Sobre o que é família (I)

Em 15.05.2018   Arquivado em Escrevendo

Quinze de maio é o Dia Internacional da Família, e eu não sabia disso até ver um artigo sobre o assunto na minha timeline do Twitter hoje de manhã. Acho engraçado em como a gente comemora os dias de várias pessoas que fazem parte da família, mas não ela em si… Pra mim faria mais sentido, sabe? Porque nem sempre famílias são constituídas de todos esses membros que são tão comercialmente aclamados… Às vezes até por nenhum deles. Mas estou me precipitando sobre um assunto que será a parte II dessa reflexão. Por enquanto eu gostaria de mostrar algumas famílias pra vocês nesse dia que devia ser tão especial.

Sobre o que é família

Essa foto foi tirada em 1997. Nela vemos meus pais, João e Valéria carregando eu e Daninha, minha irmã mais nova. Meus pais foram casados por 18 anos, até que se separaram quando eu tinha 16. No início não tava tudo bem, mas depois ficou, sabe? Até melhor! Essas coisas da vida que parecem que serão um problema e na verdade são a solução. Desde então eu e minha irmã já moramos com a mamãe, depois com o papai, depois com a mamãe de novo. Nós quatro éramos uma família, agora somos duas diferentes. Ainda assim: família.

Sobre o que é família

Agora vou apresentar outras quatro pessoas: Marcelo, Rodrigo, Rosana e Patrícia. Assim como meus pais, Rosana e Marcelo se casaram mais ou menos na mesma época. Eles tiveram seus dois filhos nos mesmos anos, 90 e 95, com pouquíssimos meses de diferença. Esses filhos, inclusive, estudaram na mesma sala de aula em alguns momentos da vida! Mas, ao contrário dos meus pais, eles permanecem casados. O que é ótimo! De verdade! Sabe por que? Porque os quatro são uma família.

A Pati é nossa amiga há 20 anos. Na verdade ela é mais que nossa amiga: é nossa terceira irmã. Toda “coisa de irmã” que existe eu e Daninha adicionamos a Pati, como se não houvesse a diferença do sangue. Temos um grupo de Whatsapp onde todos os problemas e alegrias de qualquer uma de nós vai parar em algum momento. Se eu me casar um dia, mesmo do modo nada tradicional como pretendo fazer, elas serão minhas “madrinhas” com o mesmo grau de importância. Pati é da nossa família, e nós somos da família dela.

Sobre o que é família

Agora falaremos de Ernani. Na primeira foto Ernani está com sua mãe, Eneida (e suas gatas!), e na segunda com sua avó, Esther. Seu pai morreu quando ele era um bebezinho, então as duas o criaram juntas, os três com essa tradiçãozinha fofa de ter o nome começado com “E”. E os três são, é claro, uma família. Além disso Ernani namora, há mais de um ano, com a Daninha. Então é óbvio que se tratando de família, ele também é da nossa.

Sobre o que é família

Eu tenho várias pessoas com as quais não tenho grau de parentesco que são família, e algumas delas sequer são pessoas. Nessa nova foto, por exemplo, estou deitada com a Arwen, minha gata. Eu não serei hipócrita a ponto de dizer que criar uma gata é o mesmo que criar uma criança, porque não é. Esse é o motivo, inclusive, pelo qual adotei uma gata e não uma criança, algo que pretendo fazer um dia. Mas ainda assim eu considero Arwen minha filha, e de certa forma ela me considera “mamãe” dela também. É pra mim que ela corre quando tem fome, sede ou se sente sozinha. Quando eu chego em casa, ela sempre está do outro lado da porta me esperando. Outro dia ela achou que eu tinha saído de casa sem avisá-la ao não me achar no (nosso) quarto e correu pra minha mãe, chorando, como se perguntasse onde eu estava… E quando minha mãe mostrou a ela onde, ela correu de alegria ronronando até mim.

Arwen, a gata, e eu somos uma família.

Sobre o que é família

Imagem via Today

Por fim temos mais um grupo de quatro pessoas: Reginald, Zachary, Elijah e David. Reginald é conhecido mundialmente sob o nome artístico de Elton John. Mais de uma vez Elton tentou adotar crianças para ter filhos em sua família, e mais de uma vez foi recusado. Um desses garotinhos, inclusive, tinha AIDS. Após essas tentativas serem negadas ele e David, com quem mantém um relacionamento há 23 anos, resolveram ter filhos biológicos através de inseminação artificial com uma barriga de aluguel. Eles não sabem qual dos dois é o pai biológico dos garotos e isso, de fato, pouco importa. Porque esses dois homens e seus dois filhos são, é claro, uma família.

