Nana ganhou uma trança

Em 15.11.2019   Arquivado em Escrevendo

Nana foi a primeira amiga que tive na vida. Permanece sendo, o que a torna a mais antiga também. É aquele negócio, a mãe dela estudou com meus pais na faculdade, na década de 80, depois de um tempo de casados nasci em julho de 90 e ela no mês de março seguinte… Menos de um ano separa nosso nascimento, era inevitável que fosse assim, e ainda bem. Quando tínhamos 4/5/6 anos, as duas morando no Vale do Aço, dançamos muito Mamonas Assassinas, aprendemos a dar cambalhotas, minha irmã deu seus primeiros passos na casa dela. Aí um período afastada porque ela mudou pra BH até a pré-adolescência quando mudei também, pronto, nos tornamos inseparáveis. Criamos nosso primeiro blog juntas – olha eu aqui, 16 anos depois, ainda blogando -, arrumamos desculpas pra uma ir à escola da outra conhecer os respectivos crushs, viajei com a família dela nas férias do meio do ano. Depois rolou uma separação, aí não rolou mais, não sei precisar muitos momentos mas, ei, somos amigas, é isso que importa. E agora, vai fazendo um mês já-já, Nana e Thiago iam se casar.

Digo “iam” não porque desistiram, mas porque nossa história aconteceu antes disso acontecer. De fato eles se casaram, com cerimônia e papel passado, caramba, desatei a chorar. Casalzão mesmo, sabe(?), daquelas duplas que se merecem no melhor sentido, que dá orgulho ser amigo só pra ver os dois no altar. Trocaram votos, isso e aquilo, mas enfim, tô me desviando do assunto, ‘bora voltar.

Agora imaginem vocês o que senti quando recebi o convite desse casamento e percebi que ia ter que faltar. Pedi desculpas, pô, mó sacanagem, “Que pena, Luly!”, mas tinha despedida de solteira dela e dessa ia poder participar. A levamos de véu e tudo, na maior animação, ironicamente num bar onde eu mesma sempre digo que adoraria me casar um dia, e ela até sabia disso. A essa altura já tinha visto a última prova do vestido, ajudado a montar caixas de bem casado, tudo pra participar ao máximo, quando a mãe dela veio com ideias que me possibilitariam ir à festa assim, de última hora. A despedida então foi mais gostosa ainda, não era mais um modo de compensar minha ausência, não, virou só o primeiro de uma série de dias de comemoração. A gente tava lá na fila, esperando pra entrar, quando a noiva avisa “Pera, gente, vou ao banheiro”, e até aí tudo ok, tinha muita cerveja pela frente, tava certíssima em se preparar. Foi quando ela botou a cabeça pra fora gritando “Eu vou demorar” e eu e suas madrinhas já presentes trocamos olhares desconfiados, bem, aconteceu alguma coisa, melhor ir lá.

“Deixa que eu vou!”

A história foi a seguinte: coisas de noiva, né? Meses de preparação, olhando isso, pagando aquilo e, sim, deixando o cabelo crescer pra fazer um penteado batuta. Nana já tinha ultrapassado seu limite em nome dessa prática. Eis que ela tava lá, reclamando do calor causado pelo cabelão quando uma moça foi elogiá-lo e soltou “Quer que eu faça uma trança em você?”. Cheguei ao banheiro e estavam as duas lá, dando-e-recebendo uma trança embutida de presente para e de uma completa desconhecida. Não tinha nem um elástico pra prender no final (depois a gente conseguiu!), mas o que importa é que o momento rolou, assim, de repente mesmo, pra imensa alegria da nossa noiva. E digo “nossa” porque, vejam bem a coincidência, a moça em questão também estava prestes a se casar, compartilhando empolgações e tudo mais.

A noite foi rolando e depois de um temaki, um vocalista de banda bonito, uma das músicas da trilha sonora do meu livro e sabe-se lá quanta bebida, Nana já tinha repetido essa história pra todas as presentes até chegar de novo em mim, pra falar que, bem, olha como é legal receber essas gentilezas aleatórias da vida. Aí completou com “Eu queria escrever sobre isso pras pessoas saberem que aconteceu. Na verdade VOCÊ devia escrever sobre isso porque faz isso melhor do que eu”.

Taí, escrevi!

Não sei se você está se perguntando isso agora, mas eu já vou respondendo ainda que não: a trança durou a madrugada toda. Voltamos pra casa quase 7, é, da manhã, e ela ainda tava lá, firme e forte. No casamento, dois dias depois, não teve trança, não, mas teve eu colocando MUITOS grampos extras no topetinho que fiz no meu cabelo porque “vai que a gente precisa de grampo por lá”. Nem preciso dizer quem refez o penteado da noiva, que despencou rapidinho e diversas vezes, enquanto a festa rolava transformando tarde de sol em noite de chuva… Bom saber que essa união contou com todos os auxílios capilares que nem achava que ia precisar.

