Diálogo

Em 04.12.2018   Arquivado em Escrevendo

Diálogo

– Boa noite, tudo bom?

– Boa noite! Olha, você trabalha aqui?

– Aham…

– Ah, legal.

– …

– Nossa eu esqueci seu nome!

– Não tem problema…

– Mas e aí, e a faculdade? terminou?

– Não, troquei de curso. Termino agora em dezembro.

– Aquela sua amiga tá trabalhando lá na escola, lembra dela, a Ana?

– Claro que lembro, ela era minha amiga!

– …

– Eu vi que ela tá lá, no Facebook dela.

– Huuum… Valeu a pena aquele tanto de recuperação que dei nocês, né?

– Na verdade, não. Aqui, deu duzentos e vinte e cinco.

– Aqui, oh. Passa no débito mesmo…

– …

– Não conhecia essa boate, é nova?

– Não, já tem um ano e meio.

– Nossa, não conhecia. Você trabalha aqui tem muito tempo?

– Você quer sua via?

– Pode tirar, sim!

– Eu só trabalho aqui de vez em quando mesmo. Tá aqui, obrigada!

– ‘Brigado você, boa sorte aí!

– ‘Brigada!

– – – – –

– Quem era aquele cara?

– Professor de matemática…

– AQUELE que você sempre fala?

– AQUELE mesmo!!!

– Vixe!

Esse post foi inspirado nas propostas #12 e #136 do Creative Writing Prompts, que oferece mais de trezentas ideias legais para desenvolver sua escrita criativa. É o 24º entre os 30 que me propus a escrever até julho de 2020 e algumas das falas que estão nele são “baseadas em fatos reais”…

Millennium: A Garota na Teia de Aranha

Em 03.12.2018   Arquivado em Filmes

Millennium: A Garota na Teia de Aranha (The Girl in the Spider’s Web) *****
O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos Elenco: Claire Foy, Sverrir Gudnason, Sylvia Hoeks, Andreja Peji, Cameron Britton, Lakeith Stanfield, Stephen Merchant, Synnøve Macody Lund, Vicky Krieps
Direção: Fede Alvarez
Gênero: Drama, Ação
Duração: 115 min
Ano: 2018
Classificação: 16 anos
Sinopse: “A jovem hacker Lisbeth Salander (Claire Foy) e o jornalista Mikael Blomkvist (Sverrir Gudnason) se veem em meio à uma teia de corrupção, espionagem e intriga internacional, juntando forças para combater uma nova e terrível e ameaça.” Fonte: Filmow (sinopse e pôster).

Comentários: A Série Millennium do sueco Stieg Larsson é composta de três livros escritos pelo autor e outros dois por David Lagercrantz, que conseguiu os direitos autorais da obra após a morte de seu criador através de um convite da própria editora. Além de adaptações da trilogia original na Suécia, muito elogiadas, as versões hollywoodianas também chegaram aos cinemas nos últimos anos. O primeiro, “Os Homens que Não Amavam as Mulheres” saiu em 2011 e narra o início da história, baseado no primeiro romance de Larsson. Agora, porém, Lisbeth está de volta aos cinemas em um novo longa, dessa vez inspirado no livro que deu a Lagercrantz a oportunidade de continuar contando suas aventuras: A Garota na Teia de Aranha.

Lisbeth Salander é uma hacker que tem como objetivo defender e vingar mulheres de seus abusadores, seja esse abuso físico, psicológico ou sexual. Nesse contexto, vivendo sua vida reclusa de anti heroína, ela é contactada por Frans Balder, criador de um programa de computador chamado Firefall que dá acesso a um imenso arsenal bélico e está sob poder do governo dos EUA. Balder percebe o risco que seu programa traz e mesmo sendo o único com total capacidade de acessá-lo, não quer de modo algum que seja utilizado. Ao mesmo tempo, precisa proteger a si mesmo e ao filho, que é autista. Lisbeth consegue realizar o trabalho, mas é roubada logo em seguida, dando a si mesma a nova missão de recuperar o que foi tirado dela e de seu cliente. Para isso, ela conta com a ajuda de Mikael Blomkvist, com quem já viveu histórias passadas. O que ela não esperava era ter que reencontrar os fantasmas de sua infância no processo…