Existem famílias biológicas, “tradicionais”, monoparentais, comunitárias até mesmo uma que é considerada a “Sagrada Família”. Imagino que a maioria delas possui laços de sangue. Em algumas as pessoas decidiram ter filhos, em outras não. Temos aquelas que escolhem ter animais de estimação, já outras não querem ou mesmo não podem. Tem aqueles que são filhos só de um dos lados casal, mas que se torna parte da vida do outro também. E existem pessoas que gostam de ditar como devem ser as famílias de outras pessoas. Que não permitem um cantor milionário dar uma vida incrível a uma criança que não tem nada pelo simples fato de que ele é apaixonado por outro homem. Ou que acham que o fato de essa união não conseguir (ou mesmo decidir!) se reproduzir invalida o conceito de família. Alguns, inclusive, apoiaram um estatuto que vai contra esse amor de outras pessoas. Vai entender, né? Aparentemente a família que não nasce da união de um homem e uma mulher fere a estrutura básica da sociedade, que merece especial proteção.

Bom, pra mim, o que fere a estrutura da sociedade é mente fechada dessas pessoas e família é quem a gente considera assim. E pra você, o que é?

Farewell Yellow Brick Road: A turnê de despedida de Elton John!

Em 24.01.2018   Arquivado em Música

Cinco décadas de carreira, mais de quarenta álbuns de estúdio, incontáveis shows ao redor do mundo, vencedor de cinco Grammys e um Oscar. Pianista, compositor, cantor, produtor, filantropo, famoso por duetos marcantes. Ativista na luta contra a AIDS e nas causas LGBT… Bom, se for citar tudo o que temos para dizer sobre Elton John precisaria de uma longa biografia, e não um post… Principalmente sendo uma grandessíssima fã dele há muitos e muitos anos, poderia ficar horas falando e repetindo a importância do homem não só no mundo da música, mas também pra mim. Mas essa semana só o que se comenta sobre ele é que acaba de ser anunciada a Farewell Yellow Brick Road, última turnê de shows de sua carreira!

Elton John: Farewell Yellow Brick Road Foto do Instagram Oficial do Elton John

Esse notícia está longe de representar sua aposentadoria formal. Em uma live que foi ao ar no Facebook essa tarde ele afirmou categoricamente que sua carreira não chegou ao fim! Ele e Bernie Taupin, com quem compõe há cinquenta anos (a maior parceria entre compositor e letrista da história), já têm dois álbuns de estúdio planejados e uma trilha sonora para filme. Seu novo livro está para ser publicado ano que vem. Apenas os shows irão deixar de fazer parte da sua vida, e em grande estilo! Nos próximos três anos acontecerão 300 apresentações em todos os cinco continentes, o que promete ser um escândalo porque o “Rocket Man” não é conhecido por sua discrição!

Leia também: Vision To End AIDS – sobre “O Amor é a Cura”, livro que conta a história da Elton John AIDS Foundation.

Se sua ideia é continuar em atividade por que então parar com as turnês? A resposta é simples e muito bonitinha: ele é um senhor de 70 anos de idade com dois filhos pequenos pra criar! Zachary e Elijah têm, respectivamente, 7 e 4 anos, então o objetivo é poder aproveitá-los ao máximo ao lado do marido, David Furnish, sem se preocupar quando vai subir no avião novamente. Seu trabalho na luta contra a AIDS também permanece, através da Elton John AIDS Foundation, que já arrecadou mais de 200 milhões de dólares para a causa e promove uma das festas pós-Oscar mais aguardadas de todos os anos, a Academy Award Party.

Como fã é impossível pra mim não estar emotiva com essa notícia. Imaginei que ficaria tristinha, mas o sentimento é mais uma alegria melancólica. É claro que farei o possível para estar em algum show dessa turnê, se não for em Belo Horizonte, que é provável que tenha, será no Rio que é pertinho… Inclusive foram as duas cidades onde já o assisti, em 2009 na Praça da Aponteose e 2013 no Mineirão. Dá aquele apertinho no coração saber que toda aquela emoção tem data limite pra acontecer e por uma última vez, mas ainda teremos muita música nova por vir e todas as antigas pra curtir. Além disso estamos falando de um homem idoso com duas crianças dentro de casa. Nada mais justo que eles possam curtir uns aos outros sem ter que ficar pulando de país em país, né?

