Posts de January de 2016

Desafio Q&A PolyPop – Janeiro

Em 30.01.2016   Arquivado em Memes e Tags

Finalmente estou respondendo ao Desafio Q&A mensal promovido pelo Poly Pop, faz meses que estou protelando isso – por falta de tempo – mas dessa vez vai!
Como já tinha um planejamento muito específico pros posts daqui em janeiro resolvi já responder tudo de uma vez, mas quem quiser fazer pode ser do seu jeito: no blog, em redes sociais, um por dia, vários por semana, uma vez por mês, etc, o legal é justamente isso.

desafiopp_jan15

01) Uma meta para 2016: Coloquei todas aqui!
02) Ano passado eu não… fui muito feliz, não… Sério, fiquei feliz só pelo ano ter acabado!
03) Uma dica para exercitar a gentileza: NUNCA ceder à falta de gentileza de outra pessoa. Se a pessoa te trata com deselegância em qualquer momento a melhor maneira de combater isso é sendo cada vez mais educado!
04) Meus sorvetes preferidos: Menta com chocolate! E Sensação! E chiclete! E Sonho de Valsa! E cobertura de morango com granulado por cima!
05) No verão eu gosto de… ficar com o ventilador ligado a maior parte do tempo possível.
06) O que vestir no verão: Qualquer coisa que te deixe confortável na estação, assim como o outono, o inverno e a primavera!
07) Uma causa social que eu apoio: Ativamente acho que nenhuma, mas existem várias que ajudo com textão no Facebook e propagando conhecimento, serve?
08) Um novo hobby que comecei a praticar: Procurar jogos on line, graças ao A Pior Gamer da Galáxia!
09) Minha lista de compras: I – Óculos novos e II – Estante para o quarto.
10) Meu esporte preferido: Vale nenhum?
11) Maiores desafios de 2016: Economizar dinheiro para realizar algo grande em 2017!
12) O que eu mudaria na minha cidade: O trânsito. As pessoas aqui são péssimas motoristas, quase todas muito mal educadas e irresponsáveis, não gosto!
13) O que aconteceu em 2015 na minha cidade que me marcou: A primeira edição do Hogsmeeting (ooops, dei uma roubadinha)!
14) Uma receita de família: Eu diria que minha família não tem receitas, mas pode ser até que tenha e eu não saiba porque não sei cozinhar. Mas isso vai mudar, vocês vão ver!
15) Músicas para o verão: Qualquer música que você goste! O bom de música é isso, é atemporal, dá pra ouvir o que quiser quando quiser.
16) Definição de verão: “Alguém desliga o Sol, por favor!”
17) Praia, campo ou cidade? Cidade. Sou uma pessoa completamente urbana que ama olhar pela janela e ver um céu cinza do lado de fora!
18) Minha letra: Eu fiz aquele #ALetraDasPessoas e tá aqui!
19) Um novo blog que descobri: Não descobri agora e nem é um blog, mas mais do que nunca estou amando os vídeos do Cadê A Chave e também do Coisa de Nerd, é um dia perdido quando não consigo assistir.
20) Em um primeiro encontro eu… FICO MUITO TENSA. Sério, sou a ansiedade em pessoa e isso vem atrapalhando minha vida desde sempre, é algo pra preciso sempre tentar mudar.
21) Último filme que vi: “Jackie Brown”, do Tarantino.
22) Último livro que li: “Auggie & Eu”, da R. J. Palacio.
23) Minha daily/morning routine: É completamente normal… Tem dias que estou mais sonolenta, dias que estou mais animada, mas todos os dias tem leite com Toddy, loção de limpeza facial, rímel e batom!
24) Sinto saudade de… muitas pessoas que não posso mais matar saudades…
25) O que me faz especial: Sinceramente? Não sei! Eu gostaria de ser uma dessas pessoas extraordinárias da vida, então acho que essa vontade/objetivo, quem sabe.
26) Minha coleção de… bonecas já está manjada, né? Ok, vamos lá: descobri que tenho um bando de mini Stitchs esses dias e até os usei para ilustrar um post, sendo que eu nem sou tão apaixonada por ele assim, olha aqui, ó!
27) Como acabar com o tédio em 5 passos:
27.1 – Lembre daquela coisa que você já devia ter feito a séculos e está protelando;
27.2 – Decida passo a passo como fazê-la da melhor maneira possível;
27.3 – Faça!
27.4 – Admire seu trabalho;
27.5 – Pronto! Aposto que você está tão orgulhoso que nem lembra do tédio mais.