A Garota na Teia de Aranha

A Garota na Teia de Aranha: imagem via The Seattle Times

A primeira coisa que reparamos nessa nova adaptação de “Millennium” para os cinemas é a presença de Claire Foy como a nova Lisbeth. Depois de ficar marcada pelo público como a Rainha Elizabeth nas duas primeiras temporadas da série “The Crown”, é difícil enxerga-la de outra forma, PRINCIPALMENTE uma personagem tão visualmente diferente. A impressão que dá é que temos o rosto dela “recortado” e colocado no corpo de outra pessoa! Mas isso não significa que a atriz não dê conta do recado. Com sotaque forte e sempre expressiva na medida certa, ela traz a imagem solitária e alternativa de forma coerente. Já no caso de Gudnason como Mikael Blomkvist ficou um pouco mais difícil fazer a “leitura” do jornalista por parte das pessoas que, como eu, não leram ou assistiram mais nada da série. Ainda assim isso não parece ser culpa do ator ou mesmo do roteiro, já que de acordo com uma amiga minha que gosta da história (e assistiu comigo), esse é um livro onde ele, de fato, não tem tanta relevância quanto os outros.

No que diz respeito à ação, tem tudo o que o público pode querer! Alguns erros de coerência aqui e ali, claro, mas no geral explosões, tiros, perseguição e corridas de carro pra lá e pra cá acontecem o tempo todo, cada uma em seu momento específico. O drama fica por conta do reencontro da protagonista com seu passado, onde ela se vê num momento de lidar com razão e emoção à flor da pele, e na figura do filho de Balder, com quem acaba criando um rápido laço ao protegê-lo daqueles que estão atrás do programa de seu pai. Como adaptação, pelos comentários que li, parece fiel ao “grosso” da história, sem dar muita margem para uma continuação que poderia estar por vir, mas logicamente com seus erros de percurso. Por aqui, sendo apresentada à saga pela primeira vez, devo dizer que cumpre o que propõe no trailer (que eu já tinha visto antes de saber do que se tratava e me deixou SUPER curiosa) e na divulgação de um modo geral. Fiquei com vontade de assistir ao filme que foi lançado anteriormente, onde a temática principal dos livros de luta contra o abuso de mulheres é mais retratado, já que esse acaba envolvendo um pouco mais a máfia e a vida pessoal de Lisbeth.

Por fim, um adendo muito interessante que vale a pena reparar: os suecos dão MUITO valor para marcas nacionais, na vida deles isso é prioridade MESMO! Por esse motivo a gente vê a presença forte da Sony nos gadgets que estão em cena, como computadores, câmeras e celulares. Os carros também são, em grande parte, da Volvo, e é algo que não muda em nada no enredo em si, mas fica como curiosidade sobre a cultura do país onde a série nasceu!

Leia também: A Garota do Trem, filme com Emily Blunt que é uma aula sobre relacionamentos abusivos e gaslighting!

Trailer:

A Garota na Teia de Aranha: 8 de novembro nos cinemas

Então é natal… E o que o blog fez?

Em 02.12.2018   Arquivado em Blog

Eis que mais uma vez começa John Lennon a perguntar “Então é Natal… E o que você fez?”¹ para todos os lados e, é, eu não sei muito bem se sei responder a essa pergunta esse ano. A primeira coisa que vem à cabeça, aquela automática que a Luly Negativa insiste em acreditar, é “Nada!”, mas FELIZMENTE a Luly Positiva vem logo desmentir isso. (Essa é a especialidade dela, são inimigas mortais.) Porque na minha vida “aqui fora” eu passei muito tempo sem progredir ou regredir, mas também sem parar um segundo! Digamos que foi uma dança do caranguejo, de um lado pro outro, onde muita coisa deu errado (e põe “muita” nisso), mas tantas outras deram certo… Decidi um novo rumo a ser tomado na minha vida, organizei o evento que era meu sonho (foi maravilhoso!), comecei aprender a ficar calada quando é melhor e a falar sem pudores quando necessário, e pretendo melhorar nisso.