Pra quem pretende ir em alguma dessas apresentações o negócio agora é ficar de olho no site oficial: já saíram datas até março de 2019, por enquanto todas no hemisfério norte! Ele garantiu na live que a América do Sul estará nas próximas levas, provavelmente em 2020 ou 2021. Até lá dá tempo de encher os cofrinhos, né? Tendo em vista os que já passaram e levando em consideração que esse “fecha com chave de ouro” a gente só pode esperar um espetáculo ainda maior do que já vimos ao longo dessa carreira cheia de altos e baixos. É certeza que sua caminhada final pela Estrada de Tijolos Amarelos será, no mínimo, extraordinária!

Ei! Quer saber mais sobre o Elton John? Na tag dedicada a ele aqui no Sweet Luly tem vários posts legais sobre lançamentos, curiosidades, seleção de música, tim-tim por tim-tim dos shows que pude ir e a narração do dia (incrível) em que ganhei um livro autografado por ele! É só entrar e se jogar na leitura!

Elton John na linha Funko Pop! Rocks

Em 18.11.2017   Arquivado em Dolls, Música

Depois de Metallica, Guns ‘n’ Roses, Amy Winehouse e VÁRIOS outros ícones, a terceira edição da linha Rocks de Funko Pop! finalmente resolveu me agraciar com o maior dos meus ídolos lançando os bonecos de vinil cabeçudos mais amados do mundo do Elton John! Aaaaaaah, já pode gritar agora ou deixo pra daqui a pouquinho?

Quem é “novo” aqui pros lados desse blog não sabe, mas basta umas poucas visitas pra descobrir o quanto sou ALUCINADA pelo Elton John. Não escuto tanto as músicas como antes, mas já fui em dois shows (um no Rio e outro em BH), ainda tenho váááárias no iPod e rola uma grande admiração não só como artista no geral, mas principalmente como pessoa. Ele é um destaque na luta contra o vírus HIV no mundo através da Elton John AIDS Foundation (da qual, por sinal, ganhei um livro autografado por ele uma vez), que ajuda a espalhar a ideia de que o amor e o fim do preconceito são a maior cura que existe pras infecções sexualmente transmissíveis. Além disso, é claro, é um grande ativista nas causas LGBTQ+, sendo ele mesmo gay assumido há décadas.

E como uma verdadeira colecionadora de coleções que sou não podia deixar de desejar esses toy arts, né? Além do livro autografado eu tenho vários itens legais como DVDs, vinil e por aí vai, agora um MINI ELTON JOHNZINHO? Ah não! Impossível resistir! Eles tentaram – e conseguiram muito bem – retratar os estilos ao longo de todas essas 5 décadas de carreira em dois bonecos. O primeiro, de terno branco e chapéu como no álbum “Greatest Hits” e o segundo bem icônico num traje vermelho, azul e branco da década de 70. Em ambos, é claro, vemos os óculos de sol que são marca registrada e não podiam faltar.

Funko Pop! Elton John Imagens retiradas do Funko.com

Além disso tem uma outra versão do visual anos 70 que será vendida exclusivamente nas lojas Fye em que a roupa e os óculos estão completamente purpurinados. Achei super divertido também, mas entre pagar mais caro nesse e ter um quase igual, a gente escolhe o mais baratinho, né? O set conta também com Jerry Garcia, muito bonitinho com os óculos e a guitarra, e três versões de Kurt Colbain: o regular e dois exclusivos, um para Fye o outro para Hot Topic. Dá pra conferir essa Wave 3 de rockeiros junta num post no site oficial da Funko, que conta também com uma loja virtual onde eles provavelmente serão vendidos. Aqui no Brasil temos que esperar chegar através do pessoal que importa, então deve demorar um pouquinho porque esse lançamento está previsto para janeiro de 2018. Bom que dá pra planejar umas economias até lá…

Os novos clipes (LINDOS) de clássicos do Elton John!

