Analisando Harry Potter: O Trio

Em 04.03.2011   Arquivado em Harry Potter

Já faz um bom tempo que decidi criar uma série de posts sobre a saga de livros “Harry Potter”, mas fui adiando. Meu objetivo era que começasse logo depois da Parte 1 de Relíquias da Morte e terminasse antes da Parte 2, não sei se vai dar, mas vamos ver!!
– Acho que a maneira como eu deveria COMEÇAR é pelo trio protagonista (sim, porque é um TRIO, e não uma dupla de heróis acompanhados de um palhaço): Harry, Rony e Hermione, analisando suas características individuais e em grupo. Tem muito sobre eles que quero falar porque gosto dos três demais, e espero que as pessoas que não leram os livros, mas gostam dos filmes, possam FINALMENTE entender a função de cada um deles.

HarryRonMione

Harry

“Dumbledore e a Profa. Minerva curvaram-se para o embrulho de cobertores. Dentro, apenas visível, havia um menino, que dormia um sono solto. Sob uma mecha de cabelos muito negros caída sobre a testa eles viram um corte curioso, tinha a forma de um raio.”
Harry Potter e a Pedra Filosofal, pg. 18. Capítulo 1 – O menino que sobreviveu

– Harry é um personagem que gosto muito, mas não me importo quando as pessoas não gostam dele PELOS MOTIVOS CERTOS. Como herói as pessoas pensam que ele deve ser o tempo todo maduro, esperto, simpático e inabalável. Mas ele não é. É arrogante, irritado, sempre com certeza de si mesmo e um adolescente. Mas, mesmo assim, Harry é meu herói, e como J.K. Rowling eu o defendo até o fim, porque fiquei com ele até o fim.
Se chegam para mim e falam que não gostam do Harry por uma antipatia natural a protagonistas, pela mania de achar que tudo o que ele põe na cabeça é verdade (e muitas vezes se ferrar depois) e pela arrogância, para mim sem problema. Porém me dá muuita raiva de quem não gosta dele por sentir raiva de tudo em “Ordem da Fênix” (ele era adolescente, meu Deus, aposto que você também era assim aos 15 anos) ou por causa da péssima atuação de Daniel Radcliffe. Eu tenho uma paixão pelo Daniel e não aceitaria outro Harry, porém admito que não trabalha bem, mas não é culpa do personagem que o garoto teve que aprender a interpretar na marra.
– E mesmo porque, mais que defeitos, Harry tem qualidades. MUITAS. Ele é extremamente corajoso e bom. O fato de querer salvar Draco e Goyle no final de “Relíquias da Morte” ou de usar feitiços inofensivos em momentos em que está em grande risco mostra isso. Ele tem também um bom humor sarcástico que eu adoro, principalmente quando fala sobre/com o Snape, é amigo a ponto de se sacrificar a qualquer custo e nobre. Uma nobreza que as vezes irrita, mas que mostra o quanto nosso herói favorito tem valor.
Eu acho que Harry merece toda e qualquer alegria e aceitação que teve depois da guerra. E acho que ele merece alguém como Gina Weasley do lado dele. E se você aí não gosta da Gina… Vá ler os livros e ver o quanto ela é fantástica, e depois eu pretendo falar do romance deles!!

Rony

“Ela apontou o último filho, o mais moço. Era alto, magro e desengonçado, com sardas, mãos e pés grandes e um nariz comprido.”
Harry Potter e a Pedra Filosofal, pg. 84. Capítulo 6 – O embarque na plataforma nove e meia

– Ronald Weasley é meu personagem favorito da série, e de toda a história da ficção!! Muita gente não entende a “função” de Rony no trio, mas ela é clara e simples. Se Harry simboliza os músculos (MUITO metaforicamente) e Hermione o cérebro (não tão metaforicamente assim), Rony é o coração, que bombeia “sangue limpo” para que os outros funcionem e possam trabalhar juntos. Sem ele não existe trio. Uma prova clara é a época em que Harry e Hermione ficam sozinhos em “Relíquias da Morte”, onde o próprio Harry confessa depois que haviam dias em que os dois nem se falavam.
– Lógico que como todo ser humano, ele não é perfeito. Não acho covarde nem burro como as pessoas julgam (a maioria delas que nunca pegou um dos livros pra ler, lógico), mas é um pouco imaturo. Ou melhor: não é maduro o bastante. E tem motivos para isso. Ao contrário de Harry e Hermione, que sempre tiveram que se virar “sozinhos” no mundo bruxo, Rony tinha uma família inteira que fazia parte de todas as grandes questões que o mundo bruxo estava enfrentando, tinha aquelas pessoas para protege-lo e ninguém para proteger e, de repente, a situação se inverte e ele se perde. Além disso ele é MUITO inseguro, e esse é o pior defeito, pois causa nele, ocasionalmente, inveja e uma certa futilidade (quando ele se vê no espelho de Ojesed, por exemplo – só que ele tinha 11 anos, né, uma criança).
Mas ele é uma pessoa boa. Não TÃO boa quanto Harry e Hermione, mas muito boa. Inclusive isso de não ser tão bonzinho quanto os outros dois me faz pensar que ele seria o único que seria capaz de matar alguém com um Avada Kedavra, uma vez que não é uma questão de habilidade e sim de real vontade. Em compensação é o mais amigo dos três, corajoso (na mesma medida que Hermione), não é burro (na mesma medida que o Harry) e quando dão uma “sacudida” ele consegue ir perdendo a insegurança aos poucos. E claro, tem um bom humor invejável, sempre pronto para fazer os amigos (e a gente) sorrir!!

