Links da Semana #08

Em 08.12.2017   Arquivado em Blog

A primeira semana do Blogmas passou e isso significa o que? Uma nova remessa de Links da Semana! Eu confesso que nesses dias praticamente só visitei os blogs de quem tá participando das maratonas também, salvo algumas exceções, mas ainda assim foi o suficiente pra ler muita coisa lindinha por aí. Originalmente eu ia fazer essas postagens aos sábados, mas essa semana trocaremos, o que importa é rolar, hahahaha! Então ‘bora lá ver o que achei de melhor entre 02 e 08 de dezembro.

Links da Semana

Amor + elo, por This Side of Paradise: Essa poesia fez parte do Blogmas no blog da Gabrielly e eu até li em voz alta pra minha irmã, que tava aqui do lado na hora que entrei no post. Linda demais!

Para de negar sua tristeza, por Papo de Caio: Um post NECESSÁRIO! Eu já fui muito o tipo de pessoa que evitava a fossa ao máximo, fingia que tava tudo bem e permanecia “solar” em nome dos outros mesmo que por dentro estivesse nublada. O que isso gerou? Um “câncer” de angústia acumulada, um Transtorno de Ansiedade tão forte que acabou causando depressão e todos os amigos que antes eu tentava mostrar meu lado bom tendo que lidar com o ruim assim, de repente. Adorei cada pedaço do que o Caio, cujo blog eu adoro demais, disse e concordo 100%. Pode ter bad sim galera, pode reclamar muito da vida no Twitter! Viver essa fase é o primeiro passo pra se livrar da danada!

Loja Ursolina: onde comprar acessórios e itens fofinhos de decoração, por Dezoito em Ponto: Gente, se eu tivesse visto essa dica da Samira uma semana antes, o presente que comprei para o Amigo Oculto de um grupo de amigos meus teria sido comprado lá, com certeza! Que almofadas mais lindinhas, gente, tanta estampa fofa que dá vontade de abraçar. E eles têm camiseta também, que é uma coisa que eu simplesmente amo!

Blogmas 2017

Extraordinário, o filme

Em 07.12.2017   Arquivado em Filmes

Extraordinário

Extraordinário (Wonder) *****
Elenco: Jacob Tremblay, Julia Roberts, Mandy Patinkin, Owen Wilson, Izabela Vidovic, Sônia Braga, Daveed Diggs,
Ali Liebert, Millie Davis, Noah Jupe
Direção: Stephen Chbosky
Gênero: Drama
Duração: 113 min
Ano: 2017
Classificação: 10 anos
Sinopse: “August Pullman é um garotinho que nasceu com uma desordem craniofacial congênita. Pela primeira vez, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança. No quinto ano, ele irá precisar se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: Antes de mais nada, seria desleal da minha parte começar a falar sobre o filme sem citar a importância que a história de Auggie já tem na minha vida. “Extraordinário”, de R.J. Palacio, é meu livro favorito! É IMPOSSÍVEL que eu seja imparcial assistindo a adaptação dele para o cinema. Não dá pra não levar em conta o peso que acho que ele tem socialmente, inclusive. Tendo isso dito, vamos lá: Auggie Pullman aos 10 anos já passou por dezenas de cirurgias ao longo da sua vida, mas nunca foi para a escola, tudo isso graças à deformação craniofacial com a qual nasceu. Sua mãe, Isabel, o ensina em casa, mas acha que suas “habilidades” não são mais suficiente agora que o filho está grandinho. Sendo assim ele é matriculado no primeiro ano do Ensino Fundamental II (ou seja: sexto ano aqui do Brasil) e tem que lidar com a reação que seu rosto tão incomum causa nas pessoas…

Levar qualquer livro para o cinema é uma tarefa difícil. A gente sabe que existe a possibilidade de nossa cena favorita ser cortada, o personagem do coração ser completamente diferente do que a imaginação mostrava, etc. Ao mesmo tempo mais importante que essas coisas é a mensagem que o filme precisa passar, e no caso de Extraordinário isso é CRUCIAL. Ele vem sendo usado nos EUA como material de combate ao bullying, através da sua mensagem de escolher a gentileza acima de tudo e enxergar além da aparência. Nesse aspecto, não tem como, merece 5 estrelas com certeza! Eles criaram um ambiente super lúdico para que o expectador “entre” na cabeça do Auggie o tempo todo, materializando a imaginação dele em algumas cenas, dando um toque divertido e inocente à temática super pesada que estava sendo retratada.

