Posts de March de 2012

Rapidinhas de Março

Em 31.03.2012   Arquivado em Conservação-Restauração, Cotidiano

Só eu que acho março um mês HORROROSO?? Vem logo depois de fevereiro que é lindo e passa rapidinho, e temos que esperar dolorosos 31 dias para chegar abril, tão querido abril com seus feriados.
O que tenho a dizer sobre meu mês foi que começou bonito, teve uma duração medonha de ruim e se fechou bem. Se formos fazer um balanço tá até bom, né??

Rapidinhas de Março

O motivo de ter começado tão lindamente, tãdã-dãdããããã… ESTÁGIO!! Yes!! Já é a terceira vez que começo um estágio desde que entrei na faculdade e esse é muito importante porque estou VOLTANDO pro APM, onde estagiei pela primeira vez. Foi lindo ir andando e vendo as pessoas que eu gosto falando “Você voltou!!” animadas. Esse primeiro mês foi difícil, início de projeto sempre dá problema, mas essa semana resolvemos muita coisa e a partir de 2ª feira agora o laboratório de restauração de lá voltará firme e forte tendo eu e a Marina, que trabalhou comigo no Cecor. É ótimo conhecer gente nova, mas melhor ainda ter as “velhas” pessoas queridas por perto. Tô TÃO feliz, eu me sinto tão bem naquele lugar, desde a 1ª vez que pisei lá para uma visita técnica, espero poder aproveitar muito os próximos meses, e quem sabe além??

Rapidinhas de Março

Falando em Marina, olha que coisa mais-linda-dessa-vida que ela fez pra mim… Um estojo de ferramentas que dá pra amarrar na cintura virando “cinto de utilidades do Batman”, e aí as ferramentas ficam à mão e a mesa de trabalho fica organizada!! Nós temos uma professora que usa o dela assim e é super prático, então ela tá fazendo pra vender, a idéia é incrível.
E o melhor foi o estojo em si, né?? Forro cor-de-rosa, cupcakes fooofos do lado de fora, fitinha de bolinhas e agulheiro em forma de coração. Muito amor puro transbordante, de quem mais poderia ser, tinha que ser MEU né?? Hahaha, esse aí tá mais pra “Cinto de utilidades da BATGIRL”!! Amei demais, ele não é liiindo??

Rapidinhas de Março

E aí que março eu fui de completamente ATOA pra muuito, muuuuuuito ocupada, porque além do estágio que será de 30h, as aulas também estão de volta. Por mais que eu esteja à beira da formatura, com o pezinho lá já, essa é a hora de fazer o que eu tinha deixado pra trás em nome das 20h semanais que separei pros meus estágios. E a mais importante delas a foto retrata fielmente: encadernação. Como vou me formar com o foco na restauração de papel essa é uma que eu já devia ter feito e não posso me formar sem. As aulas são beeem práticas, metódicas e puxadas, mas por ter feito todas as outras de papel eu não me perco em nada. Essa foto aí é da aula em que costuramos os cadernos fazendo uma encadernação tradicional francesa, eu refaria mais bem feitinho, mas a costura em si foi elogiada, então tá ótimo.

Rapidinhas de Março

Outra que eu estou amando fazer é também a única que me faltava no percurso de restauração de escultura – que foi minha 2ª escolha e que eu gosto de muitas coisas nele, apesar de que minha vida mesmo vai ser no papel. A disciplina chama “Prática de Restauração – Escultura” e o próprio nome já diz: são 4 horas seguidas debruçada em cima do castiçal que já venho restaurando nos últimos tempos e minha última chance de dexa-lo bem feito. Pra isso EPI não falta: até lupa de cabeça tô tendo que usar agora porque sem ela não vejo NADA do que estou fazendo.
Além disso pra ninguém reclamar, hehe, taí um momento “Luly Restauradora” pra vocês verem como minhas costas adoooram (cahã) essa profissão que terei em breve, tadinhas.

Rapidinhas de Março

Vamos falar de coisa boa agora, não que o resto foi ruim, mas ainda assim… Lá do lado do APM abriu recentemente essa casa de Milk Shake que é coisa de doido. O que me levou até lá foi o Frozen Yogurt, mas depois que entrei e vi que tinham 151 sabores de Milk Shake resolvi que vou provar um por semana, hahahaha. Esse da foto é de chocomenta e é um pedacinho de paraíso na Terra.