Mas aqui no blog esse foi, definitivamente, o melhor de todos os anos!

Então é natal...

O Sweet Luly completou 14 anos no ar em junho, e fez jus ao fato de que esse é meu número favorito! Junto com minha lojinha, eu consegui fazer dele uma fonte de renda que não só se mantém no ar (que sempre foi meu objetivo), mas também começou a me trazer alguns bons lucros. Recebi coisas incríveis de marcas incríveis, conheci outros blogs e, consequentemente seus respectivos blogueiros, que entraram pra ficar na lista de queridinhos, finalmente coloquei meu Midia Kit no ar. No canal do Youtube só tive 4 meses de constância, mas minha edição melhorou muito e consegui não só definir novos rumos que quero dar pra ele em 2019, como também tive alguns que foram ao ar nesse tema e me encheram muito de orgulho. E, provavelmente minha parte favorita, através de ações de divulgação e pré estreia de filmes para as quais fui convidada (e outras idas ao cinema pagas com meus amados Dotz), escrevi posts sobre filme que chegaram no meu ideal de qualidade! Esse assunto se tornou muito frequente aqui e meus olhos se enchem de amor quando, nos comentários, aparece alguém dizendo que gostou, que tá excelente, que mal pode esperar pela próxima ou pelo minha opinião em outro filme específico. Isso fez com que eu me apaixonasse tanto por resenhar a sétima arte que pretendo aumentar ainda mais esse fluxo daqui pra frente.

Quem diria, a menina que uns anos atrás postava um único parágrafo sobre o filme que viu, tecendo apenas comentários vazios… Crescimento é tudo, né?

E já que na sétima tá indo tudo de vento em polpa, é hora de investir nas outras artes, não é mesmo? Minha meta de vida de estudar (e, se tudo der certo, ENSINAR) História da Arte fez reacender em mim o amor por arte plásticas que sempre tive, tanto que me fez ter essa área como a única na qual me vejo realmente trabalhando, seja restaurando ou o que mais vier. Eu quero, quero muito, produzir bons textos sobre arte pra cá, apresentando artistas, estilos, técnicas, exposições e tudo mais o que eu puder. Já comecei, beeem devagarzinho, a fazer isso nos Stories do meu Instagram, e receptividade foi enorme (yey!), então espero que aqui, no meu lugar favorito no mundo, seja assim também. Alguns outros, maiores, estou guardando pra transformar em publicações acadêmicas, mas nem só de textos sérios a gente vive, e na minha vida, confesso, quanto mais informal, mais “conversinha” for, melhor. Ah, como a Luly de 10 anos atrás ficaria orgulhosa se visse isso acontecer, porque já era uma vontade, só faltou a maturidade pra fazer acontecer. De certa forma, ainda bem!

(Mas fica só como meta pós-virada mesmo, depois do Natal, porque estamos em pleno BLOGMAS, pela segunda vez e como sempre atrasada, hahahaha!)

Esse texto é resultado do Desafio Surpresa United Blogs, onde formos perguntadas qual eram as três principais metas para o blog em 2019. Após responder, fomos desafiadas a fazer um post falando sobre uma ou mais delas, e minha terceira foi “Escrever posts bons sobre arte”!

¹ John Lennon & Yoko Ono. Happy Xmas (War Is Over). Nova York: Apple Records, 1971. Single.

Ano novo, telefone novo!

