LISTENING TO: Pink Floyd

Em 20.06.2017   Arquivado em Música

Eu adoro imaginar é como era a Inglaterra nas décadas de 60 e 70: VÁRIAS bandas incríveis nascendo a todo o momento, o país era provavelmente constituído somente de música, devia ser quase ilegal não gostar do assunto. Digo isso porque estou prestes a falar de uma das melhores de todos os tempos, mesmos aqueles que não gostam de rock já ouviram falar e conhecem alguma música. Uma banda da qual sempre gostei. Minha irmã, aos com 3 anos, ficava do lado do meu pai pra ouvir. Pink Floyd.

Listening to: Pink Floyd
Foto do BBC Music

A história é bem longa e difícil de contar (ainda mais pra uma leiga como eu), mas vou tentar dar uma ideia geral do que aconteceu. Em 1964 havia uma banda que teve vários nomes, e quando essa banda se separou naquele ano os integrantes Rado Klose (guitarra), Roger Waters (guitarra), Nick Mason (bateria) e Rick Wright (sopro) resolveram montar uma nova aproveitando um dos antigos nomes: “Tea Set”. Junto com eles estava o vocalista Chris Dennis, e logo depois o guitarrista e vocalista Syd Barrett, fazendo Waters assumir o baixo. Foi aí que surgiu o nome que hoje conhecemos, em homenagem ao músicos de blues Pink Anderson e Floyd Council.

No início eles faziam pequenas apresentações em pequenos lugares e até foram convidados para produzir músicas para um documentário, que sequer apareceram na versão final do filme. O primeiro álbum oficial saiu em 1967 e foi super bem aceito, até hoje é considerado o melhor primeiro álbum por alguns especialistas. A banda foi fazendo sucesso, mas as drogas tornaram a participação de Barrett inviável e os outros membros foram atrás de novos rumos sem ele. Foi aí que David Gilmour entrou para substituí-lo não só dentro do Pink Floyd, mas na história do Rock Progressivo. Na década de 70 atingiram um grande estouro e tiveram vários hits, seus álbuns de maior sucesso saíram nessa época: “Wish You Were Here” e “Dark Side of The Moon”, que é considerado o ápice deles.

Rolaram muitos trabalhos bons na década de 80 com Roger Waters assumindo o papel de “membro principal” da banda, como The Wall, que acabou ganhando um filme de mesmo nome. Naquela mesma década, porém, Water acabou saindo, deixando Gilmour no “controle”. Sua “era” só acabou com o fim da banda, em 1995/1996, quando foi indicada para o Rock and Roll Hall of Fame americano, com breve retorno em 2014 que resultou no álbum “The Endless River”. Em 2015 eles anunciaram o fim definitivo, mas continuam sendo uma referência em rock psicodélico e progressivo com suas letras carregadas de questões políticas, insanidade e críticas sociais.

Música Favorita

Não consigo sequer COGITAR falar de outra que não “Wish You Were Here”. Título do álbum lançado em 1975, e foi um grande tributo a Syd Barrett, que havia entrada em colapso mental, então são letras pesadas e muito, muito tristes, principalmente “Shine On You Crazy Diamond”, que é dividida em duas partes.

A verdade é que, apesar de ouvir vez ou outra, que eu sequer ligava tanto pro Pink Floyd até o final de 2009, quando ESSA música entrou na minha cabeça para nunca mais sair. Fiquei completamente viciada nela até que, enfim, se tornou uma das mais importantes da minha vida quando usei ela para ser título do meu primeiro livro. O meu “Wish You Were Here” ainda não foi publicado, apesar de já ter fanpage no Facebook, e tá rolando um evento criado pelos meus amigos pra ver se a gente acha uma editora que faça isso, já que infelizmente sozinha eu não po$$o. Mas enfim, acho que deu pra entender o tamanho do amor, né? Gosto forte mesmo!

Quer saber mais sobre o Pink Floyd?

Conheça a banda através do seu website oficial (em inglês) e das redes sociais: Facebook, YouTube, Twitter e Instagram! Tem também um artigo bem completinho com a história deles detalhada lá na Wikipedia, que eu usei pra confirmar algumas datas e fatos desse post.

