Categoria "Leitura"

Todos, Nenhum: Simplesmente Humano

Em 03.10.2017   Arquivado em Leitura

Uma rápida olhada nas minhas leituras dos últimos dois anos deixa bem claro que eu tenho MUITO interesse em livros com personagens LGBT e com transtornos mentais. O primeiro porque eu PRECISO entender o que os outros passam para ter cada vez mais empatia por suas causas, ainda que de certa forma já tenha o bastante. O segundo, claro, para aceitar o que vivo dentro da minha cabeça mesmo. Quando a Lili me disse que estava terminando um livro sobre uma pessoa gênero fluído (que, por sinal, tem Transtorno de Ansiedade), então, de cara pedi emprestado para poder ler também. Principalmente porque a fluidez de gênero é algo sobre a qual nunca tinha pesquisado antes, que não vemos todos os dias. E foi assim que conheci o autor Jeff Garvin e seu “Todos, nenhum: simplesmente humano”.

Todos, nenhum: simplesmente humano

Todos, nenhum: simplesmente humano (Symptoms of Being Human) *****
Autor: Jeff Garvin
Gênero: Drama, LGBT
Ano: 2017
Número de páginas: 400p.
Editora: Plataforma21
ISBN: 978-859-27-8309-9
Sinopse: “Riley Cavanaugh é um ser humano com muitas características: perspicaz, valente, rebelde e… gênero fluido. Em alguns dias, se identifica mais como um menino, em outros, mais como uma menina. Em outros, ainda, como um pouco dos dois. Mas o fato é que quase ninguém sabe disso. Depois de sofrer bullying e viver experiências frustrantes em uma escola católica, Riley tem a oportunidade de recomeçar em um novo colégio. Assim, para evitar olhares curiosos na nova escola, Riley tenta se vestir da forma mais andrógina possível. Porém, logo de cara recebe o rótulo de aquilo. Quando está prestes a explodir de angústia, decide criar um blog. Dessa forma, Riley dá vazão a tudo que tem reprimido sob o pseudônimo Alix. Numa narrativa em que o isolamento é palpável a cada cena, Jeff Garvin traça um poderoso retrato da juventude contemporânea. Somos convidados a viver a trajetória de Riley e entender o quê, afinal, significa ser humano.” (fonte)

Todos, nenhum: simplesmente humano

Comentários: O livro conta a história de Riley Cavanaugh, que aos 16 anos ouve música em discos de vinil, só come comida vegana e acaba de sair do colégio católico onde estuda para tentar fugir do bullying em uma escola pública. Seu pai é deputado, o que torna a vida de sua família extremamente tumultuada e visada, principalmente durante uma fervorosa campanha de reeleição… Riley tenta lidar e esconder o fato de que é gênero fluido. Alguns dias a “bússola” acorda extremamente feminina a ponte de desejar usar um vestido bufante, em outros bem masculina e a vontade é andar pesado pelos corredores usando os jargões dos meninos. Para evitar esses extremos sua aparência é bastante “andrógena”, o que para os colegas chega a ser repulsivo… Entre salas de aula, humilhações constantes e os eventos do pai, sua saída é praticar os exercícios dados pela sua médica para controlar o Transtorno de Ansiedade que tudo isso causa… E contar com a ajuda de seus novos amigos: Solo, o gigantesco geek jogador de futebol, e Bec, uma garota bastante alternativa pela qual desenvolve uma paixonite instantânea…

No meio dessa tempestade, diante da proposta de aderir a alguma “causa”, Riley abre um blog anônimo para falar sobre fluidez de gênero sob o pseudônimo “Alix”. Suas expectativas são neutras, até que um pouquinho de visibilidade ao ter esse espaço virtual citado no site-referência do assunto, o “Aliança Queer”, torna sua conta no “Blogr” alvo de pedidos de ajuda e conselhos, além de (claro) muitas ofensas. Após o caso de uma de suas aconselhadas estourar na mídia o blog começa a fazer cada vez mais sucesso, aumentando seu orgulho e medo, já que um stalker que parece ser da sua escola o descobre, ameaçando seu segredo. Ao mesmo tempo Bec se transforma na ponte de ligação com um grupo de pessoas que também trabalha diariamente com a aceitação da própria identidade de gênero, o que faz com que o momento de revelar toda a verdade pareça estar cada vez mais perto…