28) O melhor na volta às aulas é… Poder descansar das férias, já que até elas cansam quando ficam na nossa vida por muito tempo…
29) Objetivos para o meu blog: Quero continuar gravando vídeos para a série “A Pior Gamer da Galáxia”, participar do BEDA de novo em agosto e… Sei lá, postar muito, né, quero isso sempre!
30) Melhores sites para resource: Gente, já não conheço mais nada dessas coisas… Vou jogar a bola pra vocês: me indiquem algum nos comentários!
31) Minha melhor foto de janeiro: Foto tirada no Hopi Hari! Na verdade foram quatro fotos que transformei numa panorâmica no lindo Photomerge do Photoshop, acabou que ficou bem bacana apesar de um errinho aqui ou ali:

Hopi Hari - Foto Panorâmica

(Não vai dar pra ver muito bem porque o espacinho aqui é pequeninho, mas é só clicar que ela abre grandona no Flickr!)

Potter Club Tour 2016: Dia 02 – Wet’n Wild

Em 26.01.2016   Arquivado em Harry Potter, Viagens, Vídeos

Parte dois de um “Hello, hello!” mais que especial… O Potter Club Tour 2016, como eu contei no post passado, foi um fim de semana super divertido em Vinhedo/SP no Hopi Hari e no Wet’n Wild, não tinha como eu não querer mostrar tudo tim-tim por tim-tim!

O Wet’n Wild São Paulo é BEM MENOR que o Hopi Hari, a capacidade de pessoas é de mais ou menos um terço, mas isso não tira o grau de divertimento que a gente tem por lá, é uma delícia de parque aquático para ninguém botar defeito. Eu que não gosto de água, sol, piscina e nada disso absolutamente amo lá!
Como a gente passa o dia todo na água não consegui gravar praticamente nada e meu vídeo ficou com menos de 5 minutos (o que é um recorde absoluto para mim), mas ainda assim consegui mostrar beeem pouquinho das atrações, dicas para almoço e fechar a a viagem com dignidade e saudades! Hehehe…


Se inscrevam lá no canal, minha vibe de vídeos pelo visto não vai passar tão cedo!

É inevitável fazer a comparação dos dois parque porque eles são do ladinho um do outro. Enquanto uma fila pequena no Hopi Hari demora meia hora, esse é o tempo máximo que se passa nas do Wet’n Wild porque geralmente é entrar na boia, ser “jogado” pela atração e chegar lá em baixo segundos depois, a tempo do próximo ter sua vez sem vocês trombarem. Na maioria das vezes vocês vai em grupo de duas a seis pessoas e não precisa ter medo: seguindo as recomendações (óbvio) é super seguro e a adrenalina vai a mil!

As atrações principais são a Wave Lagoon, uma piscina de ondas que você dá de cara assim que entra e é referência para qualquer lugar onde você está, e o Lazy River, um rio lento que você pode entrar com ou sem boia e rodeia o parque todo… É ótimo para dar uma relaxada e para ir de uma atração pra outra: você entra e deixa a correnteza ir te levando até chegar na sua “parada”.
O último lançamento é o Vortex, que se destaca no ambiente por ser enorme e roxo com amarelo, inaugurou no ano passado. Eu adoraria tentar contar ou mostrar como ele é, mas é impossível, tem que ir pra saber. Você vai numa boia com um grupo entre quatro e seis pessoas e tem de tudo: descida, subida, área aberta, tubos fechados, virada, o negócio é violento! Como é a mais “disputada” fomos lá de cara e depois todo mundo voltou várias vezes.