Hermione

“(…) O menino sem o sapo estava de volta, mas desta vez vinha com uma garota em sua companhia. Ela já estava usando as vestes novas de Hogwarts.
(…) Tinha um tom de voz mandão, os cabelos castanhos muito cheios e os dentres da frente meio grandes.”

Harry Potter e a Pedra Filosofal, pg. 94. Capítulo 6 – O embarque na plataforma nove e meia

– Ah, minha querida Hermione, que compete com Rony de pertinho no posto de personagem favorita. Que pessoa incrível ela é, não é atoa que em qualquer “seleção” ela é a personagem que assumi para “ser”, e já tive o nome dela como apelido (alguém aí me conheceu como “Mioninha”??). Hermione é fantástica e um “gênio completo”. Ela consegue ser extremamente racional e sentimental, corajosa e prudente, saber tudo e sempre descobrir algo novo, tudo simultaneamente. Muitas vezes me pergunto o motivo de Corvinal não ter sido a casa dela, inteligente como é. Mas acho que a resposta é simples… A inteligência dela é uma das faces da bravura, e não o contrário.
– Não sei se é realmente um defeito, mas a falta de humildade é uma característica negativa que as vezes causa alguns desconfortos. Responder com Hermione como dedo levantado irrita qualquer um, e quantas vezes ela brigou com Rony por saber demais… Ela é também orgulhosa. Nunca admite estar errada (isso é o fim do mundo pra ela!), seu maior medo é descobrir que falhou em algo, entra em pânico quando não concordam com ela e sua frase favorita é “eu avisei”. Mas além disso não consigo ver ver mais defeitos nela. Quero ser como ela um dia, e admito quem tem alguma parte de Hermione dentro de si.

Relacionamentos

– É LÓGICO que eu iria separar um pedaço do post para falar e defender meu casal fictício favorito e afirmar porque é tão certo que Rony e Mione fiquem juntos. Já enumerei acima o quanto Harry e Rony são humanos, com qualidades e defeitos, e quero ressaltar o fato de que Rony e Hermione são heróis na mesma quantidade: os dois são o braço direito de Harry e cada um teve uma função muito importante para que ele chegasse onde chegou. Porém os filmes da série tratam isso de forma diferente. Ali Harry é o herói, Harmione a heroína e Rony… Bom, ele é só um cara engraçadinho que tá ali pra fazer a gente rir. Quem não lê os livros não consegue entender como duas pessoas tão corajosas e inteligentes podem ter sido “separadas” por aquele personagem bobinho.
Mas a questão é que Harry não é tão inteligente, e Hermione não é tão corajosa. Nesses aspectos estão empatados com Rony, como eu já disse.
– Além disso, todas as cenas que nos levam a ver Harry e Hermione como um “casal” não estão nos livros e mais: as cenas em que mostram o quanto isso é errado não aparecem nos filmes. Colocaram os dois dançando romanticamente, o que nunca aconteceu, mas onde está a parte em que ele diz que Mione é “como uma IRMÔ? Além disso tem a Gina, que é esperta, inteligente, encantadora e dá a Harry uma coisa que ele nunca soube o que é ter: família.
Mione gosta do Rony desde que chorou no banheiro por causa das ofensas dele e quase foi atacada por um trasgo. Rony gosta dela desde que implicou com ela e fez isso acontecer. E eles percebem o quanto gostam um do outro quando não vão ao baile juntos em “Cálice de Fogo”. E “gostar” vira “se apaixonar” e depois vira “amar”, e a prova disso… Bom, a prova está em cada página de “Enigma do Príncipe” e, principalmente, “Relíquias da Morte”!! Eles se merecem, vivem felizes para sempre e têm dois filhos lindos. J.K. Rowling sempre quis assim, é assim que sempre teve que ser e é assim que é. Fim!!