As Sufragistas

Em 09.02.2016   Arquivado em Filmes

Suffragette

As Sufragistas (Suffragette) *****
Elenco: Carey Mulligan, Helena Bonham Carter, Meryl Streep, Brendan Gleeson, Anne-Marie Duff, Ben Whishaw, Romola Garai, Samuel West, Natalie Press, Geoff Bell, Adrian Schiller, Amanda Lawrence, Lisa Dillon, Clive Wood, Lee Nicholas Harris, Richard Banks
Direção: Sarah Gavron
Gênero: Drama, História
Duração: 106 min
Ano: 2015
Sinopse: “O início da luta do movimento feminista e os métodos incomuns de batalha. Mulheres que enfrentaram seus limites pela causa e desafiaram o Estado extremamente opressor. A história é baseada em fatos reais.” (fonte)

Comentários: Quando eu vi o primeiro trailer desse filme, meses atrás, fiquei alucinada, doida, maluca para assistir, minha ansiedade foi perigosamente nas alturas e mal podia esperar. A temática é uma que me atrai muito e o elenco idem, porque eu AMO a Meryl Streep (já sabia que veria pouco dela, como uma coadjuvante, mas ainda assim) e estava doida para ver Carey Mulligan como protagonista, uma vez que eu a conheço através de um papel bem menor em “Orgulho e Preconceito”. Só que aí o filme estreou e eu fui olhar nos cinemas afora e NÃO ESTAVA PASSANDO! Sério, a divulgação estava a mil, mas eram pouquíssimas salas em pouquíssimos lugares, li na internet e estava assim em todos os estados, reclamação geral. Felizmente, depois de quase desistir, consegui tirar um dia num momento ideal com um grupo de amigas que também estavam curiosas e fomos lá. Olha, tinha uma chance alta de decepção tamanha era a expectativa, mas felizmente não foi o que aconteceu.

Maud trabalha numa lavanderia desde nova, já possuindo um alto cargo para sua idade, e vive com o marido, que trabalha no mesmo local, e o filho pequeno. Ela não tinha interesse nenhum pela causa das Sufragistas, que manifestam em nome do seu direito ao voto, até ser inserida no meio por uma de suas colegas de trabalho. A partir daí ela tenta fugir, tenta desistir e tenta negar, mas acaba se tornando uma delas, sendo forçada a abrir mão de sua família, uma vez que ela se torna “uma vergonha” para o marido, de seu trabalho e até mesmo de seu “status” de cidadã de bem. Gostei muito de como a história se desenvolve junto com o interesse dela pelo que estava acontecendo: no início é lento, porque ela ainda está conhecendo, e de repente lá está ela completamente envolvida, fazendo denúncias e intervindo em absurdos, e é aí que o ritmo acelera e começa a tudo acontecer de uma vez.

O que vi de negativo foram alguns problemas técnicos, como a câmera ficar tremendo MUITO nas cenas de batalhas e tumulto, de forma que ficava até meio confuso de se entender, e a iluminação que é bem ruim nas cenas noturnas, mas desse segundo eu gostei porque dá aquela sensação de insegurança que a personagem são somente sente, mas também vive.
Ótima atuação de Carey Mulligan como protagonista e, pasmem, Helena Boham Carter também está incrível, fazia tempos eu não a via em um papel em que ela pôde ser a personagem em si ao invés de algum “mais do mesmo” meio louquinho que é o que ela faz. Aliás TODAS as atrizes que interpretam as manifestantes foram ótimas, você sente e chora por cada uma delas, como não podia ser diferente. Mesmo Meryl Streep como Emmeline Pankhurst, que aparece por três minutos, consegue trazer algumas das várias citações maravilhosas ao filme e mostrar a relevância de sua personagem na história, mas sem deixar de destacar cada uma daquelas que lutaram ao lado dela e que eram tão importante quanto.