Para quem sabe nadar existem dois lugares onde a pessoa vai sem boia e cai direto numa piscina de quase 3m de profundidade. O primeiro é o famoso Space Bowl, mais comumente conhecido como “privada”, onde o esquema é esse mesmo: você vai descendo “em círculos” até cair por um buraco no fundo bem no meio, direto. O segundo é o Water Bomb, que são tobogãs de sete metros de altura que não têm muito mistério: é entrar e já cair debaixo d’água lá no final! Sobre esses eu não sei muita coisa porque não sei nadar e prefiro não arriscar, mas quem tiver coragem pode ficar tranquilo porque tem salva vidas, é só avisar para o instrutor lá em cima que ele passa o recado pra quem tiver tomando conta da piscina.

Falando em Water Bomb, ele faz parte de um “combo” de quatro atrações que ficam todas juntas, mas é o único que você precisa saber nadar. Ali juntinho tem o Kamikaze, onde você desce deitado com as mãos e pernas cruzados e eu JURO POR DEUS que a gente voa, sério, dá pra sentir o corpo parando de tocar a superfície; o Twister onde você desce em dupla e é super levinho, ótimo pra curtir um ventinho; e o R4lly que é uma pista onde você compete com seus amigos quem desce primeiro num tapete em que se vai de bruços e que eu de-tes-tei: não consegui dar a partida direito e no final o tapete não levantava pra frear, passei voando por cima dele e quase bati a cara no brinquedo! Mas isso foi um problema isolado, o resto do pessoal é menos lerdo e consegue fazer funcionar.
Outro bem radical é o Crazy Drop, uma “pista de skate” gigante de onde te jogam numa boia em duplas de frente, você olha pr’aquela queda, reza pela sua vida e se segura que nem um louco, mas a sensação depois que o desespero passa é incrível, antes do Vortex era minha favorita!

Na lista dos mais leves temos também o Surge e Bubba Tub, dois tobogãs que você vai em grupo na boia também, eles dão uma certa emoção mas sem medo, e cada um tem sua vantagem. As áreas infantis do parque também são bem bacanas: existe uma parte aberta para os pequenos, um balão gigante onde eles podem pular durante um certo tempo (nesse eu fui na minha primeira visita porque tinha altura e me deixaram passar mesmo estando um ano acima do permitido, é super legal) e a Ilha do Cascão, que faz parte da “Hot Land” do parque. O legal dessa ilha é que, além de ser coberta, o foco é para crianças, mas também tem tobogãs para adultos, então quem for com a família consegue ficar ali uma parte do tempo e se divertir todos juntos.
Dica: chega um certo horário em que o vestiário principal fica LOTADO, então mesmo tendo tomado banho cedo eu resolvi evitá-lo e fui tentar o vestiário “da Cascuda” que fica nessa parte. Gente, que maravilha, super vazio, eu e a Daninha conseguimos nos arrumar com calma e privacidade, é uma ótima alternativa que nem mesmo o guia mencionou, então tenho que compartilhar!

Existem outras atrações pagas à parte também, como uma região de arvorismo, mas não fui em nenhuma delas e não sei dar muita informação. Já no que diz respeito à comida lá não é tão variado, mas dá pra se alimentar bem sem gastar muito, como eu disse no vídeo compramos um combo de pizza com 8 fatias que estava uma DELÍCIA e ainda vinha com três refrigerantes 700ml, tudo por R$58,00!
Lá tem também uma lojinha onde dá pra comprar lembranças, mas o principal dela são as coisas “úteis” para usar por lá: roupas de banho, chinelos, boias infantis, óculos de sol, capas impermeáveis para celular e coisa do gênero, tudo relativamente caro mas na hora do desespero é isso aí, hahaha!
Depois de sair do parque, à noite, nós fomos ao jantar de confraternização e despedida oferecido pela empresa de turismo, que antes acontecia no sábado. Uau, viu, deu pra voltar no ônibus de barriguinha cheia e dormir o trajeto quase todo para Belo Horizonte… Foi rápido mas foi ótimo, se a viagem do ano que vem fosse igualzinha a essa eu não me importaria em viver tudo de novo!