Em 27.05.2017   Arquivado em Música

É de conhecimento geral que Elton John é assim… Meu maior ídolo de todos os tempos! Pianista, cantor, compositor, produtor, filantropo e ativista na luta contra a AIDS, em 2017 ele e Bernie Taupin comemoram 50 anos escrevendo músicas juntos, a maior parceria entre músico e letrista de todos os tempos (e mais lindinha também)! São mais de 30 álbuns juntos e mais de 300 milhões de cópias vendidas, então não dava pra deixar essa data passar em branco, né? Por isso que no final do ano passado os dois, junto com o YouTube, lançaram o concurso “The Cut” para que os fãs produzissem videoclipes de três de suas canções clássicas, já que na época que foram lançadas não existia esse costume. Os vencedores teriam não só um clipe oficial do Elton no currículo completamente financiado por eles como também um prêmio de 10 mil dólares para investir em projetos futuros. A divulgação dos vencedores foi pelo canal oficial VEVO dele semana passada e, nossa, ficou a coisa mais linda dessa vida… Cada uma tinha uma exigência e o resultado final contém uma animação, um live-action e uma coreografia!

Rocket Man, a animação

Começando por “Rocket Man”, um dos maiores sucessos dessa longuíssima carreira que virou “apelido” do Elton e deu nome à sua gravadora. O vencedor foi o cineasta e refugiado iraniano Majid Adin, que criou uma versão extremamente melancólica digna da letra da música… Super sensível, uma história sobre aventura e solidão e como ambos se unem em certos momentos, encantador!

Tiny Dancer, o live-action

“Tiny Dancer” é conhecida pela maioria das pessoas hoje pelo filme “Quase Famosos”, mas a história por trás dela é ainda mais bonitinha… Foi escrita para a primeira esposa Bernie, que era costureira da banda na década de 70, meio que como uma homenagem ao espírito das mulheres californianas. E, gente, o vídeo conseguiu passar isso PERFEITAMENTE! Foi produzido por Max Weiland e não sei se é porque eu amo essa música ou se é porque tá muito fiel (acho que os dois), mas é como se tivesse sido feito na época mesmo, e não agora tantos anos depois!

Benny And The Jets, a coreografia

Por último, mas não menos importante, “Benny And The Jets”! Os vencedores foram uma dupla, Jack Whiteley e Laura Brownhill, que fizeram um show de dança meio futurístico tão divertida quanto a melodia! O legal é que mesmo sendo bem sincronizada não ficou com a impressão de algo milimetricamente ensaiado, sabe? Em resumo: um projeto incrível! Vai ser melhor ainda se rolarem outras edições, eu participaria com todo no meu amadorismo só pra saber que os juízes (cof, cof, o Elton) assistiram minha prévia, sério!

Acompanhe o Elton John também pelo site oficial, Facebook, Twitter, Instagram e também pelos vários posts que já escrevi sobre ele aqui, inclusive dois shows que já tive a chance de assistir!

Os melhores shows da minha vida!

Em 25.03.2015   Arquivado em Música

O tema deste post foi um dos propostos como blogagem coletiva desse mês do Rotaroots. Para ficar por dentro dos temas é só entrar no Grupo do Facebook!
O tema original é “Melhor show da minha vida”, mas tive que falar dos dois porque ambos foram especiais.

eltonjohn68
Via Instagram.

O primeiro filme que assisti no cinema foi “O Rei Leão” e eu jamais esqueci a sensação de entrar naquela sala gigantesca e ver o Zazu voando em direção à Pedra do Rei, cumprimentando o lindo do Mufasa e saudando o futuro rei. O amor foi tanto que meu aniversário seguinte, de 5 anos, teve esse tema e eu assistia e re-assistia sem parar, até hoje é um dos meus favoritos e tudo relacionado a ele me emociona muito, eu gosto e procuro saber mais sobre. Foi assim que virei fã do meu maior ídolo, Elton John, autor da trilha sonora, incluindo o tema “Can You Feel the Love Tonight?”, música vencedora do Oscar de Melhor Canção Original. Eu conheci a voz do Elton ali e em 2006 (11 anos depois) assisti tantas vezes um DVD dele por causa dessa música que não teve como, foi rolando muito amor: amor verdadeiro e amor eterno. A partir daquelas férias ir a um show do cara se tornou meu maior sonho e hoje eu sinto muita alegria no coração ao pensar que já realizei duas vezes (e ainda quero realizar de novo)!

