O Conto de Carnaval

Em 06.03.2019   Arquivado em Escrevendo

O Conto Carnaval

Lá estava eu, encostada no muro que dava vista pra Praça da Estação logo em baixo, sem me mover um centímetro de lugar, porque isso poderia significar nunca mais ser encontrada pelo grupinho de amigas que me deixou ali pra ir ao banheiro. Copo na mão, já quase vazio, glitter em cada centímetro da grande quantidade pele exposta que havia no meu corpo e uma coroa de flores na cabeça. A multidão passava por mim seguindo a bateria, o trio, a música, o que tivesse som. Todo mundo bebendo e rindo, se divertindo, sempre pronto pra barrar um babaca dizendo “Não é não!” ou pra alertar o colega ao lado que ele devia conferir se o nome no cartão de crédito que ele recebeu de volta é o dele, mesmo. Belo Horizonte tem sua própria rua Sapucaí, e no carnaval ela faz jus ao nome.

Nesse aspecto, mais do que qualquer outro, é difícil acreditar que essa é a mesma cidade para qual me mudei há alguns anos. Quando vim estudar aqui ninguém ficava pro carnaval! Era possível, como dizia minha mãe, “andar pelado na rua”, de tão vazia que ficava… Ao longo dos meus anos de faculdade, porém, fui vendo o movimento crescer cada vez mais, a quantidade de bloquinhos que antes pipocavam aqui e ali se multiplicou violentamente, atendendo todos os tipos de público possível, e não havia mais um ponto onde não tivesse pessoas brilhando ao entoar marchinhas tradicionais e hits do momento. Agora lá estava ela, entre as capitais mais procuradas pra data, perdendo apenas pras grandes tradicionais.

E se BH mudou, eu mais ainda. A Lola adolescente se referia aos dias de folia com o neologismo “Carma-val”, porque odiava tudo e todos relacionados a ele. Não saía ou pulava ou dançava ou me divertia, o que eu amava era odiá-lo. Ficava cinco dias com o computador ligado conectado à internet fazendo ABSOLUTAMENTE NADA, e se alguém sugerisse o contrário recebia em resposta apenas um olhar de mau humorada. Bom, ainda bem que a gente muda. Sair de casa para ver toda a alegria que tinha na rua se tornou quase necessário ao longo do tempo, porque parada não tinha mais como manter a cabeça no lugar. Da antipatia para a tolerância, e dela pro mais completo deleite. Agora essa era eu, vestindo apenas um maiô, tênis e pochete na cintura, gritando letras que às vezes eu sequer sabia de verdade e curtindo cada dia do meu maior pagar língua de todos.

Os minutos de breve solidão me fizeram pensar tudo isso de uma vez só, então baixei os olhos pro copo pra que ninguém me visse rindo sozinha, supostamente sem motivo nenhum, mas antes que terminasse o movimento levantei a cabeça de novo. Um pequeno momento de respiro, um vazio de pessoas na minha frente, o suficiente para ver e ser vista imediatamente. Não sei dizer o tamanho do sorriso que de cara entrou no meu rosto, mas sei que foi tão aberto e impossível de disfarçar quanto o dele.

Fê e eu não nos falamos mais desde as mensagens de “Feliz Ano Novo”. Eu só sabia mais ou menos o que ele vinha fazendo na vida pelas suas poucas fotos nas redes sociais – e vice e versa. Agora lá estava, vindo em minha direção, sem me dar qualquer oportunidade de conferir se eu estava apresentável (ou sóbria) o suficiente para ser vista. Não me importava se já tinha me visto algumas vezes de manhã, acabando de acordar antes mesmo se escovar os dentes… Ele estava tão lindo que meu único pensamento era como eu queria que ele me enxergasse linda também.

No primeiro momento, ninguém disse nada. A gente só se abraçou por um tempo, sem saber como se comportar. No final, como sempre tentando quebrar o gelo, ele deu uma dançadinha ao som da música, me soltou e disse:

– Carma-val, Lola! Como eu posso te achar justamente aqui?

– Uai, é destino, sei lá!

Em minha defesa, era difícil falar qualquer coisa estando ainda sorridente. Ele encostou no muro também, ficando do meu lado tão próximo que eu só conseguia lembrar o quanto gostava daquela proximidade. Então veio gritar no meu ouvido para que eu conseguisse escutar.

– Cê tá sozinha? Sei lá, não é perigoso?

– Não, é tô com umas amigas, foram ali usar o banheiro. Aqui ficou o ponto de encontro, não posso nem me mover.