Hopi Harry
Chegada no parque

Hopi Harry
Nossa primeira ida no Vortex a gente nunca esquece…

Hopi Harry
Vista linda do parque parte 01

Hopi Harry
Vista linda do parque parte 02

Hopi Harry
“Não a nada entre Harry e nós”: como não fazer trocadilhos ao posar com a toalha de HP do Gil?

Hopi Harry
Diva espontânea com meu maiô amado (sobre o qual contarei mais em breve).

Demais informações:

O parque também tem um esquema de pulseira VIP que te permite entrar uma vez em cada brinquedo sem fila, não busquei muitas informações sobre isso no dia mas eles sabem informar direitinho. Além disso tem áreas privadas à parte para quem quer relaxar com a família e tem aluguel de armários, toalhas, boias e coletes salva vida: você paga um valor estipulado e no fim do dia, ao devolver, recebe parte ou todo seu dinheiro de volta!
Para usar boias do parque em Wave Lagoon e Lazy River é necessário alugá-las, mas todos os outros não é necessário, cada um tem a sua própria e o uso é, inclusive, obrigatório nesses casos.
Viajamos pela TransJapa, a mesma empresa que fui da última vez, super recomendada. Eles fazem pacotes para os parques e também outras coisas de lazer “diferentes”, como desfiles de Escolas de Samba e Fórmula 1, acessem o site: http://transjapa.com.br/
Site oficial do Wet’n Wild: http://wetnwild.com.br/
Site do Potter Club BH: http://potterclubbh.com/
Outras fotos no álbum do Flickr.

Potter Club Tour 2016: Dia 01 – Hopi Hari

Em 22.01.2016   Arquivado em Harry Potter, Viagens, Vídeos

Dessa vez teremos um “Hello, hello!” dividido em duas partes porque ocasiões especiais pedem posts especiais. Depois de sete meses planejando finalmente aconteceu o Potter Club Tour 2016, a primeira viagem do fã clube apelidada carinhosamente de “Hopi Harry” pois passamos um fim de semana super divertido em Vinhedo/SP no Hopi Hari e no Wet’n Wild!
Quem acompanha o blog a mais tempo sabe a importância que esses dois lugares têm para mim. Eu fui pela primeira vez em 2003, com a escola, e depois voltei em 2007 na minha viagem de formatura do 3º ano, que foi maravilhosa, então estava super ansiosa para voltar porque amo os dois parques e me sinto maravilhosamente bem em ambos.

O Hopi Hari sempre foi meu favorito entre os dois, então fiquei muito triste enquanto fazia minhas pesquisas para a viagem em saber que ele passou por uma fase de total decadência a um ano atrás. Felizmente está se recuperando bem, não é mais o que era na década passada mas já está bem melhor agora, fizeram parceria com a Warner que incorporou a turma de Looney Tunes e da DC Comics e se a pessoa se planejar e entrar no site antes para conferir as atrações abertas consegue se divertir tranquilamente.
Resolvi mostrar como foi nossa tarde num vlog onde reuni todas as informações que achei mais importantes e que não conseguia achar nos vídeos e posts que visitei antes de ir: valor da alimentação, VIP Pass (que te permite furar fila em alguns brinquedos), as mudanças feitas na região da Liga da Justiça, mershandising que vale a pena, etc. Ficou curtinho para meus padrões porque era difícil conseguir encarar filas e correria com a câmera, mas para quem quer saber como foi a viagem em si o vídeo cumpre a função. Já no post completo vou colocar várias informações que acho relevante para quem planeja ir pra lá também!


Se inscrevam lá no canal porque tá tendo vídeo demais!

Para quem não conhece, o Hopi Hari é conhecido como “o país mais divertido do mundo”, tem inclusive uma língua própria, e é dividido em cinco regiões temáticas: Kaminda Mundi, Infantasia (Pernalonga e sua Turma), Mistieri, Wild West e Aribabiba (Liga da Justiça). Cada uma tem seus atrativos e destaques, e se tratando de adultos dá pra aproveitar um pouquinho de cada. Já as crianças acabam ficando “limitadas” à região infantil, uma vez que a altura mínima da maioria dos brinquedos varia entre 1,20 e 1,40m.

