Mudando Valores

Em 27.09.2016   Arquivado em Vídeos

Outro dia caiu de paraquedas na minha timeline do Facebook a foto de uma propaganda do colégio onde estudei por três anos e a chamada era “O mundo muda. Nossos valores, não”. Abaixo vinha o texto de um rapaz concordando completamente com essa afirmação e mais: mostrando o quanto isso é ruim. Enquanto eu lia sobre os horrores que ele passou lá dentro foi surgindo na minha cabeça os momentos que eu mesma tinha vivido em outra época e em outra unidade, muito mais leves mas ainda assim tão dolorosos de se lembrar quanto. Decidi então compartilhar aquilo e ao mesmo tempo que algumas pessoas concordaram comigo e contaram suas próprias histórias em locais diferentes, outras vieram discordar e ficaram ofendidas em ver o local onde viveram anos escolares tão felizes sendo difamados assim. E eu entendo um pouco o lado delas, mas ao mesmo tempo me fez pensar que não importa o quão maravilhoso tenha sido para uns, não podemos NUNCA deixar de levar em consideração o quão ruim foi para outros.

Valores e opiniões todos nós temos. Alguns são fortes, praticamente a essência do que somos, outros apenas pequenas características que complementam nosso ser. Cabe a cada um de nós saber expressá-los da melhor forma possível e PRINCIPALMENTE abrir cada vez mais nossa mente para que valores melhores venham e nos tornem melhores também. As pessoas podem ser incríveis, mas ninguém é tão incrível que não possa ser aprimorado cada vez mais, esse tipo de mudança é constante e sem limites!

Lookbook: See you on the Dark Side of the Moon

Em 24.09.2016   Arquivado em Moda

Eu fico impressionada como **CERTAS PESSOAS** se esforçam pra manter a pose de gótica suave nesse vida, minha gente, porque esse calor… NÉ BRINQUEDO, NÃO! Mas mesmo assim a gente ama/é roupa preta, roupa preta emagrece, preto é lindo e vale a pena sofrer em nome disso de vez em quando. Ainda mais de tratando dessa “brusinha” que eu AMO! Ela é de uma marca carioca chamada Miallegra que quanto mais você vai conhecendo, mais coisas quer, de muito bom gosto mesmo, rolam até um sapatos para quem tem os pés sensíveis (oi! eu!) super bonitinhos. Fui entrar no blog deles e decidi manter distância na próxima vez que for ao Rio pra não cair em tentação…

Descrição das peças no Lookbook!

Uma das foto saiu desfocada? Saiu! Eu usei mesmo assim porque achei que ficou bonita? Usei! Quem nunca, não é mesmo? No mais o batom da vez é o meu amado, idolatrado, salve-salve Mrs. Mia Wallace da Urban Decay que sempre me faz questionar se vai existir vida após sua existência quando acabar…

Do outro lado de Liverpool

Em 21.09.2016   Arquivado em Escrevendo

Aí pedem pra falar sobre uma cidade que eu queria muito conhecer e a lista gigantesca começa a se formar na cabeça: Orlando da Disney, Londres da J.K., Paris de Notre Dame, Atenas da democracia, Ottawa da pós graduação que não rolou, um Brasil inteiro de amigos “virtuais” pra me receber e por aí vai… E no meio da indecisão saía do iPod o som daqueles quatro meninos que ganharam o mundo, que foram mania e fizeram do seu lar um dos berços do rock n’ roll, então só o que eu consegui pensar foi em falar sobre ela, sobre a Liverpool dos Beatles!