A primeira vez foi no dia 19 de janeiro de 2009, na Praça da Aponteose no Rio de Janeiro. Meu pai me deu de presente por ter passado no vestibular da UFMG em 2008 e fomos eu, ele e minha irmã. A experiência foi toda ótima: viajamos para o Rio lindíssimo, visitamos minha madrinha e prima que moram lá, andamos na beirada da lagoa, atravessamos todo o sambódromo nas vésperas do carnaval e ainda teve o show de abertura do James Blunt que eu descobri ser um fofo. Mas eu sinto vontade de chorar mesmo é na hora que lembro que ás 22h EM PONTO vi ele subindo no palco, sentando naquele piano e tocando por mais de duas horas todas aquelas músicas que eu tanto gosto. Acho até difícil achar palavras para expressar o quanto foi maravilhoso, os berros que eu dei, as lágrimas que chorei… Minha emoção foi tanta que reza a lenda de que a repórter da MultiShow me viu (eu estava logo ao lado da imprensa) e pediu o câmera para me filmar – segundo meu pai, que presenciou o momento – e depois isso foi ao ar usando aquela cena da Lulynha ao prantos para exemplificar o fato de que ele “emocionou até os fãs mais jovens” – segundo o amigo do meu pai que assistiu e contou pra ele depois.

Momento mais emocionante: Na época lógico que foi “Goodbye Yellow Brick Road” porque é minha favorita, mas hoje cada vez que escuto “Rocket Man”, que era o nome da turnê, lembro da sensação e acho realmente que foi a melhor da noite. Mais sobre o show: Tem um álbum de fotos no Flickr e um post lindo e emocionado aqui no blog.

Já o segundo aconteceu quatro anos depois, 9 de março de 2013, e foi no Mineirão! Sim, foi o primeiro lá depois da reforma pra Copa, tava lindo demais e foi mais especial ainda porque era na minha cidade, né, fez toda diferença! Nesse minha irmã foi também, mas o terceiro membro do nosso “trio” era a oficial: a Patiquinha! Nós fomos de Cadeira VIP, ganhamos cappuccino, gravamos vlog, levamos bottons, fizemos amizades na fila e já lá dentro, encontramos conhecidos e parentes, esperamos horas… Foi tudo muito bom, foi tudo muito lindo mas foi às 22h pontualmente (de novo!) que a coisa realmente ficou incrível e eu descobri nesse dia que não importa quantas vezes eu assistir aquele homem pessoalmente, vai ser sempre o novo ponto alto da minha vida! Faltam palavras nos vocabulários que conheço para descrever o quão ótimo foi. Outra coisa legal foi que dei o ingresso de presente de aniversário adiantado pra minha irmã (e a Pati ganhou do pai dela) e nós duas juntas demos um mais barato, mas ainda assim que valeu a pena, pra minha mãe e pro meu padrasto poderem ir também. Todo mundo saiu ganhando feliz!

Momento mais emocionante: Aaaah, aí sim foi “Goodbye Yellow Brick Road”! O telão reproduzindo imagens de filmes que começaram (é claro) com “O Mágico de Oz”, eu tentando ir pra grade assistir de lá e tendo que voltar pra minha cadeira porque não conseguia ficar em pé de emoção, as meninas me abanando pra choradeira passar, o pessoal todo achando lindo aquele momento de demonstração de amor… Aiaiai, só de lembrar abri o berreiro aqui! Mais sobre o show: Esse também tem um álbum de fotos no Flickr e um post extremamente lindo e emocionado aqui no blog.

Essa postagem está indo ao ar agora porque hoje, dia 25 de março, é aniversário dele! Parabéns, Reginald, Reg, sir Elton, qualquer que seja o nome usado para te definir! Obrigada por esses shows maravilhosos, por essas músicas inspiradoras e pela oportunidade de eu ter um autógrafo seu na minha casa. E que fique aqui no ar a esperança de um dia eu poder te agradecer isso tudo ao vivo, com um abraço!

Além dos posts do show têm outros vários sobre o Elton John aqui no blog, como o dia em que recebi o livro dele autografado, uma seleção das minhas músicas favoritas, mini biografia, memes… Tá tudo na Tag Elton John!

Página 1 de 512345