A gente não pode ignorar que, mesmo sendo merecidamente aclamado por adultos, se trata de um filme infantil. Os protagonistas são crianças porque é pra elas que a autora tentou passar sua mensagem. Ler sobre uma cena violenta de bulliyng pode ser difícil, mas o impacto visual é sempre MUITO MAIOR! Por isso vários aspectos foram suavizados, sem ser excluídos completamente da história. Vi muitas reclamações sobre a aparência do protagonista, que no livro ele é “mais feio”, mas achei bem fiel se comparado a crianças que possuem a mesma doença. Além disso o ator precisava de liberdade para se expressar e fazer o trabalho, e mais maquiagem podia atrapalhar nisso… Felizmente não foi o que aconteceu, porque Jacob Tremblay foi INCRÍVEL! Cada lágrima dele na tela resultava em várias e várias saindo dos olhos da plateia. Na verdade o elenco inteiro foi muito bem escolhido, com destaque para Julia Roberts que está maravilhosa no papel de mãe.

Extraordinário Foto do Amsterdam News

Uma “mudança” que achei muito positiva foi a adição de alguns aspectos da vida dos Pullman que não está no livro, mas que era necessária no filme. Eles deram para Isabel uma breve história profissional antes de ter que se dedicar integralmente ao filho e uma possibilidade de futuro diante do fato que agora não precisa mais ficar com ele 24 horas por dia. Nate, o pai, também foi muito bem trabalhado, sempre divertido soltando piadas simples e inteligentes como é sempre dito que ele faz. E por último, mas não menos importante, temos o último membro da família que foi minha única decepção… Olívia, a irmã do Auggie, é minha personagem favorita e eu sempre tive muito medo que ela fosse retratada de forma egoísta, o que senti que aconteceu em várias cenas. Não é o “egoísmo justificável arrependido” que vemos originalmente, ela realmente foi mal direcionada mesmo. Não acho que isso prejudica o andamento da história, mas Via é uma pessoinha muito incrível para ser impedida de mostrar isso a todo momento, então fiquei bem chateada.

Um outro aspecto que me incomodou no início, mas depois passou, foi como a Summer, melhor amiga do Auggie, foi levemente minimizada. Ela é uma criança fantástica, que estende a mão para ele desde o começo, mas que teve essa amizade jogada bem mais pra frente. Ainda assim, porém, conseguiram mostrar toda a gentileza que ela passa e sua importância em diversos momentos, então entendi o motivo dessa modificação. Também não gosto muito como a Miranda é vista sempre como “boazinha” porque tenho antipatia dela, mas no original já é assim, não foi realmente uma alteração, mais um ranço pessoal mesmo… E Justin, gente? O romance da Via ganhou uma visão muito bonitinha, tiraram as características ansiosas dele mas mantiveram a essência de artista apaixonado. Uma graça as cenas dos dois juntos! Daisy, a cachorrinha deles, era outra que fazia o coração inflar de amor. Teve sua representação apresentada de forma muito digna.

E agora… Um registro do momento maravilhoso em que eu conheci os Pullman pessoalmente não podia faltar, né? Faltou você, Via, ‘bora marcar uma sessão de “Dirty Dancing” aqui em casa pra botar o papo em dia! (Ou vocês acharam que eu ia ignorar um totem desse tamanho e deixar passar a oportunidade de tirar uma foto com ele?)