– Eu vim com uns amigos também! – ele apontou pra um grupo nem na nossa frente – Ia te chamar pra ficar com a gente! Mas sem problema, eu te faço companhia até elas voltarem…

Tomei um gole porque não fazia ideia do que dizer. Continuar com papo de alfândega, fingindo que não tinha mais nada ali? Porque eu não estava bêbada o suficiente para falar o que realmente queria, pelo menos não ainda. Enquanto meu cérebro processava tudo isso, ele se aproximou um pouco mais de mim.

– Você sumiu…

– Você também! – Engasguei ao responder.

Ele abriu a boca pra retrucar, mas uma nova marchinha começou, o fazendo rir. Eu estava muito fora de mim para entender o motivo, mas antes que pudesse questionar minha visão periférica percebeu as meninas reduzindo o passo ao vir em minha direção, percebendo com quem eu estava falando. Ele também viu e desencostou o corpo, me abraçando para se despedir.

– A gente vai conversando, Lola… Eu te chamo!

Ele começou a se afastar, mas antes disso o puxei pra dizer:

– Chama mesmo.

O que era pra ser um “beijo de bochechas” que veio em seguida acabou virando um beijo de verdade. O vi indo embora, se juntando ao seu grupo que permanecia completamente alheio à minha presença, e eu me juntei ao meu, que parecia ter feito um acordo silencioso para não comentar o que tinha acabado de presenciar. Eu já estava com um sorriso estampado no rosto, um pouco amarelo mas prestes a se tornar brilhante de novo, com o copo abastecido pelas novas cervejas que foram trazidas, me afastando acompanhada do muro e de quem mais estava ali. Minha cabeça voltou a funcionar o suficiente para entender a risada anterior, quando a música finalmente ficou clara, e também fui forçada a rir enquanto cantavam juntas ao meu redor…

“Se você fosse sincera
Ô ô ô ô Aurora
Veja só que bom que era
Ô ô ô ô Aurora

Um lindo apartamento
Com porteiro e elevador
E ar refrigerado
Para os dias de calor
Madame antes do nome
Você teria agora
Ô ô ô ô Aurora

Esse é o terceiro conto da série “Contos de Aurora”, que vai mostrar dez datas comemorativas do ano de uma mulher como outra qualquer, que eu vou conhecer junto com vocês, enquanto traço a vida dela devagarzinho… Espero que tenham tido um bom carnaval!

Maquiagens facinhas para o carnaval

Em 09.02.2018   Arquivado em Beleza, Vídeos

Hello, hello, Carnaval! Olha o samba no pé aí, batendo na nossa porta com muita cor, alegria, brilho, música, descanso, diversão e o que a gente quiser! Se você der uma olhadinha nos arquivos desse blog vai me achar claramente chamando a data de “carma-val” até uns anos atrás, mas o maravilhoso de se tornar adulto é que a gente entende que, mesmo que não curtindo o que agrada a galera lá fora, dá pra ser feliz com os dias de feriado aqui dentro! A coisa foi bem gradual… Primeiro eu oficialmente odiava! Depois, só não gostava… Eis que fiquei neutra, tava tudo bem, até que chego agora a gostar ao ponto de trazer pra vocês duas maquiagens fáceis, com produtos acessíveis, para os dias de folia que estão por vir!

Quando eu digo “fáceis” quero dizer REALMENTE FÁCEIS! São coisas que consegui reproduzir sem tutorial, só olhando fotos de referência, e se eu dou conta vocês também dão, pode ter certeza. E sobre os produtos é real também. A maioria é nacional e nada caro, os poucos importados são facilmente substituíveis por algo semelhante que você tem em casa ou acha numa farmácia aí perto! Pra facilitar dividi a lista em três… Na primeira, os produtos em comum aos dois vídeos, nas outras os específicos de cada um. É tudo de boa, mesmo os contornos são suuuper básicos, aquela make que não precisa ficar perfeita e nem de acessórios elaborados pra complementar, em uma hora tá todo mundo pronto e se borrar no processo, tanto faz, é carnaval!

Produtos em comum das duas maquiagens:
BB Cream Creme 5 em 1 cor Clara, da L’Oréal Paris;
Pó Compacto Color Trend cor Porcelana, da Avon;
Esponja para maquiagem Love & Beauty Blender, da Forever 21 (resenha aqui!);
Beauty Book Snow and Ice, da E.L.F. + Disney (linha Queen Elsa);
Lápis de olho preto Kajal Una, da Natura;
Demaquilante bifásico para olhos e boca, da Quem Disse, Berenice?
Máscara para cílios The Colossal Volum’ Express, da Maybelline.