Esse é lado que mais conhecemos de Liverpool, a cidade natal de Paul, George, Ringo e John. Foi ali, no The Cavern Club, que o “The Quarrymen” começou a tocar na sua formação original antes do Ringo, antes até da junção de “beat” (batidas) e “beetle” (besouro) se tornar uma nova palavra de nível global. Não existe clube mais famoso no planeta, após sua demolição na década de 70 a comoção foi tanta que o lugar foi reconstruindo, tijolo-original por tijolo-original, exatamente como era antes, sendo o ponto final do famoso “Magical Mystery Tour”: um ônibus de turismo que te leva por todos os pontos principais que marcaram a história do Fab Four. Você passa pela casa onde cada um dos meninos cresceu, por “Strawberry Fields”, o orfanato que John costumada frequentar para ver as meninas que ali moravam e por Penny Lane, uma rua que teve que evitar placas com seu nome para que os fãs parassem de roubar e usar de souvenir. E, ei, quer se hospedar com estilo? Lá você encontra um hotel inteiro dedicado a eles! Que tal um programa cultural? Tem “The Beatles Story Museum” também. Isso sem contar as lojinhas temáticas, tantas que até quem nunca visitou consegue imaginar. Poderia ser uma cidade comum, e aquelas seriam uma igreja comum e escolas comuns, mas que fazem história nos corações dos fãs de seus antigos frequentadores ilustres. Um conjunto que causa choro e arrepio só de imaginar, que dirá pra quem vive ao vivo.

Liverpool

Mas um outro lado de Liverpool (“the other side, the other side…”) é o que ela sempre foi, o que sempre será e o que sempre seria, independente de quem vem dali, fundada no século XIII e uma das maiores da Inglaterra. Cidade portuária de onde o Titanic saiu para, infelizmente, nunca mais voltar. Cidade industrial se recuperando cada vez mais do declínio que sofreu com a Segunda Guerra Mundial. Cidade universitária com campi que existem desde mil oitocentos e tantos. Cidade esportiva que contém um dos clássicos mais clássicos da história do futebol. Lá o custo de vida é relativamente baixo e o sotaque forte, o clima temperado que quase derrete e quase congela, mas sem ser pra valer, e chove o dia inteiro. Pubs e parques, museus e galerias, docas e cruzeiros, catedrais e mais do que tudo a vida real… Por enquanto fico aqui no desejo, mas quem sabe a gente não transforma isso em realidade um dia. “In my life I love you more”, eles disseram, teria como a gente não amar também?

Fontes: (acesso entre os dias 17 e 20 de setembro de 2016)
Liverpool via Wikipedia;
Liverpool: a cidade dos Beatles via Guia Viajar;
Liverpool, a cidade dos Beatles, na Inglaterra/ via Vida Cigana;
Destino: Liverpool, Inglaterra. A cidade dos Beatles! via Blog da Cultura Ingles Ceará;
Liverpool além dos Beatles via Viagem Lado B;
Muito além dos Beatles: saiba o que Liverpool tem a oferecer a estudantes via Estudar Fora.

Desafio Surpresa United Girls

Links da Semana #05

Em 18.09.2016   Arquivado em Blog

Vamos compartilhar amor e alegria com linkezinhos lindos cheios de coisas bacanas para tirar algo legal e aplicar na nossa vida? VA-MOS! Pois é, gostei tanto dessa “novidade” que o BEDA me trouxe que quem sabe, veremos, eu dê um jeito de continuar com eles pelo menos mensalmente… Enquanto não me decido ‘bora lendo o que rolou de gostosinho entre 11 e 17 de setembro!

Links da Semana

Anormal ou Incomum?, por Sai da Minha Lente: O que é ou não “normal”? Até que ponto uma pessoa pode ser diferente do esperado para não ser julgada fora disso? E por que ela DEVE ser julgada, no fim das contas, quem determina essa regra? O Diego discorreu sobre isso no início da semana e foi ótimo ler, porque a uns (poucos) meses atrás eu me vi numa situação em que analisei bastante sobre esse assunto, então um pensamento emendou no outro!

H&M e a representatividade, por Think VM: A Beatriz postou mostrando (e comentando) sobre a campanha de inverno INCRÍVEL da H&M em que participam modelos que, de alguma ou várias formas, fogem do padrão que estamos acostumados a ver nessas situações. Cada vez mais marcas fazem esse tipo de coisa e é sempre uma delícia, né? Eu amo!

Opinião: All I Really want ou deixa minha RBF em paz, por All Mine: Esse da Deborah foi meu grande favorito da semana! Gostei tanto, tanto, tanto que vou deixar vocês descobrirem sozinhos do que se trata entrando lá, mas me identifiquei muito em alguns pontos (e tenho certeza que muita gente vai se identificar também)!