Rapidinhas de Março

Eis que hoje, último dia do mês, chego na Seven para assistir aula e o que encontro por lá?? “19 Anos Depois” na parede e na bancada da recepção. Fiquei toda empolgada e me deu vontade de sair distribuindo os panfletos pra todo mundo, haha. Não cheguei nesse grau de loucura, mas confesso que entreguei alguns para algumas pessoas – e tiiiive que fotografar essa coisa linda.

Rapidinhas de Março

Por fim, mas não menos importante, minha última e muito desejada aquisição: “Manual para Normalização de Publicações Técnico-Científicas”, da Júnia Lessa França. Eu sempre quis esse livro, mas como ele é sempre atualizado resolvi deixar pra compra-lo quando “chegasse a hora”. E se comprei significa que a hora chegou e, meus queridos, isso quer dizer uma coisa: TCC à vista!!
Felizmente depois de ter passado o mês inteiro tensa em relação à parte prática agora, na última semana, tudo se resolveu. Tenho obra pra restaurar, tenho orientadora e tenho também MUITO TRABALHO PELA FRENTE!! Mas sobre isso eu vou falando ao longo do ano, porque só acaba em dezembro…

Remember Universitário: Passei no vestibular, sou a Rainha do Pomar

Em 24.03.2012   Arquivado em Conservação-Restauração

Acho que sou a ÚNICA pessoa que lembra dessa propaganda da Laranja Santal da Parmalat em que eles diziam que virar o suco deles, para a laranja, era passar no vestibular e aí vinha essa música: “Passei no vestibular, sou a rainha do pomar (…) Bom é ser Laranja Santal-tal-tal!!”. Eu NUNCA ESQUECI ISSO! Ficou na minha cabeça até que entre o fim de 2007 e o início de 2008 eu tinha virado uma “humana Santal”: PASSEI NO VESTIBULAR! Aêêêê \o/
Passei em Design Gráfico! Passei na Fumec em 20º e na Uni em 2º no vestibular de vagas “sobrando”. Ganhei minha Lamy da minha madrinha (e da Livinha), tava toda alegre me sentindo futura-designer. Mas não passei na UEMG, que era meu sonho dourado de consumo. Fiquei abalada, olhando meu comprovante de matrícula da Fumec com peso no coração (e no bolso do papai). Eu tava feliz, ia estudar o que eu queria, mas teria que fazer meus pais, que desembolsaram uma pequena fortuna para me dar um Ensino Médio em escolas particulares – ainda que com bolsa -, pagassem pela minha educação de novo.

Aí veio o resultado da 1ª etapa da UFMG. O tal curso era Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis. Peraí, como é que é? Restauração de Móveis e Imóveis? NÃO! Calma, gente, vou falar de novo… Presta atenção: é Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis.
Aaaaaaaaaaaaaaaah… Mas de onde essa menina tirou isso mesmo?
Ah, sim. Do jornal que avisava que dois anos depois ela poderia mudar de curso e fazer o design que ela queria. Sim, POR ISSO. Não que o jornal tivesse isso escrito, mas saber que em 2010 a UFMG abriria uma turma de Design me fez querer entrar lá. E como uma luva me cai a inscrição num curso bem bacana que tinha aberto o edital depois dos outros. Era o plano ideal.
As provas de 2ª Etapa foram uma tortura. Saber que eu não precisava estar lá se tivesse passado na UEMG fazia com que eu me sentisse muito derrotada. Eu observava aquelas pessoas sentindo que estava roubando a vaga de uma delas. Eu escrevia o que sabia que era certo, porque sou arrogante o suficiente pra não falhar de propósito, mas no fundo eu sabia que queria que aquilo não fosse o suficiente pra encantar os avaliadores.
Mas foi. Eu nunca vou esquecer. Era 25 de janeiro de 2008. Dia do resultado. Aconteceu de manhã cedo e foi exatamente assim:

Mamãe, usando meu computador: “Luly, você ficou em 2º da Uni, agora temos que ver se vão chamar.”
Luly: *meio dormindo* “Tá…”
Mamãe: “Luly, qual o site do vestibular da UFMG?”
Luly: “co-pe-ve-ponto-U-F-M…”
Mamãe: “Entrou!!