Extraordinário

Em resumo… É uma adaptação que passa a essência necessária para o expectador de forma sensível e muito respeitosa. Mesmo com essas acomodações que precisam ser feitas muita coisa ficou extremamente fiel e alguns diálogos são exatamente iguais, sem parecer forçado. Eu nunca cheguei a escrever uma resenha do livro, apenas um texto dedicado a ele, mas hoje estou fazendo essa do filme com meu coração cheio de carinho e o rosto ainda manchado por causa das lágrimas que não pararam de cair nem por um minuto. Usando a própria frase da divulgação oficial da Lionsgate só o que tenho a dizer pra fechar é: “Go see Wonder!”

Trailer:

Blogmas 2017

6 on 6 Dezembro: Tchau, 2017!

Em 06.12.2017   Arquivado em Fotos

E chegamos ao último 6 on 6 do ano… Eu consegui participar de todos os meses dessa vez? De jeito nenhum! Mas valeu a pena mesmo assim? Opa, valeu e vale SEMPRE! Nosso grupo hoje vai muito além da fotografia, nos tornamos uma mini equipe de apoio que ajuda a segurar as barras um do outro via Whatsapp. Ainda não decidimos o que vai ser do projeto em 2018, já que tinha ficado decidido que vai rolar uma reformulada nele, mas até lá ainda temos o tema de Dezembro para dizer Tchau, 2017!

Eu pensei em dividir e colocar 3 fotos que representassem o que eu quero deixar pra trás e outras 3 que mostrassem o que quero levar adiante, mas a verdade é que tirei ZERO FOTOS! Sério, eu não produzi na-da para esse 6 on 6! Ainda assim não queria deixar de postar e nem passá-lo pra outro dia, então catei meu HD e fui atrás de conteúdo pra formar esse conjunto. Encontrei as seis fotos que precisava (e que nunca tinham sido postadas) para fazer mais ou menos o que queria… E são elas que vocês irão conferir agora!

6 on 6 Dezembro: Tchau, 2017

01. Começando pela minha cama. Não, eu não quero me livrar da minha cama, apesar de que na ideia original essa era uma das fotos do “livramento”. Muito pelo contrário, uma das coisas gostosinhas que rolou comigo nesse ano foi ter ganhado essa cama gigantona aí! Mas a verdade é que eu passei mais tempo que queria e que deveria nela. Passei boa parte desse ano doente de MUITA ansiedade, que gerou outras coisas, e quando eu não dava conta de mais nada, era praí que eu ia. Que no próximo ano nossos momentos juntas sejam mais feliz então, né?

6 on 6 Dezembro: Tchau, 2017

02. Essa é a vista da janela do consultório da minha mãe e eu resolvi colocar aqui por vários motivos que são “segredinho”, sabe? Mas em resumo, o dia que tirei ela, consegui superar uma crise que tive simplesmente tomando coragem pra pedir ajuda e ser sincera com o que estava sentindo. Na hora foi ruim, mas depois foi bom, então é legal que existe o registro.

6 on 6 Dezembro: Tchau, 2017

03. E Dorothy, gente… Dorothy foi um presente inesperado INCRÍVEL que ganhei e amei demais (contei a história num post, inclusive). Mas eu resolvi colocá-la não só por isso, mas por causa da blusa Tribruxo que ela está usando para representar um rompimento. Graças à participação de Johnny Depp na saga de Animais Fantásticos eu rompi parcialmente laços com esse mundo mágico que tanto amo e, a partir de agora, não assistirei mais aos filmes. Isso é MUITO triste porque amei demais o primeiro, esperei muito por tudo isso, tá sendo difícil mesmo de chorar. Sou fã de Harry Potter há 17 anos! Mas eu decidi que meus valores e as coisas nas quais acredito são mais importantes que quatro filmes, então seguimos escolhendo “entre o que é certo e o que é fácil”!