Alice no País das Maravilhas

Em 16.06.2017   Arquivado em Leitura

Em um vídeo do meu VEDA de 2016 eu contei sobre os livros infantis que guardo “no coração”, aqueles que li depois de adulta e me apaixonei mesmo que estivesse fora da faixa etária proposta. Alice no País das Maravilhas, do britânico Lewis Carrol, é um deles. Quando criança eu tive um VHS de uma animação adaptada na história que era extremamente fiel ao original, então ler o livro foi MUITO nostálgico, impossível não amar! Sendo assim, quando surgiu a oportunidade de participar da “Corte Vermelha” do Memoralices, que completou 3 anos no ar no último dia 12, eu me vi na chance de falar um pouquinho sobre esse clássico tão amado por várias gerações…

Alice no País das Maravilhas

Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland) *****
Autor: Lewis Carroll
Gênero: Infantil, Aventura, Fantasia
Ano: 1865
Número de páginas: 172p.
Editora: L&PM Pocket
ISBN: 978-972-25-2117-8
Sinopse: “Obra-prima criada pelo escritor inglês Lewis Carroll, no século XIX, Alice no País das Maravilhas imortalizou-se na literatura mundial como uma fábula capaz de encantar adultos e crianças. Uma ficção sem igual que se tornou sucesso há mais de cem anos e ainda hoje é um clássico obrigatório para leitores de todas as idades. O livro conta a história de uma menina curiosa que decide seguir um coelho branco, quando de repente cai em sua toca e é levada a um reino onírico, onde convive com criaturas estranhas e se envolve nas mais inusitadas aventuras. Neste universo inesperado, não há limites entre sonho e realidade.” (fonte)

Alice no País das Maravilhas

Comentários: A história (quase) todo mundo conhece. Alice é uma garota sonhadora que não aguenta mais ter que ouvir a leitura de sua irmã mais velha, feita a partir de um livro “sem figuras nem diálogos”. Entediada, ela acaba seguindo um Coelho Branco que passa correndo de olho no relógio, o que por si só já é peculiar, e cai na toca junto com ele, sendo levada para um “país” onde tudo é “Muito esquisitíssimo”, nas palavras da própria garota. Lá comer determinado lado de um cogumelo pode fazê-la diminuir ou crescer, ela participa de uma festa onde os lugares em que os convidados sentam são constantemente trocados, conversa com criatura antropomórficas e quase recebe uma sentença injusta num reino onde os guardas são cartas de baralho…

De forma geral é muito perceptível como Lewis Carroll usou um romance infantil nonsense para fazer críticas à sociedade de sua época. O Coelho Branco sempre correndo contra o relógio, a rigidez dos modos do Chapeleiro e da Lebre, ou mesmo a Rainha tirana e o Rei “submisso” de Copas, fazendo alusão à Rainha Vitória (uma grande fã da obra!) e o príncipe Albert, apesar do autor negar isso à época, é claro. Além disso a protagonista passa por várias reflexões ao longo da história, incentivada pelos seres que conhece – principalmente o gato de Cheshire – sobre a loucura, sua própria existência e mesmo a clássica pergunta “Por que o corvo se parece com a escrivaninha?”, que foi respondida numa das primeiras reedições mas continua sempre levantando novas hipóteses dos leitores. É pra criança se jogar nesse universo quase mágico e os adultos pararem pra analisar certos aspectos de sua vida, que continuam sendo “amarras” para algumas pessoas até hoje, séculos depois.

“Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.” – Alice

Alice no País das Maravilhas

Alice e sua turma já são parte relecante da cultura popular, presentes em uma quantidades absurda de adaptações e referências! A mais famosa delas, é claro, é a animação da Disney de 1951, que contém um pouco também da continuação da obra, “Alice Através do Espelho”. Na última década tivemos as versões cinematográficas do Tim Burton, com seu elenco tradicional e visual meio psicodélico padrão, também distribuídas pelos estúdios Disney, e uma série spin-off de “Once Upon a Time”, a “Once Upon a Time in Wonderland”, que tem apenas uma temporada ruinzinha (mas que eu gosto). Eu mesma já coloquei um pouquinho, bem pouquinho mesmo, da história em um dos livros que estou escrevendo e pretendo publicar um dia, mas a gente conversa sobre isso depois.

