Posts de March de 2015

Os melhores shows da minha vida!

Em 25.03.2015   Arquivado em Música

O tema deste post foi um dos propostos como blogagem coletiva desse mês do Rotaroots. Para ficar por dentro dos temas é só entrar no Grupo do Facebook!
O tema original é “Melhor show da minha vida”, mas tive que falar dos dois porque ambos foram especiais.

eltonjohn68
Via Instagram.

O primeiro filme que assisti no cinema foi “O Rei Leão” e eu jamais esqueci a sensação de entrar naquela sala gigantesca pela primeira vez e ver o Zazu voando em direção à Pedra do Rei, cumprimentando o lindo do Mufasa e saudando o futuro rei. O amor foi tanto que meu aniversário seguinte, de 5 aninhos, teve o filme como tema e eu assistia e re-assistia sem parar, até hoje é um dos meus favoritos e tudo relacionado com ele me emociona muito, eu gosto e procuro saber mais sobre. Foi assim que virei fã do meu maior ídolo, Elton John, autor do tema “Can You Feel the Love Tonight?”, música vencedora do Oscar de Melhor Canção Original. Eu conheci a voz do Elton ali e em 2006 (11 anos depois) assisti tantas vezes um dvd dele por causa dessa música que não teve como, foi amor instantâneo, amor verdadeiro e amor eterno. A partir daquelas férias ir a um show do Elton John se tornou meu maior sonho e hoje eu sinto muita alegria no coração ao pensar que já realizei esse sonho duas vezes (e ainda quero realizar de novo)!

A primeira vez foi no dia 19 de janeiro de 2009, na Praça da Aponteose no Rio de Janeiro. Meu pai me deu de presente por ter passado no vestibular da UFMG em 2008 e fomos eu, ele e minha irmã. A experiência foi toda ótima: viajamos para o Rio, visitamos minha madrinha e prima que moram lá, andamos na beirada da lagoa, atravessamos todo o sambódromo nas vésperas do carnaval e ainda teve o show de abertura do James Blunt que eu descobri ser um fofo. Mas eu sinto vontade de chorar mesmo é na hora que lembro que ás 22h EM PONTO vi ele subindo no palco, sentando naquele piano e tocando por mais de duas horas todas aquelas músicas que eu tanto gosto. Acho até difícil achar palavras para expressar o quanto aquilo foi maravilhoso, os berros que eu dei, as lágrimas que chorei… Minha emoção foi tanta que reza a lenda de que a repórter da MultiShow me viu (eu estava logo ao lado da imprensa) e pediu o câmera para me filmar – segundo meu pai, que presenciou o momento – e depois isso foi ao ar usando aquela cena da Lulynha ao prantos para exemplificar o fato de que ele “emocionou até os fãs mais jovens” – segundo o amigo do meu pai que assistiu e contou pra ele depois.
Momento mais emocionante: Na época lógico que foi “Goodbye Yellow Brick Road” porque é minha favorita, mas hoje cada vez que escuto “Rocket Man”, que era o nome da turnê, lembro daquela sensação e acho realmente que foi a melhor da noite.
Mais sobre o show: Tem um álbum de fotos no Flickr e um post lindo e emocionado aqui no blog.

Já o segundo show aconteceu quatro anos depois, 9 de março de 2013, e foi no Mineirão! Sim, foi o primeiro lá depois da reforma pra Copa, tava liiindo demais e foi mais especial ainda porque era na minha cidade, né, fez toda diferença! Nesse minha irmã foi também, mas o terceiro membro do nosso “trio” era a oficial: a Patiquinha! Nós fomos de Cadeira VIP, ganhamos cappuccino, gravamos vlog, levamos bottons, fizemos amizades na fila e já lá dentro, encontramos conhecidos e parentes, esperamos horas. Foi tudo muito bom, foi tudo muito lindo mas foi às 22h pontualmente (de novo!) que a coisa realmente ficou incrível e eu descobri nesse dia que não importa quantas vezes eu assistir aquele homem pessoalmente, vai ser sempre o novo ponto alto da minha vida! Faltam palavras nos vocabulários que conheço para descrever o quão bom foi.
Outra coisa legal foi que dei o ingresso de presente de aniversário adiantado pra minha irmã (e a Pati ganhou do pai dela) e nós duas juntas demos um mais barato, mas ainda assim que valeu a pena, pra minha mãe e pro meu padrasto poderem ir também. Todo mundo saiu ganhando feliz!
Momento mais emocionante: Aaaah, aí sim foi “Goodbye Yellow Brick Road”! O telão reproduzindo imagens de filmes que começaram (é claro) com “O Mágico de Oz”, eu tentando ir pra grade assistir de lá e tendo que voltar pra minha cadeira porque não conseguia ficar em pé de emoção, as meninas me abanando pra choradeira passar, o pessoal todo achando lindo aquele momento de demonstração de amor… Aiaiai, só de lembrar abri o berreiro aqui!
Mais sobre o show: Esse também tem um álbum de fotos no Flickr e um post muito lindo e emocionado aqui no blog.

