Posts de May de 2017

No meio do caminho tinha uma árvore…

Em 30.05.2017   Arquivado em Escrevendo

No Meio do Caminho Tinha Uma Árvore...

Minhas sessões de terapia acontecem uma vez por semana, toda sexta feira, desde março. Eu devia ter corrido atrás disso faz tempo? Já! Mas fugi uma época, arrisquei fazer de mal jeito em outra, até que tudo explodiu e precisei começar pra valer. E aí que pra chegar até lá tenho que percorrer um caminho que apesar de breve, é um pouco cansativo, e não me refiro ao caminho psicológico de melhorar minha ansiedade porque esse é longo, mas o caminho físico mesmo, os sete quarteirões que eu ando daqui até lá, subindo um belo de um morrinho e sempre tendo uma pausa bem no meio dele.

Porque no meio do caminho tem uma árvore!

Não é uma árvore suntuosa mais alta que os prédios, nem frutífera que me faz “roubar” coisas gostosas quando está carregada, ou sequer um Ipê rosa ou amarelo que sempre paro pra admirar. Não, é só uma árvore. Pra falar verdade eu nem sei como ela é porque nunca parei pra olhar de verdade, meu foco é sempre nas raízes que já cresceram a nível de destruir a calçada. Não uma destruição em massa nem nada, é aquela elevação típica cheia de pedrinhas que sempre vemos, mas por algum motivo eu me desequilibro nela todas as vezes que subo a rua.

Todas – as – vezes!

Isso antes mesmo da terapia em si… Durante seis anos morei perto de onde hoje são minhas consultas, enquanto minha querida vovó morava ao lado da minha casa atual, e se eu voltava da casa dela à pé era certeza que ia rolar uma deslizada ali. É aquela coisa meio “bêbado andando”, piso na região da árvore e pronto, rola pés fora do lugar e braços sacudindo pra tentar fazer tudo voltar no eixos, estando sozinha ou acompanhada. Quando vou descer nada acontece, fica tudo de boa, mas na ida é tiro e queda (ou, no caso, quase uma queda), aquele lugarzinho acaba me fazendo olhar pros lados pra ver se alguém presenciou essa breve pisada em falso, aí quando volto e passo pela árvore de novo só consigo pensar “Ahá, dessa vez você não me pega!” e ela não pega mesmo. Não sei quando foi que eu reparei isso. Não sei quando foi que decidi escrever sobre o fato de ter reparado isso. Não sei quando foi que apelei de vez e resolvi tirar uma foto desse exato momento para me incentivar a escrever sobre o fato de eu ter reparado isso. Só sei que aconteceu, e aí eu passei a prestar mais atenção me desafiando a não dar mais uma “trupicada”, o que nem sempre consigo. Tudo podia ser evitado pegando um ônibus, como minha mãe já disse que eu devia fazer várias vezes (e acha que eu faço, vejam bem), mas me foi recomendado ir andando então eu vou. Mesmo porque é até mais rápido! Aí o resultado é esse aí, lidar com a muito desnecessária mini vergonha temporária e eventuais sapatilhas que saem do pé. Se parar pra pensar é até bom porque posso usar de desculpa, sabe, se ouvir algum dia um “Ei, você atrasou, o que aconteceu?” é só fazer um ar poético e dizer, meio que de brincadeira e meio que de verdade:

“Tinha uma árvore no meio do caminho!”

Esse post foi MAIS OU MENOS inspirado na proposta #40 do Creative Writing Prompts, que oferece mais de trezentas ideias legais para desenvolver sua escrita criativa. É o 13º entre os 25 que me propus a escrever até outubro de 2018.

Os novos clipes (LINDOS) de clássicos do Elton John!

Em 27.05.2017   Arquivado em Música

É de conhecimento geral que Elton John é assim… Meu maior ídolo de todos os tempos! Pianista, cantor, compositor, produtor, filantropo e ativista na luta contra a AIDS, em 2017 ele e Bernie Taupin comemoram 50 anos escrevendo músicas juntos, a maior parceria entre músico e letrista de todos os tempos (e mais lindinha também)! São mais de 30 álbuns juntos e mais de 300 milhões de cópias vendidas, então não dava pra deixar essa data passar em branco, né? Por isso que no final do ano passado os dois, junto com o YouTube, lançaram o concurso “The Cut” para que os fãs produzissem videoclipes de três de suas canções clássicas, já que na época que foram lançadas não existia esse costume. Os vencedores teriam não só um clipe oficial do Elton no currículo completamente financiado por eles como também um prêmio de 10 mil dólares para investir em projetos futuros. A divulgação dos vencedores foi pelo canal oficial VEVO dele semana passada e, nossa, ficou a coisa mais linda dessa vida… Cada uma tinha uma exigência e o resultado final contém uma animação, um live-action e uma coreografia!

Rocket Man, a animação

Começando por “Rocket Man”, um dos maiores sucessos dessa longuíssima carreira que virou “apelido” do Elton e deu nome à sua gravadora. O vencedor foi o cineasta e refugiado iraniano Majid Adin, que criou uma versão extremamente melancólica digna da letra da música… Super sensível, uma história sobre aventura e solidão e como ambos se unem em certos momentos, encantador!