Agora não deixem de passar lá no Memoralices para celebrar essa data e participar do sorteio especial de aniversário. Parabéns, Luana! Que venham muitos, muitos, muuuitos anos pela frente!

Aproveitando esse clima festivo pra lembrar que no próximo dia 26 o Sweet Luly completa 13 anos no ar, e é CLARO que vai ter sorteio comemorativo por aqui também! Fiquem de olho porque já tá chegando, ai que emoção…

A paixão de junho

Em 12.06.2017   Arquivado em Escrevendo

A Paixão de Junho

Esse pode ser considerado o “mês dos namorados”, mas eu vou chamar de “mês dos apaixonados”, porque todas as vezes que me apaixonei na vida foi em junho. Ou, pelo menos, as vezes em que caí na real em relação a isso, já que esse tipo de sentimento não é da noite pro dia, é construído de passinho em passinho… A história começou bem no meio mesmo, pertinho do dia doze. Não acho que exista amizade preto-e-branco, qualquer relação tem várias tonalidades em seu redor, mas foi ali que se iniciou o processo de viver uma amizade colorida pra valer. Subindo a ladeira, descobrindo que “quem canta seus males espantas”. Uma jaqueta quentinha compartilhada e antes que eu percebesse estava sujeita a sentir, ainda pré-adolescente, o que praticamente todo mundo já sentiu na vida: fogo que arde sem se ver, ferida que dói e não se sente, contentamento descontente. O não querer mais que bem querer e o melhor é que não era solitário andar por entre a gente¹.

Um longo tempo se passou e não havia dúvidas de que eu tinha encontrado o “amor da minha vida”. E acho que tinha mesmo, só não da vida inteira! Não precisa ser imortal posto que é chama, mas sim infinito enquanto dura², é o que realmente importa. Veio, ficou, passou e antes que eu estivesse pronta para novas chances uma nova porta se abriu no final daquele mesmo mês que foi marcado por isso já tantos anos atrás. E quando digo que a porta abriu não é uma metáfora bonita pra uma nova oportunidade, não, foi um “Toc-toc-toc” mesmo, e quando virei a maçaneta deixei a mão cair porque não esperava alguém aparecendo assim, aleatoriamente num dia comum e gostosinho de trabalho. Literalmente à primeira vista, porém foi nela mesmo que ficou. Aquele dia ficaria marcado como o dia em que a pior melhor coisa da minha vida aconteceu, sem dúvidas, mas com o tempo até essas pequenas certezas se tornam mentiras.

Porque o junho seguinte tornou essa dorzinha exagerada em irrelevante. Não me fez esperar muitos dias e me trouxe o coração batendo acelerado logo de cara! Aliás, não só isso, né? Teve borboleta no estômago, cabeça no ombro, tensão no ar, mãos encostando e um cheiro tão característico que dá pra lembrar exatamente qual mesmo com o passar do tempo. Teve expectativa sem decepção, muito pelo contrário, foi melhor ainda que o esperado… De um jeito que dava vontade de escrever pro mundo saber que isso existe, mas ao mesmo tempo sem essa necessidade porque tem coisas que a gente prefere guardar a dois. Elevou toda essa historia de coincidências a um novo nível, transformou a vontade em realidade.

Inclusive, saudades…

¹ “Amor é um Fogo que Arde sem se Ver”, Luís Vaz de Camões. Lisboa, 1524-1580.
² “Soneto de Fidelidade”, Vinícius de Moraes. Rio de Janeiro, 1913-1980.

A Ansiedade Queima

Em 10.06.2017   Arquivado em Escrevendo

A Ansiedade Queima

Desde muito pequena meu maior medo de todos é o fogo, e o fato de ser ansiosa tornou minha relação com ele difícil pra valer. Teve uma vez que minha tia tava queimando não-sei-o-que na entrada da casa da minha avó e eu dei meia volta para sair pela outra porta que ninguém usava, só pra não passar por ali. Antes disso rolou também uma reunião num Centro Espírita que fui com minha mãe e o moço que “liderava” esse grupo (não entendo tanto desse assunto para saber nomes, me desculpem) disse que a gente ia liberar ali nossos maiores medos… Eu nem sabia direito o que estava acontecendo, nem prestei atenção, mas comecei a reclamar que tinha alguma coisa queimando quase instantaneamente, mesmo que não tivesse.