O causo da trança topei escrever, mas os votos da noiva, confesso, me recusei a revisar. Os recebi antes de todo mundo, pra “dar uma melhorada”, já comecei a soltar as primeiras lágrimas e resolvi que não, não tinha nada o que melhorar ali. Falar de um ato de gentileza randômico é simples, mas expressar amor que nem aquele? Eu sou escritora, crio sentimentos, mas quando se trata de sentimento já criado e reconstruídos ao longo do tempo… Não precisava de nada meu, era tudo deles. Ficou do jeito que tava, mesmo, simplesmente não podia ser de outro, foram as palavras lindas dela que a gente ouviu e vai sempre se lembrar!

Nana Ganhou Uma Trança

“Tira foto, oh, procê por lá no blog quando for postar…”

Rapidinhas de Agosto

Em 07.09.2013   Arquivado em Cotidiano

Gente, desde quando agosto passa tão devagar assim?? Num é julho que demora e aí vem agosto e passa rapidinho, num sempre foi assim?? Mas não, esse mês foi GIGANTE! Aconteceu tanta coisa, comigo e (principalmente) com as pessoas ao meu redor que eu fui ficando chocada. Mas agora passou e o ano vai começar a acabar e onde foi parar 2013, me digam por favor.
Esse mês eu percebi que não tirei fotos que prestem para representar os acontecimentos e que quase todas eram fotos mais ou menos feitas pro Instagram. Então só dessa vez eu irei coloca-las aqui ao invés de colocar as com a bordinha do blog e qualidade boa. Quem tiver Instagram me segue lá: lulylage =D
Em setembro as rapidinhas voltam ao normal.

Rapidinhas de Agosto

Essa foto foi a escolhida, entre tantas, para representar meus dias na casa da Poly porque foi tirada pela própria Poly e postada no Instagram dela – aí eu roubei e postei no meu, hahahaha. Isso aí sou eu mineira feliz na praia no último dia, hoooras antes de ir embora. Pra quem não leu: eu fui pra festa de aniversário dela e fiquei por lá 3 dias, contei tudo aqui!

Rapidinhas de Agosto

Quando eu cheguei em casa vi uma mensagem da Lili falando que os ingressos do Disney Live estavam sendo vendidos, então logo no dia seguinte fomos nós duas comprar os nossos (e o da Daninha, claro). Acho que já tinham 2 meses desde que começamos a ouvir sobre esse assunto, a gente não podia perder, né? O show vai ser agora em setembro e eu conto tuuudo para vocês depois, mas já tô preparando as lagriminhas porque deve ser lindo e ficaremos pertiiinho do palco!

Rapidinhas de Agosto

Eu não disse que meu sorriso fotográfico é medonho?? E é mesmo! Mas a foto é pra mostrar minha nova Skin da iStick!! Eu entrei no site pra dar uma olhada se tinha voltado a skin da bandeira do Reino Unido e quando vejo elas tavam baaaratainhas pro Nokia C3, e como meu telefone tava horroroso decidi que era hora de renovar. Eu obviamente gosto mais da antiga, mas essa ficou mais bonita, admito. Toda hora que alguém me via com ela no Salão do Livro Infantil (próximo assunto..) me perguntava de onde era!!
Parace que eles tão é parando de produzir skins pra esse telefone porque além da oferta agora só tem um modelo por lá, pedi essa gracinha na hora certa.

Rapidinhas de Agosto

Ok, vamos lá: Salão do Livro Infantil e Juvenil de Minas Gerais!! Sobre o salão no geral eu nem posso falar muita coisa (só sei que tinha que procurar bastante pra achar preços bacanas, mas até que achava) porque eu fui especificamente para a sessão de autógrafos da Paula Pimenta. Eu não pude ir no último lançamento dela e ganhei os dois primeiros “Fazendo Meu Filme” da Lili de aniversário, e como poderia autografar dois livros por vez, lá fomos nós duas (ela também levou esses dois)! O bate-papo foi bem mais do mesmo, as meninas sempre perguntam as mesmas coisas, e como pegamos senha cedo nem precisamos esperar muito pelo autógrafo, felizmente. A Paula nos recebeu bem como sempre e deu autógrafos diferentes pra cada livro. O do FMF 1 foi “Adorei te ver de novo”, fofo, né??
Os bottons e os esmaltes eram alguns dos brindes que tavam rolando no estande da Gutemberg dependendo de quais e quantos livros a pessoa comprava. Lá tinham também MUITOS marcadores legais, fizemos a festa!!