Em 01.12.2018   Arquivado em Publicidade

Se teve uma coisa que fez meu 2018 MUITO MELHOR como produtora de conteúdo, foi a oportunidade de ter trocado de celular nessa última virada de ano. Já comecei o novo ciclo com uma câmera potente pra produzir vídeos e fotos, mais espaço de armazenamento pra essas coisas e, claro, tecnologia que aceitava uma gama maior de aplicativos e roda melhor os que eu já tinha, ou poderia ter. Porém, a gente já sabe, investir em gadgets de qualidade É CARO, principalmente aqui no Brasil onde temos impostos altíssimos! Por isso uma solução econômica (e, de certa forma, até mesmo mais ecológica) é comprar celulares usados em bom estado, até mesmo semi novos, em lojas confiáveis onde o produto vem com garantia, como a MaisBarato Store.

E pros loucos pela Apple isso significa, claro, iPhone mais barato! O smartphone mais querido do mundo não tem esse título à toa, né? A câmera é de excelente qualidade, software e hardware são excelentemente integrados – principalmente pelo fato de serem projetados pela mesma empresa -, além da interface ser absolutamente LINDA! Isso sem falar na App Store, né? Os programadores costumam desenvolver uma quantidade maior de aplicativos para iOS, que é um sistema muito mais exigente no quesito segurança. É só pensar no Instagram, por exemplo, que levou ANOS sendo de uso exclusivo desses usuários até expandir essa possibilidade para a “concorrência”… Hoje em dia a gente nem lembra desse fato mais, mas na época ter um perfil na nosso rede social queridinha era um luxo…

Pessoalmente eu também gosto muito do layout de algumas versões do telefone, como o IPhone 7 que tem a opção rosa no tom que eu mais gosto para dispositivos eletrônicos… Tanto que meu celular, mesmo não sendo esse modelo, é dessa cor. A MaisBarato tem ele, seminovo, nas versões 32, 128 e 256GB. Como a memória dele não é expansível, até vale a pensa avaliar a possibilidade de investir de cara no armazenamento mais potente, e depois é só curtir com ele por aí!

Iphone MaisBarato

Conheça a MaisBarato Store: Facebook: @maisbaratostore | Instagram: @maisbaratostore

O Conto de Natal

Em 24.12.2017   Arquivado em Escrevendo

O Conto de Natal

A campainha tocou pela terceira vez em menos de meia hora lá em baixo. Eu estava com o rosto quase grudado no espelho, segurando meus cílios postiços emplastados de cola, esperando ela secar, então só dei uma olhada pro lado, como se pudesse enxergar através das paredes, e voltei a atenção para meu reflexo quase imediatamente. Enquanto posicionava tudo no lugar ouvi risadas, seguidas de um grito que não soube identificar se era de raiva ou alegria. Só sabia que a voz que o produziu era de uma criança. Laurinha, com certeza. Fiquei feliz em saber que ela tinha chegado… Por ser a neta mais nova não importava se era natal ou outra data qualquer: vovó só sentia que a festa tinha começado quando aquele rostinho sorridente cruzava a porta de entrada.

Enquanto retocava o delineador do olho esquerdo, a porta do meu quarto abriu abruptamente e ela entrou, com a voz muito chorosa. Logo depois vinha Diego, com um sorriso de vitória no rosto que só podia significar que havia tirado a menina do sério. Ele tinha seis anos quando ela nasceu, “tirando” seu posto de caçula e gerando muitos ciúmes. Desde então um de seus objetivos de vida era causar nela o maior número de lágrimas possível.

– Lola… – ela dizia as palavras entre soluços forçados – Lola, diz pra ele que é o Papai Noel de verdade!

Guardei minha bolsa de maquiagem virando os olhos pra situação. Não era POSSÍVEL que um garoto que se gabava diariamente de ter entrado na adolescência e até já “perdido o BV” estava implicando com uma criança por causa de PAPAI NOEL! Olhei para ele colocando as mãos na cintura, o que o fez começar a pronunciar as desculpas esfarrapadas ensaiadas:

– Eu não falei que ele NÃO EXISTE, só disse que aquele lá não é o de verdade…

– É SIM! – Ela gritou se colocando de pé em cima da minha cama, então corri não só pra amenizar a briga como também para tirar aqueles pés calçados de cima do meu lençol recém trocado.