Kaminda Mundi

É a região “de entrada”, passando pelo “Imigradero”/Centro de Imigração você cai direto nela. Nessa área existe uma forte referência de diversos países do mundo em atrações como a Giranda Mundi, que faz referência à London Eye, a falecida La Tour Eiffell, que fechou em 2013 após um acidente e nunca mais abriu (ela ainda está lá, mas ouvimos dizer que finalmente será retirada porque é realmente triste vê-la ali, inativa), entre outros. Outras atrações legais nessa área são o Theatro de Kaminda, onde acontecem shows temáticos (dessa vez era “Piratas e a magia das fadas” que eu estava doida pra ver e não consegui), uma área de vídeo games que é paga à parte e a maior “Hopi Shop” do parque, onde você encontra TODOS os produtos de todas as regiões.
Dica: se você pretende fazer compras em Hopi Hari, levar lembrancinhas e etc, faça ali, porque terá todas as opções disponíveis ao mesmo tempo. Eu deixei para fazer isso no fim da tarde, para não ter que ficar carregando sacola, e mesmo sendo caro tem algumas coisas LINDAS. Ah, fiquem olho naquelas maquininhas que você troca uma moeda por bolinhas que vêm com bichinhos dentro porque achamos uma que tinha personagens de Harry Potter, Disney e O Senhor dos Anéis (eu consegui um Harry), nunca tinha visto dessas!
O VIP Pass, também conhecido como “fura-fila”, é vendido nessa região, ao lado da Giranda Mundi. Vale a pena uma corridinha lá para ver a quantas anda o preço, por que varia!

Hopi Harry
Imigradero di Hopi Hari

Hopi Harry
Giranda Mundi

Hopi Harry
La Tour Eiffel (saudades…)

Infantasia / Pernalonga e sua Turma

A região infantil de Hopi Hari anteriormente contava com a Turma da Vila Sésamo, mas agora quem “comanda” são os personagens de Looney Tunes. Quase todos os brinquedos dessa área são exclusivamente para crianças, com limitação de altura e idade, mas Lokolorê, que são tintas giratórias do Taz, e o Kastel di Lendas permitem adultos. Eu fui em abas (nunca tinha ido antes) e pessoalmente não recomendo. Lokolorê dá uma sensação absurda de labirintite (quem sofre disso nem pode entrar) e eu tive que ficar de olhos fechados, enquanto o Kastel di Lendas, um barquinho que te mostra elementos folclóricos com uma musiquinha chiclete tocando, tem a combinação de água com um lugar fechado, então tem não cheira muito bem, além dos bonecos serem assustadores. Porém é um lugar ÓTIMO pra matar tempo enquanto faz digestão, além de não ter fila nenhuma.
Em determinados momentos os visitantes encontram com Pernalonga e sua turma nessa área, além de poder assistir ao show deles no Klapi Klapi, é só ficar atento aos horários que são anunciados várias vezes em todo o parque.

Hopi Harry
Pernalonga e sua turma

Mistieri

É onde ficam as atrações mais radicais, uma área com temática predominantemente egípcia, mas com um pouquinho de nórdico e greco-romano. Ali fica a Montezum, principal atração do parque, a maior montanha russa de madeira da América Latina e quinta maior do mundo: ela até passa por baixo da rodovia de forma que os visitante já passam por cima dos trilhos na entrada do parque, é muito bacana. A Montezum está SEMPRE lotada e é passagem obrigatória no parque, então tem que se preparar porque em dias de alta temporada chega a ter quatro horas e meia de fila! A dica é: chegue cedo e corra direto pra lá! Foi o que nós fizemos e ficamos uns 20 minutos esperando só, mas como eu queria ir de novo comprei o VIP Pass para ela (no dia o individual estava valendo a pena), e até nessa hora rolou uma filinha.
Outras atrações legais são a Vurang, uma montanha russa no escuro que tem fila gigantesca de duas horas (levei o VIP pra ela também, mas nesse caso não peguei fila nenhum), Vulaviking (um barco viking que estava fechado, mas abriu no dia que fomos e conseguimos aproveitar), Katakumb (que é pago a parte, mas vale muito a pena para quem gosta de aventuras de terror, ao contrário de mim, os meninos foram e amaram) e Simulákron (simulador 3D). Todos são cheios, sempre, mas são os melhores.
Dica: na minha segunda ida, em 2007, almocei por lá um combo de hambúrguer/batata/refrigerante e lembro que a comida foi MUITO melhor do que dessa, da qual vou falar mais em baixo. Não lembro o nome do lugar, mas acho que era o Hopi Rango. Não sei se continua igual, provavelmente não, mas não custa olhar.