Maquiagem David Bowie

Maquiagens facinhas para o carnaval: Ziggy Stardust

Pra galera dos bloquinhos de rock n’ roll temos ele, Ziggy Stardust em pessoa! Ano passado o aniversário do Gil, meu amigo, foi na semana seguinte com o tema “Carnameme”, então eu aproveitei e fiz essa “Tô de Bowie” improvisada com os materiais que tinha em casa. Para quem não conhece, é inspirada na cada do álbum “Alladdin Sane”, do David Bowie, representando um de seus alter egos. Muita gente faz com tinta e glitter, mas nessa vibe de não gastar nada eu fui lá e fiz tudo com LÁPIS DE OLHO! Sério, marcar fica muito fácil, e por mais que colorir seja um saco, fixa super bem!

Originalmente o raio é vermelho e azul, com o contorno e sombra vermelhos também… Só que rosa é minha cor favorita, era a que eu tinha aqui, então foi adaptada. O batom dele também é beeeem nude, mas vocês me conhecem… Eu não ando com batom claro/cor de pele DE JEITO NENHUM, então também já mudei prum rosão e fui feliz! (Apesar de que ano passado a ousadia foi maior e usei um azulão, olha a foto aqui!)

Outros produtos usados:
Blush em pó True Color cor pêssego, da Avon;
Lápis de olho cores Pinkix e Azulton, da Quem Disse, Berenice?
Iluminador líquido High Beam, da Benefit;
Batom Faces cor Cereja, da Natura;
No Beauty book: sombras Anna e Olaf.

Maquiagem Gatinha

Maquiagens facinhas para o carnaval: Gatinha

E não poderia faltar uma homenagem à minha “pessoa” favorita no mundo: a Arwen! Nas vésperas do natal eu comprei orelhinhas com o intuito de já usar no carnaval e fazer um momento “tal mãe, tal filha” com minha gatinha… Tinha que ter maquiagem pra complementar! Ela também é feita basicamente com lápis de olho e o rosto contornado, e para isso eu também usei coisas bem básicas: sombra marrom (que uso no decote, hehehe) e pancake branco. Ficou beeeem mais legal que imaginei, estou apaixonada! Pra falar bem a verdade só não vou usá-la mesmo porque no fim das contas o arco aperta demais, e curtir feriado com dor de cabeça num tá com nada, né?

Outra presença importante nela foi meu batom preto que VOCÊS ODEIAM! Sempre que posto look com ele é uma chuva de comentários contra, hahahaha! Mas não tem problema, o bonito se mostra muito útil em momentos como esse, é um vencedor!

Outros produtos usados:
Sombra em pó cor Marrondito, da Quem Disse, Berenice?
Pancake branco, da Colormake;
Batom Lust, da LA Splash;
No Beauty Book: sombras Hans e Olaf, iluminador Snow Queen.

Agora me digam aí: qual delas foi sua favorita? Vocês acham legal esse tipo de vídeo que não chega a ser um tutorial e sim um passo a passo para você se inspirar? Conta aí nos comentários, porque eu particularmente me diverti tanto no processo que estou cogitando continuar com essa “série” fora de época mesmo. Aproveitem MUITO o carnaval, com respeito e carinho com o próprio corpinho e o do próximo, hein! Nada de assédio e usem sempre camisinha, pra chegar todo mundo feliz na quarta feira de cinzas prontinhos pro do ano que vem!

Harry Potter na Avenida

Em 07.03.2011   Arquivado em Harry Potter

– E assim como o ano passado tivemos Harry Potter na Sapucaí para me fazer ficar acordada até 3 horas da manhã vendo desfile, mesmo detestando CarMa-val e coisas relacionadas!! Dessa vez foi a Unidos da Tijuca, cujo enredo “Esta Noite Levarei Sua Alma” brincou com medo e ilusionismos para homenagear as grandes obras do cinema como Avatar, Transformers, Robin Hood e, CLARO, Harry Potter!!
O carro tinha na frente uma representação de Hogwarts no geral, até com as peças de xadrez e uma corujona, lindo. Nas laterais várias “Edwiges” com as cartas de Hogwarts (descobri onde a minha foi parar que nunca chegou aqui!!). E a atração principal era a mesa de banquete da Grifinória, com os alunos sentados jantando e Alvo Dumbledore em cima a enfeitiçando, de modo que a mesa flutuava fazendo com que o ponto mais alto ficava a 8 metros do chão!!
Lindo e emocionante, quando vi gritei, surtei, ri, chorei e tirei dois Prints no G1 para mostrar como tava, mesmo que a qualidade tenha ficado péssima!!

hptijuca_01
Fiquei mal acostumada e quero Harry Potter na Avenida todo ano!!

hptijuca_02
Se depender de mim o título do ano passado continua com eles.