Nem era preciso explicações sobre a qual Papai Noel eles se referiam. Algum dos prédios vizinhos tinham pendurado um em tamanho natural na manhã anterior. Vovó e eu ficamos observando muito agoniadas com medo de o moço que estava fazendo isso cair de lá de cima, e ao mesmo tempo adoramos a notícia justamente porque sabíamos que nossa pequenina ia vibrar vê-lo ali. Dei uma última olhada no espelho e saí do quarto arrastando os dois junto, segurando o pulso de Diego com uma força que indicava “Pára com isso!” e tranquilizando nossa priminha, dizendo que ele estava apenas tentando irritá-la e que o “bom velhinho” já estava ali sim senhorita, esperando para presenteá-la com a Barbie Sereia que havia pedido.

Eu mudei para a casa dos meus avós cinco anos atrás, pra fazer faculdade. Meus pais moram em Ipatinga, a uns 200 km de Belo Horizonte, vim pra cá quando passei no vestibular. Minha ideia inicial (e muito iludida) era procurar um lugar só meu assim que me formasse, o que aconteceu no meio do ano, mas os três meses de desemprego e o salário baixo que recebia ao finalmente conseguir um trabalho não me permitiam sequer pensar nisso. Sem contar que meus avós estavam começando a ficar bem velhinhos, sempre precisando de alguém para levá-los ao médico, pegar algo no alto do armário e correr para comprar qualquer coisa no supermercado, então minha presença acabou sendo útil… Agora a intenção de ir embora é quase zero!

Por esse motivo eu acabo convivendo muito mais com o resto da família do que qualquer um deles entre si. Ao longo da semana meus tios e primos vêm aqui algumas vezes, para buscar correspondências, ver como estão as coisas ou mesmo “bater ponto” e não se arrepender de estar ausente daqui um tempo, quando os dois já não estiverem vivos. É bem fácil perceber quais se encaixam no último grupo. Enfim… Essa noite eu pretendia estar pronta antes de todo mundo chegar, mas fiquei no quintal com vovó batendo papo sobre nada, então já tinha muita gente quando desci as escadas, cada um colocando o que tinha levado na mesa. Meus pais e meu irmão tinham chegado na casa do meu padrinho bem cedo, mas eles esperaram para ir todos juntos. Estavam lá mais dois casais de tios, pais de Laurinha e Diego, além do irmão mais velho dela, Gabriel, que nasceu exatamente um mês antes de mim. Nós dois passamos a infância inteira esperando por férias e feriados para encontrar quando eu vinha pra cá, para poder brincar juntos. Somos meio que melhores amigos.

– Olha quem tá aqui! Feliz natal, Coisinha! – Meu irmão me tirou do chão ao me abraçar. Depois dele ouvir outras sete vozes repetindo “Feliz Natal, Lola” em menos de um minuto.

Quando Diego era bebê e não conseguia pronunciar “Aurora” direito, me chamava apenas de “Lóla”. Assim que me via cruzando a porta balançava seus bracinhos gorduchos gritando “Lóla! Lóla! Lóla!” com muita empolgação. Logo depois tia Clarinha, mãe dele, me presenteou com uma jaqueta onde havia a personagem Lola Bunny, dos Looney Tunes, estampada nas costas. Desde então a família inteira só me chama assim. Eu me irritava no início, sempre gostei de ter um nome que não dava muita brecha para apelidos, mas quando Laurinha nasceu foi uma das primeiras palavras que aprendeu a falar, logo depois de “mamã” e “cacágu” (que significava “água”), e passei a gostar, apesar de nunca deixar essa mania sair da família e passar para os meus amigos.