Hopi Harry
Montezum

Hopi Harry
Katakumb e Vulaviking

Wild West

A região do Velho Oeste é a minha PREFERIDA, tanto visualmente como no clima. Ela é toda tematizada como uma cidadezinha, toca música country o dia inteiro (na hora que chegamos estava tocando Johnny Cash!) e de vez em quando rolam tiroteios de cowboys no meio da rua e shows de cancan no Saloon. Definitivamente a área mais bem feita nesse aspecto, amo! Foi nessa área que nós almoçamos, no Rango Django que eu estava doida para conhecer, e estava bem gostoso, apesar de eu lembrar que da outra vez era melhor. Os combos de sanduíche, batata frita e refrigerante 700ml variavam de R$25 a 30, que é caro mas dentro do esperado, já que é mais ou menos isso que pagamos em fast food em shoppings e comida em parque sempre custa mais. No Saloon tem comida “de verdade” e você ainda almoça assistindo algum showzinho (passei por lá e tinha uma cantora country no palco), mas provavelmente é bem mais caro. Como eu já tinha comido nem olhei os preços, apesar da vontade.
As atrações já foram melhores nessa área, mas a maioria ainda funciona normalmente. O Rio Bravo agora é pago à parte, mas é divertido, o Spleshi de deixa completamente molhado (ótimo pra dias de calor), o West River Hotel é o prédio mal assombrado e La Mina de Joe Sacramento foi minha grande frustração da vez porque quando passei por ela ainda estava fechada (abria às 15h) e na hora pude voltar a fila estava ENORME e não dava mais tempo porque a gente tinha que ir embora, uma pena porque eu nunca tinha ido e sempre quis saber como é, vou ter que esperar uma nova visita… Mas em resumo, pelo que entendi, é uma caça ao tesouro pelas minas em busca de pepitas de ouro, parece divertido!

Hopi Harry
Graças à pochete eu sou um pontinho rosa no Velho Oeste…

Hopi Harry
Buscando uma aguinha pra refrescar

Aribabiba / Liga da Justiça

A capital de Hopi Hari mudou de nome e temática, mas as atrações continuam as mesmas, eles só designaram personagens para cada uma delas e deram um leve upgrade. Katapul, o looping que vai de frente e costas, agora é do Super Homem e é muito legal porque depois de voltar de costas toca a música dele pra você se sentir vitorioso e tudo mais, hahaha! E não são só heróis, apesar de Bat Hatari ser do Batman e Lanterna Verde e Mulher Maravilha terem as suas, os vilões também têm sua vez: uma delícia de brinquedo que era o antigo chapéu mexicano, Parangolé, é agora Trukes di Pinguim, um guarda chuvas (logicamente) do Pinguim, além da presença do Coringa e do Charada. A parte mais legal é que se você for para o Palácio da Justiça na hora certa consegue conhecer o próprio Batman e tirar foto com ele! Isso além do visual do lugar que mudou completamente, antes era uma overdose de cores e agora logicamente os personagens e seu universo dominam tudo, ainda é colorido mas bem mais sóbrio que antes.
Dica: quem gosta de quadrinhos, principalmente dos principais personagens da DC Comics, SE PREPARA! Camisetas, cadernos, chaveiros, ímãs, pins, garrafinhas, canecas… É de pirar. Eu fui já focada na Mulher Maravilha e as camisetas dela são LINDAS, além da vermelha “padrão” tem uma amarelinha fofa e muita coisa cor-de-rosa, o que é meio sexista e não tem muito a ver com a personagem, mas também minha cor favorita, então eu até esqueci um pouquinho o preço absurdo e trouxe uma pra casa. Tinha uma incrível da Mulher Gato também, além dos heróis “meninos”, tudo de pirar!