Esse post está indo ao ar agora porque hoje, dia 25 de março, é aniversário dele! Parabéns, Reginald, Reg, sir Elton, qualquer que seja o nome usado para te definir! Obrigada por esses shows maravilhosos, por essas músicas inspiradoras e pela oportunidade de eu ter um autógrafo seu na minha casa. E que fique aqui no ar a esperança de um dia eu poder te agradecer isso tudo ao vivo, com um abraço!

Além dos posts do show têm outros vários sobre o Elton John aqui no blog, como o dia em que recebi o livro dele autografado, uma seleção das minhas músicas favoritas, mini biografia, memes… Tá tudo na Tag Elton John!

Sobre um beijo e muito mimimi…

Em 19.03.2015   Arquivado em Escrevendo

Hoje mais cedo postei no Facebook essa publicação aqui sobre o nem tão polêmico beijo ocorrido na novela das nove entre as atrizes Fernanda Montenegro e Nathalia Timberg, mas que gerou mais alguns discursos de ódio e bastante “mimimi” entre algumas pessoas que vêem o romance homossexual das duas na ficção como algo errado. A resposta que tive foi super positiva, algumas pessoas curtiram, comentaram e até compartilharam, então resolvi “plagiar” a Paula e transformá-lo em um post, como ela fez ainda essa semana com uma publicação dela. Confesso que eu nem ao menos estou assistindo a novela, portanto não vi quando a cena foi ao ar, mas me sinto no direito de falar sobre mesmo assim.

babilonia
Imagem retirada do site da Revista Veja.

Logo antes da estreia eu ouvi (ao vivo e a cores) uma pessoa que conheço dizendo que duas atrizes desse porte casadas na novela é fazer apologia ao homossexualismo e que incentivaria as pessoas a “virar gays”. E ouvi de gente inteligente mesmo, que vive plenamente bem no século XXI.
Se alguém que esta lendo esse texto pensa assim irei tentar explicar algo para vocês: homossexuais já existem e eles também assistem televisão, certo? Certo! Aí vez ou outra aparece um casal hétero na programação se beijando, dando uns amassos, fazendo sexo ou o que quer que seja e nem por esse motivo eles “viram” hétero. Sendo assim (olha que legal) é bem difícil o contrário acontecer também. Ser homossexual não é uma doença, não pega e nem é contagioso, é só ser assim, pronto.

Pensem nas últimas novelas que vimos e que tinham algum casal gay forte com a história bem estruturada e e digam uma, UMA vez onde o fato de serem um casal não foi um problema para eles. UMA. Pois é, não existe. Porque na vida real também é assim, e é por isso que eles continuam lutando, fazendo manifestações, Paradas e coisas do tipo em prol do Orgulho Gay. Eles continuam fazendo isso, por exemplo, para que chegue o dia em que um adolescente que está descobrindo sua orientação sexual possa acordar sem precisar pensar como vai fazer para enfrentar o mundo inteiro em nome de alguém que ele gosta, só por esse alguém não ser do sexo oposto, independente do quão bem essa pessoa o faz. Para que a mãe de um garotinho ou garotinha que se descobriu assim ainda na infância não precise ficar explicando os motivos pelo qual ela sabe que seu filho não tem um problema, que não é jovem demais para conhecer a si mesmo. Quando você é hétero não tem esse tipo de problema, então você não precisa manifestar “orgulho”. Orgulho por que, por ser o que os outros chamam de normal? Por não ser julgado, violentado e oprimido por ninguém? Isso não é algo a ser orgulhar, é algo que devemos almejar para todos nós.