O resto do pessoal chegou na hora seguinte. Nos últimos dois natais tinha um sentimento de “Será que é o último?” no ar, todos temiam que um dos nossos avós fosse morrer a qualquer momento, então ninguém abria mão daquela noite. Bom, na verdade uma pessoa abriu dessa vez: tio Jojo. Ele tinha “saído do armário” (finalmente!) nove meses atrás ao apresentar o namorado pra todo mundo. Bastou uma única e longa conversa comigo para vovó aceitar, mas meu avô e dois dos tios ainda se recusavam a olhar na cara dele. Agora ele só vinha quando não tinha mais ninguém por lá (vovô se fechava na sala de televisão até ele ir embora) e sabe-se lá onde estava fazendo sua ceia… Eu sentia saudades e ódio de todo o resto só de pensar nisso!

Olhando ao redor da mesa, todo mundo sentado espremidinho em cadeiras e bancos improvisados, me vinha nos peito uma mistura de alegria e hipocrisia. Eu estava feliz em ter papai, mamãe e Augusto, meu irmão, ali comigo. Vovó também, já que ela é minha pessoa favorita no mundo, e eu até amava o vovô, mas o culpava de não ter meu tio mais querido ali. Gosto dos meus primos, uns mais que outros, e algumas tias. Mas todos os meus outros tios (e uma prima mais distante) eram nada além de parentes pra mim. Me dava raiva ouvir de longe os comentários machistas e preconceituosos que eram camuflados na conversa aqui e ali. Minha vontade era bater boca contra aquela babaquice toda, mas foquei na presença de Laura em meu colo, com seu prato encostadinho no meu me contando várias novidades infantis enquanto nossos braços lutavam para conseguir comer ao mesmo tempo.

Nós temos algumas tradiçõezinhas pra data, seguidas todos os anos. Todo mundo senta pra comer às 22h, em ponto, e quando faltam 15 minutos para meia noite rola uma oração e um “Parabéns pra você” para o “Menino Jesus”. Já faz anos que não sigo religiões, mas não me importo em continuar fazendo isso. Vovô então faz um discurso e assim que o relógio bate a meia noite corremos para a árvore para trocar presentes, independente se tiver terminado ou não… Na verdade o combinado é esse, mas ele sempre consegue dizer tudo a tempo, provavelmente de propósito. Dessa vez, porém, assim que a oração terminou, ele saiu alegando que precisava ir ao banheiro e pediu que a gente continuasse na sua ausência por causa das crianças. Na hora do discurso passamos a palavra para vovó, mas ela não sabia o que dizer e pediu ao meu pai que fizesse isso. Ele, por sua vez, jogou a bola pra minha mãe, que conseguiu até se emocionar com o que disse – e alfinetar cada um dos responsáveis por não sermos mais uma família completa. Alguns, eu entre eles, fizeram questão de aplaudir quando ela terminou exatamente quando devia terminar

Foi quando começamos a ouvir fogos de artifício sendo jogados ao céu do lado de fora. Laurinha largou minha mão, correndo desesperada, e abriu a cortina, com a boca aberta de excitação. Fomos assistir também e, quando parei ao seu lado, ela disse para mim, sorrindo:

– É o Papai Noel!

Passamos cinco minutos admirando o show pirotécnico que acontecia ali, até ouvir a porta dos fundos bater. Quando olhamos para trás a árvore de natal estava bem mais cheia do que antes. Fomos correndo conferir o que tinha sido deixado , gritando uns aos outros para que cada presente chegasse ao seu dono o mais rápido possível. Acho que ninguém além de mim reparou quando vovô entrou de mansinho com as chaves na mão e parou apoiado em meu ombro, para receber um pacote com seu nome que estava na minha mão. De fato, e apesar de tudo, um bom velhinho tinha trazido para cada um de nós um pouquinho mais da magia do natal.

E assim termina o Blogmas 2017: com um começo! Na série “Contos de Aurora” vou mostrar pra vocês a trajetória dessa nova personagem ao longo de algumas datas importante do ano. Em alguns momentos irei improvisar, em outros já sei exatamente o que fazer. O destino dela? Só o tempo dirá! Feliz natal!

Blogmas 2017

Página 3 de 812345678