrumental); I Do, I Do, I Do, I Do, I Do; When All Is Said And Done; Take A Chance On Me; Mamma Mia (Reprise); I Have A Dream (Reprise); The Name Of The Game.

Mamma Mia!

O negócio foi o seguinte… A gente ia no Parque Mangabeiras amanhã de novo e a Lu ia junto, aí eu ia aproveitar pra pegar minhas encomendas da Avon e o celular antigo dela que nos compramos pra Daninha e pagar tudo, lógico… Mas a Amiguinha tá com o PC meio bichado e o técnico vai lá amanhã, tivemos que adiar e aí a magia aconteceu… “Mamãe, eu preciiiiiiiiso pagar a Lu, preciiiiiso pegar meu rímel… Por que você não leva a gente no Cidade e aí a gente encontra com ela e aproveita pra… hããã… ver Mamma Mia! néééééé??” E aí minha mãe super apoiou a causa e lá fomos nós! Descobri a incrível praticidade que é comprar entradas no caixa lá de débito/crédito. O que foi uma sorte porque, enquanto fui lá, Sistah ficou garantindo lugar na fila e assim que consegui usar o caixa voltei pra me encontrar com ela (e tira-la da fila) os ingressos esgotaram e se a gente tivesse ficado pra comprar pelo caixa “normal” não teríamos assistido… Agora só vou usar esses caixas e serei absolutamente feliz em todos os dias da minha vida.

Vimos o filme… Quase dancei dentro do cinema, ficava “mexendo a boca” na hora das músicas…. As vezes me descontrolava e cantava junto! Meus olhos super brilharam na hora de “Dancing Queen”, super pensei no Gugui em “Honey, Honey”… Todas as músicas super se encaixaram nos momentos e não paravam de tocar um minuto. Sem contar que MORRIÉ de rir (Julie Walters, só de olhar pra ela eu comecei a gargalhar) e tive carinho triplicado ao pensar que Björn e Benny no auge dos seus *60 e alguma coisa* anos produziram aquilo. É… Sem mais palavras… ALIÁS, ÚLTIMAS PALAVRAS: tirei até foto com o cartaz *__* Hihihi… Taí de ladinho pra vocês verem com muito amor!! E viva o Abba e suas músicas perfeitas!!

No mais… Eu ia colocar fotos das minhas últimas compras e tals, mas tô cansada de digitar e de reduzir imagens… Mas foi basicamente: um chaveiro de celular de sapo que eu queria a muito tempo (mas a magia acabou por causa do que vem a seguir e ele mudou-se pro mural de fotos), rímel da Avon pra salvar minha vida e o *mini-gloss* daqueles de pendurar no celular super lindo da Avon também. E mamãe trouxe pra mim 6 imãzinhos de sapinho também pro mural e agora ele é o universo Frogolino mais fowfo de todos! Inclusive comprar o chaveirinho fez com que eu completasse o número mágico de 50 (eu disse 50, meia centena) sapos na coleção, sem contar roupas e o mural em si com seus ímãs…

Fiquei super tentada a comprar a trilha sonora do filme na hora que fomos na Leitura, hehehe… Lulynha quando seu cartão de débito está ligeiramente cheio torna-se um periiigo! Também quis comprar uns ímãs que tinha lá… Um escrito “Artes” pra mim e… heheheh, um escrito “Administração” pro Gugui (ããã… o que ele ia fazer com isso??), mas os ímãs tavam caros e a trilha eu posso terminar de baixar. É melhor eu calar a boca… Beijãozão pra vocês!! Luv Ya, bye!! =*

Ouvindo: Mamma Mia – ABBA (éééé… agora é isso, passar o resto do FDS ouvindo tanto as originais quanto as do filme!)