Rolou também uma vez que fui acender o pisca-pisca da árvore de natal da minha casa, ele explodiu na minha mão e fiquei sem ter coragem de ligar tomadas por anos. Demora em adquirir habilidade para acender isqueiros e fósforos, pavor da hora do “parabéns pra você”, por aí vai… São várias histórias envolvendo essa mesma coisa, então quando falam sobre relacionar sensações com cheiros, eu relaciono a ansiedade com cheiro de queimado. Ela também é um medo constante que enfrento nessa vida, tão forte quanto assistir qualquer coisa em combustão, porque a ansiedade queima.

É meio louco que algo que faz parte de mim e não posso controlar seja associado ao “aroma” que mais me causa temor, mas é verdade.

A sensação que tenho quando a coisa “ataca” é que nem a de uma chama mesmo, mas não a chama confortável que fica nas lareiras e fogueiras que usamos pra nos manter aquecidos no frio, ou a que fica protegida pelas grades do fogão e logo vai trazer algo com pra comer. Não, não se parece nada com isso! É como se você entrasse direto num incêndio sem perceber, sem que alguém tenha te alertado do que tinha ali e, de repente, não conseguisse sair. Sua pele e/ou entranhas gritam com a ardência que você não pode combater, falta ar para conseguir proferir gritos de socorro pedindo ajuda, vai te consumindo até que você vire um mero montinho de cinzas que qualquer ventinho pode desmembrar e levar pra longe. Dói. Incomoda. Flameja. Às vezes destrói.

A sorte é que, vez ou outra, aparecem “pessoas porta fogo” com o extintor certo que a gente precisa pra colocar em ordem esse abrasamento descontrolado!

Esse post foi inspirado nas propostas #9 e #33 do Creative Writing Prompts, que oferece mais de trezentas ideias legais para desenvolver sua escrita criativa. É o 14º entre os 25 que me propus a escrever até outubro de 2018.

Vídeo-Tag: Os Últimos

Em 08.06.2017   Arquivado em Memes e Tags, Vídeos

Minha vida de “YouTuber” oscila muito… Eu vou e agendo 5 vídeos de uma vez, acho que tá tudo bem responsável, aí quando passa percebo que não produzi mais nada e o canal fica metade do mês às moscas… Principalmente agora, nessa fase da minha vida em que é uma luta diária até mesmo sair da cama, que dirá produzir coisas! Porém fiquei me sentindo culpada esses dias que deixei acontecer DE NOVO e resolvi gravar a tag Os Últimos, que é rapidinha e supriu essa ausência até semana que vem, quando as coisas irão se normalizar de vez (eu espero)!

Essa tag foi criada pela G Flores há alguns anos atrás, é meio antiga mesmo, mas tava aqui dando sopa na lista de vídeos que eu queria gravar então resolvi por na roda! Sobre as perguntas em si não tem muito mistério, a gente tem que responder os últimos itens na nossa vida em diversas categorias: maquiagem, beleza, entretenimento, por aí vai…

Perguntas:

01. Último item de maquiagem que comprou
02. Último produto de corpo que comprou
03. Último produto de cabelo que comprou
04. Último esmalte que usou
05. Último perfume que comprou/ganhou
06. Aplicativo do momento
07. Último vídeo que assistiu no Youtube
08. Última foto que postou no Instagram
09. Último música que viciou
10. Último filme que viu
11. Último livro que leu
12. Último livro que comprou
13. Último seriado que assistiu
14. Última roupa que comprou
15. Último sapato que comprou

Se mais alguém tiver gravado ou resolver gravar essa tag por aí me avisa aí em baixo, de preferência com o link pra eu poder assistir! Algum de vocês tem mais alguma legal pra me indicar? Eu ando preferindo produzir vídeos de gameplay ou falando sobre assuntos específicos, mas esses acabo não trazendo pro blog porque acho que não faria sentido, é melhor já escrever o que foi falado de uma vez (na segunda feira, dia 12, vai sair um assim), então pra acompanhar MESMO não deixem de se inscrever no canal!

Página 2 de 193123456... 193Próximo