Vez ou outra, mas bem raramente, me perguntaram em algumas redes sociais se eu sou lésbica e eu sempre respondo sinceramente e sem rodeios: não. Respondo isso porque é verdade, porque não sou. E algumas pessoas rebatem mais ou menos com “É que não parece mesmo, mas você posta tanta coisa a favor dos gays que achei, sabe… Desculpa!” Elas me pedem desculpas, se justificam e tudo mais porque acham que fico ofendida. Mas pior que isso ainda é pensarem que eu SÓ posto essas coias para ME defender, acham difícil eu “abraçar uma causa” que não me afeta, única e exclusivamente pelos outros.
Sim, eu posto. Mas não faço isso por mim, faço isso para abrir a cabeça das pessoas para o fato de que vários e vários dos meus amigos, conhecidos e desconhecidos não precisam da sua aprovação, mas precisam do seu RESPEITO. E é isso que um beijo entre duas ótimas atrizes numa novela na maior rede de televisão do país quer mostrar a você. Não é para te “converter”, querido. Nem pra te fazer aceitar – tem gente que não vai aceitar NUNCA. É para te mostrar que assim como VOCÊ aquelas pessoas são seres humanos e merecem, precisam, DEVEM ser tratadas como tal. Independente de quem ou o que elas amam.

Foi um post clichê? Foi. Mas infelizmente nosso mundo ainda tem espaço para textos clichês como esse meu. Já vi outros milhões iguais a esse aqui, mas que sejam escrito bilhões a mais até que a sociedade entenda isso como um todo. Quem sabe um dia isso não acabe… (*Sonho*)

10 músicas que eu gostaria de regravar

Em 17.03.2015   Arquivado em Música

O tema desse post foi um dos memes propostos esse mês do Rotaroots. Para ficar por dentro dos temas é só entrar no Grupo do Facebook!

Eu não toco nenhum instrumento e nem canto (ainda mais agora diagnosticada com disfonia, não posso nem tentar), mas confesso que tenho guardadinho dentro de mim o nome da minha banda internacionalmente famosa da qual sou vocalista no mundo paralelo, hahahahaha!! Lógico que isso não posso contar, é segredo vergonhoso, mas pelo menos posso mostrar quais são as 10 músicas principais que essa banda regravaria se existisse nessa mesma dimensão em que vivemos. Não é realmente um Top 10 das minhas favoritas, mas tem só coisa boa!
Essa lista, porém, não está realmente realista porque não coloquei nenhuma música da Disney nela, senão seria toda feita só disso. Vou ver se até o fim do mês consigo fazer uma nova versão do post só com elas, então!

01 – Radiowave (Leslie Mills)

Essa não é nem de longe a melhor música da lista e muito menos a mais famosa, mas veio em primeiro lugar porque eu não só regravaria como também usaria como título do álbum!

02 – Wish You Were Here (Pink Floyd)

“Wish You Were Here” se tornou uma das músicas mais importantes da minha vida a uns anos atrás por motivos de… SEGREDO! Mas eu prometo que em breve MESMO vocês vão saber, espero que desse ano não passe.

03 – My Love (Paul McCartney)

Acho uma das músicas mais românticas da vida e que fica imensamente mais bonita ao vivo (foi como eu a conheci assistindo a um show do Paul pela tv), então aí está.

04 – Rock And Roll All Night (KISS)

Sabe aquela hora do show que parece que desanimou geral e aí vem uma músicas divertidona pra balançar o ânimo do pessoal? Pra mim essa é ideal pra isso, amo!

05 – Always Somewhere (Scorpions)

Acho que essa é minha música favorita da banda, apesar de eu gostar de vááááááárias (inclusive já fui num show deles), então merece vir pra cá.
Aliás, se vocês tiverem que escolher só uma dessas músicas pra ouvir enquanto lêem o post, eis a minha sugestão!