Jout Jout, Clarice e o feminismo branco, por Geledés: Eu gosto MUITO de ler e ouvir gente falando sobre o feminismo negro porque é um assunto sobre o qual eu só vou aprender através dos outros, já que não se aplica a mim, e ao mesmo tempo QUERO saber mais porque acho que o conhecimento nos ajuda a criar empatia pelos outros. Eu vi meu Facebook explodindo de amor e ódio por causa desse texto do Geledés e EU, LULY, SINCERAMENTE não vejo razão para o ódio porque concordo com o que foi dito ali e acho que lendo direitinho e se colocando no lugar dos outros é possível ver que o objetivo é ressaltar o que todos já sabemos: a necessidade da representatividade!

10 coisas que as maquiagens te diriam se fossem sinceras, por Buzzfeed: E pra fechar descontraidamente depois de um tanto de assunto sério vamos ver nossos itens de maquiagem favoritos sendo sincerões na nossa cara, hahaha! Achei simplesmente genial, o iluminador e a blender foram meus favoritos!

As Barbies de vinil Funko Rock Candy

Em 15.09.2016   Arquivado em Dolls

Que a Funko tem que objetivo de vida falir todos os colecionadores da Terra a gente já sabe, né, porque a linha Pop! deles consegue despertar desejo em todo o tipo de pessoa, eles têm representações personagens de livros, filmes, desenhos, séries, gente “real”, edições especiais, só falta um serviço de “crie você mesmo” pra conseguir chegar num nível de dominação mundial acima do esperado. E agora eles resolverem unir forças com a boneca mais famosa de todos os tempos dentro da linha Rock Candy, que já tem toys LINDOS das heroínas e vilãs da DC Comics, e lançaram as Barbies de vinil no mesmo estilo.

As bonecas de vinil “Rock Candy” da Funko são figuras de 5 polegadas estilizadas com alguns rostos muito reconhecíveis! Na nova série “Barbie”, oito bonecas diferentes comemoram mais de 55 anos do brilho da Barbie. É uma nova rodada brincalhona de alguns dos momentos mais memoráveis da boneca. Colecione todas! (traduzido do site)

Rock Candy
Imagens do site oficial da Funko.

Elas são muito esquisifofas! No total são oito bonecas de aproximadamente 12 centímetros que representam Barbies marcantes lançadas ao longos das décadas: Swimsuit 1959 (acima), Astronaut 1965, Hippie 1971, Surgeon 1973, Superstar 1977, Afro 1980 (abaixo), Gym 1984 (abaixo) e Rocker 1986. Como vocês podem ver a última é de trinta anos atrás, ou seja, ainda dá pra expandir e MUITO essa linha. O que achei mais legal é que elas respeitam as características iconográficas de cada representação, mas não seguem aquele padrão “altona magricela” que nós estamos acostumados, é realmente uma versão fofinha e até mesmo mais gordinha, com os olhões e cabeção (ainda que levemente proporcional) que é característica da Funko, conseguiram equilibrar o estilo das duas empresas super bem. Sério, tô apaixonada! A primeira Barbie de 59, com o maiô preto e branco clássico, ficou absolutamente MARAVILHOSA, espero realmente que venham outras porque tem tudo para bombar, se eu pudesse tinha todas!

Rock Candy

No Barbie Collection elas já estão sendo vendidas por U$9,99 e frete grátis (nos EUA) para comemorar o lançamento, então imagino que em breve a galera que importa esse tipo de coisa já tenha disponível também. Nesse caso eu arrisco dizer que pode ser que a gente encontre até em lojas de brinquedo maiores, por se tratar de bonecas representando bonecas, mas temos que esperar pra ver a facada que isso vai sair… Além disso a linha da Barbie pra Funko tem também um set daqueles de blind box, que você compra a caixinha fechada e só descobre o que tem dentro depois, com mini bonequinhas, dá pra ver ele e as novas Rock Candy no site oficial! Inclusive essa versão menorzinha tem todas grandes e umas “a mais”, o que reforça aquela minha esperança de que essas oito são só o começo, a ponta desse iceberg de sofrimento consumista.

Página 1 de 17912345... 179Próximo