“Todo mundo se sente perdido. Todo mundo está… à procura. À procura de um lugar para ficar. Alguém para estar do seu lado. (…) E, mesmo estando fora de tudo, talvez tenhamos sorte. Porque já temos isto.” – Riley

Todos, nenhum: simplesmente humano

A primeira pergunta que você faz ao começar a leitura, a questão mais inevitável de todas na nossa cabeça doutrinada é: biologicamente, Riley é menino ou menina? Você espera que o autor vá dar uma dica através da roupa que seus pais escolhem para usar em alguma festa, os comentários de colegas (seja maldoso ou não) e mesmo algum pronome que vai ter que ser usado. Mas não é. Não sei COMO Garvin conseguiu, mas NUNCA vemos o “ele” ou “ela” sendo usado nessa sua escrita. Acho que esse é o primeiro mérito do livro, porque pra mim está sendo extremamente difícil fazer isso aqui, nesse post, então imaginem em um romance de 400 páginas. E é maravilhoso porque com isso ele te ensina, aos poucos, que o gênero não importa. Riley é, literalmente, todos, nenhum: simplesmente HUMANO, como o título da versão brasileira brilhantemente sugere.

Eu não consigo achar críticas negativas para fazer à história. A pesquisa sobre o assunto está clara, minuciosa e natural, parece quase impossível que alguém não consiga aceitar a existência de gêneros não-binários nesse mundo… Porém o preconceito existe, muito! Esse é outro ponto maravilhoso… A LGBTfobia está presente de forma extremamente real. O garoto malvado da escola, que torna a vida de quem é tido como diferente um inferno, não é “gay enrustido”, não queria ser como eles… É um BABACA mesmo! O preconceito não é parte dolorosa da vida de quem o pratica, não é justificado, é mostrado como a atrocidade que realmente é. Inclusive eu não estava esperando o clímax tão impactante que a história teve, pra mim foi um choque e minha ansiedade foi nas alturas junto com a da personagem, pra depois se transformar em lágrimas constantes até a última página acabar.

“Minha mãe diz que chorar é só o jeito do corpo de expulsar coisas ruins. Tipo um espirro. Tipo um espirro da alma.” – Solo

Lágrimas não só pela ficção, mas também pela vida real. Lágrimas por saber que somos o país que mais mata travestis e transexuais no mundo. Por lembrar que bissexuais são invisibilizados mesmo dentro do movimento que deveria defendê-los. Pela realidade chocante de que, escondidos por aí, “estupros corretivos” são feitos para que uma garota deixe de ser lésbica ou uma trans “vire homem direito”. São lágrimas de tristeza e MUITA RAIVA de ouvir as pessoas maltratando e assassinando seres humanos por quem amam ou por quem são. E tudo isso em nome de alguém que nunca disse “Mata os viado!” e sim que devemos amar ao próximo como a nós mesmos… Então ao invés de “respeitar mesmo sem aceitar”, de dizer “nada contra, MAS…”, de pensar que eles estão “jogando isso na nossa cara” quando estão simplesmente vivendo, que tal abrir a mente por inteiro, tirar a viseira e praticar esse amor?

20 anos de Harry Potter: Edição Comemorativa Grifinória

Em 01.08.2017   Arquivado em Harry Potter, Leitura

No dia 26 de junho de 2017 o mundo inteiro, literalmente, tirou um tempinho para comemorar os 20 anos de “Harry Potter and The Philosopher’s Stone”, ou seja, do lançamento de “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. A Bloomsbury Publishing, que publica os livros na Inglaterra, não podia ter ficado de fora dessa celebração, né? Afinal foram eles que apostaram no talento de J.K. Rowling mesmo depois de outras 12 editoras recusarem! E pra que a comemoração fosse completamente isenta de “segregação” eles fizeram 4 novas edições novas, cada uma delas na versão capa dura e brochura, especial das Casas de Hogwarts! E o mais legal é que elas são diferentes entre si, já que para cada Casa existem curiosidades relacionadas à mesma, conteúdos extras fornecidos pela própria J.K. O texto em si permanece, nada na história está diferente, mas ainda assim é uma experiência nova esperando de braços abertos os fãs ansiosos!