Hopi Harry
Reunião com chefinho para assumir meu novo emprego de BatGirl!

Hopi Harry
Trukes di Pinguim visto de baixo…

Hopi Harry
… e já começando a levantar visto de cima!

Demais informações:

O valor do VIP Pass costuma ser R$70,00 o unitário e R$100,00 o combo. No dia que fomos lá o unitário estava por R$25,00 e o combo com o preço normal para oito atrações. As outras que são pagas à parte variam entre R$20,00 e R$30,00.
Viajamos pela TransJapa, a mesma empresa que fui da última vez, super recomendada. Eles fazem pacotes para os parques e também outras coisas de lazer “diferentes”, como desfiles de Escolas de Samba e Fórmula 1, acessem o site: http://transjapa.com.br/
Site oficial de Hopi Hari: http://hopihari.com.br/
Venda do Passaporti (na portaria é bem mais caro): http://hopiharionline.com.br/
Site do Potter Club BH: http://potterclubbh.com/
Outras fotos no álbum do Flickr.

Muita gente deve ter visto, mas na véspera da nossa viagem saiu da notícia de que uma empresa pediu a falência do parque por causa de uma dívida… Eu não sei o que vai acontecer, mas espero que tudo se resolva porque agora que está se reerguendo ele tem tudo para merecer novamente o título de “país mais divertido do mundo”, se continuar nesse ritmo logo volta a ser o que era antes!

Auggie & Eu

Em 18.01.2016   Arquivado em Leitura

Auggie & Eu – Três histórias Extraordinárias (Auggie & Me) *****
Autor: R. J. Palacio
Gênero: Infantojuvenil
Ano: 2015
Número de páginas: 326p.
Editora: Intrínseca
Sinopse: “A história de Auggie Pullman, o menino de aparência incomum que tem encantado milhares de leitores desde o lançamento do romance Extraordinário, em 2013, ganha agora novas perspectivas: Julian, Christopher e Charlotte, personagens da vida de Auggie, narram nos três contos reunidos no livro Auggie e eu seus encontros e desencontros com o amigo extraordinário.” (fonte)

Auggie & Eu

Comentários: Como contei no meu Top 5 de melhores livros de 2015, “Auggie & Eu” foi o último que li no ano, mas também o que mais gostei. Não tinha como ser diferente uma vez que “Extraordinário” é um dos meus livros favoritos (eu diria que é o número 01 se não fosse pela série “Harry Potter”) e eu estava morrendo de saudades dos personagens, apesar de concordar com a autora que não sabe fazer uma continuação para ele porque NÃO, não é isso que temos aqui, e sim três histórias paralelas que faltaram no livro onde August é apenas um coadjuvante. O objetivo, porém, é o mesmo: mostrar como ele afeta as pessoas ao seu redor, mesmo que indiretamente.

“O Capítulo do Julian” mostra o ponto de vista geral de quem as pessoas mais sentiam falta no livro original: o garoto que lidera as práticas de bullying contra o Auggie. Eu tinha muito, muito, muito medo de o Julian ser vitimizado nessa história porque eu acho que nada nessa vida justifica maltratar um colega de escola, ou incentivar esse mal trato, mas não é isso que acontece, felizmente. A história explica o medo de Julian em relação ao colega (com o qual me identifiquei um pouco, apesar de que eu jamais agiria como ele na vida), a influência da família diante dessa situação, os pensamentos não muito legais de um menino não muito legal e, por fim, uma história tristíssima contada pela avó que ensina o quanto seu comportamento foi errado. Gostei de como mostra que, apesar de ele não estar certo em suas atitudes, pode aprender a “escolher ser gentil”, que é o lema da história.

