Posts de June de 2011

7 anos de SweetLuly!!

Em 26.06.2011   Arquivado em Blog

– Ai, meu Deus, tô aqui pra mais um aniversário do blog!! E dessa vez eu nem sei como começar esse post. Geralmente conto como o dia 26 de junho de 2004 me levou a criar um novo blog, mas fiz isso nos últimos 6 anos. Então eu acho que vou resumir essa parte e pular pra o que o blog tem trazido na minha vida hoje…
– Eu SEMPRE escrevi em diário. E não escondo: escrevo até hoje num caderninho ou numa agenda, quase todos os dias. Acho bom, e acho que isso que me ajuda ter uma memória tão boa como tenho, porque eu tô sempre relendo e relembrando. então a primeira vez que li sobre o termo “blog” num revista WITCH no ano de 2002 eu já quis um, sem nem ter internet em casa!! Um ano depois saiu o primeiro, no site da Dakotinha. E aí foram meses num processo longo sempre criando blogs em servidores diferentes, tentando fazer a coisa ficar do meu jeito, tendo mais de 30 blogs ao mesmo tempo (sério) e finalmente o “Sweet Luly” saiu!! Não sei o que fez ESSE ser o “definitivo”. acho que me apeguei a ele e ele se apegou a mim, nós sempre fomos felizes juntos.
E tudo sofre transformação. Era a fase do “diário de uma adolescente”, em que eu postava todo sábado sobre como foi a semana. Depois, ui, a época dos estresses, ensino médio, fases depressivas e o blog virou o meio de desabafar. Aí chegou o terceiro ano, época feliz, e as postagens eram sempre alegres e cheinhas e coisas legais de se ler. Quando chegou 2008 veio um amadurecimento brutal com minha entrada na faculdade e além de “Diário Virtual” o blog virou um meio de divulgar: de divulgar TUDO!! Não é só minha vida que compartilho aqui, mas tudo o que tem nela, tudo o que eu vi e tudo o que queria que as pessoas vissem.

– Sei que era de se esperar que sete anos depois fosse totalmente diferente, que o “conteúdo acabasse se adequando ao público”, mas eu não quero e não vou fazer isso. Eu gosto de como as coisas acabaram sendo como são, eu gosto de receber um e-mail legal e pensar “isso vai pro blog!!”, eu gosto de ter ideias quando tô quase cochilando no ônibus, gosto de pesquisar muuito sobre uma banda que amo pra mostra-la pra todos, gosto de gravar um vídeo de vez em nunca e falar meia hora sem parar. Gosto de poder ler todos os comentários com carinho e responder, conhecer outros blogs e sempre ter um adicionado aos meus Feeds na Barra dos Favoritos. Esse blog me trouxe alguns conhecidos e muitas amizades, vocês fazem parte da minha vida e eu faço parte da vida de vocês e eu tenho que agradecer por esse sete anos teclando toda essa loucura que isso aqui virou.

Feliz aniversário, SweetLuly!!

Blog & Diário
O diário e o blog hoje, lado a lado!!

Top 5: Michael Jackson!!

Em 25.06.2011   Arquivado em Música

– Hoje fazem dois anos desde que o mundo inteiro parou e não acreditou que Michael Jackson tinha sido mais uma estrela a se apagar para sempre. Com 50 shows marcados em Londres para se recuperar financeiramente e uma saúde extremamente fragilizada, “Little Michael” deixou pra trás 3 filhos, uma herança concorrida e vários fãs totalmente abalados, que nunca vão se esquecer desse dia triste.
Na época eu fiz várias homenagens ao Rei do Pop, inclusive nas minhas tags favoritas Listening To e Top 5 Charges, e hoje decidi compartilhar as 5 músicas dele que mais gosto, mais escuto e mais me fazem sentir falta de te-lo vivo cheio de escândalos e sorrisos na televisão.