Edição Comemorativa de 20 anos de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Esse post contém texto pra quem é de texto, foto pra quem é de foto e vídeo pra quem é de vídeo, escolhe aí sua mídia favorita e vamos lá!

Edição Comemorativa de 20 anos de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Eu sempre quis as versões do livro em inglês britânico, mas nunca tive $coragem$ de comprar, então quando vi essa nova pensei que seria uma ótima oportunidade para começar a coleção… Ainda mais que rola todo um amor pela Grifinória que sempre foi e sempre será minha Casa do coração (e do Pottermore!). Mas por outro lado ficou o questionamento: será que vai ter a coleção? Ou será que vai ficar só nessa? Antes de decidir se valeria a pena ou não começar, ganhei ele de presente de aniversário do Gil e, gente… A brochura, com a capa vermelha bem mais simples, também é linda, mas a capa dura é maravilhosa!

Edição Comemorativa de 20 anos de Harry Potter e a Pedra Filosofal

O principal a ser ressaltado é como a edição é bonita! Ela é toda focada na Casa mesmo, com suas cores, brasão e lema. A capa dura é toda preta e “sem graça”, mas tem uma luva com o leão bem grandão e os escritos laminados. O destaque principal vai pra pintura presente na cabeça, que é toda vermelha, e da goteira, que é listrada como se fosse um cachecol que eles usam em Hogwarts. Eu, como restauradora de papel, sou MUITO louca com isso e morro de vontade de fazer nos meus cadernos, mas sei que dá trabalho e sempre desisto… Ter um de Harry Potter assim é de encher os olhos. Dentro também rola uma decoração “básica”, com margem pra área dos extras e estrelinhas decorando o título ono início de cada capítulo. O papel é que não tem lá muita qualidade, mas normalmente é assim nas versões no Reino Unido, o que provavelmente deixa o livro mais barato…

Edição Comemorativa de 20 anos de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Agora no que se trata dos conteúdos extras a versão Grifinória é quase decepcionante. A ideia em si é muito legal, falando mais sobre o fundador, as características que ele admirava, o fantasma, alunos ilustres, Salão Comunal e diretor… Só que nesse caso são todas informações que a gente já sabe! Sabemos muito sobre Godric Gryffindor, Nick Quase Sem Cabeça, Dumbledore, Minerva e, claro, o trio! Na verdade quem leu os livros sabe muito mais do que contém ali. Eu ainda não tive acesso aos outros, mas imagino que sejam bem mais divertidos que esse. Nós conhecemos um pouco dos aspectos da Sonserina, é verdade, mas sobre Lufa-Lufa e Corvinal acaba sendo quase tudo novidade! Acho uma forma super válida de valorizar as duas, já que durante muito tempo foram meio “deixadas de lado” pelos fãs – e agora finalmente estão ganhando seu lugar ao Sol!

Edição Comemorativa de 20 anos de Harry Potter e a Pedra Filosofal

Em resumo: é incrível, mas não fique esperando curiosidades inéditas porque no da Grifinória realmente não tem. Ainda assim, vale a pena? Vale! Estou torcendo para que eles continuem lançando quando cada volume da série completar 2 décadas, porque ia ser lindo ter a coleção e seriam informações cada vez mais legais de conhecer! Imagina aproveitar a oportunidade de finalmente contar mais sobre os Marotos quando a vez de “Prisioneiro de Azkaban” (melhor de todos da série real oficial) chegar? E o que mais pode estar nos esperando daqui pra frente? Vamos sonhar e mandar vibrações positivas pro outro lado do Atlântico pra ver se vira realidade!

Quer mais sobre a comemoração dos 20 anos de Harry Potter? Eu fiz dois posts lindinhos com depoimentos e fotos de vários fãs sobre a importância da série em sua vida, inclusive eu mesma! Eles estavam dividos entre a Parte 01 e a Parte 02, só clicar pra ler! A caneca da Plataforma 9 3/4 é lá da lojinha do Menino Gil.