Tiny Dancer, o live-action

“Tiny Dancer” é conhecida pela maioria das pessoas hoje pelo filme “Quase Famosos”, mas a história por trás dela é ainda mais bonitinha… Foi escrita para a primeira esposa Bernie, que era costureira da banda na década de 70, meio que como uma homenagem ao espírito das mulheres californianas. E, gente, o vídeo conseguiu passar isso PERFEITAMENTE! Foi produzido por Max Weiland e não sei se é porque eu amo essa música ou se é porque tá muito fiel (acho que os dois), mas é como se tivesse sido feito na época mesmo, e não agora tantos anos depois!

Benny And The Jets, a coreografia

Por último, mas não menos importante, “Benny And The Jets”! Os vencedores foram uma dupla, Jack Whiteley e Laura Brownhill, que fizeram um show de dança meio futurístico tão divertida quanto a melodia! O legal é que mesmo sendo bem sincronizada não ficou com a impressão de algo milimetricamente ensaiado, sabe? Em resumo: um projeto incrível! Vai ser melhor ainda se rolarem outras edições, eu participaria com todo no meu amadorismo só pra saber que os juízes (cof, cof, o Elton) assistiram minha prévia, sério!

Acompanhe o Elton John também pelo site oficial, Facebook, Twitter, Instagram e também pelos vários posts que já escrevi sobre ele aqui, inclusive dois shows que já tive a chance de assistir!

Lookbook: Where the streets have no name

Em 24.05.2017   Arquivado em Moda

Há uns meses atrás postei no Lookbook fotos com uma *brusinha* que amo da Miallegra, uma marca carioca cheia de coisas lindíssimas com preços o mais acessível possível… E eles estão de volta nessa de porco espinho estilosão super fofa e “compridinha” na roupinha que vesti esse domingo! Ainda tô seguindo a linha de usar bastante calça cirrê com blusas mais larguinhas e compridas pra disfarçar minha magreza, no caso não deu muito certo mas tinha bota, moletinho amarrado na cintura, colar de câmera e mochila maravilhosa da bandeira do Reino Unido emprestada do Gil, tá estilosinha, tá urbaninha, valeu o registro!

Inclusive foi Gil que tirou as fotos e ele tem um sistema muito falho de usar o Stories do Instagram pra que elas não fiquem tremidas, OU SEJA, a qualidade ficou bem questionável. O recado pra ele, na verdade um conselho, é que pare com isso e passe a aprender a usar a câmera, e o pra vocês é que finjam que tá tudo bem, fiquei fofa na última então isso que importa, né?

Descrição das peças no Lookbook!

Além disso temos Praça do Papa como “cenário”, o que é sempre lindo e válido! De novo de batom Vinhex e delineador Marrolino da Quem disse, Berenice?, ambos apareceram entre os meus Favoritos de Abril e se rolasse um vídeo desse em maio ia ser repeteco, certeza! O rabo de cavalo foi naquele básico truquezinho nosso de cada dia pra disfarçar a sujeira do cabelo… Quem nunca, não é mesmo?

Gente, nos últimos dias tô com uma alergia bizarra que não sei de onde veio e até quando vai durar. O anti-alérgico me deixa bem dopada, tem vezes que não consigo ficar em pé, então desde já peço desculpas por qualquer eventual besteira que tenha dito nesse post, ou mesmo pela má qualidade do mesmo. Quando melhorar eu volto direito!

Arco-irisar

Em 15.05.2017   Arquivado em Escrevendo

Arco-irisar

A circulação sanguínea acelerada causada por batimentos cardíacos frenéticos deixa as bochechas vermelhas de excitação, quentes, proeminentes. Pode ser maravilhoso, pode ser desesperador, pode e é os dois ao mesmo tempo sabe-se lá como. Aí dizem que laranja abre o apetite, então será que foi o alaranjado do Sol ao fundo que trouxe essa fome de falar e ouvir, contar e descobrir a existência já conhecida? Seja qual for o motivo foi forte o suficiente para fazer amarelar diversas vezes, estagnada nessa sufocante euforia de saber exatamente com agir e ainda assim recear todas as possibilidades impossíveis que os universos inexistentes nunca trariam. O reflexo mostrava o rosto esverdeado no que só poderia ser o enjoo ansioso sabotando a expectativa, mas após o respira-e-inspira se transforma em “verdesperança” e súbito de coragem. Age! Um ícone subitamente fica azulzinho com a evidência de que não havia o que temer, o sorriso enorme como o céu anil se abre, faz com que as emoções ultrapassem o ultra sônico… Em excitação me ilumino, viro ultravioleta!

Ainda que o chover prepondere,
Seus raios são influência certa
E me levam a arco-irisar…

Esse post foi mais ou menos inspirado na proposta #20 do Creative Writing Prompts, que oferece mais de trezentas ideias legais para desenvolver sua escrita criativa. É o 12º entre os 25 que me propus a escrever até outubro de 2018.

Página 1 de 212