6 on 6 Dezembro: Tchau, 2017

04. E daí que a qualidade da foto tá ruim? Isso não importa! O que importa é que ela representa a melhor coisa que aconteceu não só em 2017, mas desde que nasci! Ter adotado a Arwen, literalmente, salvou a minha vida, e não existe nadinha que eu ame nesse mundo mais do que ela. Essa gatinha trouxe só coisas boas e eu espero conseguir ser pra ela metade da alegria imensa que ela é pra mim…

6 on 6 Dezembro: Tchau, 2017

05. Teve uma *brusinha* no 6 on 6 de janeiro com o que eu queria de bom para o “ano novo”, então achei justo ter também em dezembro para representar o que realmente rolou! A frase “A vida é doce perto do oceano” resumiu as duas viagens MARAVILHOSAS que eu fiz pro Rio, uma incrível em fevereiro e a outra epifãnica em agosto, onde eu ri e sorri tantas vezes que não dá nem pra contar. Ah, como eu quero voltar em 2018…

6 on 6 Dezembro: Tchau, 2017

06. Vocês tão cansados de ouvir de falar da minha lojinha? Espero que não, porque é provável que eu não me cale sobre ela jamais! Eu sempre tive vontade de ter um “produto Expresso Rosa” e só fui perceber que já tinha conquistado isso com meus cadernos artesanais bem depois de eles já estarem espalhados por aí. Cheguei a “projetar” a loja ano passado e nunca foi pra frente, mas dessa vez rolou e estou AMANDO! Espero conseguir produzir cada vez mais! Essa foto é dos quatro cadernos atuais da linha “Biblioteca Mágica”, inspirados em Harry Potter, que eu quero continuar aumentando porque tô fervilhando de ideias. E, oh, fiquem de olho que daqui uns dias terá sorteio de fim de ano no Instagram do Potter Club com um deles…

Agora não deixem de conhecer os outros participantes do 6 on 6: Igor, Lucas, Maíra e Renatinha!

Blogmas 2017

Escrevendo aqui, pela milésima vez

Em 05.12.2017   Arquivado em Escrevendo

De acordo com o painel de controle, e esse danado não falha, esse é milésimo post que estou escrevendo no Sweet Luly. De cara a gente se surpreende e acha muito, mas por outro lado, cá entre nós… Em treze anos (e meio) eu poderia ter feito melhor, né? Isso dá o que, menos de sete por mês? Não vou nem fazer as contas exatas, que é pra não me decepcionar comigo mesma… O que tenho feito muito ultimamente, sem motivo nenhum.

Porque se parar pra pesar o jogo todo dá pra ver que, no fim das contas, mil publicações é mesmo sair ganhando. Quando isso aqui começou eu tinha internet discada em casa, bastava o plano de minutos do mês estourar e nosso telefone desligava, me impedindo de blogar o tanto que queria. Depois teve a pausa do vestibular e as várias da faculdades, principalmente quando o final do semestre começava a apertar. E TCC então? Gosto nem de lembrar! Mas aí passou, e depois que passou ainda assim não deu pra manter o ritmo que o planejamento da agenda previa. Se a crise de ansiedade bate, a página em branco se torna um tormento mesmo que as ideias estejam fervendo aqui dentro. TUDO é feito de altos e baixos, e a “arte” de escrever obedece essa regra também.

Diante desse momento “comemorativo”, outro dia eu estava dando uma revisada e formatando as postagens do início, nos anos de 2004 e 2005. Elas eram cheias de “plakinhas” e gifs que, enquanto eu tentava resgatar (alguns até consegui), me fizeram descobrir que a coisa que a Luly adolescente mais amava NA VIDA eram blogs. Minha maior diversão se resumia em “trabalhar” no Expresso Rosa, que hoje é loja de cadernos mas na época era template shop. Eu levava aquilo MUITO a sério, mesmo que praticamente ninguém usasse o que eu fazia. Me esforçava ainda que não tivesse nada vindo em troca. E fico pensando em algumas coisas que ainda faço por amar, e têm esse mesmo objetivo de ser apenas um prazerzinho… Só que lá era PRAZERZÃO, e desde que fiz essa pequena volta no tempo deu uma vontade danada de resgatar a vontade em crescer mesmo que seja só por mim mesma.