Alice no País das Maravilhas

Em 16.06.2017   Arquivado em Leitura

Em um vídeo do meu VEDA de 2016 eu contei sobre os livros infantis que guardo “no coração”, aqueles que li depois de adulta e me apaixonei mesmo que estivesse fora da faixa etária proposta. Alice no País das Maravilhas, do britânico Lewis Carrol, é um deles. Quando criança eu tive um VHS de uma animação adaptada na história que era extremamente fiel ao original, então ler o livro foi MUITO nostálgico, impossível não amar! Sendo assim, quando surgiu a oportunidade de participar da “Corte Vermelha” do Memoralices, que completou 3 anos no ar no último dia 12, eu me vi na chance de falar um pouquinho sobre esse clássico tão amado por várias gerações…

Alice no País das Maravilhas

Alice no País das Maravilhas (Alice in Wonderland) *****
Autor: Lewis Carroll
Gênero: Infantil, Aventura, Fantasia
Ano: 1865
Número de páginas: 172p.
Editora: L&PM Pocket
ISBN: 978-972-25-2117-8
Sinopse: “Obra-prima criada pelo escritor inglês Lewis Carroll, no século XIX, Alice no País das Maravilhas imortalizou-se na literatura mundial como uma fábula capaz de encantar adultos e crianças. Uma ficção sem igual que se tornou sucesso há mais de cem anos e ainda hoje é um clássico obrigatório para leitores de todas as idades. O livro conta a história de uma menina curiosa que decide seguir um coelho branco, quando de repente cai em sua toca e é levada a um reino onírico, onde convive com criaturas estranhas e se envolve nas mais inusitadas aventuras. Neste universo inesperado, não há limites entre sonho e realidade.” (fonte)

Alice no País das Maravilhas

Comentários: A história (quase) todo mundo conhece. Alice é uma garota sonhadora que não aguenta mais ter que ouvir a leitura de sua irmã mais velha, feita a partir de um livro “sem figuras nem diálogos”. Entediada, ela acaba seguindo um Coelho Branco que passa correndo de olho no relógio, o que por si só já é peculiar, e cai na toca junto com ele, sendo levada para um “país” onde tudo é “Muito esquisitíssimo”, nas palavras da própria garota. Lá comer determinado lado de um cogumelo pode fazê-la diminuir ou crescer, ela participa de uma festa onde os lugares em que os convidados sentam são constantemente trocados, conversa com criatura antropomórficas e quase recebe uma sentença injusta num reino onde os guardas são cartas de baralho…

De forma geral é muito perceptível como Lewis Carroll usou um romance infantil nonsense para fazer críticas à sociedade de sua época. O Coelho Branco sempre correndo contra o relógio, a rigidez dos modos do Chapeleiro e da Lebre, ou mesmo a Rainha tirana e o Rei “submisso” de Copas, fazendo alusão à Rainha Vitória (uma grande fã da obra!) e o príncipe Albert, apesar do autor negar isso à época, é claro. Além disso a protagonista passa por várias reflexões ao longo da história, incentivada pelos seres que conhece – principalmente o gato de Cheshire – sobre a loucura, sua própria existência e mesmo a clássica pergunta “Por que o corvo se parece com a escrivaninha?”, que foi respondida numa das primeiras reedições mas continua sempre levantando novas hipóteses dos leitores. É pra criança se jogar nesse universo quase mágico e os adultos pararem pra analisar certos aspectos de sua vida, que continuam sendo “amarras” para algumas pessoas até hoje, séculos depois.

“Quando acordei hoje de manhã, eu sabia quem eu era, mas acho que já mudei muitas vezes desde então.” – Alice

Alice no País das Maravilhas

Alice e sua turma já são parte relecante da cultura popular, presentes em uma quantidades absurda de adaptações e referências! A mais famosa delas, é claro, é a animação da Disney de 1951, que contém um pouco também da continuação da obra, “Alice Através do Espelho”. Na última década tivemos as versões cinematográficas do Tim Burton, com seu elenco tradicional e visual meio psicodélico padrão, também distribuídas pelos estúdios Disney, e uma série spin-off de “Once Upon a Time”, a “Once Upon a Time in Wonderland”, que tem apenas uma temporada ruinzinha (mas que eu gosto). Eu mesma já coloquei um pouquinho, bem pouquinho mesmo, da história em um dos livros que estou escrevendo e pretendo publicar um dia, mas a gente conversa sobre isso depois.