06 – Simply The Best (Tina Turner)

Essa é minha música favorita da Tina, acho uma delícia, e ultimamente me peguei pensando no desafio que seria reproduzir algo que é cantado por essa mulher maravilhosa.

07 – Jukebox Hero/I Love Rock ‘n’ Roll (Filme Rock of Ages)

Só porque eu acho que daria um dueto fantástico!

08 – Empty Garden (Elton John)

Tava demorando pra ter Elton John nessa lista. Pensei, pensei e pensei nas várias músicas dele que gosto, fiz um balanço e no fim senti que deveria ser essa minha escolhida, simples assim!

09 – You’ll Be In My Heart (Phil Collins)

Ok, descumpri minha promessa e coloquei uma música da Disney, mas foi umazinha só, vocês me predoam! Tinha que ter essa na lista porque é minha “música do momento”, sempre que surge no iPod eu repito até mais de uma vez!

10 – Todo o álbum “A Tribute to ABBA”

Em 2009 eu fiz um post sobre o álbum (post esse que tá precisado de uma revisão, coitado), mas eu nem imaginava o quanto ia amá-lo mais e mais ao longo dos anos. Eu regravaria ele todo porque ABBA é vida e a versão heavy metal das músicas deles ficaram MUITO BOAS, todas elas!

Top 5: Minhas melhores qualidades: (39/52)

Em 15.03.2015   Arquivado em Memes e Tags

Essa é a trigésima nona semana do Desafio 52 Semanas de Top 5 e o tema da vez é: Minhas melhores qualidades:
Que tema difícil, socorro, o post dos defeitos foi muito mais fácil!

#ChooseKind
Repetindo essa imagem porque esse preceito é uma das minhas qualidades, felizmente!

01: Gosto de ajudar as pessoas

Eu fui adiantada na escola, então pra ir pra primeira série tive que fazer teste de maturidade para ver se poderia entrar porque era uma escola estadual concorridíssima lá em Timóteo. Fui super bem nos testes e tals, mas as professoras colocaram uma observação pros meus pais: se um colega estava com dificuldade eu largava meu próprio trabalho para ajudar.
Algumas pessoas já julgaram isso mal, mas eu gosto, sempre gostei… Inclusive foi por oferecer ajuda gratuita assim – porque dá pra sacar quando é buscando algo em troca – que acabei virando staff do Potter Club BH e hoje sou tipo… vice presidente, ou que título tenha!

02: Consigo tratar bem pessoas das quais não gosto

Uns chamam de falsidade, eu chamo de educação. Se eu não gosto da pessoa não vou chamá-la de amiga nem agir como se fôssemos super próximos, mas também não deixo ela perceber e tento sempre tratar como alguém que gosto ou que sou indiferente.
Só quando gosto MUITO é que dá pra diferenciar, sempre!

03: Fico de boa com situações que incomodam aos outros

DRs comigo são e sempre serão raras a menos que outras pessoas comecem com elas porque eu não costumo me importar com as coisas que costumam incomodar as pessoas no dia a dia em qualquer tipo de relacionamento. Mas agora que pensei bem isso pode ser um defeito também, porque posso acabar fazendo essas coisas com as pessoas sem perceber que são uma coisa ruim e elas podem se chatear com isso…

04: Sou romântica!

Sério. Muito. E também sou chorona, então manifestações de amorzinho me fazem rir sem disfarçar e de amorzão me fazem abrir o berreiro de tão emocionada que fico!

05: Eu sou feliz, alegre e sorridente!

Mesmo de mau humorzinho eu acabo escolhendo ser gentil, sempre! E é meio coisa de maluca, sério, mas eu vivo dando risada e chego em momentos extremos de ser louca dançante que nem o Hilakkuma alegre do vídeo (sério, as vezes eu me pergunto se a pessoa dentro daquela roupa não sou eu mesma e não me lembro e alguns amigos meus têm certeza).

Eu fui desabafar as dificuldades de escrever esse post com a Lili e ela me disse “Você é uma boa amiga, boa conselheira, ao contrário do que pensa é inteligente (…) É prestativa, excelente companhia” e eu desatei a chorar no meio do trabalho com tamanha lindeza. Oooowm, obrigada, Lili! Vou deixar isso aqui eternamente para quando eu tiver “jururinha”.