5º LUGAR – Music and Me

“There have been others but never two lovers like music, music and me”

– A vida inteira foi a música que salvou a vida dele, porque era só disso que ele vivia. O que poderia ter gerado um ódio sem tamanho, por ter sido obrigado a trabalhar, virou uma das maiores paixões do Michael e trouxe pra ele a outra: seus fãs!!

4º LUGAR – Black or White

“I said if you’re thinking of being my brother it don’t matter if you’re black or white”

– O melhor clipe!! Aliás, esse provavelmente é meu clipe favorito no mundo, não importa o artista ou o que mais tiver que ser. É mais que um vídeo musical, é uma super produção. Sem contar a letra incrível e o ritmo que não tem como ficar parado ao ouvir!!

3º LUGAR – One Day In Your Life

“And when things fall apart you’ll remember one day… One day in your life”

– Por mais que eu ache MUITO triste ver ele no Jackson Five assim, lindo e “inteiro”, porque penso no que ele se transformou depois, essa música é incrível de linda, eu amava canta-la no Karaokê!!

2º LUGAR – The Lady in My Life

“So I promise you tonight that you’ll always be the lady in my life”

– É liiiinda!! Linda, linda, linda, linda!! Nem sei dizer o quão linda é!! Entre todos os motivos que tenho para amar essa música, acho que esse é o suficiente para deixar aqui. O resto… Deixa pra lá!!
Ah, não achei nenhum vídeo melhor que esse, por incrível que pareça.

1º LUGAR – Human Nature

“If they say: Why, why? Tell them that it’s human nature.”

– Era pra nessa música vir o vídeo mais lindo dessa vida, MAS mesmo com a qualidade ruim achei esse bonito e amei a introdução da música, então fiquem com essa versão da minha música favorita do Rei do Pop!!

Harry Potter Para Sempre

Em 23.06.2011   Arquivado em Harry Potter

– Esse domingo, dia 26, vamos fechar o feriado aqui em Belo Horizonte da melhor maneira possível: com HARRY POTTER!! Vai rolar na Leitura do Shopping Cidade um evento promovido com a ajuda da Editora Rocco para todos os fãs aliviarem a tensão para os 21 dias faltantes para o filme que vai fechar (para sempre) o maior fenômeno da história dos fenômenos.
– Então quem tiver aí com medo de ficar “endomigado” passa lá!! Vai começar às 14h e terão brincadeiras valendo prêmios, bate-papos, concurso de Cosplay e um monte de fã pra compartilhar a ansiedade. Além disso podem preparar os bolsos, porque além de estar dentro da Leitura (e eu não sei vocês, mas eu não posso ver um livro na frente que as mãos coçam), temos alguns fãs fazem coisas maravilhosas e Potterísticas e vão estar lá vendendo. Vejo todo mundo lá, eu e minha câmera, registrando cada mico!!

Aula na Biblioteca: Jane Austen

Em 19.06.2011   Arquivado em Leitura

Depois que eu formar preciso lembrar de me cadastrar em todos os sites de museus, biblioteca e etc, porque é bom demais ter acesso a isso!! (Vou também voltar a colocar Post Its na tela do computador pra não postar sobre essas coisas tão de última hora.)

– Essa terça feira, dia 21, vai ter na Biblioteca Pública Luiz Bessa uma super-aula sobre “Jane Austen – Vida e Obra”, com uma palestra da profa. Adriana Sales Zardini, que além de professora de inglês da UFMG é especialista em Jane Austen pela Universidade de OXFORD e presidente da Sociedade Jane Austen do Brasil.
As vagas são limitadas e a entrada é franca, mas tem que se inscrever antes (dá pra fazer pelo e-mail mineiriana.sub@cultura.mg.gov.br) e no final será emitido um certificado de participação e tudo mais. Para mais informações, rápido porque é depois de amanhã, é só ir na Biblioteca, que fica na Praça da Liberdade, ou ligar para 3269-1209. A aula em si vai acontecer no anexo Professor Francisco Iglesias, na rua da Bahia, 1889, 2º andar.
Quem puder VAAAAI por mim e conta como foi depois!! Eu quero, tenho certeza de que será ótimo.