Em algum momento irei revisar a partir de 2006 também. Vou ver esse hobby perder força à medida que a faculdade for se aproximando. Vou ver os textos “querido diário” se transformando em artigos. Vou me ver ficando loira e depois morena de novo, querendo ser patricinha e depois metida a rockeira. Vou ler sobre amores que não existem mais, amizades que vieram e se foram, trocas de armação de óculos que amei comprar e mais ainda me livrar delas. Vou formar no colégio e depois na faculdade, contar histórias que acho que conheço mas que com esse novo velho ponto de vista vou conhecer ainda mais. Fico sempre falando a quatro ventos que tenho uma ótima memória, e vai ser um tapa na cara descobrir que na verdade não lembro de um monte de coisas e aí, consequentemente, passarei a lembrar.

Acho de verdade que vou entrar tão a fundo nessa cabecinha que vai parecer uma longa sessão no sofá da minha psicóloga. Tenho certeza que vou me estranhar e reconhecer tantas vezes que vai parecer uma gangorra mental. Às vezes por cima, outras por baixo e em mais algumas parada no meio termo, sem saber pra que lado a coisa vai tender. Vou revisitar mil Lulys diferentes, literalmente, que evoluíram e regrediram ao mesmo tempo enquanto iam escrevendo palavras que nem com muita paciência teria como contar!

Vou sentir saudades de cada uma delas e de seu blog querido, torcendo para que novas Lulys um dia sintam saudades de mim também.

É que por mais que eu seja a mesma e esse endereço seja o mesmo, nada em nenhum de nós dois é imutável. Aliás, muito pelo contrário! O objetivo é esse mesmo, evoluir, expandir, se adequar. “Prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo.”¹, sabe? Uma pessoa que há alguns anos atrás dizia detestar política e agora vai pra rua gritar e pras páginas que acha confiável se informar. Um mulher que antes julgava as outras e agora quer ao máximo apoiá-las. E ao mesmo tempo mantendo coisinhas como a cor e o filme favoritos desde de 1990 e poucos. Imagina só, ter boa parte das grandes diferenças e pequenas semelhanças registradas num mesmo endereço pra poder embarcar nelas sempre que quiser? Fico feliz em saber que pra mim isso é possível.

Eu tenho vários lugares favoritos. Lugares físicos, mesmo. Se você perguntar o número um entre todos eles direi a Praça da Liberdade, aqui em Belo Horizonte, sem precisar pensar ou hesitar por um segundo. Depois posso listar mais um monte, desde o prédio da faculdade onde estudei até algo bem mais longe, onde rolou alguma viagem inesquecível. Vou falar de espaços abertos, cheios de desconhecidos cujas vozes compunham a “trilha sonora” local, ou de um móvel específico dentro de um quarto fechado, onde uma pessoa só era presença suficiente e respirações ofegantes o som ambiente ideal. Mas se tiver que refletir sobre um “refúgio”, sobre pra onde vou correr quando precisar me escancarar e esconder, não vai ser possível marcar essa localização no Google Maps. Esse “lugar” vai ser o www (ponto) Sweet Luly (ponto) Expresso Rosa (ponto) com.

Escrevendo aqui, pela milésima vez
Luly 2004: um dia após meu aniversário de 14 anos, escrevendo pra contar como tinha sido a festinha, e alguns elementos que marcaram esses 13 anos e mil posts em volta “dela”!

Esse post foi inspirado na proposta #16 do Creative Writing Prompts, que oferece mais de trezentas ideias legais para desenvolver sua escrita criativa. É o 16º entre os 25 que me propus a escrever até outubro de 2018.

¹ Raul Seixas. Metamorfose Ambulante. Krig-ha, Bandolo!, Brasil: Philips Records, 1973. Lado A, Faixa 3.