Luly…
SAIU O RESULTADO!!”
*clique aqui para ver os aprovados blá-blá-blá*
*carregando* *falha* *F5* *carregando* *falha* *F5* *carregando* *falha* *F5*…
CARREGOU!!
Mamãe: “Luly…”
Luly, já de pé e olhando pra tela: =O

Meu nome estava lá. Em 15º lugar. A mamãe pegou o telefone e ligou pro papai, pra vovó, pras minhas tias, pros meus tios, pros amigos. Me mandou ligar pras minhas amigas que tinham passado. Pras outras amigas. Pro Gugui que deu um BERRO de alegria no telefone. E eu só pensei uma coisa: “QUE DROGA!!!”.
A Amiguinha foi lá em casa, rolou trote com batom LINDO, a gente riu até e depois saímos pra tomar sorvete. Meus primos tiveram a honra do trote também, com canetinha e tudo mais. Papai disse que me daria um presente. Mamãe me prometeu a Princesa Luciana. Todo mundo morrendo de alegria, querendo até fazer festa e churrasco. E eu só conseguia pensar: “QUE DROGA!!!”.

Não que eles não me deram a escolha. Eu pude escolher. Eles sentaram comigo e me garantiram que fariam de tudo que pudessem para que eu me formasse na Fumec, se quisesse. Mas eu via naqueles olharem o orgulhinho de ver a filha estudando na Federal, na Federal onde eles tinham estudado. Eu via o sonho de me ver lá que eles tinham desde que eu nasci se tornando realidade. Eu vi o sacrifício absurdo que eles não podiam fazer em nome daquela mensalidade que me daria o diploma, até então, “dos sonhos”. Eu vi a imagem de cada um dos meus professores e colegas do colégio me reencontrando em breve e me dando um “parabéns” alegre. Eu vi que aquilo que eu não queria, nunca quis, poderia ser bom pra mim. E aí eu fui pra UFMG. Eu escolhi estudar a tal Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis. Escolhi entrar pra o curso que eu gostava, mas não queria. Escolhi mudar pra design dois anos depois – ó, ilusão. Escolhi dar essa alegria pro papai e pra mamãe que tinham vivido 17 anos pra ME dar alegrias.
Aí eu esbocei um sorriso, entrei no MSN e escrevi na Mensagem Pessoal:
“Passei no vestibular, sou a rainha do pomar”.

Remember Universitário

Esse post é o primeiro de uma série de posts nostálgicos sobre meus 5 anos como universitária. Esses 5 anos acabam no fim de 2012 e só Deus sabe o que vai acontecer depois. Então vale a pena lembrar, porque é com o fim se aproximando que a gente lembra como era bom o início, como foi bom o trajeto!!
Todos os posts aqui.

Dia-a-Dia Blogueiro: Poly

Em 22.03.2012   Arquivado em Cotidiano

A muito tempo atrás eu tive essa ideia, houveram alguns interessados, mas graças a uma promessa que fiz para alguém que eu queria que inaugurasse, mas que nunca me enviou, não foi pra frente. Porém agora voltou e tá de pé!! Espero que vocês gostem e quem quiser participar é só ver como nesse post aqui:
http://sweetluly.expressorosa.com/dia-a-dia-de-um-blogueiro/

O primeiro Dia-a-Dia Blogueiro tem a presença da Poly, do PolyPop. Ela mora em Vitória/ES, é formada em direito e adora gatos, música, cozinhar e livros (ela posta MUITO sobre isso). Além disso é minha amiga a aaaanos graças à blogosfera e às dolls, minha “cumadi” e irmã gêmea perdida no mundo, então é com MUITA alegria que passo a palavra para ela aqui nessa estréia da Tag:

PolyPop

6h – acordar!!
O som do meu despertador é Billionaire do Travie McCoy. Pra vê se eu me acordo animada a ficar rica todo dia hehehe Por volta das 7h eu saio de casa, de ônibus. Mas hoje eu peguei carona com minha mãe e acabei esquecendo de tirar foto do meio do caminho (Praia de Camburi amanheceu ensolarada).

PolyPop

8h – aula
Minha aula começa pontualmente às 8h. O sistema é por videoconferência. A aula do dia foi processo civil com o professor Fredie Didier Jr.
11h30 – shopping
A aula termina e eu vou p/ Shopping Vitória almoçar.