+ http://www.cultura.mg.gov.br/?task=interna&sec=4&cat=52&con=576&flh=577

Aula Jane Austen

Panelinhas

Em 13.06.2011   Arquivado em Escrevendo

– Outro dia passeando pela internet afora li, em algum lugar, a expessão “querer fazer parte da panelinha”, ou algo assim. Eu realmente não lembro onde foi, mas isso me levou a várias reflexões, lembrei de uns posts que rolaram no Flickr a uns tempos atrás e me pus a pensar em como a famosa “panela” virou uma espécie de tabu na vida da sociedade infanto-juvenil.

– Eu SEMPRE fui da turma dos “fracos e oprimidos” quando tava na escola. Acho que desde a quinta série, ou sei lá. Enquanto os outros andavam em panelinhas eu dizia que andava em “canequinhas”: grupos muito menores com os quais ninguém se importava. Eu não via nada de mais nisso, nunca quis ser conhecida pela escola inteira, mas também não fazia questão de evitar isso na vida: simplesmente acontecia de eu me relacionar mais com aquelas pessoas. E desde sempre, estando nesse meio, tinha um ou outro que queria que a sala de aula fossem um grupão de amizade, que todos se amassem e as panelas deixassem de existir. Mas sempre achei isso uma hipocrisia danada. Primeiro porque nós não estamos no Estados Unidos da América, não existem tribozinhos separadas dos atletas, dos nerds e etc, então não acontece de alguém querer mudar de estilo e sentar na mesa do lado e nem momentos High School Musical onde todos revelam ser mais do que são e saem cantando isso pela escola. E segundo porque o que as pessoas consideram panela eu costumo chamar de amizade. Porque se você gosta de alguém, se identifica com alguém, ótimo, fiquem amigos e andem juntos. Sem contar que isso é sempre mutável: vão chegando pessoas novas, você vai se aproximando de pessoas “velhas” e aí novas amizades, digo, panelas vão surgindo.
O legal é que pode ser uma panela, mas uma panela com a “tampa” normal, e não uma panela de pressão, são coisas diferentes! Não acho certo grupos oprimindo os que são diferentes (posso dizer por mim mesma) e nem pessoas que se fecham pras outras simplesmente por não querer abrir espaço pra novas amizades. Mas é bom ter grandes amigos na vida, e é bom ter uma panela se é isso que ela vai significar pra você.

– Um exemplo bom que tenho disso é do único lugar onde não fui “fraca e oprimida” na vida: os Bonecontros de Belo Horizonte. Quando fui no primeiro já tava feliz em ter minha irmã e uma amiga já conhecidas para nunca ficar sozinha, mas logo de cara pessoas foram me conquistando, eu as conquistei e isso gerou o que hoje chamamos de @centoeoito: três pessoas que me fazem feliz em todos os momentos e que muita gente vê como uma panelinha formada ali. Mas a gente gosta de estar uma com a outra, somos amigas, oras, por que não levar isso adiante?? Só para não parecer estar “excluindo” os outros?? Ninguém tá excluindo ninguém, ninguém tá se excluindo, a gente tá simplesmente vivendo em sociedade, simples assim. Não quer dizer que não gostamos de outras pessoas, que não conversamos com outras pessoas, só é mais forte.

– Não precisamos ser queridos por todos, principalmente se com isso não somos muito queridos por alguns. Eu confesso que já passei muito tempo da minha vida querendo que algumas pessoas valorizassem mais minha presença na vida delas, mas se essas pessoas precisam da aprovação mundial, e se assim temos que acabar com a panela, comigo não funciona. Eu não me fecho para ninguém, mas gosto de ter com quem contar, quem abraçar e, principalmente, ter alguém querido pelos lugares onde eu passei, tornando especial cada uma das minhas queridas canequinhas!!


WE HEART IT

Página 1 de 212