Blogmas 2017

Paleta de sombras de Meninas Malvadas

Em 04.12.2017   Arquivado em Beleza

Se preparem, porque vocês estão prestes a ver o lançamento mais BARRO desse natal! A Storybook Cosmetics, em colaboração com a Paramount Pictures, lançou uma paleta de sombras inspirada no clássico do cinema teen americano dos anos 2000 “Mean Girls” (no Brasil, Meninas Malvadas)! Pra quem não acompanhou o hype pode não fazer muito sentido essa empolgação, mas esse filme, estrelado por Lindsay Lohan no auge da sua carreira, realmente foi um marco pras adolescentes da época! Só quem viveu o momento sabe como era alugar o DVD na locadora e repetir a cena de “Jingle Bells Rock” inúmeras vezes até decorar a coreografia. Eu, por exemplo, sei de cor até hoje!

Mas o mais legal de Meninas Malvadas é que finge ser um filme bobo de patricinhas no colégio, mas vai MUITO além disso. Ele é um tapa na cara da sociedade nas críticas sobre bullying, preconceito e a soberania das famosas “queen bees” que pisam em todo mundo sem sofrer as consequências. É divertido, cheio de personagens e expressões que foram eternizadas, e com uma BAITA lição de moral sobre como destruir alguém não te torna mais feliz. Eu já falei aqui no blog várias vezes de como ele é um dos meus favoritos e cheguei no meu ápice ao fazer réplicas do Burn Book (o “Livro do Arraso”) delas pra vender na minha lojinha. E é essa mesma capa que temos na própria paleta de sombras, como não poderia ser diferente! Rola até de colocar na estante, ao invés da penteadeira, pra se sentir parte das Poderosas.

Paleta de sombras de Meninas Malvadas

Vou ser bem sincera com vocês: eu raramente uso sombras coloridas ou sequer faço qualquer tipo de maquiagem elaborada nos olhos. Meu “obrigatório” é máscara de cílios, em dias com mais tempo rola um delineador. Se quero ficar bem bonitinha e não é um evento tipo festa à noite uso lápis bege na linha d’água e o tipo de sombra que gosto de verdade, que é iluminadora, nos cantinhos internos. Mas ao mesmo tempo… Fala sério! Ela ficou MARAVILHOSA! Além disso as maquiagens da marca não são testadas em animais, é 100% cruelty free.

Minha parte favoritas é que as sombras têm nomes divertidos pensados para lembrar os melhores momentos do longa como “October 3rd”, “It’s Butter a Carb?”, “Grool” e “Wednesday” – essa última obviamente é um rosa marcante! Minhas cores favoritas foram a “The Plastics” já que branco é o tipo de sombra que mais uso, “Regina George” que é um rosinha com brilho que dá pra iluminar também e a “Glen Coco”, um personagem quase insignificante que acabou virando um ícone do filme e tem um tom de marrom ótimo pra fazer o côncavo. E como se não bastasse debaixo do espelho vem a expressão “You are like, really pretty”, um dos milhões de momentos bitch da Regina George que nesse caso acaba tendo um significado super fofinho!

Paleta de sombras de Meninas Malvadas

A paleta com doze cores está sedo vendida na loja virtual da Storybook Cosmetics por U$55,00. De acordo com o post do Hypeness (obrigada pela indicação, Luke!) o frete é U$19,90 aqui pro Brasil. São preços até bacanas? São! Mas convertendo pro real acaba saindo uma facada, né? Infelizmente pra mim vai ficar só no desejo… Mas se você tá atrás de produtos inspirados em Meninas Malvadas mais acessíveis dêem uma conferida também no caderno “Burn Book” do Expresso Rosa (ou seja: minha loja!), na camiseta de mesma inspiração da Cia do Ponto e na vela que leva o nome do filme da Unicorn Candles. São três pequenos produtores que podem ser opções incríveis pra comprar de quem faz agora no fim de ano!

As imagens desse post foram retiradas do site oficial da Storybook Cosmetics em 16/11/2017.

Blogmas 2017

Página 4 de 512345