“Plutão” era o que eu mais queria ler porque senti falta de ver pelo menos um pouquinho do Christopher, melhor e mais antigo amigo do Auggie, em “Extraordinário”, já que ele nem aparece. Assim como o amigo, Chris está passando pela vida esquisita na pré-adolescência e tem que fazer suas escolhas em relação à família, já que ele e a mãe vivem discutindo, e os colegas de escola, onde ele tenta se encaixar da melhor maneira que pode diariamente (e quem não tenta?). É engraçado porque as atitudes e pensamentos dele são exatamente o que se espera em relação a tudo! A gente vê as dificuldades que ele teve por ser amigo de uma criança “deformada”, as consequências disso nas suas atuais amizades, a maneira como ele lida com a separação dos pais, e consegue entender, porque é exatamente isso que se passa na cabeça de uma criança aos 10, 11 anos de idade. Palacio é brilhante nesse aspecto, gente, é impressionante. Outra coisa legal é ver pequenos flashs da infância deles, com a presença da Via, que é minha personagem favorita, então fiquei super feliz.

“Shingaling” é a história da Charlotte, uma garota da sala do Auggie que, apesar de não ter se tornado amiga dele, sempre o tratou da melhor maneira possível, independente da aparência. E foi minha favorita do livro, porque além de ser uma personagem realmente boazinha e com uma história bonita, me identifiquei MUITO com ela, era só ler sobre as coisas pelas quais ela passava que eu lembrava como era estar na quinta série e ser forçada a crescer para manter as amizades, mas com aquela necessidade de ser aceita do jeito que você é. Acho que fica ainda mais natural por ela ser menina, como a autora, aí as experiências ficam mais realistas. Outra coisa legal é conhecer mais sobre a personalidade das meninas que são apenas citadas no primeiro livro e rever MUITO a Summer, que é indiscutivelmente a melhor personagem e o tipo de pessoa que qualquer um quer e devia ser.

Para quem leu “Extraordinário” está super recomendado. Para quem não leu já recomendo os dois de uma vez, é daqueles que mudam alguns pontos de vista da vida da gente (sério)!

Auggie & Eu

A Pior Gamer da Galáxia Ep. 01: 2048

Em 14.01.2016   Arquivado em Games, Vídeos

Hello, hello, pessoal, bem vindos ao primeiro episódio da série A Pior Gamer da Galáxia, que é o projeto que está me deixando mais empolgada esse ano para o blog/canal do Youtube! A ideia veio em um dia que eu estava jogando 2048 e a Mari, que estava do meu lado, começou a rir dos surtos que eu dava e do quanto eu sou ruim não só nesse, mas em qualquer outro jogo. Daí veio o insight de fazer uma série de vídeos de Gameplay para ver se continuarei ruim para sempre ou se, quem sabe, consigo melhorar um dia.

Esse primeiro vídeo tem um modelo completamente diferente dos próximos. Nós gravamos super improvisadamente em uma tarde na casa da Mari e do Vinícius sem aplicativo nenhum, apenas com a câmera do celular, portanto a visão que vocês vão ter do jogo é a partir daí. Para os próximos pretendo mostrar simultaneamente minha reação e a tela do jogo direitinho, como deve ser, mas como tinha ficado divertido não queria desperdiçá-lo e o transformei no primeiro episódio!


Se inscrevam lá no canal para ver os próximos episódios.

No próximo também vai ter vinheta, indicação de onde conseguir o jogo, controle do tempo e etc. Me digam o que acharam dessa ideia e me indiquem coisas para jogar de fácil acesso e que possa ir pro YouTube porque quero que seja no mínimo mensal, pelo menos por enquanto. (Sério, tô muito empolgada, vai ser tão legal!)

Não quero fazer dois posts “In Memorian” seguidos, mas que semana essa, não? Recebi cedinho a notícia de que Alan Rickman, um dos maiores atores britânicos da atualidade, faleceu hoje aos 69 anos por causa de um câncer. Dia triste, triste, triste por nunca mais poder ouvir aquela voz maravilhosa!

Página 1 de 212