Agora não deixem de passar lá no Memoralices para celebrar essa data e participar do sorteio especial de aniversário. Parabéns, Luana! Que venham muitos, muitos, muuuitos anos pela frente!

Aproveitando esse clima festivo pra lembrar que no próximo dia 26 o Sweet Luly completa 13 anos no ar, e é CLARO que vai ter sorteio comemorativo por aqui também! Fiquem de olho porque já tá chegando, ai que emoção…

7 livros para ler em 2017

Em 09.01.2017   Arquivado em Leitura, Vídeos

Tradicionalmente o vídeo que abre janeiro lá no meu canal do YouTube é um Top 5 de livros favoritos do ano que acabou de acabar, mas 2016 foi tão louco que eu sequer consegui ler o suficiente para produzir esse mini ranking pessoal, infelizmente… Sendo assim, pra não passar esse momento em branco e quase fazendo uma promessa de dias melhores, resolvi que pra compensar ia falar um pouquinho sobre 7 livros que quero ler em 2017! Na verdade os escolhidos são mais pra “fechar ciclos”: alguns que já comecei, outros que estão emprestados, séries que gosto e quero levar adiante e por aí vai. Por enquanto até organizei minha meta de leitura do Skoob para que ela finalmente ficasse realista constando só esses, agora vamos ver se ao longo dos próximos 12 meses eu consigo “dobrar a meta”, não é mesmo?

Livros que comecei em 2016: (e nunca terminei)
O Trono de Fogo – Rick Riordan (Editora Intrínseca)
A Espada do Verão – Rick Riordan (Editora Intrínseca)
Led Zeppelin: Quando os gigantes caminhavam sobre a Terra – Mick Wall (Larousse)

Livros nacionais:
Surpreendente! – Maurício Gomyde (Editora Intrínseca)
1+1: A matemática do amor – Augusto Alvarenga e Vinícius Grossos (Faro Editorial)

Continuações de séries favoritas:
O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei – J.R.R. Tolkien (Editora Martins Fontes)
Vocação Para o Mal – Robert Galbraith (Editora Rocco)

Pode ser animação típica de início de ano, mas desde que gravei o vídeo já terminei o “1 + 1” e voltei pro “Trono de Fogo”, focando em devolver os que estão emprestados, então pode ser que dessa vez dê certo, hein… Agora quero saber: o que vocês querem ler em 2017? E quais os favoritos de 2016 para me indicar, caso eu termine todos a tempo? Me contem, por favor!

7 livros para ler em 2017

Essa blusa da Grifinória é parte da Linha “Cursed Child” da Cia do Ponto e tem dela das quatro Casas, estão disponíveis em todos os tamanhos na loja vitual deles!

Wishlist 3×3: Livros

Em 21.12.2016   Arquivado em Leitura

Nos últimos meses tô numa fase muito pouco consumista da minha vida, o que é realmente ótimo se parar pra pensar, mas às vezes me dá saudades de ficar adicionando coisas à minha WishList, fazer planos das loucuras que faria se ficasse milionária e etc. Outro dia eu ganhei um vale compras no sorteio de aniversário do Poly Pop e não fazia IDEIA do que fazer com ele, sabe quando você não consegue pensar em nada que te “apetece” naquele momento? Pois é, cheguei nesse ponto! Aí eu e minha irmã fuçamos um pouco, conseguimos fazer ótimas compras com ele, e foi quando eu decidi que ia começar a fazer umas listas de coisas que quero, divididas por categorias e com nove itens cada, só por diversão pra me dar uma animada. São “desejos saudáveis”, coisas que não fico triste por não ter, mas que me fariam ficar alegre se tivesse! Vou começar com livros porque li MUITO POUCO esse ano e quero mudar isso ano que vem… Depois me contem se vocês têm/já leram algum deles pra eu saber as opiniões de geral!

wishlist3x3_01

01) Sejamos Todos Feministas, Chimamanda Ngozi Adichie: Eu já falei umas TROCENTAS vezes desse discurso da Chimamanda, do quanto acho maravilhoso, do quanto concordo com cada uma das palavras dela, tô sempre assistindo e reassistindo a palestra dela no YouTube… Sendo assim quero demais a versão escrita dele! É um que me dá vontade de comprar vários e sair distribuindo pras amigas, pra vocês, pra todo mundo! (Imagem do “De Livro em Livro”)