PolyPop

PolyPop

12h – sushi
Restaurante do dia: Panda San. Bastante comida japonesa pra deixar o dia mais feliz. Aproveito o horário do almoço para brincar na internet e ver como está a movimentação do blog. Geralmente eu fico no twitter ou no MSN matando o tempo.

PolyPop

Depois aproveito para dar uma voltinha pelo shopping, entrar em algumas lojas e ver as novidades. Hoje eu resolvi ir na varanda e tirar uma foto da Terceira Ponte com o Convento da Penha de fundo. Não dá pra ver direito, mas o mar estava muito azul, combinando com o céu 😀

PolyPop

13h30 – ônibus
Momento triste do dia: pegar ônibus nesse calor de 37°C 🙁

PolyPop

14h – teatro
Aula de teatro. Única foto que eu tinha conseguido tirar era turma quietinha na parte de leitura da apostila teórica. Mas essa aí enviei depois porque estava melhor!

PolyPop

16h – mais ônibus
Pegar ônibus pra ir pra casa…

PolyPop

16h30 – ainda no ponto
E o ônibus demora pra passar…

PolyPop

18h – em casa
Finalmente em casa! eu ia tirar foto de dentro do ônibus, mas o ônibus estava lotado e eu “viajei” em pé e estava calor demais (no ar-condicionado), então nem tinha como eu lembrar desse detalhe. Também seria o momento do dia que eu uso para estudar, só que ler em pé é difícil, aí fiquei “xingando muito no twitter” (quem estava me seguindo no dia sabe do que estou falando).
E eu ia tirar a foto que me diz “estou em casa”, mas eu estava sentada do outro lado…
Resumindo: tudo deu errado e ainda bem que eu consegui tirar essa foto do Sol já indo embora e a noite chegando lá no mar. Foto da varanda da minha casa tirada enquanto eu assistia ao último capítulo de “A vida da gente”.

PolyPop

19h – lanche
Depois da novela, hora de lanchar. Tinha queijo quente e suco de caju.

PolyPop

20h – relax
Depois de comer e banhar, momento relax do dia: livro + seriado (The Vampire Diaries) + internet. Geralmente eu estudo um pouco à noite também, mas o ônibus me estressou tanto que fiquei sem cabeça para qualquer coisa que exigisse raciocínio.

PolyPop

1h – dormir
Porque uma hora ou outra eu também fico #offline. Fui dormir mais tarde porque fui fazer o sorteio do blog. Geralmente eu vou dormir meia-noite, inclusive dias de semana (e é por isso que eu to sempre reclamando de sono), mas abri uma exceção.

Continue acompanhando a vida dela:
Blog
Twitter
Facebook
Flickr
– Obrigada, Poly!!

Orgulho e preconceito na época de Jane Austen

Em 22.03.2012   Arquivado em Leitura

orgpreconceito

“O Setor de Referência e Estudos da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, tem a satisfação de convidá-lo(a) para a Palestra ‘Orgulho e preconceito na época de Jane Austen’, dia 23/03/2012 às 15h, na sala de cursos do prédio Anexo Prof. Francisco Iglésias – Rua da Bahia, 1889 – Funcionários.
Palestrante convidada: Profª Adriana sales Zardini.
Inscrição gratuita pelo telefone: (31)3269-1232 e/ou referencia.sub@cultura.mg.gov.br”
Para mais informações visitem o Facebook da biblioteca: https://www.facebook.com/bibliotecapublicaluizdebessa