Rapidinhas de Agosto

E agosto é o novo mês das noivas, pessoal! Dia 17 foi o casamento mega esperado da Mari e do Vinícius, nossos queridos da Cia do Ponto, e lá fomos nós. Ai, gente, quando ouvi a marcha nupcial já comecei a chorar antes de ver a Mari entrando, quando ela apareceu então eu estava fora de controle já. Nós entramos na igreja cedinho para poder sentar lá na frente, mas não couberam os padrinhos nos bancos reservados e então tivemos que ir lá pra trás, ou seja: fomos os primeiros que ela viu quando entrou!! Eu tava chorando tanto que ela falou “para com isso que eu choro também”, hahahahaha!
A cerimônia foi linda, meeega emocionante, como padre Fernando que eu já conhecia e adoro. E no final, nos cumprimentos, o Vinícius tava MEGA emocionado chorando também.
Depois fomos pra feeesta, que foi um amor, num lugar lindinho, comidas deliciosas e os doces então, nem se fala. Dancei até com meus queridos “do Potter Club” (pena que nem todos puderam ir) e conseguimos passar um bom tempo com os noivos e tirar foto com eles!!! Aí na hora de jogar o buquê a Mari, que já tinha até bordado meu e outros nomes na barra do vestido, jogou foi um buquezinho de Santo Antônio e adivinha quem pegou um deles??? SIM!!! Se prepararem porque sou a próxima, se demorar eu escondo o Jesuzinho dele e aí esse santo não me escapa! Usei até foto dele pra representar o casório pra ele ver que eu o amo (e porque ainda não tenho a nossa foto, ehr)…
Mari e Vinícius: MILHÕES de felicidades porque vocês merecem mais isso mais que tudo!!

I’m back!

Em 04.03.2006   Arquivado em Viagens

# E hoje com um post pequenininho pra vocês (lá vem ela). Tem coisas legais pra falar, outras nem tanto. Chega de lero-lero, acabou o bla-bla-bla… VAMOS AOS FATOS!

# RJ Pics! Eu prometi e trouxe: montagenzinha de todas as fotos do rio que tavam na cam! São 12 e as que estiverem escrito (fotolog) na frente é que já foram postadas. Aí vai:


1- No casamento: Rodrigo + Livinha + Dani + eu,
2- Outra: Rodrigo + Dan + Livinha + Dani + eu (fotolog),
3- Cristo visto do new apto da Livinha e do Dan,
4- Daddy na Praia,
5- Dani e mammy na praia,
6- Dani e eu na praia (fotolog),
7- Mamy e eu na praia (fotolog),
8- Byebye Rio de dentro do carro,
9- Isso foi em MG, Santos Drummond,
10- Ainda no Rio, mais uma de byebye,
11- Outra como a 8 e a 10,
12- Passarela do show dos stones onde o Mick Jagger passou pra lá e pra cá (dia seguinte)

# The Week!Vamso começar: de 4ª a hoje (sábado)
4ª feira: Estudar + estudar + estudar… Um bocado de tv e mammy fez chapinha em mim! Ficou até bom. Dia cansativo e pronta pra BTS do dia seguinte!
5ª feira: Aula de manhã + Mimmy e Ciça almoçando aqui + aula a tarde! Química, não aguento mais essa matéria genteeeee! Aé, achei o cd do U2. Perfeito!
6ª feira: Recebi a prova de Bio… 7,2 em 8,0?? AMO Bio! E Começou o sufoco: documentário à vista. Minha função??? Divulgadora… lá vou eu no nosso cartaz de estréia (se sentindo ‘a’ designer!). Mas nem tudo são rosas…
Sábado: aula e ninguém merece. E sobre o trabalho?? Acho que deixou de ser em grupo né! (morrendo de ódio)… 2ª feira eu vou bater um papinho com a Mimmy e acho que a Ciça deve faze-lo também… Minha opinião é importante memso eu não trabalhando no roteiro…a minha e a de TODAS AS 20 pessoas do grupo!

# Expresso Rosa! Post editado com assunto sério, plakinhas e as novas integrantes da família! Entrem, por favor no ER que já tme 9 comentários mas eu quero É MAIS!!!

# Gugui! Beeeeem, no último post não teve nada e nesse o que eu tenho a dizer é que espero o aconchego das respostas dos meus e-mail pois é só assim que me alivia… Se não posso mais te ver diariamente notícias sobre sua vida e as palavras carinhosas. Te amo demais, honey, todo dia! Vem me ver um dia desses, ou a gente se vê. Não precisa ser um lugar maravilindo nem em um dia totalmente especial pois o lugar será perfeito a partir do momento que você estiver nele e o dia o mais maravilhoso de todos desde que você esteja ao meu lado… Eu, mais do que nunca, preciso de você!

# Choraram???! Mas chega né??? E eu tinha falado que o post ia ser pequeno, não tinha??/ Hihiiiii, bye bye peoples!

– Comentários