Abro os portais da imaginação
Toda fantasia hoje é real
Me entrego ao delírio, luz, inspiração
Carnaval…
A mente leva a locais surpreendentes
Na inocência, sou criança novamente
Com a Tijuca…
Viajo nessa emoção
Me torno aventureiro da ilusão
(…)

– Agora, preciso dizer… Eu venceria meu horror a Carnaval e entraria Escola de Samba FÁCIL se fosse pra homenagear Harry Potter!!

Harry Potter na Avenida

Em 15.02.2010   Arquivado em Harry Potter

– Eu tento e tento FUGIR do carnaval, mas há sempre algo a se postar… Não é segredo pra ninguém que é o feriado/festa que eu mais odeeeeeio no mundo, ódio que venho cultivando carinhosamente desde mais ou menos os 9 anos de idade, quando comecei a ter cabeça o suficiente que usar uma fantasia fofa não era motivo pra gostar de axé tocando o dia todo e gente desfilando praticamente sem roupa… Mas, enfim. Essa noite, pela primeira vez na vida, eu fiquei acordada até às 4 e meia da manhã, assistindo ao desfile do Salgueiro Lutador, porque afinal, nada além de Harry Potter me forçaria a tanto!!

HPnaAvenida
Imagem retirada do Globo Vídeos, não achei nada melhor, infelizmente.

– O tema “Histórias Sem Fim” mostrou vário ícones da literatura clássica, infantil, futurística, brasileira… E claro que o maior fenômeno literário de todos os tempos estava incluído!! Eu estava esperando uma ala e quando vi vindo um carro imitando um tabuleiro de xadrez meu coração pulou e os olhos se encheram de lágrimas… Tinha o trio andando e sambando pelo tabuleito, um Vira-Tempo enorme e lá em cima, o destaque era Dumbledore. Atrás, torres do castelo de Hogwarts. Sem nem precisar pensar muito: o carro alegórico mais LINDO que eu já vi!!
É uma pena que depois que a bateria passa a Globo só fica filmando eles e não mostra os detalhes que eu super queria ver… mas valeu a pena!!

“É o hábito de ler, folheando com prazer
Muito além de uma visão
Mensagens de esperança
Clareando a imaginação

Uma história de amor
Sem ponto final
‘academia do samba’ é salgueiro
No ‘livro do meu carnaval’!!”

– E o samba enredo mais verdadeiro de todos… Porque eu sei, e todo fã de Harry Potter sabe que é assim… E nós aprendemos isso com J.K. Rowling!! Nota…… 10!!

Carnaval no BuddyPoke

Em 14.02.2009   Arquivado em Cotidiano

* Eu ia fazer um post recheado de memes, mas resolvi segura-los e postar alguma coisa bonitinha enquanto não vem um assunto bonzão mesmo.
Gente, vocês viram que bonitinhas as funções de carnaval no BuddyPoke?? Me fez ver UM ÚNICO ponto positivo do pior feriado do ano!! Como eu ODEIO carnaval e pretendo não falar mais sobre isso aqui, não custava nada fazer um postzinho mostrando as funçõezinhas!! Tosquinhas, porém foofinhas ^^

BuddyPokeCarnaval
Eu e Gugui na avenida (ele ficou tãããão bonitiiinho)

BuddyPokeCarnaval
Dançando o Frevo com Daninha

BuddyPokeCarnaval
Batucada com Angel

* São ao todo 6 funções, duas praticamente iguais (que é essa da primeira imagem, tem duas pra você “escolher” se é homem ou mulher). Dessa vez eles até trocaram a roupinha do Poke na maioria delas. Mas não colocaram fundos bonitos que nem nas últimas =(
Agora, vou admitir que pela primeira vez na vida eu tô sentindo essa “emoção brasileira” ao ver propaganda dos desfiles do Rio… Não pela situação, mas só de lembrar de eu andando aquela avenida todinha até chegar na Aponteose, onde vi Elton John ao vivíssimo!!

Ouvindo: The Bitch Is Back – Elton John

– Comentários

Página 1 de 212