02) Vocação Para o Mal, Robert Galbraith: Eu AMO a obra desse pseudônimo da J.K. Rowling, é uma das melhores séries de romance policial que já li, mas como não estou muito na vibe acabei não lendo o terceiro romance que foi publicado esse ano… Mas quero muito, e quero a edição de capa dura pra formar o trio junto com os “irmãos” dele que já tenho (e quero o quarto publicado logo, ehr). (Imagem do “Blog Resenhando”)

03) Kenobi, John Jackson Miller: Eu adoro Star Wars, mas confesso que não fico tão apetecida com os livros do Universo Expandido quanto a maioria dos fãs, sei lá o motivo. Esse, porém, é diferente, Obi-Wan é meu personagem favorito desde que assisti pela primeira vez e sempre será, queria demais ler essa história dele entre os episódios 3 e 4. (Imagem do “Cantinho de Leitura”)

04) Juntando os Pedaços, Jennifer Niven: Conheci o trabalho da Jennifer quando li “Por Lugares Incríveis” ano passado (resenha aqui!) e me apaixonei, além de ser exatamente o tipo de coisa que gosto de ler ela é uma FOFA, queria muito ter ido conhecê-la na Bienal de São Paulo, mas não rolou… Enfim, o que importa é que tô doida pra ler o novo livro dela agora, tenho certeza que é lindo também! (Imagem do “Sobre os Olhos da Alma”)

05) Contos Inacabados de Númenor e da Terra Média, J.R.R. Tolkien: Eu tenho uma relação FORTÍSSIMA de amor e ódio com o Tolkien. Amor porque acho o homem genial, brilhante, precursor, rei-da-porra-toda e tudo mais, acho as histórias dele indescritivelmente FANTÁSTICAS, mas tenho ódio porque na maior parte do tempo é um saco de ler, gente, foi mal! Ainda tô lutando contra isso com “O Retorno do Rei” e pretendo acabar antes de, sei lá, 2020 pra ler “O Silmarillon”, e aí quem sabe um dia chego nos contos que me deixam super curiosas de tanto spoiler que já me deram sobre eles! (Imagem do “Pipoca Musical”)

06) Contos de Fadas, da Editora Zahar: Eu meio que “coleciono” esses livrinhos de capa dura da Zahar porque 01) acho eles lindos por inteiro, cada detalhe, e 02) adoro ter livros infantis e poder ler a versão original de histórias que já gosto! Esse eu quero muito porque adoro a cor da capa (é, pois é) e é uma coletânea, né, então são vários contos juntos de uma vez! (Imagem do “Colorindo Nuvens”)

07) A Deusa do Amor, P.C. Cast: Pra ser beeem sincera eu não sei ao certo se quero mesmo esse ou não, mas já faz um tempo que tá na minha lista e eu AMO Afrodite, quero até fazer uma tatuagem de pomba em homenagem a ela algum dia, então não é bem uma prioridade mas também é o tipo de coisa que eu gostaria de ter, no fim das contas! (Imagem do Skoob)

08) Aparador de livros Salsicha, da Trekos e Cacarekos: “Acessórios” também valem? Vai ter que valer! Eu nem tenho um lugar pra colocar esse aparador de dachshund, na verdade, mas ele é tão lindo que não dá pra resistir, a gente se vira e CRIA espaço pra encaixar! (Imagem da loja virtual da marca)

09) Wish You Were Here, Luly Lage: Sim, é meu livro. Não, ele ainda não foi publicado. Mas é por isso que entrou aqui, quer dizer que desejo ter ele de verdade, que exista pra todo mundo poder ler, simples assim! (Imagem da página do Facebook)

As fotos usadas nesse mosaico foram retiradas de vários sites diferentes no dia 21/12/16 e todos eles foram sinalizados ao longo do texto. Se você é o autor de qualquer uma delas e não gostaria de vê-la aqui, por favor, me avise para que eu possa retirá-la!

Página 4 de 151 ...12345678... 15Próximo