“We don’t want to be lawbreakers, we want to be lawmakers.” – Emmeline Pankhurst

É impressionante em como a gente fica com o impacto do que está vendo, se orgulha do que mudou e, claro, sente o peso absurdo do que não mudou. Por um lado dá pra pensar “Meu Deus, essa situação absurda tem SÓ cem anos!” e por outro reflete “Uau, já fazem cem anos e quanta coisa continua igual…”. Nos créditos finais aparece uma lista de vários países com a data em que o voto foi liberado para mulheres e é chocante pensar que em alguns lugares isso ainda é discutido (ou nem ao menos cogitado).
“Apanha do marido, mas também, ela provoca”, “Controle sua mulher”, “Fica quietinha, assim, você sabe que eu gosto” são só algumas quase frases (porque não são exatamente essas) soltas do filme que passam quase sem que a gente perceba, mas que ainda existem mulheres que são obrigadas a ouvir nessas situações, mesmo após todos esses anos…

Trailer:

Follow my blog with Bloglovin

Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1

Em 21.11.2010   Arquivado em Filmes, Harry Potter

Eu estou TENTANDO não ser muito crítica. Juro que estou. Tentando olhar pelo lado bom, sempre, e tô conseguindo porque ontem esse filme me fez chorar tanto… Mas TANTO!! E aí na hora que eu tava descendo as escadas do cinema eu pensei “só falta a parte 2 e acabou”, e aí eu chorei mais!! Se você não assistiu ainda, cuidado, isso aqui é spoiler puro!!