A Dama de Ferro

Em 18.03.2012   Arquivado em Filmes

A Dama de Ferro A Dama de Ferro (The Iron Lady) *****
Elenco: Meryl Streep, Jim Broadbent, Olivia Colman, Alexandra Roach,, Harry Lloyd, Michael (I) Pennington, Iain Glen, Victoria Bewick, Emma Dewhurst, Michael Culkin, Amanda Root, Clifford Rose, Michael Cochrane, Jeremy Clyde, Michael Simkins, Nicholas Farrell, Phoebe Waller-Bridge, Alice da Cunha, Richard E. Grant, Anthony Head, Roger Allam, Hugh Ross, David Westhead, Susan Brown, Matthew Marsh, Pip Torrens, Angela Curran, Angus Wright, Julian Wadham, John Sessions
Direção: Phyllida Lloyd
Gênero: Biografia/Drama
Duração: 105min
Ano: 2011
Sinopse: “Cinebiografia de Margaret Thatcher, ex-Primeira Ministra britânica, que retrata desde a sua infância até o período mais impopular do seu governo, em 1982, quando ela tentava salvar sua carreira nos 17 dias que antecederam a Guerra das Malvinas.” (fonte)
Comentários: Que eu choro em 90% ou mais dos filmes que assisto não é novidade. No carnaval eu assisti “Sempre ao Seu Lado” e quando me olhei no espelho meus olhos tavam praticamente fechados de tão inchados. Existem filmes que choro sempre que assisto, filmes que choro MUITO e filmes em que só saem lágrimas. Choro porque me emociona, sendo uma emoção triste ou feliz. Porém acontece de vez em quando, muito raramente, de o filme me causar algo pessoal. Não sei de “machuca” mesmo, não sei como, mas naquele filme eu estou chorando porque me atingiu com força. A última vez que isso tinha acontecido foi na 2ª vez que assisti “Relíquias da Morte – Parte 2”, eu chorei durante, depois, eu soluçava. MESMO.
Mas aí eu vi “A Dama de Ferro” e o efeito foi mais ou menos o mesmo. Não chorei TANTO assim, mas foi um choro pessoal mesmo, eu chorava pelo filme, eu saí dali soluçando e depois do filme eu precisei evitar de sentar, porque sabia que se isso acontecesse ia acabar chorando denovo.
O filme é maravilhoso em todos os sentidos da palavra. É uma biografia maravilhosa, é um romance maravilhoso, um drama maravilhoso e principalmente: é um filme sobre POLÍTICA maravilhoso. Ao longo da duração eu fui vendo muita gente no cinema impaciente, o cara que tava na minha frente olhou as horas no celular várias vezes e eu entendo… Se você não tem interesse nenhum nesse gênero não vale a pena. E eu confesso que eu não gosto de ver filmes políticos brasileiros, americanos ou o que quer que seja… Mas quando se trata de um filme BRITÂNICO isso muda, porque todo mundo sabe o quando eu sou apaixonada pelo Reino Unido e sua história, seja ela qual for.
Foram dois Oscars merecidos. Meryl Streep inclusive merece o Oscar sempre, e mulher é fantástica-sacana em “Diabo Veste Prada”, muda pra fantástica-ABBA em “Mamma Mia!” e é também fantástica-Primeira Ministra nesse. E pra complementar veio a maquiagem, também vencedora que conseguiu torna-la IRRECONHECÍVEL. A gente só percebia que se tratava dele quando ela dava aquele sorrisinho lateral dela. Rejuveneceram e depois envelheceram a mulhar uns 20 anos durante a história, você acredita que ela tinha 40 e acredita que tinha 80. FÁCIL. Lógico que a interpretação ajuda. Mas a questão é que fazer maquiagem de monstro, de machucado, de qualque exagero é fácil de fazer bem feito perto de fazer a PELE de alguém. Eu estou absolutamente apaixonada pelo filme, apaixonada pela Margaret Thatcher e pela história dela, eu acho que deveria ter ido assistir antes. Nota 10 ou mais.
Melhores Cenas: Quando ela vence a Guerra das Malvinas, com toas aquelas bandeiras do Reino Unido ao redor dela (o quarto dos meus sonhos, ahaha) e depois de ter dado um tapa de luva de pelica nos EUA. Ela arrisca tudo, perde muito e ganha. Foi uma sequencia maravilhosa, cheia de cenas REAIS misturadas com as gravações – aliás, o filme todo. Ótima mesmo. Desde o ataque da Argentina até a vitória do Reino Unido.
Mas se tratando da parte do “romance”… Quando ela desiste de ver o Denis “indo embora” mesmo depois de ter visto que era melhor pra ela, meu Deus, toda vez que lembro dessa parte entendo o motivo de ter soluçado tanto. Sem contar que conseguiram duas combinações de atores bonitas pra formação do casal, tanto quando jovens como o casal “oficial”, já bem adultos e velhinhos (e eu adoro Jim Broadbent aka “professor Slugue”, que também é vencedor do Oscar, né…). E aí ela vai lavar as xícaras, ai, lindo!!
Trailer:

Página 1 de 212