Memórias de uma blogueira das antigas…

Em 13.03.2015   Arquivado em Escrevendo

O tema deste post foi um dos propostos como blogagem coletiva desse mês do Rotaroots. Para ficar por dentro dos temas é só entrar no Grupo do Facebook!
O título é uma referência tosquinha ao livro “Memórias de um Sargento de Milícias”. Não ficou bom, mas foi de coração.

"Keep smiling, keep shining...
Madrugadas na internet com a ‘miga do lado: quem nunca?

A primeira vez que li sobre blogs foi numa revista W.I.T.C.H. quando eu ainda nem tinha internet em casa, mas fiquei doida pra ter só pra poder fazer o meu. E assim que instalamos a Click 21 na minha casa em 2003 (melhor internet discada DA VIDA!) foi o que eu fiz: entrei no site da Dakotinha, que tinha um sistema bem facinho de postagens, e criei o meu. Não tinha endereço personalizado nem podia trocar de layout (você escolhia a cor e cada cor tinha um símbolo, o meu era rosa com estrelinhas), mas eu passava o fim de semana copiando e colando imagens fofas nele: sábado a partir das 14h, domingo o dia todo, nas férias em dia de semana da meia noite às 6h. Textos que é bom quase nada.

Aí descobri outros “universos” como Weblogger (o Sweet Luly nasceu lá!), Blogger Brasil (o Sweet Luly passou por lá também!), Blig, Zip.Net, Blogspot… Tive incontáveis blogs: particulares, comunitários, fã clubes, “condomínios de blogueiros”, mini sites, tudo o que se pode imaginar. Eles a princípio eram um “local para postar imagens bonitinhas” ou “desculpa pra usar um template legal de algum template shop qualquer”, mas aos poucos eu fui lembrando o quanto escrever é bom e foi quando nasceu o Sweet Luly: o diarinho virtual da garotinha de 14 anos de escrevia “aki”, “vc”, “BjUuU”, entre outros. De início era bem dia a dia, mas com o passar dos tempos a coisa mudou e hoje não consigo achar outras palavras pra descrever: isso aqui é um BLOG, com todas as letras da palavra, abordando os vários sentidos que a mesma pode ter. E depois de 12 anos blogando (quase 11 deles já nesse mesmo blog aqui) eu não consigo mais ficar sem isso.

Porém, desde que o “boom” dos blogs aconteceu eu escuto a opinião das pessoas e da mídia super dividida em relação ao assunto. Quando eu estava no primeiro ano, em 2005, estávamos estudando sobre o diário e o blog e tive colegas de sala na escola que disseram “ninguém mais tem blog, flog é que é legal” e fiquei danada da vida, levantei a mão pra falar (coisa que eu quase nunca fazia) e desatei a dar minha opinião positiva, deixando claro que eu tinha e amava. É louco porque até hoje é assim, enquanto alguns dizem que os blogs são o futuro e que não vão parar de crescer, tem aqueles que acham que já é passado, que acabou, que perdeu seu sentido.

E agora eu pergunto a você, caro leitor (ficou formal isso, dexa eu reformular: querido leitor!): por que VOCÊ ainda não parou de blogar? Foi por dinheiro? Foi pra “botar tudo pra fora”? Foi por vontade de escrever, de melhorar algo, de não desistir? Seja qual for o motivo tenho certeza que é porque você decidiu assim, e pra mim não tem motivo mais válido do que isso.
O meu motivo (além de adorar isso tudo) é que gosto de escrever, eu continuaria escrevendo aqui mesmo que fosse para ninguém ler, gosto tanto que gosto até de ler o que outra pessoa escreveu. E enquanto eu tiver ideias na cabeça e capacidade de expressá-las com palavras eu digo que, por mim, VAI TER BLOG SIM! Vai ter blog sempre, e vai ter blog por causa do motivo escolhido por quem quer que seja que continue na blogosfera. Porque os motivos são muitos, mas todos os blogueiros que conheço têm um em especial em comum: AMOR!

Página 1 de 212