rdm_pt01 Harry Potter e as Relíquias da Morte – Parte 1 (Harry Potter and the Deathly Hallows: Part I) *****
Elenco: Daniel Radcliffe, Rupert Grint, Emma Watson, Helena Bonham Carter, Ralph Fiennes, Michael Gambon, Alan Rickman, Tom Felton, Rhys Ifans, Bill Nighy, Bonnie Wright, Clémence Poésy, Jason Isaacs, John Hurt, Miranda Richardson, Jamie Campbell, Robbie Coltrane, David Thewlis, Brendan Gleeson, Evanna Lynch, Helen McCrory, Timothy Spall, Rade Serbedzija, Julie Walters, Toby Jones (voz), Imelda Staunton, Fiona Shaw, Domhnall Gleeson, Dave Legeno, Natalia Tena, James Phelps, Oliver Phelps, Richard Griffiths, George Harris, Matthew Lewis, Simon McBurney (voz), Sophie Thompson, Mark Williams, Harry Melling, Michelle Fairley, Frances de la Tour, Andy Linden, Kate Fleetwood, Arben Bajraktaraj, Matyelok Gibbs, David Ryall, Carolyn Pickles, Hazel Douglas, Steffan Rhodri
Direção: David Yates
Gênero: Aventura
Duração: 146min
Ano: 2010
Sinopse: “O poder de Voldemort está aumentando cada dia mais. Ele agora tem o controle sobre o Ministério da Magia e de Hogwarts. Harry, Rony e Hermione decidem terminar o trabalho de Dumbledore e encontrar o resto das Horcruxes para derrotar o Lorde das Trevas. Mas a esperança continua pouca para eles, então tudo o que eles fazem tem que sair como planejado.”
Comentários: O filme perdeu meia estrela por causa das cenas que faltaram, algumas que achei importante, mas as vezes acho que tô sendo rígida demais, porque na verdade foi milimetricamente bem feito!! Os erros são como adaptação, mas como filme por si só é perfeito. Eu não achei um erro nos efeitos especiais desse filme, e acho que posso assistir muitas vezes que não verei denovo. MUITO investimento. Digo o mesmo para os atores, Daniel Radcliffe e Emma Watson se esforçaram pra não forçar a barra, como geralmente fazem, e fechar com chave de ouro.
Eu chorei muito quando o símbolo da Warner apareceu e aí mostraram a Hermione “sumindo” da vida dos pais dela (cenas MUITO tocante). E depois não tem mais como parar de chorar porque é um atrás do outro… Edwiges (LINDO terem colocado ela entrando na frente dele, porque no livro é o que ela estava tentando fazer mas não podia), Olho-Tonto e, por fim, Dobby!! E no Dobby ainda teve ele falando todo um texto, ai, acho que foi a cena mais triste da saga inteira.
No geral eu GOSTEI. Mesmo. E mesmo que a Parte 2 não possa se dar ao luxo de cortar as coisas assim (e tem que compensar os da Parte 1), eu espero que eles mantenham o nível. Gostei muito mais do que achei que gostaria. Li que iam colocar o pai da Luna como um mal-caráter, que ia ter romancinho entre Hary e Hermione e tudo mais, mas não teve nada disso. O último focou no sentimentalismo e humorzinho, e esse tinha sentimentos, humor, aventura, romance, tudo de uma vez. Igual ao livro.
Só queria que o casamento fosse maior. Quando acabou fiquei triste…
Melhores momentos: O MELHOR momento do filme foi “O Conto dos Três Irmãos”. Muito bom mesmo!! Eu nunca ia esperar que fosse retratado daquela maneira, e conseguiram cortar as partes da história de maneira que contasse tudo, tudo, muito fiel, realmente foi uma cena que tive vontade de aplaudir no final, não queria que acabasse, dá um curta-metragem aquilo!!
E lógico, porque eu sou eu… As cenas Rony e Hermione que eu fazia um “oown” involuntário e até levei um chingo de uma mulher da fileira da frente (MUITO sem coração, diga-se de passagem), depois disso parei pra poder fazer de propósito em alguma outra cena (ô maturidade…), mas o filme foi ficando tão tenso que esqueci!! Quando ele limpou o canto da boca dela na cafeteria, muito lindo, né gente. Aliás, eu adoro o Rony, ele dá a graça na história, não existe Harry Potter sem ele.
Cenas cortadas: Algumas cenas precisam ser cortadas, infelizmente, porque não têm sentido (como o Duda falando pro Harry, Hermione contando que roubou os livros e etc), mesmo porque eles foram espalhando algumas dessas informações ao longo da história, mas outras eu achei que TINHAM que ter. As que mais me chatearam foi o Lupin não ter aparecido no Largo Grimmauld, a “lembrança” do dia da morte dos Potter e o Rabicho se matando. Foram 3 cenas que senti MUITA falta. Senti falta também da história do Monstro completa, apesar de que entendo, poxa, dividiram o livro em 2 filmes e mesmo assim tava tudo muito corrido. E a carta da Lílian, que não era tãããããão importante assim, mas era uma cena muito tocante.
Aliás, falando em carta da Lílian, gostei de o Rony ter encontrado o R.A.B., fez ele parecer menos idiota, porque é assim que os filmes retratam ele, tadinho, e ele não é assim. E senti falta da fala linda dele… “Tudo vela no amor e na guerra…..” etc, etc, queria que tivesse.
O que eu gostei de terem cortando foi o Harry lendo a história do Dumbledore, porque é o maior defeito que vejo no livro: a quantidade de vezes que essa história aparece, fica muito cansativo. Eles vão ter mais duas chances de contar essa história por dois pontos de vista, já tá de bom tamanho, né??
Cenas que não existiriam: Quero começar pela cena em que o Harry dança com a Hermione… No especial da Warner o Daniel Radcliffe disse que era um “momento de romance” entre os dois, e todos os críticos afirmaram o mesmo, mas eu GRAÇAS A DEUS na verdade achei fofa e totalmente amigável, não vi nada de romântico naquilo. Achei até bonita, sério, Harry animando a Hermione como amigo dela, que é o que ele é. Minha raiva por terem colocado essa cena sumiu.
A que achei pior: os dementadores sendo BARRADOS PELA PORTA DO ELEVADOR!! Meeeeeu Deus, quando vão aprender que dementadores não são seres humanos e que CUTUCAR (Ordem da Fênix) ou FECHAR A PORTA na cara deles não adianta?? Pelo menos teve o patrono logo em seguida pra limpar a gafe!!
Depois… O beijo de Harry e Gina!! Gina aparece com as costas de fora e ele demora UM SÉCULOS pra fechar aquilo, hahaha… Foi linda, realmente o aniversário dele era desnecessário (o importante era o testamento, e isso teve) e foi bom pra mostrar o sentimento dos dois, já que no filme de “Enigma do Príncipe” minimizaram tudo num semi-beijo. E aí aparece o Jorge com a escova de dentes na orelha… Hilário!!
E…. *momento sentimento* O pomo voando e Harry apanhando. “Tiago Potter” feelings. Lindo demais!!

– É meio difícil para mim falar de tudo. Ainda mais tendo assistido só uma vez (por enquanto) e a tão pouco tempo ( por enquanto), e principalmente pelo fato de ser Harry Potter. Cheguei ao Pátio Savassi ontem às 14h pra seção de 21:30!!. Mas acho que o pincipal tá aí. Agora a gente tem que esperar a Parte 2 contando os dias, e preparando o coração, porque quando aquele epílogo acabar… Aiai, meu Deus, como eu vou chorar!!

+ trailer do filme
+ Relíquias da Morte – o livro (1)
+ Relíquias da Morte – o livro (2)

Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1 Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1
Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1 Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1